Início > , Formação, Igreja, Jesus Cristo, Jubileu da Misericórdia, Opinião > JUBILEU DA MISERICÓRDIA | AO SERVIÇO DO HOMEM

JUBILEU DA MISERICÓRDIA | AO SERVIÇO DO HOMEM

humildade

A fé não é uma questão privada ou irrelevante no âmbito social e político. Apesar de se aceitar a distinção entre realidades terrenas e espirituais, não se aceita a sua separação. Isto porque, apesar de cada dimensão da realidade ter algo de próprio, tudo deve ser orientado para objectivos que defendam e promovam a dignidade e vocação do homem, plenamente revelada pela Palavra de Deus.

O Reino de Deus, não sendo deste mundo, opera nele. Sabemos que a salvação se realiza plenamente na eternidade, mas começa na história e manifesta-se aqui e agora, sobretudo quando a realidade se vê restituída de autenticidade e beleza.

A Igreja tem consciência da sua missão e esforça-se por levar a todos uma mensagem que também é importante para a organização da sociedade. “Quando cumpre a sua missão de anunciar o Evangelho, a Igreja atesta ao homem, em nome de Cristo, a sua dignidade própria e a sua vocação à comunhão das pessoas e ensina-lhe as exigências da justiça e da paz, conformes à sabedoria divina (CIC – Catecismo da Igreja Católica – n.º 2419).

No respeito pela liberdade de cada um e da autonomia dos poderes instituídos, longe da confessionalidade do Estado (laicidade), a Igreja “emite um juízo moral em matéria económica e social, quando os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas o exigem” (CIC 2420; GS 76). Porque a Igreja também se preocupa com os aspectos temporais do bem comum e esforça-se por “inspirar as atitudes justas, no que respeita aos bens terrenos e nas relações socioeconómicas.

Como aqui referido na semana passada, o ensinamento da Igreja é fruto da interpretação eclesial dos acontecimentos aparecidos no decurso da história “à luz do conjunto da Palavra revelada por Cristo Jesus, com a assistência do Espírito Santo” (CIC 2422).

Assim, “a DSI propõe princípios de reflexão, salienta critérios de julgamento e fornece orientações para a acção” (CIC 2423). Por exemplo, a Igreja condena qualquer sistema que seja “inteiramente determinado pelos factores económicos”, porque é “contrário à natureza da pessoa humana” (CIC 2423). Tal como se manifesta contrária diante de uma teoria que “faz do lucro a regra exclusiva e o fim último da actividade económica” ou condenando qualquer sistema que possa “sacrificar os direitos fundamentais das pessoas e dos grupos à organização colectiva da produção” (CIC 2424; GS 65). E é por isso que, no seu ensinamento, “a Igreja rejeitou as ideologias totalitárias e ateias”, “recusou, na prática do ‘capitalismo’, o individualismo e o primado absoluto da lei do mercado sobre o trabalho humano” (CIC 2425).

A Igreja é, algumas vezes, notícia por causa das fraquezas de alguns dos seus membros, mas a verdade é que, em questões sociais, o mundo muito pode aprender com o seu ensinamento. Bastará, para isso, ultrapassar alguns preconceitos ou retirar os “óculos ideológicos” que dificultam a visualização da verdade.

JD, in Voz de Lamego, ano 86/42, n.º 4378, 13 de setembro de 2016

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: