Arquivo

Archive for the ‘Formação’ Category

Encontro de Cuidadores – Cuidar com dignidade

No passado dia 29 de Setembro, tal como foi anunciado no artigo anterior foi promovido o Encontro de Cuidadores, intitulado por “Cuidar com Dignidade” no auditório do Centro Paroquial de Almacave, com início às 9h30. O Sr. Padre José Fernando, responsável pela Pastoral da Saúde da Diocese de Lamego e também promotor deste Encontro, fez a respetiva apresentação dos oradores. O Sr. Bispo D. António Couto fez uma breve nota introdutória ao tema e ainda parabenizou o Centro Social Filhas de São Camilo pelos 25 anos de existência na Diocese de Lamego, pela assistência humana realizada aos utentes da mesma, sempre com o espírito de São Camilo.

O encontro contou como moderador o Sr. Doutor António Jácomo, sacerdote da Diocese de Viana do Castelo, Doutorado em Filosofia e Letras, investigador do Instituto de Bioética da Universidade Católica Portuguesa, o mesmo fez o enquadramento geral dos temas a tratar no encontro, expondo vários conceitos ligados ao cuidar do sofrimento com arte.

De seguida tomou a palavra a Doutora Eugénia Magalhães, Psicóloga e Presidente do Instituto de Estudos Avançados Catolicismo e Globalização, nomeando alguns conceitos e princípios do envelhecimento positivo. Envelhece-se logo quando se nasce, não se trata de uma doença, pois há idosos cheios de esperança e com vivência espiritual. A oradora alertou para o facto de que se deve ter sempre em conta a história de vida do idoso, bem como a importância de o cuidador amar, pois só dessa forma conseguirá ser um bom cuidador. Ler mais…

DESPORTO E FORMAÇÃO | Editorial Voz de Lamego | 19.06.2018

DESPORTO E FORMAÇÃO

Por estes dias, o futebol é motivo de reportagens e de conversa. Não tanto por causa do desmedido ego de alguns protagonistas, mas porque, de 14 de junho a 15 de julho, se realiza, na Rússia, mais um campeonato do mundo.

Para a Igreja, o desporto é um meio que favorece o crescimento integral da pessoa, ao mesmo tempo que pode servir a paz e a fraternidade entre os povos. Na última audiência geral, dia 13, o Papa saudou os intervenientes da competição e todos os que seguem o acontecimento à distância, desejando que seja uma ocasião de encontro, de diálogo e de fraternidade entre diferentes culturas e religiões, favorecendo a solidariedade e a paz entre as nações”.

“Dar o melhor de si” é o título de um documento do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, publicado no primeiro dia deste mês, no qual se condensa o pensamento eclesial sobre o desporto e se faz a analogia entre o esforço da competição e o compromisso da vida cristã. O desporto forma as pessoas, na condição de que seja “autêntico, humano e justo”.

A prática desportiva é salutar e deve incutir e cultivar valores e princípios que favoreçam o crescimento integral dos seus praticantes, que devem crescer com a convicção de que, na vida como no desporto, “não vale tudo” e que todos têm valor.

É verdade que a prática de alguns desportos é agendada para horários que colidem com momentos de formação e de celebração das nossas paróquias, originando desencontros, aumentando o número dos “não praticantes” e contribuindo para enfraquecer a pertença e a caminhada em comunidade.

Como recorda o livro bíblico, há tempo para tudo. Mas é preciso discernir e articular os diferentes momentos quando se deseja uma formação integral e integradora.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/29, n.º 4466, 19 de junho de 2018

Profissão da Fé na Paróquia da Sé

Apesar do tempo tristonho e chuvoso, nada alterou a alegria e o entusiasmo com que os paroquianos encheram a catedral este domingo para a celebração das dez horas.

Jovens, familiares e restantes elementos da comunidade paroquial preparavam-se para celebrar a Profissão de Fé dos jovens do 6.º ano.

Com um percurso catequético e uma maturidade que já lhes permite optar com liberdade e conhecimento, os jovens decidiram fazer diante de Deus e da comunidade reunida na Eucaristia a renovação única e pessoal das promessas por eles feitas por seus pais e padrinhos por ocasião do seu Batismo; a vela que nessa altura representou a Luz de Cristo foi agora novamente acesa com a ajuda de alguns Pais, símbolo do Amor que nos une a Deus, e no qual estes jovens querem continuar a sua caminhada; o Credo foi rezado com especial fervor, após o que invocamos o Espírito Santo para que nunca deixe de os guiar, e Nossa Senhora para que os ampare sempre com o seu amor de Mãe.

Terminada a Catequese da Infância, seguem agora o seu percurso com a Catequese da Adolescência, onde esperamos que continuem a “dar bons frutos” e a ser elementos válidos e bem formados da comunidade cristã.

IM, in Voz de Lamego, ano 88/28, n.º 4465, 12 de junho de 2018

Conheces Jesus? – Retiro de Páscoa GJS 2018

Que temos a dizer sobre a Páscoa, além de que este ano calhará no Dia das Mentiras? Retirando as piadas, o cabrito e o chocolate, fica-nos o fulcral: a Ressurreição de Cristo. De facto, chegando esta época chega também nova oportunidade de reflexão sobre Jesus, o que fez por nós, e a relação que com Ele temos. Com o objectivo de tirar partido dessa oportunidade, realizou-se neste fim-de-semana de 17/18 o Retiro de Páscoa anual do GJS, hospedado no Seminário Maior de Lamego. Partilhamo-lo agora – sucintamente – neste curto artigo.

A manhã de Sábado iniciou-se, após devida acomodação dos jovens (era suposto uma pessoa por quarto… pois…) com dois jogos didácticos conhecidos de todos e qualquer um: “Quem é Quem” e um quizz. Oi? Num Retiro? Acontece que o “didáctico” se encontra ali por um motivo. Os jogos tiveram como tema a vida pública de Jesus, servindo de ponto de partida para se aprofundar o conhecimento sobre o que a Bíblia nos indica, e mesmo o que é alegado por alguns teólogos. Ademais, que maneira mais eficaz de memorizar algo do que com um “Não acredito que errei esta!”?

Há razão, contudo, em considerar que a reflexão e a oração não deixam nunca de ser o cerne, no que a esta actividade diz respeito: e ambas fizeram-se presentes durante a tarde de Sábado. Partindo do texto bíblico, e divididos em grupos menores, foi dado tempo de reflectir as palavras do Pai Nosso e seu significado, assim como no que consiste Perdoar. As partilhas que se seguiram revelaram diferentes perspectivas que acabaram por se aproximar no essencial, mas que, acima de tudo, demonstraram a seriedade com que o momento foi tratado. Foram, também, o mote para a Via-Sacra: narrada, rezada, reflectida e cantada. O Seu último dia.

Após o jantar, seguiu-se a “sessão de cinema” já habitual, tendo recaído a escolha deste ano em Somos Todos Iguais (Same Kind of Difference as Me), cuja trama despoleta questões sobre o perdão, a caridade, a confiança, a persistência e novas oportunidades… E a revolta que é por vezes sentir-se uma injustiça que não se consegue controlar.

E apenas agora, com o intervalo de uma noite sem percalços (ninguém se atreveu a desafiar o Poderoso Vigia), chegamos a Domingo. Em seguimento do dia anterior, tornou-se altura de reflectir sobre o “e agora?” que segue a morte de Jesus. Que pediu Cristo a quem o seguia, insistente, ainda antes do seu calvário? Que pediu quando retornou? Ide, e fazei discípulos. Mas que significa isto? Que diferença é este entre apóstolos e discípulos? Quando deixamos “apenas” de seguir para também divulgar?

E, por fim, qual a importância que deve a Eucaristia ter na nossa vida, atendo a que nossa Fé se apoia em comunidade? Como considerar o dever versus o querer? Reforçando esta última reflexão, cada grupo responsabilizou-se por um momento eucarístico da celebração que encerrou o Retiro. Os resultados tornaram a Eucaristia num momento único e íntimo, onde tanto a introspecção quanto a ligação com o outro se fizeram sentir.

Chegaram assim ao fim dois dias marcados pela diferença da rotina, onde a chama pôde ser reavivada, e a Páscoa encarada com nova consciência.

Inês Montenegro

GJS

in Voz de Lamego, ano 88/16, n.º 4453, 20 de março de 2018

Paróquia da Mêda – “Fazer-se ao próximo”

O Papa Francisco, na sua mensagem do passado dia 11 de fevereiro – Dia Mundial do Doente, dirigiu “um pensamento especial aos doentes que, em todas as partes do mundo, para além da falta de saúde, sofrem muitas vezes com a solidão e a marginalização”.

Foi neste contexto, que a convite do Sr. Pe. Basílio Firmino, o Pe. José António – Capelão dos Hospitais da Universidade de Coimbra e Assistente Espiritual de doentes e famílias que por ali passam, (há já 17 anos), nos conferenciou situações e formas como lidar com o doente e nos tornarmos mais próximos dele. Esta conferência, enquadrada nas chamadas “Escolas da Fé” da nossa paróquia de Meda, teve lugar no Salão Polivalente do Patronato, no passado dia 11 de fevereiro, e teve como principal objetivo salientar o papel do visitador na vida do doente. O pároco desta comunidade, Sr. Pe. Basílio, no início do ano pastoral, e tendo presente o lema do plano da nossa diocese “vai e faz tu do mesmo modo”, informou a comunidade que ao longo deste ano pastoral iria ter em consideração a vivência da caridade em três camadas: as crianças e adolescentes da catequese e suas famílias com a celebração do Dia Mundial da Família e preparação das festas da catequese no mês de Maio; os jovens com a Missão País e a Páscoa jovem em que cerca de 80 jovens virão testemunhar a sua vivência cristã junto dos nossos jovens; e finalmente os doentes com a criação do grupo dos visitadores dos doentes e esta conferência debruçada sobre o tema do cuidado a ter com os doentes. Ler mais…

ESCOLHER CUIDAR | Editorial Voz de Lamego | 23 de janeiro de 2018

ESCOLHER CUIDAR

No primeiro dia das recentes Jornadas de Formação do Clero, esteve entre nós um jovem padre dehoniano que, entre outras coisas, falou da importância e urgência de saber cuidar, bem como da arte do cuidador.

E foi no decorrer do encontros que desafiou os presentes a elaborarem, individualmente e em cinco minutos, uma lista com dez realidades que não gostariam de perder. Sem muito tempo para pensar ou justificar, quase por impulso, cada um lá escreveu o que quis. E todos sabiam que a lista não era para partilhar, o que favorecia a espontaneidade.

Depois, com a mesma simplicidade e rapidez, todos foram desafiados a “libertarem-na” de duas realidades, reduzindo-a a oito. E não foi fácil, pois todas haviam merecido o título de “importantes”. Mas o esforço aumentou: optar e riscar… No fim, apenas poderia ficar uma realidade!

A tarefa é fácil de enunciar, mas, quando feita com seriedade, exige esforço, já que obriga a discernir e a optar. No meio de tanto que nos é caro, é interpelante e desafiador elaborar uma lista com algumas realidades que não gostaríamos de perder. E o desafio aumenta quando exige desprendimento para ir deixando para trás o que se julgava fundamental.

No final, talvez o exercício, aparentemente infantil, surpreenda pelo que restou e ajude a concluir que nem sempre a atenção e o esforço são devidamente investidos ou que há confusão entre o essencial e o acessório…

Talvez a escolhas finais de cada um, de cada família, de cada grupo, de cada comunidade sirvam para hierarquizar prioridades e tarefas no meio de tanto que há para fazer; talvez motivem mudanças e ajudem escolher meios e modos para cuidar do que, realmente, é importante e não gostaríamos de perder.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/08, n.º 4445, 23 de janeiro de 2018

Almacave Jovem – “As Pressões que enfermam os jovens de hoje”

No passado dia 12 de janeiro de 2018, pelas 21h30, teve lugar no Centro Paroquial de Almacave uma conferência/debate intitulada “Pressão na vida dos Jovens, na escola e no trabalho”, no âmbito da Campanha Nacional que tem vindo a ser promovida pela Juventude Operária Católica e cujo tema deu nome a este debate e que se enquadra no lema do nosso Plano Pastoral. O encontro foi dinamizado por dois jovens orientadores membros da JOC.

Esta reflexão pretende alertar para uma realidade que ainda tende a ser muito menosprezada pela sociedade: a pressão que é exercida sobre os jovens quer em ambiente familiar, estudantil quer profissional. Um outro objetivo é consciencializar que todos nós, Jovens ou menos jovens, temos um papel importante no combate e prevenção deste problema.

Numa primeira fase, os dinamizadores apresentaram-nos o seu método de ação perante este tipo de situações que consiste em três etapas fundamentais: o VER (analisar o problema), o JULGAR e o AGIR (para transformar). De seguida, todos os presentes foram convidados a partilhar uma experiência (pessoal ou não) que retratasse uma situação de pressão ou de sintomas de pressão. Ler mais…