Archive

Archive for Novembro, 2014

Nota de agradecimento > Renúncia Quaresmal 2014 > Sudão do Sul

9850ec_8641fb2241ad27eec45a928f1007cfd9

A nossa diocese partilhou parte da sua última renúncia quaresmal em favor de comunidades mais necessitadas do Sudão do Sul onde vivem a sua missão alguns Missionários Combonianos.

Agradecendo a oferta, o Ecónomo Provincial de Juba, enviou uma mensagem a todos os diocesanos, na pessoa do nosso bispo, D. António Couto, que  agora divulgamos.

“Olá Dom António Couto,

Saudações de paz desde Juba.

Este é para confirmar-lhe que a Procuradoria dos Missionários Combonianos em Juba recebeu a quantia de 8.000.00 Euros (Oito Mil Euros) referentes à Oferta Quaresmal da Diocese de Lamego para os mais necessitados do Sudão do Sul. Sentimo-nos imensamente agradecidos pela vossa generosidade e partilha.

Com estima.

D. Raimundo Rocha, mccj

Pelo Ecónomo Provincial de Juba”

in VOZ DE LAMEGO, n.º 4290, ano 84/52, de 25 de novembro de 2014

DIA DE FESTA NA NOSSA DIOCESE | Dia da Catedral

dia da catedral-formação

No domingo a seguir ao dia 20 de novembro, dia da Dedicação da igreja-mãe da diocese, Lamego celebra festivamente o Dia da Catedral. Uma oportunidade para visualizarmos a unidade de todos os diocesanos, realidade importante, necessária e sempre a edificar-se. Durante a manhã concretizou-se um encontro para membros dos Conselhos Económicos Paroquiais, no Seminário Maior, e à tarde, na Sé, a Eucaristia presidida pelo nosso bispo que ordenou dois Diáconos.

Cristo Rei

A festa de Cristo Rei do Universo foi introduzida por Pio XI no calendário litúrgico em 1925, tendo em vista motivar os baptizados para a importância da militância cristã, tornando a Igreja mais dinâmica, atenta e activa através de cristãos dispostos e disponíveis para o testemunho. Recorde-se que, na mesma linha, este Papa havia já fundado a Acção católica, em 1922, que tão belos frutos deu à Igreja e ao mundo desde então. E a acção deste Papa atento à importância do testemunho também abrangeu a Igreja portuguesa, quando motivou o aparecimento da Sociedade Missionária do nosso país com a missão de levar o Evangelho às então províncias ultramarinas, em 1929, e que hoje conhecemos como Missionários da Boa Nova, família religiosa a que pertence D. António Couto.

Estas foram algumas das palavras que o nosso bispo dirigiu aos membros dos Conselhos Económicos Paroquiais (CEP) presentes no Seminário maior, ao fim da manhã do último domingo, com quem almoçou depois.

A festa de Cristo Rei, após a última reforma litúrgica, foi fixada no último domingo do ano litúrgico. Por coincidência, entre nós, tal data fica também marcada pelo aniversário da nossa catedral, o que motivou à vivência, nesta data, do Dia da Igreja diocesana, com encontros de formação e um Pontifical, à tarde, na Sé. Ultimamente, também se fixou este dia para a ordenação diaconal.

dia da catedral-formação1

Tempo de formação

No ano passado tinham sido convidados os membros dos Conselhos Pastorais; este ano foi a vez dos Conselhos Económicos. Colaboradores próximos dos nossos párocos, juntamente com outros responsáveis, grupos e movimentos, passa por estes fiéis grande parte da vida cristã das nossas comunidades paroquiais, tudo quanto ali se vive e faz.

Conscientes desta colaboração que se quer, cada vez mais, profícua e evangelizadora, os responsáveis diocesanos decidiram proporcionar-lhes estes encontros de formação que, embora limitados, podem contribuir para um melhor desempenho da sua missão.

O salão grande do Seminário acolheu os participantes, cerca de uma centena e meia, que vieram de muitas paróquias da diocese, algumas geograficamente bem distantes, o que demonstra a oportunidade do encontro e o interesse de todos em saber mais para fazer melhor. Certamente que os primeiros a motivarem tal participação foram os seus párocos.

Ler mais…

Comunicado do Conselho de Presbíteros

NAN_0633

Reuniu na passada sexta-feira, dia vinte e um de novembro, o Conselho de presbíteros da Diocese de Lamego. Os trabalhos tiveram lugar na Casa de São José sob a presidência do nosso Bispo, Senhor D. António José da Rocha Couto.

Os trabalhos iniciaram-se com a Oração da Hora Intermédia e na sequência desta, o Senhor Bispo exortou todos os Sacerdotes presentes a viverem com mesma alegria e no mesmo júbilo que nos convidava o Profeta Sofonias.

De acordo com a agenda de trabalhos, os Sacerdotes reflectiram sobre o início do Ano Pastoral, mais concretamente sobre a apresentação à Diocese do Programa do Ano Pastoral e as dinâmicas para a sua implementação. Ainda durante a manhã, foi tema de reflexão as Visitas Pastorais do Senhor Bispo às Paróquias “Como caminho de renovação pastoral da Diocese”.

Ao início da tarde, e em trabalho de grupos, os sacerdotes reflectiram sobre dois pontos: a Assembleia do Clero e Estatutos para os Conselhos Pastorais Paroquiais e Conselhos Económicos.

A próxima reunião ficou marcada para o dia 12 de Junho de 2015.

 

O Secretariado Permanente do CPL, in VOZ DE LAMEGO, n.º 4290, ano 84/52, de 25 de novembro de 2014

ELEITO E ELITE | Editorial Voz de Lamego | 25 de dezembro

voz_lamego_25_novembro_2014

Com a solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo, chegou o DIA da IGREJA CATEDRAL, que este ano contou com a ordenação do Fabrício Pinheiro e do Valentim Fonseca. Como não poderia deixar de ser, a edição da Voz de Lamego desta semana dedica especial atenção a esta jornada do Dia da Igreja Catedral, nos vários momentos de encontro, formação, celebração, festa.

No Editorial, o Diretor, Pe. Joaquim Dionísio, salienta as Ordenações Diaconais, que dão seguimento à vocação batismal:

ELEITO E ELITE 

No passado domingo, em ambiente de festa e de acção de graças, a nossa diocese testemunhou a livre decisão de dois jovens que, chamados por Deus através da Igreja, D. António Couto ordenou de Diáconos. E alegramo-nos já com a perspectiva da sua ordenação sacerdotal, no próximo verão.

O baptizado que recebe o sacramento da Ordem (diácono, sacerdote, bispo) é apresentado como “ministro”, traduzindo-se este termo por “servidor”; à missão que assume e cumpre chamamos “ministério”, sinónimo de “serviço”.

Assim, falar de “ministro ordenado” é referir aquele que, pelo sacramento da Ordem, recebeu e assumiu a missão de servir o Povo de Deus. Muito longe, portanto, da concepção de tal ministério em termos de poder. Porque na Igreja de Cristo há apenas o “poder de servir”.

Ser ordenado pressupõe um chamamento, exige uma resposta e é fruto de uma eleição. Deus chama através da Sua Igreja, mas ninguém avança sem uma livre decisão pessoal e sem a necessária escolha feita pela Igreja. Dito de outra forma, os ministros ordenados são previamente eleitos, escolhidos, não porque sejam imaculados, mas por causa da disponibilidade demonstrada e reconhecida capacidade para servir.

É verdade que, como seres livres e limitados, tais ministros podem falhar, ficar aquém do exemplo que se espera ou esquecerem o testemunho que se exige. Mas, em consciência, têm o dever de se esforçar por cumprir a missão para que foram chamados e ordenados.

Mas não são uma elite, no sentido habitual em que esta se compreende como uma minoria prestigiada e formada pelo que de melhor existe na sociedade, a fina flor ou nata que detém algum poder e influência. A tentação de confundir eleito com elite pode surgir, mas não é cristã.

in VOZ DE LAMEGO, n.º 4290, ano 84/52, de 25 de novembro de 2014

Homilia de D. António José da Rocha Couto no Dia da Igreja Catedral e Ordenação Diaconal

NAN_0679

DÍVIDA DE AMOR

Caríssimo Senhor D. Jacinto, meu irmão no episcopado,

Caríssimo Senhor Vigário geral,

Caríssimo Senhor Pró-Vigário Geral,

Caríssimo Senhor Reitor do Seminário,

Caríssimos Sacerdotes,

Caríssimos Eleitos para o Diaconado,

Caríssimos Seminaristas,

Caríssimos Irmãos e Irmãs

  1. Ainda agora comecei a homilia, mas, se estivestes atentos, já deveis estar espantados com esta ladainha de “caríssimos”. Já lá vamos. A nossa Diocese de Lamego vive hoje um excesso de celebrações, um excesso de celebração, que começo por recordar: a) a Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo; b) o Dia desta Igreja Catedral; c) a ordenação de dois Diáconos, o Fabrício e o Valentim.
  1. Peço-vos a todos, caríssimos irmãos e irmãs, que estreitemos bem este nó celebrativo, para experimentarmos a alegria do Evangelho, traduzida no serviço humilde do amor que recebemos de Jesus Cristo, e que estamos sempre a dever uns aos outros. Dívida feliz que contraímos no dia do nosso Batismo, e que nunca chegaremos a pagar na totalidade. Pelo contrário, esta dívida de amor vai aumentando pela vida fora, conforme vamos conformando a nossa vida à forma de viver de Jesus Cristo. Na verdade, cada nova etapa da nossa vivência cristã aumenta a nossa dívida de amor. É assim (ou deve ser) na catequese, na profissão de Fé, no Sacramento do Crisma, no Matrimónio, mas também na Consagração Religiosa ou Secular, no Diaconado, Presbiterado, Episcopado. Sim, irmãos caríssimos, a nossa dívida de amor vai disparando sempre, de tal modo que nunca mais nos veremos livres dela. Estamos sempre em dívida de amor. O cristão verdadeiro tem de estar sempre endividado. E a ver esta dívida sempre a aumentar. E não pode declarar insolvência.
  1. O primeiro que olhou para nós, olhos nos olhos, e se endividou até aos ossos para comprar a nossa liberdade, foi Jesus Cristo, Senhor Nosso. São Paulo disse bem, na sua Primeira Carta ao Coríntios, que Ele nos comprou por alto preço (1 Coríntios 6,20; 7,23). Na verdade, teve de dar a sua vida toda por nós, para nos comprar. Somos, portanto, caríssimos, custamos um preço muito alto. O seu Reinado, que hoje celebramos juntamente com toda a Igreja, consiste nesta suprema atitude ou altitude do Amor que Jesus dedica a estes seus irmãos caríssimos.
  1. Passou, depois, como sabeis, caríssimos irmãos, esta dívida para nós, isto é, ensinou-nos a endividar-nos, gastando, como Ele, a vida toda por Amor. «Como Eu vos fiz, fazei vós também uns outros» (João 13,15). «Como Eu vos amei, amai-vos vós uns aos outros» (João 15,12 e 17). «Todas as vezes que fizestes isto (ou que o não fizestes) a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim que o fizestes (ou o deixastes de fazer)» (Mateus 25,40 e 45).
  1. Portanto, caríssimos irmãos, é preciso, precioso e urgente, que olhemos bem o rosto dos nossos irmãos e irmãs, que consideremos bem o altíssimo valor de cada um, e gastemos a nossa vida toda para os servir com a dignidade e a elevação, a Altura, que merecem. Só assim, seremos dignos súbditos deste Rei Novo e Manso.
  1. A presença entre nós, hoje, destes dois novos Diáconos ou Servidores do Evangelho da Alegria deve ajudar a avivar em nós a existência desta imensa dívida de Amor e de serviço humilde a todos e a cada um dos caríssimos irmãos e irmãs que Deus nos deu.
  1. E assim também, do coração ou do Altar ou do Ambão desta Igreja Catedral, cuja Dedicação hoje celebramos, podereis ver, caríssimos irmãos, que pode começar a surgir uma nascente de água viva. E vereis ainda que este fiozinho de água crescerá e alagará cada coração, cada rua, cada campo, cada casa, cada família, cada colina desta nossa Diocese de Lamego, fazendo brotar, por onde passa, vida nova em abundância. Sim, podeis beber e saciar-vos com esta água viva e salutar, fonte de saúde e de alegria. Não tem legionela. Tem amor. Abri todas portas a Jesus Cristo. Escancarai-as mesmo. Sem medo. O medo tolhe a nossa alegria. O medo rouba a nossa alegria. Fazei da Igreja de Lamego, caríssimos irmãos e irmãs, não uma cidade fortificada, mas uma cidade frutificada. Portanto, Ide e construí com mais amor a família de Deus. E que o Senhor Jesus Cristo reine sempre nos nossos corações. Ámen.

Lamego, 23 de Novembro, Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo,

Dia da Igreja Catedral e de Ordenações Diaconais.

+ António, vosso bispo e irmão

Festa da Dedicação da Igreja Catedral de Lamego

599024_499748426752872_1386084379_n

Em anos anteriores, na Solenidade de Cristo Rei do Universo, Lamego vivia o Dia da Igreja Diocesana, comemorando a dedicação da igreja catedral e assinalando a abertura do novo ano pastoral. Na mesma data, testemunhava, com alegria, a ordenação diaconal dos seminaristas que tinham concluído a sua formação. Este ano houve alterações: a abertura do novo ano pastoral teve lugar no último sábado de Setembro e o dia da família diocesana (festa) será no último sábado de Junho. Mas, neste dia de Cristo Rei, a diocese continua a celebrar o Dia da Igreja Catedral e a acolher os novos diáconos.

Um espaço

Tal como no-lo recorda o livro dos Atos dos Apóstolos, Deus “não habita em santuários construídos pela mão do homem” (Act 17, 24), mas nós precisamos de um espaço para as nossas celebrações litúrgicas. Por isso, à nossa volta, há imóveis construídos para o efeito, com interiores devidamente organizados para acolher a comunidade que se encontra como assembleia reunida para louvar Aquele que a todos convoca. As igrejas e capelas, maiores ou mais pequenas, sumptuosamente adornadas ou singelas… foram edificadas para serem espaço de encontro entre irmãos e com a divindade. Ali se escuta a Palavra, se celebra a Eucaristia e os demais sacramentos; ali se reza e se apresentam súplicas ao Pai…

Desde os primórdios do Cristianismo, que os fiéis se reúnem em assembleia (ecclesiæ) para celebrar a Eucaristia, ministrar os sacramentos e ouvir a pregação da Palavra de Deus. Nos primeiros tempos, os lugares de reunião eram habitualmente as próprias casas, onde utilizavam a sala mais espaçosa para esse fim. Alguns desses locais de culto são mencionados no Novo Testamento.

Nos Atos dos Apóstolos (20, 7-11), conta-se que São Paulo o fez num terceiro andar, adornado com muitas lâmpadas, onde se haviam reunido os fiéis, aos quais, depois de bem instruídos, distribuiu o Pão Eucarístico. Também é tradição certa que o Príncipe dos Apóstolos, São Pedro, se hospedava em Roma em casa do senador Pudente. Ali se congregavam os cristãos para ouvir suas instruções, assistir aos santos Mistérios e receber a Sagrada Eucaristia.

Com o tempo, as casas nas quais se reunia a assembleia passaram a ter espaços específicos reservados para o culto divino. E, a partir do fim do século II, esses prédios começam a ser chamados de “Domus Ecclesiæ”. Ao longo do século III, esses aposentos foram crescendo em importância e as outras partes do edifício, destinadas a finalidades profanas, vão sendo separadas dele. A “Domus Ecclesiæ” transforma-se em “Domus Dei”.

A catedral

A palavra “catedral” vem do grego “kátedra” e pode ser traduzida por “cadeira”. Embora pensemos de imediato no objecto que serve para sentar e repousar, falar desta “cadeira” é referir o lugar onde se senta aquele que ensina. O título de catedral concedido a uma igreja não lhe vem da sua grandeza ou antiguidade, mas do facto do bispo diocesano ter ali a sua “cadeira”, ou seja, a sua cátedra onde prega, ensina, preside, celebra…

A expressão “ecclesia cathedralis” é utilizada para designar a igreja que contém a cátedra oficial do bispo diocesano. Esta designação foi utilizada, pela primeira vez, nas actas do concílio de Tarragona, em 516. Outra designação utilizada era “ecclesia mater”, ou “igreja-mãe”. Também utilizamos a palavra “sé” para nos referirmos a este mesmo espaço, do latim “sedis” e se traduz por “cadeira”. Por isso, dizer “Sé Catedral” é uma redundância, já que as duas palavras significam a mesma coisa.

Nos primeiros séculos da Igreja, a cátedra foi objecto de veneração, o que levou a dedicar festas especiais para honrar algumas delas, como em Roma, por exemplo.

Em todas as dioceses do mundo, a catedral é lugar de referência da fé, um lugar sagrado onde os fiéis de uma igreja particular se reúnem para exprimir e proclamar a própria fé e a unidade em Cristo. A catedral é o centro eclesial e espiritual da diocese, o símbolo visível da unidade de toda a comunidade cristã, onde se reúnem todos os fiéis, sacerdotes, religiosos e religiosas de diferentes congregações, fiéis de todas as paróquias, de todas as comunidades, com diferentes sensibilidades, numa só assembleia visível, presidida e unificada pelo bispo que é garantia da comunhão e, por isso, garantia da autenticidade da fé e da vida cristã, a ligação real, histórica e mística com o Cristo histórico e com o Cristo ressuscitado e glorioso.

Consagração ao culto

Já a partir do século IV, a dedicação da “Domus Dei” (Casa de Deus) era considerada uma das festas mais solenes da Liturgia, a fim de ressaltar o carácter sagrado do edifício, que não poderia ser usado para fins profanos.

No ritual litúrgico da dedicação de uma igreja destacam-se quatro elementos essenciais: a aspersão com a água benta, a deposição das relíquias dos santos, a unção sagrada do altar e da igreja, a incensação, a iluminação e, por fim, o principal, a Celebração Eucarística.

Por ser o edifício visível um sinal peculiar da Igreja peregrina na terra e imagem da Igreja que habita nos céus, a Jerusalém Celeste, esses ritos manifestam simbolicamente algo das obras invisíveis que o Senhor realiza por meio dos divinos mistérios da Igreja, ou seja, o Batismo, a Confirmação e a Eucaristia.

Festa da Dedicação

Dedicação é o rito litúrgico solene, reservado em princípio ao bispo, pelo qual uma igreja ou um altar ficam consagrados e destinados ao culto divino. Quando, a partir do século IV, os cristãos passaram a construir as suas igrejas, foram-nas consagrando solenemente, com ritos e textos que se foram desenvolvendo, ao longo dos séculos.

Recomenda-se que as igrejas sejam sempre dedicadas, sobretudo, as catedrais e paroquiais. As outras devem ser, pelo menos, benzidas. O mais indicado é que a dedicação ou bênção seja feita pelo bispo da própria diocese.  O novo livro litúrgico, Ritual da Dedicação da Igreja e do Altar é o usado para estas celebrações cheias de simbolismo: a igreja/edifício é um símbolo expressivo da igreja/comunidade e também da «igreja» do Céu.

Ao longo do tempo foram surgindo também festas anuais, em recordação das dedicações mais significativas: a de Santa Maria Maior, em 5 de Agosto; a da Basílica de Latrão, em 9 de Novembro; e a de S. Pedro e S. Paulo, em 18 do mesmo mês.

Também é costume celebrar-se o aniversário da dedicação da própria igreja e, em cada diocese, da própria catedral, tal como fazemos em Lamego, no dia de Cristo Rei, domingo próximo da data da Dedicação (20 de Novembro).

in VOZ DE LAMEGO,  n.º 4289, ano 84/51, de 18 de novembro de 2014.

Ordenação Diaconal | Valentim Fonseca | Testemunho

10393890_319128128280358_4948415165412028352_n

“DEUS É O NOSSO REFÚGIO E A NOSSA FORÇA, AJUDA PERMANENTE NOS MOMENTOS DE ANGÚSTIA” (Sl 46, 2)

 

Eu, Valentim Manuel Moreira Fonseca, filho de Valentim da Fonseca e Arminda Rodrigues Moreira Fonseca nasci a 26 de Outubro de 1978, na Paróquia de Nossa Senhora das Candeias de Ferreiros de Avões. Cresci numa família numerosa sendo o mais novo de dez filhos, em que a família sempre se baseou em princípios cristãos. Os meus pais sempre viveram da agricultura e, fiz toda a formação na escola primária da minha freguesia, bem como o 6º ano na Telescola.

Terminada esta etapa ingressei na Escola Profissional de Lamego, onde concluí o 9º ano de escolaridade.

O ensino secundário foi feito na Escola D. Luís de Castro em Braga. Ingressei na Faculdade de Teologia em Braga onde fiz o Curso de Teologia, terminando-o no ano de 2006, no grau de licenciatura.

No ano 2007 iniciei o curso de Gestão Turística Cultural e Patrimonial, terminando-o em 2010, no grau de licenciatura.

De 2011 a 2013 estive como Coordenador das Famílias Kolping.

Em 2012 iniciei um acompanhamento de proximidade no Seminário Maior em Lamego, onde fiz estágio pastoral nas Paróquias de Mondim da Beira, Ucanha e Dalvares.

Em 2013 fiz o ano Pastoral no Seminário Maior de Lamego e estágio Pastoral na Paróquia de Ferreirim Lamego.

No ano de 2014/15 encontro-me a fazer estágio pastoral, na Paróquia de Nossa Senhora do Pranto de Vila Nova de Foz-Côa.

Por todo o meu percurso posso exclamar como o Salmista: “Deus é o nosso refúgio e a nossa fortaleza, ajuda permanente nos momentos de angústia” (Sl 46, 2), porque só Ele me dará a força para empreender este novo serviço em prol do Homem e da Igreja.

Com a ajuda de Deus, dos meus familiares e amigos, alcancei o sonho da minha vida.

Louvado seja o Senhor Deus Rico de Misericórdia.

 

in VOZ DE LAMEGO, n.º 4289, ano 84/51, de 18 de novembro de 2014.