Arquivo

Archive for Fevereiro, 2019

Editorial Voz de Lamego: Cristo, Luz do Oriente, ao centro

Antes de mais, quero dizer com alegria: o Papa Bento XVI foi o meu Papa (de 19 de abril de 2005 a 28 de fevereiro de 2013). Como cristão, sacerdote, professor, teólogo, como Bispo e Cardeal, como responsável máxima do Dicastério da Doutrina da Fé, procurou ser fiel a Jesus Cristo e à Igreja. Foi uma ajuda preciosa ao ministério petrino de João Paulo II, trabalhando discretamente.

Na Visita Apostólica a Portugal, no Porto, Bento XVI reafirmava o essencial para os cristãos: partir de Cristo e encaminhar-se para Cristo (14/05/2010). Foi também esse o mote da primeira hora. Na homilia em que assumiu a Cátedra de Pedro, Bento XVI deixava claro: “O meu verdadeiro programa de governo é não fazer a minha vontade, não perseguir ideias minhas, pondo-me contudo à escuta, com a Igreja inteira, da palavra e da vontade do Senhor e deixar-me guiar por Ele, de forma que seja Ele mesmo quem guia a Igreja nesta hora da nossa história” (24 de abril de 2005)

“A caridade na verdade”. Servir a Igreja e a humanidade, transparecer Cristo, que não nos rouba nada… dar Cristo aos outros… No conclave que o viria a eleger, o então futuro Papa referia-se ao relativismo, para sublinhar, que também hoje, a Igreja e os cristãos têm a missão (e a obrigação) de testemunhar a verdade de Cristo e do Evangelho, não para excluir, condenar ou julgar os outros, mas para reafirmar o Caminho, a Verdade e a Vida. O problema não é saber para onde vou, ainda que com as minhas fragilidades, limitações e hesitações, o problema é mesmo não saber. O diálogo só é possível quando há convicções. E então sim, o diálogo com ateus, agnósticos, com crentes de outras confissões cristãs e de outras religiões… integrar, incluir aqueles que foram excluídos ou que se excluíram, com humildade e com a sabedoria do coração.

Firmeza nos princípios, na procura da verdade e da justiça. E como vimos, isso trouxe-lhe oposição. Na via-sacra, em 2005, ainda sob o pontificado de João Paulo II, o então Cardeal Ratzinger explicitara: “Quanta sujeira há na Igreja, e precisamente entre aqueles que, no sacerdócio, deveriam pertencer completamente a Ele! Quanta soberba, quanta autossuficiência! Respeitamos tão pouco o sacramento da reconciliação, onde Ele está à nossa espera para nos levantar das nossas quedas! Tudo isto está presente na sua paixão. A traição dos discípulos… que Lhe trespassa o coração”. Aquilo que então denunciava e que provocou calafrios, viria a revelar-se demasiado preocupante e escandaloso, mas que mereceu o maior cuidado e atenção, para repor a verdade, refazer, quanto possível, a justiça, ressarcir as vítimas, afastar os violadores.

Bento XVI preparou a Igreja para Francisco.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/13, n.º 4499, 26 de fevereiro de 2019

Editorial da Voz de Lamego: Ir além da violência

Nestes dias, têm-se acentuado a preocupação da violência (sobretudo) doméstica. A casa é o lugar do encontro, da partilha, da vida acolhida, partilhada e amadurecida. A casa e a família. Como sói dizer-se, é em casa, a começar no berço, que aprendemos a ser gente, aprendemos os valores, aprendemos a conviver, a respeitar os mais velhos, a cuidar dos mais novos, a interagir com as gerações, a respeitar o espaço e as coisas dos outros, a preservar o diálogo, em saudável convivência entre todos.

Casa que não é ralhada não é governada, mas nem oito nem oitenta. Discussões entre irmãos, entre pais e filhos, entre marido e mulher?! Com conta, peso e medida. Significa que o outro conta, o outro é importante, a sua opinião e a sua presença, os seus gestos e as suas palavras, bem como a ausência de palavras, de gestos, e de gratidão.

Há famílias que são cemitérios, campos de batalha, território minado, sobrevindo a agressão (física, verbal, emocional), o desrespeito pelo outro, as chantagens emocionais, a possessão: és meu/minha, então tens que fazer o que eu quero. “Quero, posso e mando”. A civilidade, a evolução civilizacional parece, em tantos casos, uma miragem. A globalização da comunicação, o acesso fácil à cultura e à educação, nem sempre gera pessoas maduradas e equilibradas.

Seja como for, não podemos desistir. Todos temos responsabilidade, família, escola, Igreja, comunicação social. A educação, mais que uma paixão, terá que ser uma opção e um compromisso constante. No Dia dos Namorados (14/02), houve reportagens que reproduziram formas de viver o namoro na adolescência: agressividade de linguagem e de gestos, o controlo “militar” sobre o outro, acedendo ao telemóvel, decidindo com quem fala e com quem está proibido de falar, o que pode e o que não pode fazer.

Para haver conflito basta haver duas pessoas. As birras e os arrufos, os silêncios e o excesso de palavras fazem parte da família, por certo! Há dias de sol e dias em que as nuvens o escondem. Pior é a indiferença dentro de portas! O Papa Francisco, a propósito, tem incentivado o uso de três palavrinhas: por favor, obrigado, desculpa. Delicadeza, gratidão e consciência dos próprios limites e fragilidades.

Um desafio que muitos casais vivem: não se deitar sem dar um beijo, rezar uma oração, dar as mãos. Há momentos em que as palavras são difíceis, mas há pequenos “hábitos” que podem ajudar a serenar o coração e a manter a confiança. Numa discussão, ideal seria que houvesse discernimento para saber parar, não forçando o outro a reagir, multiplicando a dureza das palavras, e, quanto possível, não usar palavras que destruam ou espezinhem o outro. O perdão tornar-se-á mais difícil e mais ainda o restaurar da confiança. Respeito e educação.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/12, n.º 4498, 19 de fevereiro de 2019

DIA DOS NAMORADOS – 14 de fevereiro de 2019

MENSAGEM DA COMISSÃO EPISCOPAL DO LAICADO E FAMÍLIA PARA O DIA DOS NAMORADOS

Há encontros que marcam a vida. O namoro pode proporcionar um conjunto de momentos fundadores de uma relação para toda a vida e pela qual se dá a vida. A relação entre namorados é, por si mesma, dinâmica, pois trata-se desde o princípio, de uma tríplice descoberta: Quem sou eu? Quem és tu? Quem somos nós?

Conhecermo-nos é muito mais do que apreender as características de cada um, pois a vida é muito mais do que a nossa psicologia e a nossa biologia. A relação acontece com beleza e profundidade, quando partilhamos escolhas, sonhos e projetos. Só poderemos caminhar, se seguirmos pelo mesmo caminho e resolvermos juntos as dificuldades das encruzilhadas que vamos encontrando na vida.

O tempo do namoro é decisivo, porque leva à descoberta da beleza do amor pela dádiva da vida, por isso, requer tempo, delicadeza e seriedade, que geram confiança, estima e respeito. É, por isso, que o Papa Francisco nos lembra que “aprender a amar alguém não é algo que se improvisa”. 

Neste sentido, preocupa-nos a crescente violência no namoro porque compromete um projeto familiar alicerçado no verdadeiro amor.

Neste “Dia dos Namorados”, festejado sob a invocação de São Valentim, um santo da península itálica, do século III, que, segundo a tradição, teria apoiado os jovens com vocação ao matrimónio a casarem-se, contra as ordens imperiais, que os queria livres para funções militares, a Igreja saúda-vos e acompanha-vos com esperança, pois conta convosco para a constituição de novas famílias fortes na fé, na alegria e no amor fecundo, na certeza que é assim que Deus vos sonha e deseja contar convosco, pois “não há maior amor do que dar a vida pelo amigo”.

Editorial Voz de Lamego: Violência X Violência

Nos últimos dias, semanas, a violência tem multiplicado. Melhor, nos últimos anos. Não faltam diagnósticos, faltam, isso sim, soluções, caminhos, compromissos para alterar este estado de coisas. Talvez porque não exista um receituário eficaz para diminuir ou tornar menos letal a violência.

A educação por certo será sempre um compromisso a ter em conta. A educação que começa no berço e se alarga à escola, à Igreja, aos clubes e associações, movimentos! É preocupante abrir um jornal, uma revista, uma aplicação, o televisor e deparar-nos com situações que ainda nos horrorizam. Mas como há tempos alertava o Papa Francisco, o risco é que a violência se torne banal. Já vimos tanto, já vimos situações inenarráveis, que nada mais nos poderá surpreender, nada mais nos comove! É preocupante, porque a habituação à violência torna-nos indiferentes. É mais um caso. Mais uma agressão, uma morte, entre tantas outras e, olhando de fora, até justificamos alguns casos de violência doméstica, pois achamos que era merecido! E isso é muito preocupante!

Vemos conflitos em diversas partes do mundo ou, se ainda não são visíveis, já se esperam a qualquer momento, tais são os radicalismos que se acentuam. Nem os países industrializados ou as democracias ocidentais estão imunes a este flagelo. Se pararmos um pouco talvez percebamos que a violência que se multiplica nas ruas já se multiplicou em casa e na família. A violência doméstica em Portugal tem aumentado a olhos vistos nos últimos três anos. O inverso também é possível, a violência avança da rua para casa, ou entra diretamente através dos meios de comunicação social. E alguns dão-nos doses repetidas, esquadrinhando até ao ínfimo pormenor todas as variantes possíveis e imagináveis da violência.

A Igreja deixou de considerar a confissão pública dos seus fiéis não tanto por expor os mesmos, mas porque dessa forma se ensinava a outros como pecar. A comunicação social, pelas notícias, documentários, debates, filmes e novelas, explica-nos como ser violentos e como escapar. Claro que a comunicação social também ajuda a denunciar formas de violência, de escravização, de exploração. A comunicação social por perto pode ser dissuasora de alguns comportamentos abusivos, se bem que também pode multiplicar os focos de violência. Nem tudo é branco ou preto. Alguns meios de comunicação, mais focados em audiências e lucros, continuarão a ser combustível que se junta à violência.

A violência gera violência e gera radicalismos, à esquerda e à direita, e, se momentaneamente parecem trazer mais segurança, os radicalismos conduzem a novas formas de violência. Temos de voltar ao berço. Temos de embainhar a espada da agressividade, e apostar na paciência da educação e do amor.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/11, n.º 4497, 12 de fevereiro de 2019

Editorial Voz de Lamego: a centralidade da compaixão

No próximo dia 11 de fevereiro celebramos o Dia Mundial do Doente, memória litúrgica de Nossa Senhora de Lurdes. A medicina está muito evoluída, mas isso não significa que haja menos doentes ou que os doentes sofram menos. Os passos dados em Medicina permitem aliviar o sofrimento (sobretudo) físico, sabendo que o ser humano é muito mais que biologia. Hoje há outras ciências humanas que contribuem para o conforto e alívio do sofrimento. Em muitos hospitais há equipas multidisciplinares, com médicos, enfermeiros, psicólogos, sacerdotes, voluntários.

Como cristãos, a nossa referência é Jesus Cristo, sempre. D’Ele partimos, n’Ele vivemos, para Ele caminhamos. Se olharmos para Jesus, ao longo da Sua vida, vemos como Ele Se aproxima, antes de mais, dos pecadores, dos pobres, dos doentes, dos excluídos. N’Ele transparece ternura, compaixão. É uma postura dócil e delicada. Não passa ao lado, não Se afasta quando O chamam ou quando vê alguém a precisar de ajuda.

Num dos seus primeiros discursos, na Jornada Mundial da Juventude, no Panamá, ao dirigir-se aos Bispos, o Papa Francisco sanciona, mais uma vez, a centralidade da compaixão, dos Bispos em relação aos sacerdotes das suas dioceses, mas percebe-se bem que as palavras dirigem-se também para mim e para ti, para toda a Igreja: “O resultado do trabalho pastoral, da evangelização na Igreja e da missão não se baseiam na riqueza dos meios e recursos materiais, nem na quantidade de eventos ou atividades que realizamos, mas na centralidade da compaixão: um dos grandes distintivos que podemos, como Igreja, oferecer aos nossos irmãos. A kenosis de Cristo é a expressão máxima da compaixão do Pai. A Igreja de Cristo é a Igreja da compaixão; e isto começa em casa”.

Por outro lado, na mensagem para esta comemoração, o Papa lembra-nos a gravidade de esquecermos a compaixão para com os mais frágeis. Com efeito, “contra a cultura do descarte e da indiferença, cumpre-me afirmar que se há de colocar o dom como paradigma capaz de desafiar o individualismo e a fragmentação social dos nossos dias, para promover novos vínculos e várias formas de cooperação humana entre povos e culturas… Todo o homem é pobre, necessitado e indigente. Quando nascemos, para viver tivemos necessidade dos cuidados dos nossos pais; de forma semelhante, em cada fase e etapa da vida, cada um de nós nunca conseguirá, de todo, ver-se livre da necessidade e da ajuda alheia, nunca conseguirá arrancar de si mesmo o limite da impotência face a alguém ou a alguma coisa. Também esta é uma condição que carateriza o nosso ser de «criaturas». O reconhecimento leal desta verdade convida-nos a permanecer humildes e a praticar com coragem a solidariedade, como virtude indispensável à existência”.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/10, n.º 4496, 5 de fevereiro de 2019