Arquivo

Archive for Outubro, 2015

58.º Cursilho de Cristandade para Homens – 29 de novembro

alusiva_cristo_cont_movimento_crursilhos_cristandade_0_dr_ia_600-400

O MCC – Movimento dos Cursilhos de Cristandade – está a preparar mais um Cursilho de Cristandade para Homens – o 58º –  de 26 a 29 de Novembro, na Casa de São José, em Lamego.

Na aproximação ao Ano da Misericórdia, a experiência de um cursilho de cristandade é uma oportunidade significativa de um primeiro anúncio ou aprofundamento da fé, que tem marcado positivamente a vida de muitas pessoas e ajudado à conversão / renovação das nossas comunidades e ambientes. Pede-se intendência e oração pelo mesmo. As pessoas interessadas em participar devem contatar os respetivos párocos, ou dirigir-se ao secretariado diocesano dos cursilhos de cristandade. O encerramento está previsto para as 17.00 do dia 29 de Novembro (domingo) na Casa de S. José.

Secretariado Diocesano do MCC, in Voz de Lamego, ano 85/48, n.º 4335, 27 de outubro

Sínodo dos Bispos: discernimento em casos difíceis

cq5dam.web.800.800 (23)

Com a autorização do Papa, foi publicado na noite de sábado o Relatório Final do XIV Sínodo ordinário sobre a Família. Composto de 94 parágrafos, votados singularmente, o documento foi aprovado por maioria de 2/3, ou seja, sempre com o mínimo de 177 votos. Os padres sinodais presentes eram 265. O documento se encerra com o pedido dos Padres Sinodais ao Papa de um documento sobre a família, indicando a perspectiva que ele deseja dar neste caminho.

Segundo Padre Lombardi, Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, apenas dois parágrafos obtiveram a maioria com margem limitada e são os que se referem a situações difíceis, como a abordagem pastoral às famílias feridas ou em situação irregular do ponto de vista canónico e disciplinar: convivências, casamentos civis, divorciados recasados e o caminho para se aproximar pastoralmente destes fiéis.

Indissolubilidade matrimonial

O Relatório define a doutrina da indissolubilidade do matrimónio sacramental como uma verdade fundada em Cristo mas ressalva que verdade e misericórdia convergem em Cristo e, portanto, convida ao acolhimento das famílias feridas. Os padres sinodais reiteram que os divorciados recasados não são excomungados e reafirmam que os pastores devem usar o discernimento para analisar as situações familiares mais complexas. O ponto 84 explica que a participação nas comunidades dos casais em segunda união pode se expressar em diferentes serviços: “Deve-se discernir quais formas de exclusão atualmente praticadas nos âmbitos litúrgico, pastoral, educativo e institucional podem ser superadas”.

Discernimento

À situação específica dos casais em segundas núpcias, o ponto 86 do documento faz referência a um percurso de acompanhamento e de discernimento espiritual com um sacerdote, pois a ninguém pode ser negada a misericórdia de Deus. Neste sentido, “para favorecer e aumentar a participação destes fiéis na vida da Igreja, devem ser asseguradas as condições de humildade, discrição, amor à Igreja e a seu ensinamento, na busca sincera da vontade de Deus e no desejo de dar uma resposta a ela”.

Em relação ao crescente fenómeno dos casais que convivem antes de se casar ou depois de um matrimónio sacramental, é uma situação que deve ser enfrentada de maneira construtiva e vista como uma oportunidade de conversão para a plenitude do matrimónio e da família, à luz do Evangelho.

Pessoas homossexuais e uniões homossexuais

Pessoas homossexuais não podem ser discriminadas, mas a Igreja é contrária às uniões entre pessoas do mesmo sexo. O Sínodo julga também inaceitável que as Igrejas locais sofram pressões neste campo e que organismos internacionais condicionem ajudas financeiras aos países pobres à introdução do “casamento” entre pessoas do mesmo sexo.

Alguns parágrafos abrangem questões dedicadas aos migrantes, refugiados e perseguidos cujas famílias são desagregadas e podem ser vítimas do tráfico de pessoas. Os bispos invocam o acolhimento ressaltando os seus direitos e deveres nos países que os hospedam.

Valorizar a mulher, tutelar crianças e idosos

Os padres sinodais condenaram a discriminação contra mulheres em todo o mundo, incluindo a penalização da maternidade. Em relação à violência, ressaltam que “a exploração das mulheres e a violência exercida sobre o seu corpo estão muitas vezes unidas ao aborto e à esterilização forçada”. Pede-se também uma maior valorização da responsabilidade feminina na Igreja, com intervenção nos processos de decisão, participação no governo de algumas instituições e envolvimento na formação do clero.

A respeito da reciprocidade e na responsabilidade comum dos cônjuges na vida familiar, afirma-se que “o crescente compromisso profissional das mulheres fora de casa não encontrou uma adequada compensação num maior empenho dos homens no ambiente doméstico”.

Sobre as crianças, o documento entregue ao Papa ressalta a beleza da adoção e do acolhimento temporário, que “reconstroem relações familiares rompidas” e menciona também os viúvos, os portadores de deficiência, os idosos e os avós, que permitem a transmissão da fé nas famílias e devem ser protegidos da cultura do descarte. Também as pessoas não casadas são lembradas por seu engajamento na Igreja e na sociedade.

Fanatismo, individualismo, pobreza, precariedade no trabalho

Como sombras dos tempos atuais, o Sínodo cita o fanatismo político-religioso hostil ao cristianismo, o crescente individualismo, a ideologia do género, os conflitos, perseguições, a pobreza, a precariedade no trabalho, a corrupção, os problemas económicos que excluem famílias da educação e da cultura, a globalização da indiferença, a pornografia e a queda da natalidade.

Preparação ao matrimónio

O documento final reúne as propostas para reforçar a preparação ao matrimônio, principalmente dos jovens que hoje têm receio de se vincular. É recomendada uma formação adequada à afetividade, seguindo as virtudes da castidade e do dom de si. Outra relação mencionada no texto é entre a vocação à família e a vocação à vida consagrada. São também fundamentais a educação à sexualidade e a corporeidade e a promoção da paternidade responsável.

Família, porto seguro

Enfim, o a Relatório sublinha a beleza da família, Igreja doméstica baseada no casamento entre homem e mulher, porto seguro dos sentimentos mais profundos, único ponto de conexão numa época fragmentada, parte integrante da ecologia humana. Deve ser protegida, apoiada e encorajada.

in Voz de Lamego, ano 85/48, n.º 4335, 27 de outubro

JUBILEU EXTRAORDINÁRIO MISERICÓRDIA | ANÚNCIO

jubileu_misericordia_igreja

No passado dia 11 de abril, na véspera da vivência do Domingo da Misericórdia (II Dom. Pascal), o Papa Francisco tornou pública a Bula de proclamação do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, “O rosto da misericórdia” (Misericordiae vultus). Ao todo, cerca de 24 páginas (Paulinas Editora) que valerá a pena ler e meditar para melhor perceber a intenção do Papa e ficar a conhecer os objectivos e percursos deste Jubileu que se inicia já no próximo dia 8 de dezembro.

Consciente da missão e presença eclesial no mundo, atento ao tempo que passa e mostra tantas situações de conflito, discórdia e ressentimentos, o Papa não tem dúvidas de que este é “o tempo do regresso ao essencial” e que “chegou de novo, para a Igreja, o tempo de assumir o anúncio jubiloso do perdão”, porque “o perdão é uma força que ressuscita para nova vida e infunde coragem para olhar o futuro com esperança” (n.º 10). Nesse sentido, “o tema da misericórdia exige ser reproposto com novo entusiasmo e uma ação pastoral renovada” (n.º 12).

O convite para contemplar, meditar e testemunhar a misericórdia divina é dirigido a todos, tendo em vista o desejo de que cada um se possa tornar “um sinal eficaz do agir do Pai”, já que o agir misericordioso “torna-se o critério para individuar quem são os seus verdadeiros filhos” (n.º 9). E conclui: “Foi por isso que proclamei um Jubileu Extraordinário da Misericórdia como tempo favorável para a Igreja, a fim de se tornar mais forte e eficaz o testemunho dos crentes” (n.º 3).

O ponto de partida é Jesus Cristo “o rosto da misericórdia do Pai” (n.º 1) que “precisamos sempre de contemplar”, porque é “fonte de alegria, serenidade e paz” (n.º 2) e “tudo nele fala de misericórdia” (n.º 8). A misericórdia de Deus “não é uma ideia abstrata mas uma realidade concreta, pela qual Ele revela o seu amor como o de um pai e de uma mãe que se comovem pelo próprio filho até ao mais íntimo das suas vísceras” (n.º 6).

Por isso, falar de misericórdia é ter presente “o caminho que une Deus e o homem” que “nos abre o coração à esperança de sermos amados para sempre, apesar da limitação do nosso pecado” (n.º 2), porque a “misericórdia será sempre maior do que qualquer pecado e ninguém pode colocar um limite ao amor de Deus que perdoa” (n.º 3).

O ano jubilar, que terminará no dia 20 de novembro de 2016, Solenidade de Jesus Cristo Rei do Universo, ficará marcado por várias e variadas celebrações, cujo objectivo primeiro será sempre o testemunho dos baptizados: “Nas nossas paróquias, nas comunidades, nas associações e nos movimentos, em suma, onde houver cristãos, qualquer pessoa deve poder encontrar um oásis de misericórdia” (n.º 12).

JD, in Voz de Lamego, ano 85/48, n.º 4335, 27 de outubro

D. António Couto aos Consagrados: Seguir Jesus no Caminho

consagrados1

No sábado passado, 24 de outubro de 2015, reunimo-nos cerca de trinta consagrados no Santuário de Nossa Senhora da Lapa, para vivermos uma manhã de reflexão com o nosso Bispo D. António Couto. Este encontro teve o seu momento culminante na Eucaristia, à qual se seguiu um almoço de partilha fraterna entre todos os presentes.

No final, saímos mais ricos e agradecidos, em especial ao Senhor Bispo e também às Irmãs que servem neste santuário, pelo acolhimento e generosidade com que nos receberam.

A reflexão do Senhor Bispo centrou-se no episódio do cego de Jericó (Mc 10, 46-52), evangelho do domingo XXX do Tempo Comum.

Com o pedido insistente do cego, que, quando o mandaram calar, ainda gritava mais por Jesus, Marcos ensina-nos que a nossa oração deve ser insistente e persistente. Ao vê-lo, Jesus disse-lhe, Que queres que Eu te faça? porque nós temos que dizer a nossa vida a Jesus. Marcos ensina-nos, assim, a rezar.

O cego, ao atirar fora o manto, no qual recolhia as moedas, atirou fora tudo o que tinha: ficou sem nada, deu um salto e foi ter com Jesus, o Único que tem soluções fortes para a vida humana. Ficou logo a ver e passou a seguir Jesus no caminho. Estava à beira do caminho e entra no caminho vocacional da missão de Jesus.

Em Mc 10, 35-45, João e Tiago que iam com Jesus no caminho também estavam cegos, ao quererem sentar-se em bons lugares, quando Jesus lhes ensinara que deviam procurar o último lugar. E os outros dez apóstolos, indignados com o pedido destes dois, também eram cegos, e nós com eles, quando nos consideramos melhores que os outros, por sermos consagrados.

Em Mc 10, 28, o evangelho mostra-nos outro cego: Pedro que se dirige a Jesus, dizendo, Nós deixámos tudo e seguimos-Te! Como nós por vezes, Pedro sentia-se com méritos sobre os outros, como se Deus tivesse que nos pagar o que nos deve…

O homem rico (Mc 10, 17-22) é alguém que tão depressa entra no caminho de Jesus, como sai dele, tal como acontece às vezes connosco, inconstantes, quando as coisas não nos correm bem, o que ocorre normalmente pelo apego a alguma coisa.

Como a nós, que também sabemos bem Quem Jesus é, mas tantas vezes nos colocamos à frente d’Ele e não O deixamos andar, nem falar nas nossas vidas – e ninguém pode evangelizar sem ser com Jesus – em Mc 8, 29, Pedro respondeu certo à pergunta de Jesus – E vós, quem dizeis que Eu sou?- mas, de facto, não sabia bem Quem Ele era, pois, logo a seguir, em Mc 8, 32, repreende Jesus quando este lhes fala da Sua Paixão. Jesus responde, Vai para trás de Mim, Satanás! porque Pedro se tinha posto à frente do caminho de Jesus, tinha-se atravessado à frente. Jesus chama-o a tomar o seu lugar de discípulo.

Destes vários cegos, o único que vai vendo alguma coisa é o cego de Jericó…

No seu evangelho, Marcos nunca menciona a palavra discípulo, mas discípulos, pois quer ensinar-nos que o evangelizador não vai sozinho, pois só em comunidade pode viver. A nossa missão é a de arranjar outros evangelizadores, pois qualquer pessoa se pode transformar num evangelizador. O cego não sabia a doutrina nem os mandamentos…

Segui-l’O verdadeiramente é ir buscar outros. Ao ouvir os gritos do cego, Jesus pára: comunga da situação daquela pessoa que ali está, ensinando-nos a fazer o mesmo. O Senhor Bispo terminou a sua reflexão, pedindo-nos insistentemente para irmos à procura das pessoas, começando pelas que se aproximam de nós, sabendo acolhê-las, entusiasmando-as por Cristo e pelo seu evangelho, como Jesus nos ensinou a fazer, para que haja muito mais gente dedicada ao evangelho.

Irmã Teresa Frias, Serva de Nossa Senhora de de Fátima, CIRP diocesana

in Voz de Lamego, ano 85/48, n.º 4335, 27 de outubro

Zona Pastoral de São João da Pesqueira | Tomadas de Posse

fotografia

No passado domingo, dia 25 de Outubro, tomaram posse do espaço pastoral deixado vago pelo falecimento do P. Manuel João, os padres Manuel Abrunhosa, António Júlio e José Filipe Pereira. O Pe. Adelino tomou posse, como administrador paroquial, da parte da manhã, das paróquias de Pereiros, Vilarouco e Valongo dos Azeites; de tarde, o P. António Júlio tomou posse, também como administrador paroquial, de Vale de Figueira a Velha e o P. José Filipe como vigário paroquial da mesma, com o encargo pastoral de Vale de Vila. Os administradores paroquiais foram apresentados pelo P. João Carlos Morgado, em representação do senhor bispo.

A memória e a gratidão da vida e do ministério do Pe. Manuel João esteve sempre presente na mente e nas palavras dos intervenientes nas celebrações. Nas palavras de saudação ao novo pastor, Filipa Almeida em nome do Povo de Valongo dos Azeites assim se expressou: “Nesta hora de alegria em que o recebemos de coração e braços abertos, não podemos deixar de prestar a nossa mais sentida homenagem ao seu antecessor, Pe. Manuel João Nogueira Amaral que, embora esteja já na presença de Deus, estará sempre nos nossos corações, lugar que conquistou pela sua bondade, alegria, humildade, dedicação e estima pelo povo valonguense. E até ao reencontro será sempre recordado com amor, carinho e gratidão”.  E apontando para o futuro e para o Pe. Manuel Abrunhosa, continuou: “Sabemos e temos noção da importância que a sua vinda tem no seio da nossa comunidade paroquial a fim de nos ajudar a fortalecer na fé que nos guia até ao Bom Pastor, Jesus Cristo.”

 A maturidade e serenidade das comunidades diante dos desígnios da Providência que motivaram esta movimentação do clero, esteve patente também na saudação de Heloísa Varela que, desta forma, saudou o P. António Júlio: “Os paroquianos da paróquia de Nossa Senhora do Rosário, de Vale de Figueira juntam-se a mim para lhe dar as boas vindas. Temos total certeza que o seu nome já estava escrito nos planos de Deus para hoje estar no meio de nós, para connosco caminhar, sendo aquele que nos orientará a partir de hoje.”

O Pe. Manuel Abrunhosa manifestou a sua alegria por regressar à zona pastoral onde há 45 anos começou o seu ministério sacerdotal. Prontificou-se a respeitar as tradições dos povos na medida das suas forças e do tempo disponível que os outros encargos pastorais o permitam. A mesma disponibilidade foi manifestada pelos padres António Júlio e José Filipe Pereira, cuja proximidade geográfica os fazia já conhecidos e estimados pelos povos que os acolheram e onde já pontualmente ajudavam o seu antecessor.

Estão pois de parabéns estas comunidades pela maturidade que manifestaram nestes tempos difíceis da sua história, em que em menos de cinco anos viveram o luto de dois dos seus párocos e pela forma familiar, simples e disponível com que acolheram os seus novos responsáveis espirituais. A diocese está reconhecida aos sacerdotes que, já sobrecarregados de trabalho, manifestaram sentido de Igreja e aceitam servir o Povo de Deus que peregrina nestas populações.

in Voz de Lamego, ano 85/48, n.º 4335, 27 de outubro

SANTIDADE – SIM| Editorial Voz de Lamego | 27 de outubro de 2015

Santidade_Sim

No último Domingo, 25 de outubro, encerrou a XIV Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos, pelo que a edição da Voz de Lamego desta semana não poderia deixar de fazer eco do acontecimento bem como a mensagem vincada no mesmo, na preocupação comum de valorizar a família.

Por outro lado, e sintonizando com a solenidade do Todos os Santos, aí está também o Editorial do pe, Joaquim Dionísio para que a santidade seja o jeito normal de realizar a vida.

SANTIDADE – SIM

O texto “Retrato de Mónica” faz parte do livro “Contos Exemplares”, da escritora Sophia de Mello Breyner. Com a mestria que todos lhe reconhecem, a autora descreve o ser e o agir de alguém que tudo faz para ter sucesso e influência social, imune ao vazio que a habita e cega à futilidade que alimenta, seleccionando contactos, mantendo aparências e promovendo iniciativas que lhe dão visibilidade.

Mas para atingir tal “sucesso” – escreve a autora – teve que “renunciar a três coisas: à poesia, ao amor e à santidade”. À poesia só precisou de dizer não uma vez e o amor, após algumas recusas, deixou de aparecer. “Mas a santidade é oferecida a cada pessoa de novo cada dia, e por isso aqueles que renunciam à santidade são obrigados a repetir a negação todos os dias”.

A vocação comum de homens e mulheres é a santidade, entendida como fruto de uma humanidade plenamente assumida, resultado das opções e decisões de todos os dias, soma do sim ao Senhor, aos irmãos e ao mundo. Não é um acaso ou uma herança, mas resulta de um caminho consciente e responsável que não se cumpre sem sacrifício. Porque o bem, a verdade e a justiça dão trabalho!

Dizer não à santidade será, então, viver sem sentimentos, calcular egoisticamente os percursos e calar a consciência que alerta, corrige e denuncia, deixando de lado valores e princípios que elevam, aproximam e dignificam.

No próximo domingo celebramos a festa de Todos os Santos, a oportunidade para louvar e recordar todos quantos, com esforço e perseverança, disseram sim à vida e ao Seu Autor.

Eis uma ocasião propícia para repensar opções e percursos, aceitando o convite à santidade que chega diariamente. O sim será exigente, mas mais realizador que o cansativo não!

in Voz de Lamego, ano 85/48, n.º 4335, 27 de outubro

Eucaristia de Encerramento do Sínodo | Homilia do Papa Francisco

cq5dam.web.1280.1280 (4)

SANTA MISSA DE ENCERRAMENTO
DA XIV ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA DO SÍNODO DOS BISPOS

HOMILIA DO PAPA FRANCISCO

Basílica Vaticana
XXX Domingo do Tempo Comum, 25 de Outubro de 2015

—————————————————————-

As três leituras deste domingo apresentam-nos a compaixão de Deus, a sua paternidade, que se revela definitivamente em Jesus.

O profeta Jeremias, em pleno desastre nacional, enquanto o povo é deportado pelos inimigos, anuncia que «o Senhor salvou o seu povo, o resto de Israel» (31, 7). E por que o fez? Porque Ele é Pai (cf. 31, 9); e, como Pai, cuida dos seus filhos, acompanha-os ao longo do caminho, sustenta «o cego e o coxo, a mulher grávida e a que deu à luz» (31, 8). A sua paternidade abre-lhes um caminho desimpedido, um caminho de consolação depois de tantas lágrimas e tantas amarguras. Se o povo permanecer fiel, se perseverar na busca de Deus mesmo em terra estrangeira, Deus mudará o seu cativeiro em liberdade, a sua solidão em comunhão: e aquilo que o povo semeia hoje em lágrimas, recolhê-lo-á amanhã com alegria (cf. Sal 125, 6).

Com o Salmo, também nós manifestámos a alegria que é fruto da salvação do Senhor: «A nossa boca encheu-se de sorrisos e a nossa língua de canções» (125, 2). O crente é uma pessoa que experimentou na sua vida a acção salvífica de Deus. E nós, pastores, experimentamos o que significa semear com fadiga, por vezes em lágrimas, e alegrar-se pela graça duma colheita que sempre ultrapassa as nossas forças e as nossas capacidades.

O trecho da Carta aos Hebreus apresentou-nos a compaixão de Jesus. Também Ele «Se revestiu de fraqueza» (cf. 5, 2), para sentir compaixão por aqueles que estão na ignorância e no erro. Jesus é o Sumo Sacerdote grande, santo, inocente, mas ao mesmo tempo é o Sumo Sacerdote que tomou parte nas nossas fraquezas e foi provado em tudo como nós, excepto no pecado (cf. 4, 15). Por isso, é o mediador da nova e definitiva aliança, que nos dá a salvação.

O Evangelho de hoje liga-se directamente à primeira Leitura: como o povo de Israel foi libertado graças à paternidade de Deus, assim Bartimeu foi libertado graças à compaixão de Jesus. Jesus acaba de sair de Jericó. Mas Ele, apesar de ter apenas iniciado o caminho mais importante, o caminho para Jerusalém, detém-Se ainda para responder ao grito de Bartimeu. Deixa-Se comover pelo seu pedido, interessa-Se pela sua situação. Não Se contenta em dar-lhe uma esmola, mas quer encontrá-lo pessoalmente. Não lhe dá instruções nem respostas, mas faz uma pergunta: «Que queres que te faça?» (Mc 10, 51). Poderia parecer uma pergunta inútil: que poderia um cego desejar senão a vista? E todavia, com esta pergunta feita «face a face», directa mas respeitosa, Jesus manifesta que quer escutar as nossas necessidades. Deseja um diálogo com cada um de nós, feito de vida, de situações reais, que nada exclua diante de Deus. Depois da cura, o Senhor diz àquele homem: «A tua fé te salvou» (10, 52). É belo ver como Cristo admira a fé de Bartimeu, confiando nele. Ele acredita em nós, mais de quanto acreditamos nós em nós mesmos.

Há um detalhe interessante. Jesus pede aos seus discípulos que vão chamar Bartimeu. Estes dirigem-se ao cego usando duas palavras, que só Jesus utiliza no resto do Evangelho. Primeiro, dizem-lhe «coragem!», uma palavra que significa, literalmente, «tem confiança, faz-te ânimo!» É que só o encontro com Jesus dá ao homem a força para enfrentar as situações mais graves. A segunda palavra é «levanta-te!», como Jesus dissera a tantos doentes, tomando-os pela mão e curando-os. Os seus limitam-se a repetir as palavras encorajadoras e libertadoras de Jesus, conduzindo directamente a Ele sem fazer sermões. A isto são chamados os discípulos de Jesus, também hoje, especialmente hoje: pôr o homem em contacto com a Misericórdia compassiva que salva. Quando o grito da humanidade se torna, como o de Bartimeu, ainda mais forte, não há outra resposta senão adoptar as palavras de Jesus e, sobretudo, imitar o seu coração. As situações de miséria e de conflitos são para Deus ocasiões de misericórdia. Hoje é tempo de misericórdia!

Mas há algumas tentações para quem segue Jesus. O Evangelho de hoje põe em evidência pelo menos duas. Nenhum dos discípulos pára, como faz Jesus. Continuam a caminhar, avançam como se nada fosse. Se Bartimeu é cego, eles são surdos: o seu problema não é problema deles. Pode ser o nosso risco: face aos contínuos problemas, o melhor é continuar para diante, sem se deixar perturbar. Desta maneira, como aqueles discípulos, estamos com Jesus, mas não pensamos como Jesus. Está-se no seu grupo, mas perde-se a abertura do coração, perdem-se a admiração, a gratidão e o entusiasmo e corre-se o risco de tornar-se «consuetudinários da graça». Podemos falar d’Ele e trabalhar para Ele, mas viver longe do seu coração, que Se inclina para quem está ferido. Esta é a tentação duma «espiritualidade da miragem»: podemos caminhar através dos desertos da humanidade não vendo aquilo que realmente existe, mas o que nós gostaríamos de ver; somos capazes de construir visões do mundo, mas não aceitamos aquilo que o Senhor nos coloca diante de olhos. Uma fé que não sabe radicar-se na vida das pessoas, permanece árida e, em vez de oásis, cria outros desertos.

Há uma segunda tentação: cair numa «fé de tabela». Podemos caminhar com o povo de Deus, mas temos já a nossa tabela de marcha, onde tudo está previsto: sabemos aonde ir e quanto tempo gastar; todos devem respeitar os nossos ritmos e qualquer inconveniente perturba-nos. Corremos o risco de nos tornarmos como «muitos» do Evangelho que perdem a paciência e repreendem Bartimeu. Pouco antes repreenderam as crianças (cf. 10, 13), agora o mendigo cego: quem incomoda ou não está à altura há que excluí-lo. Jesus, pelo contrário, quer incluir, sobretudo quem está relegado para a margem e grita por Ele. Estes, como Bartimeu, têm fé, porque saber-se necessitado de salvação é a melhor maneira para encontrar Jesus.

E, no fim, Bartimeu põe-se a seguir Jesus ao longo da estrada (cf. 10, 52). Não só recupera a vista, mas une-se à comunidade daqueles que caminham com Jesus. Queridos Irmãos sinodais, nós caminhámos juntos. Agradeço-vos pela estrada que compartilhámos tendo o olhar fixo no Senhor e nos irmãos, à procura das sendas que o Evangelho indica, no nosso tempo, para anunciar o mistério de amor da família. Continuemos pelo caminho que o Senhor deseja. Peçamos-Lhe um olhar são e salvo, que saiba irradiar luz, porque recorda o esplendor que o iluminou. Sem nos deixarmos jamais ofuscar pelo pessimismo e pelo pecado, procuremos e vejamos a glória de Deus que resplandece no homem vivo.

FONTE: página oficial do VATICANO.