Diálogo inter-religioso em Assis para rezar | Deus da Paz

papa1

O Papa esteve em Assis para mais um encontro inter-religioso pela paz “num mundo em guerra”, mas já havia enviado uma carta aos bispos de todo o mundo, para que convidassem “os católicos, os cristãos, os crentes e todos os homens e mulheres de boa vontade, de qualquer religião, a rezar pela paz”.

O encontro de Assis assinalou o 30.º aniversário do primeiro evento do género, promovido pelo Papa João Paulo II que haveria de repetir o gesto em 1993 e 2002. O agora Papa emérito Bento XVI também promoveu encontros em Assis, em 2006 e 2011.

Em Assis, o Papa Francisco encontrou-se com seis vencedores do Prémio Nobel da Paz e um grupo de 25 refugiados, para além de vários líderes religiosos e do mundo do pensamento e da cultura.

Os refugiados almoçaram com o Papa e, em seguida, uma refugiada oriunda de Alepo, na Síria, e refugiada na região da Toscana, subiu ao palco para tomar a palavra.

A tarde começou com uma série de encontros pessoais entre o Papa e os diversos líderes religiosos; pelas 16h00 os participantes proferiram uma oração ecuménica pela paz, na Basílica Inferior de São Francisco. A Praça de São Francisco acolheu a cerimónia conclusiva, com testemunhos de vítimas da guerra, de responsáveis religiosos, do fundador da Comunidade de Santo Egídio, e com o discurso do Papa.

O encontro internacional e inter-religioso pela paz em Assis, que tem como tema “Sede de paz. Religiões e cultura em diálogo”, terminou com a leitura de “um Apelo de Paz”, que foi depois entregue a crianças de vários países, para o distribuírem pelos líderes políticos e diplomáticos ali presentes, após um momento de silêncio pelas vítimas das guerras. Foi ainda assinado, pelo Papa e pelos representantes das várias confissões religiosas, o “Apelo da Paz”.

in Voz de Lamego, ano 86/44, n.º 4380, 27 de setembro de 2016

ESFOSOL e ESCOPAL: Dia do Diploma e Abertura do Ano Letivo 2016/17

diploma

No passado dia 15 de setembro, os Formandos, Familiares, Formadores, Direção e restante Comunidade Educativa reuniram-se para testemunharem a entrega dos Diplomas aos finalistas dos Cursos de nível IV (Técnico de Eletrónica Automação e Computadores e Técnico de Turismo Ambiental e Rural) e do Curso Científico-Tecnológico de Educação Social.

O Diploma de Mérito na Escopal coube ao Formando Tiago Soares, do curso de Técnico de Turismo Ambiental e Rural, com média final de 15,4 valores, e na Esfosol à Formanda Ana Patrícia Silva, do curso de Educação Social, com média final de 17,1 valores. Os referidos diplomas foram entregues pelo Sr. Diretor das Escolas, Cónego Manuel Leal.

Neste mesmo dia, também se fez a abertura do ano letivo 2016/2017, com receção aos novos formandos. Estes tiveram a oportunidade de contactar, pela primeira vez com os seus novos colegas e seus Formadores e de conhecer a nova Escola.

Aos finalistas desejamos muito sucesso e aos restantes um ano letivo, pleno de concretizações.

  As Direções Pedagógicas, in Voz de Lamego, ano 86/44, n.º 4380, 27 de setembro de 2016

PRESENÇA E TESTEMUNHO | Editorial Voz de Lamego | 27 de setembro

2015-10-03-10-10-26

O destaque de capa e do Editorial, do Pe. Joaquim Dionísio, Diretor da Voz de Lamego, vai para a abertura do Ano Pastoral, no próximo dia 1 de outubro, no Seminário Maior de Lamego, com a apresentação da Carta Pastoral de D. António Couto e com as linhas mestras do Plano Pastoral para a Diocese de Lamego, para o novo ano de 2016-2017.

PRESENÇA E TESTEMUNHO

No próximo sábado, primeiro dia de Outubro, D. António Couto apresenta a sua Carta Pastoral à diocese. Nesse dia será também divulgado o Plano Pastoral, inspirado no convite/mandamento evangélico “Ide por todo o mundo e anunciai o Evangelho a toda a criatura” (Mt 16, 15) que o nosso bispo escolheu como lema para esta nova etapa.

Acreditamos que o Espírito Santo é o “protagonista da missão” e que todas as planificações humanas são apenas meios e instrumentos que visam contribuir para a sinodalidade eclesial. Com efeito, é o “caminhar juntos” que nos define e é no caminho que nos encontramos, evangelizamos, testemunhamos, realizamos. Por mais minucioso, abrangente e bem elaborado que seja o plano de acção, não deixa de ser apenas uma proposta, um convite e uma ajuda para um caminho que não percorremos sozinhos e um contributo indispensável para mantermos o ritmo.

Para lá da alegria que qualquer encontro de amigos provoca, promover e participar na abertura solene do ano pastoral significa também a vontade de começar bem, de afirmar uma pertença comum, de assumir um compromisso com os demais, de continuar de forma empenhada um percurso, de querer contribuir para a missão e de testemunhar a comunhão.

As 223 paróquias da nossa diocese, mais ou menos populosas, marcadas ou não pela idade dos seus membros, distantes ou próximas dos centros urbanos, participativas ou mais acomodadas, mais ou menos organizadas pastoralmente, disponíveis para avançar ou mais vocacionadas para a rotina, com párocos residentes ou não… merecem conhecer a proposta do Pastor para todos os fiéis que lhe estão confiados.

O objectivo último será sempre a evangelização e a consequente edificação da Igreja, o que não se consegue sem a presença, o protagonismo e o testemunho de baptizados conscientes e disponíveis para colaborar com o Senhor da Messe.

in Voz de Lamego, ano 86/44, n.º 4380, 27 de setembro de 2016

Paróquia de Almacave | Oração pela Paz na Síria

taize-outubro-9

Vigília de Oração pela paz na Síria

Uma noite calma. Uma cidade segura. Uma igreja, a Igreja de Almacave, a transbordar de uma energia contagiante, a energia que irradia de Jesus Cristo e que a todos irmana no mesmo Amor, o Amor ao Senhor e o Amor a todos aqueles que são nossos irmãos em Deus. Muitos jovens, um numeroso grupo de jovens, o Grupo Almacave Jovem, a que se uniram outros jovens vindos de outras Paróquias. Quiseram estar juntos, unidos na oração, rezando por todos os que sofrem por causa da guerra, em especial na Síria. Na sua segurança, na sua comodidade, unindo-se ao apelo do Papa Francisco, estes jovens não esquecem aqueles que não podem ter noite calmas nem seguras, pela intromissão permanente da guerra e dos horrores que a mesma traz à vida daqueles a quem a mesma é imposta. Sabem que só Deus poderá penetrar no coração dos homens, em especial daqueles que têm responsabilidades na condução das nações e dos povos, para que “olhem para o outro como um irmão e assumam com coragem e decisão o caminho do encontro e da negociação”. Nas preces da comunidade orante, não foram esquecidos os refugiados, em especial as crianças, para que o Senhor faça com que “os governos do mundo saibam olhar com misericórdia este povo torturado”. Os jovens saíram confiantes de que Deus, na sua infinita bondade e misericórdia, atenderá as orações de toda a Igreja e fará descer sobre a Síria a paz, de que tanto precisa. “Dá a paz Deus, dá a paz ò Cristo aos nossos dias”

Esta Vigília de Oração pela paz na Síria seguiu o ritmo da Oração de Taizé. É um tempo de oração, de muito recolhimento, de leitura bíblica, de meditação, de preces, em que os cânticos, repetidos para penetrar profundamente na mente e no coração, assumem o fio condutor na procura de Deus e dos caminhos da nossa vida para Ele. A Oração de Taizé é da responsabilidade do Grupo Almacave Jovem.

Este Encontro acontece todos os meses, no terceiro sábado, a partir das vinte e trinta horas. A Paróquia de Almacave e o Grupo Almacave Jovem convidam à participação de todos na Oração de Taizé.

M.R., in Voz de Lamego, ano 86/43, n.º 4379, 20 de setembro de 2016

Doutoramento do Padre José Fernando Mendes

ze-fernando3

No dia 12 de Setembro de 2016, pelas 11 horas, o senhor padre José Fernando Duarte Mendes, pároco da Penajóia apresentou a sua Tese de doutoramento no INSTITUTO DE BIOÉTICA, Universidade Católica do Porto. A tese defendida teve como tema “LARES DE IDOSOS Perspectiva Bioética da Pastoral da Saúde”. Foi elaborada sob a orientação do Doutor P. António Jácomo e Monsenhor Vitor Feytor Pinto. Na defesa da tese estiveram presentes, para além da sua família, o Senhor Bispo de Lamego, D. António Couto, o senhor Bispo D. Jacinto, bispo emérito da mesma diocese,  o senhor vigário geral, alguns sacerdotes, um número significativo  de paroquianos e alguns amigos.

Fomos elucidados sobre diversos pontos de convergência da Pastoral da Saúde e da Bioética salientando e sublinhando  que a pessoa idosa é digna de respeito e mercedora de atenção e preocupação por parte de todos os envolvidos procurando promover a saúde e a vida no seu todo. Família, instituições de solidariedade social e todos os seus  colaboradores e a sociedade em geral não se devem nunca demitir da sua responsabilidade social de cuidar e defender a dignidade de cada pessoa, particularmente da pessoa idosa.

Falou-nos na necessidade de promover o respeito pela dimensão espiritual e religiosa da pessoa idosa, reforçando o papel Pastoral da Saúde na humanização, evangelização e sacramentalização. Deverá apostar-se numa Pastoral da Saúde que revele uma nova e saudável imagem da Igreja, não reduzindo  a Pastoral da Saúde e a Bioética à terceira idade, mas projectando e abrindo caminhos para uma Pastoral mais abrangente e alargada.

Depois de uma brilhante  apresentação  do seu  trabalho o doutorando brindou-nos com uma espécie de resumo do tema abordado recorrendo a uma citação do nosso querido papa Francisco no que concerne aos idosos: “ enquanto somos jovens, somos levados a ignorar a velhice, como se fosse uma enfermidade da qual nos devemos manter à distância; depois, quando envelhecemos experimentamos as lacunas de uma sociedade programada sobre a eficácia, que consequentemente ignora os idosos. Mas os idosos são uma riqueza, não podem ser ignorados!” (Francisco, 4 de março 2015)

Depois de ter respondido às questões colocadas pelos arguentes presentes na mesa os orientadores da tese deram também a sua opinião sobre o trabalho elogiando o tema escolhido e o seu desenvolvimento e elaboração final. Saímos do auditório enquanto o júri reuniu e passados dez minutos fomos chamados para ouvir o resultado da prestação de provas. O novo doutor obteve a excelente nota de 18 valores magna cum laude. Parabéns ao padre Doutor José Fernando Duarte Mendes pelo seu contributo para o desenvolvimento da ciência e da promoção da pessoa idosa.

Liliana Silva, in Voz de Lamego, ano 86/43, n.º 4379, 20 de setembro de 2016

Centenário do regresso dos Padres Franciscanos a Lamego

igreja-s-francisco

No próximo dia 4 de outubro, a Província Portuguesa da Ordem Franciscana vai celebrar em festa o Centenário do regresso dos Frades Franciscanos a Lamego, depois da República. A presença franciscana em Lamego remonta aos meados do século XIII, mais precisamente em 1256, ano em que as Irmãs Clarissas aqui se instalaram.

Em 1271 partiram para Santarém, dando lugar aos Frades Menores, que já viviam no Retiro de Fafel. A partir dessa data, até 1834, a Comunidade Franciscana, sacerdotes e leigos, foi crescendo, espalhando a semente do Evangelho por terras lamecenses, sempre vestidos de muita humildade. Com a chegada da República, os Frades foram expulsos do Convento e só puderam regressar em outubro de 1916.

Já passaram 100 anos, e é momento propício para fazer memória da vida e ação dos Franciscanos nesta zona nortenha de Portugal. Terá o seguinte Programa:

PROGRAMA | 4 de outubro

18h00 –  Eucaristia Solene na igreja de S. Francisco, presidida pelo Bispo da Diocese D. António Couto.

19h00 – Visita ao antigo Convento de S. Francisco – Messe dos Sargentos – reservada às autoridades civis, religiosas e restantes convidados, seguindo-se o jantar-convívio e um breve testemunho proferido pelo insigne lamecense Fr. Isidro Pereira Lamelas, sobre a “Vida e Ação dos Franciscanos em Lamego”.

in Voz de Lamego, ano 86/43, n.º 4379, 20 de setembro de 2016

Aniversário da Ordenação Episcopal de D. António Couto

img_2162
D. António José da Rocha Couto, foi ordenado Bispo no dia 23 de setembro de 2007, em Cucujães, pelo que nos unimos em oração e com amizade de Lhe desejamos uma pastoreio profícuo, para que através do Seu ministério à Igreja de Lamego se sinta lamecense, se sinta irmão em Cristo, seja alegre servidor desta vinha e que encontrem sempre a motivação para viver e anunciar o Evangelho de Jesus Cristo. Deus o abençoe e proteja, e lhe conceda a ousadia e a sabedoria para continuar a ser Apóstolo da Palavra de Deus, mensageiro da esperança, profeta de tempos sempre novos apoiados na novidade de Jesus Cristo.

D. António José da Rocha Couto

Data Nascimento: 18 de abril de 1952.

Naturalidade: Vila Boa do Bispo, Marco de Canaveses, Porto

Ordenação Sacerdotal: 3 de dezembro de 1980, em Cucujães.

Nomeação episcopal: 6 de julho de 2007, para Bispo Auxiliar de Braga.

Ordenação Episcopal: 23 de setembro de 2007, no Seminário das Missões, Cucujães, Oliveira de Azeméis.

Nomeação para Bispo de Lamego: 19 de novembro de 2011.

Tomada de Posse: 29 de janeiro de 2012.

Blogue de D. António Couto: www.mesadepalavras.wordpress.com

Para outros dados sobre D. António Couto,

visitar página oficial da Diocese de Lamego: www.diocese-lamego.ptAQUI.