Editorial Voz de Lamego: Pobres sempre os tereis

As palavras de Jesus nada têm de resignação ou demissão, pelo contrário, revelando tristeza, são uma crítica e um desafio ao compromisso sério e concreto. Somos responsáveis uns pelos outros e sobretudo pelos mais pequeninos. A opção preferencial pelos mais pobres não é um verbo de encher, é um compromisso que radica nas palavras e na vida de Jesus. O que fizerdes ao mais pequeno dos meus irmãos é a Mim que o fazeis (cf. Mt 25, 40). Não se trata de transformar as pedras em pão, mas de fazer com que o pão de cada dia seja multiplicado e partilhado para que chegue a todos. E, se somos filhos do mesmo Pai, cabe-nos agir, sempre, como irmãos, procurando que a ninguém falte o necessário (cf. Atos 2, 45; 4, 34-35).

Esta aldeia global democratizou modas e estilos de vida, esbateu diferenças culturais, mas também incentivou grupos e povos a agir pela liberdade e pelos direitos humanos fundamentais. Globalizou-se o bem e o mal, numa mistura nem sempre benéfica para as populações mais vulneráveis. Como tem referido o Papa Francisco, os meios de comunicação social e as redes sociais, em vez de levarem à afirmação da identidade pessoal, social, religiosa, integrando as diferenças e a multiculturalidade, conduzem, muitas vezes, à segregação, na procura do que é idêntico, a integrar grupos (sectários) que pensam da mesma forma, a fechar-se e radicalizar-se ainda mais.

Pobres sempre os tereis… Não basta encher os lábios de propósitos ou simplesmente responsabilizar os outros por situações de carência e de miséria. Ao aproximar-se o final da Sua vida, Jesus encontra-se em casa de Marta, Maria e Lázaro. E como Maria tivesse ungido os Seus pés com uma libra de bálsamo de nardo puro, de grande preço, Judas Iscariotes, e por certo os outros discípulos, murmura contra tal desperdício (cf. Jo 12, 8). Jesus re-situa as opções e prioridades.

Há pessoas que subestimam a riqueza “material” da Igreja, alienável a favor dos pobres! Sem aprofundarmos essa temática, que tem várias vertentes, seria de perguntar se essas pessoas, que olham para esta riqueza material, cultural, arquitetónica, alguma vez se predispuseram a fazer a parte que lhes compete e se exigem o mesmo a governantes, a multimilionários, pessoas e empresas com capital incalculável!

Há bens que não se podem alienar, mas, por outro lado, esses bens, bem geridos, ajudam a criar e/ou manter estruturas de apoio aos mais pobres. O Papa Francisco afirma que os museus do Vaticano permitem receitas para ajudar os “mendigos” de Roma e responder a solicitações que chegam de todo o mundo.

Sei, por experiência própria, como pároco, que aqueles que colaboram com a Igreja e no “adorno” dos seus edifícios, são os primeiros a cooperar em campanhas solidárias, muitas vezes como aquela viúva do Evangelho que deu, não apenas do que lhe sobrava, mas do que lhe fazia falta para viver (cf. Mc 12, 41-44).

As responsabilidades podem ser diferentes, conforme as possibilidades, o poder económico-financeiro, a capacidade de influência sobre entidades, grupos, governos, multinacionais, mas ninguém pode excluir-se deste compromisso de atender às necessidades dos mais vulneráveis.

Não basta dizer aos outros que é preciso fazer alguma coisa, cabe a cada um, inserido em grupos e/ou comunidades, agir, comprometer-se.

Pobres sempre os tereis e se conseguirdes vê-los e ajudá-los… melhor! Dai-lhes vós mesmos de comer. Adorar a Deus e amá-l’O sobre todas as coisas implica-nos com todos os Seus filhos, com todos os nossos irmãos, não nos isola nem espiritualiza!

Em Portugal como na Europa, mais de 70 % da população adulta já está vacinada, pelo menos com uma dose, contra a COVID-19… em África, 3%… As migalhas dos países mais ricos ainda não saíram das suas mesas fartas!

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 91/36, n.º 4618, 21 de julho de 2021

Entrevista com Frederic Cardoso

Frederic Cardoso, clarinetista, obteve vários prémios em concursos nacionais e internacionais e dedica uma parte significante do seu trabalho à música da câmara e à música contemporânea.

Frederic Cardoso, clarinetista, obteve vários prémios em concursos nacionais e internacionais e dedica uma parte significante do seu trabalho à música da câmara e à música contemporânea.

Enquanto solista ou parte integrante de ensembles, estreou cerca de 130 obras em Portugal, Alemanha, Bélgica, Espanha e Holanda, sendo dedicatório de muitas delas. Neste âmbito apresentou-se em festivais como Ciclo Estado da Nação (Casa da Música, Porto), Festival Dias da Música Eletroacústica (Seia), Festival Mixtur (Barcelona, Espanha), e Donaueschingen Music Festival (Donaeuschingen, Alemanha).

A sua discografia inclui discos em áreas tão diversas como a música contemporânea, erudita, improvisada, pop e world music.

Colaborou com a Banda Sinfónica Portuguesa Fundação Orquestra Estúdio e Orquestra Filarmónica das Beiras. Ministrou também cursos de aperfeiçoamento em Portugal Continental e insular, tendo apresentado um fórum sobra a música Portuguesa para clarinete e eletrónica, como professor convidado, no Conservatório Real de Antuérpia (Bélgica).

Natural de Tarouca, Frederic é licenciado e Mestre em Interpretação Artística pela Escola Superior de Música e artes do espetáculo e Mestre em Ensino de Música pela Universidade do Minho. Atualmente encontra-se a finalizar o Doutoramento em Música- Especialidade de Interpretação na Universidade de Évora. O membro efetivo da Banda Sinfónica Transmontana é também professor de Clarinete e Orquestra de Sopros do Conservatório de Música de Paredes.

“Desde que comecei a tocar clarinete nunca tive dúvidas de que aquilo fazia parte de mim”

Frederic Cardoso Começou pela banda juvenil de Gouviães com influência direta do pai, mas não foi o Clarinete o seu primeiro amor, quando ingressou na banda juvenil, o seu instrumento era o solfejo. Só depois de alguns trabalhos e atuações é que foi forçado a escolher entre o saxofone e o clarinete, optando pelo clarinete. O músico diz que a escolha não foi difícil, e que não foi o som dos instrumentos que influenciou a sua escolha, mas sim o aspeto dos mesmos.

“Quando ingressei na academia houve um grande choque de ideias muito por causa do tipo de formação, o professor da academia implementou novos métodos e ideias às quais não estávamos habituados.”

Frederic frequentou a academia de música até 2003, candidatou-se à escola superior de arte de Mirandela posteriormente afirmando que, na altura, era o que mais se enquadrava ao seu trajeto e, a melhor forma de atingir todas as suas metas.

“Enquanto intérprete não preciso só de estudar o instrumento várias horas como também preciso de ter um papel de investigador, preciso de aprofundar o lado mais teórico.

Para uma obra preciso de estudar o contexto sociocultural, o contexto da época para depois conseguir otimizar a minha performance”

“O clarinetista Frederic Cardoso é um verdadeiro motor de um assinalável número de obras de câmara em que o seu instrumento tem parte destacada”

Fernando Lapa- Compositor

“Um clarinetista de grande personalidade e versatilidade”

Ada Gentile- Compositora

in Voz de Lamego, ano 91/34, n.º 4616, 7 de julho de 2021

Editorial: Poderá a pena de morte ser um direito humano?

Por estes dias surgiu a proposta do aborto passar a ser um direito humano. Subsequentemente, elimina-se a possibilidade de objeção de consciência.

O aborto, mais clandestino ou mais visível, era uma prática que não deixava tranquilo quem o praticava, em situações de exceção, de desespero, medo e dúvida. Avançou-se para a despenalização, para a mãe e para os que ajudavam (e ganhavam com isso). Em condição penalizadora já se encontrava aquela mãe, muitos vezes forçada pelas circunstâncias, pelo contexto familiar, social e cultural, ou porque tinha sido vítima de estupro. Por outro lado, a clandestinidade do aborto, como também no caso da toxicodependência, levava a correr muitos mais riscos para a saúde, além de encarecer a prática do mesmo, afastando das clínicas os que tinham menos recursos. Com estes argumentos compassivos, a despenalização surgia quase como uma bênção. De fora ficaram sempre os homens, que quando muito pegavam em algumas notas e esqueciam o assunto, e os que ganhavam a vida à custa da fragilidade alheia. Seguiu-se a liberalização. O que era excecional, passou a ser banal, democrático, enquadrado como um serviço de saúde. Hoje o aborto surge em paralelo com os métodos contracetivos. A mesma pessoa recorre aos SNS para o primeiro, o segundo, o terceiro, o quarto aborto. E sucessivamente!

As recomendações iniciais, levariam a mãe a uma consulta, a verificar as causas e, eventualmente, apontar soluções que não passassem pelo aborto, limitando às primeiras semanas. Reconhece-se a dramaticidade vivida por algumas mães ao olharem para o presente e para o futuro e para as condições em que trariam uma criança ao mundo, sem o apoio da família ou da comunidade. Uma visão demasiado moralista, que excluía, não ajudava em nada, como uma sociedade demasiado permissiva também não ajuda. Veio, posteriormente, através de um casal de cientistas a proposta que o aborto se estendesse até ao parto. Se na altura do nascimento da criança, os pais não ficassem satisfeitos, poderiam desfazer-se do bebé, matando-o. O argumento é de que não há diferença substancial entre um embrião, um feto e um bebé recém-nascido.

O Parlamento Europeu, seguindo a recomendação da deputado croata Predraf Matić, sustenta agora a possibilidade de o aborto ser considerado um direito humano fundamental, o que tem vindo a ser progressivamente defendido pelos organismos da O.N.U., recusando a recusa dos médicos e dos serviços por questões de consciência e/ou de religião. O Relatório Matić faz prevalecer os direitos das mulheres, subjugando o direito à vida.

Durante alguns anos, a pena de morte constou do Catecismo da Igreja Católica, como último recurso, caso não fosse possível pôr termo a uma situação de violência grave. Colocavam-se algumas questões paradoxais: como é que a Igreja é contra o aborto e é a favor da pena de morte? Nas duas situações estavam em causa a vida humana e a possibilidade de ser destruída. Com o tempo, percebeu-se que não havia justificação para a pena de morte, até porque, na atualidade, havia meios para afastar da sociedade, de forma segura e definitiva, os prevaricadores. A pena de morte voltou à discussão pública, em casos de gravidade, como homicídios. Poderemos assistir, dentro de pouco tempo, à solicitação para que também a pena de morte seja, não um castigo excecional, mas um direito humano fundamental? E que é que isso tem a ver com o aborto? Tem a ver com vidas humanas que, perante circunstâncias mais específicas ou mais genéricas, podem ser impedidas de prosseguir… O mandamento: não matarás, terá de ser refeito! Se quiseres matar terás a ajuda da sociedade, para que não te faltem os meios nem a ajuda necessária.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 91/35, n.º 4617, 14 de julho de 2021

Foto: Olivier Hoslet/EPA

Entrevista a Mavis Monteiro – Diretora do Colégio de Lamego

O final de junho marca o final de mais um ano letivo na maioria das escolas, depois de mais uma jornada faz-se o balanço do que correu bem, do que correu menos bem e do que se pode melhorar. O Colégio de Lamego não é exceção, apesar dos bons resultados estarem à vista de todos, o Voz de Lamego quis saber mais, e, para isso, nada melhor que entrevistar uma das principais responsáveis de todo o sucesso, a presidente do Colégio, Mavis Monteiro.

1. Há quanto tempo está à frente da instituição? Quais são as principais responsabilidades?

Assumi a presidência da direção do Colégio de Lamego, que partilho com o Dr. António Martins, professor no Colégio há já vários anos, em setembro de 2017.

As nossas principais responsabilidades são as próprias de um estabelecimento escolar, agravadas pela maior exigência de quem confia os seus educandos a uma escola privada e, no nosso caso, por termos alunos e alunas em regime de internato. Quem investe na educação dos seus filhos, confiando-os a uma instituição como o Colégio, exige qualidade e rigor em termos académicos, mas exige igualmente a transmissão e solidificação de valores que constituem a base de uma boa formação humana. Esta é a nossa primeira e principal responsabilidade: formar crianças e jovens capazes de assumir a sua responsabilidade social, individual e coletiva, colocando o seu saber e as suas competências ao serviço do desenvolvimento pessoal e da sociedade em geral. E esta responsabilidade é ainda maior por o Colégio de Lamego ser uma instituição secular de referência nacional. Ajuda-nos o apoio e colaboração dos Ilustres Mestres Beneditinos residentes no Colégio, bem como uma equipa de docentes com excelentes qualidades académicas e humanas.  

2. Como descreveria o ambiente e o ensino da instituição?

O ambiente do Colégio é como o de uma família que se quer e dá bem, com um forte espírito de entreajuda e solidamente unida, apesar de, tal como em qualquer família, haver momentos menos bons e até difíceis. Ter alunos internos potencia ainda mais este ambiente. Estas crianças e jovens são como se fossem nossos filhos. Damos-lhes a atenção, o amor e o carinho de que tanto precisam, tal como repreendemos e dizemos “não” sempre que necessário e eles, tal qual verdadeiros irmãos, apoiam-se mutuamente e zangam-se mais do que é preciso para logo fazer as pazes.

Claro que o facto de sermos uma comunidade de pequena dimensão também contribui para este ambiente familiar. Todos se conhecem e o convívio entre os alunos dos diferentes anos e ciclos não só é possível como é uma realidade, contribuindo para o desenvolvimento de competências sociais que numa escola “grande” não é, de todo, possível. Aliás, a existência de alunos de diferentes nacionalidades permite um convívio natural e saudável com a diferença e a multiculturalidade, tão importantes no mundo global em que vivemos.

O desporto e a vida em contacto com a natureza, que o nosso pavilhão e a quinta do Colégio permitem e que tanto fomentamos, também contribuem para um ambiente unido e saudável.

No que respeita ao ensino, a competência, dedicação e empenho dos professores que compõem o corpo docente do Colégio garante o ensino de qualidade que atualmente nos caracteriza. Claro que a qualidade do ensino não garante, por si só, os bons resultados escolares, mas, reconhecendo as fragilidades que os “rankings” das escolas apresentam, acredito que foi o fator preponderante que permitiu que, no nosso concelho, o Colégio ficasse posicionado em 1.º lugar nos exames nacionais do ano anterior.  

3. São estas instituições que acabam por fazer parte da imagem de uma cidade. O que acrescenta o colégio à cidade de Lamego? E a cidade, em que aspetos beneficia a instituição?

O Colégio de Lamego constitui uma oferta educativa diferente para as crianças e jovens da nossa cidade. É a opção para quem pretende um ensino mais personalizado e individualizado, naturalmente possível pelo número de alunos existente em cada turma e pelos apoios individuais que disponibilizamos; para quem precisa de um estabelecimento de ensino que garanta um horário alargado e em que os alunos estão permanentemente acompanhados; para quem pretenda que os seus filhos cresçam numa escola em que os valores morais, a inclusão e a convivência multicultural são uma realidade e fazem parte da sua formação ou, ainda, para quem simplesmente pretende que os filhos tenham as atividades extracurriculares no estabelecimento de ensino que frequentam. As atividades que o Colégio disponibiliza, já incluídas nas propinas, bem como as que são ministradas por entidades parceiras que vão ao Colégio, permitem que pais e filhos não precisem de se deslocar entre locais, assim minimizando o stress e a sempre difícil compatibilização de horários. 

A partir deste ano letivo, o Colégio oferece ainda dois cursos profissionais até agora inexistentes no concelho e que constituem mais uma opção educativa para os nossos jovens

Ao longo dos seus 162 anos de existência o Colégio de Lamego constituiu e continua a constituir um estabelecimento educativo de referência. Por aqui passaram figuras insignes do panorama nacional, como Aquilino Ribeiro, para falar do passado; Fernando de Almeida, atual Diretor do Instituto Nacional Ricardo Jorge, ou Armando Mansilha, rosto público da rede CUF, para referir o presente. Claro que há milhares de antigos alunos cujos percursos tanto nos orgulham; alguns, atuais docentes do Colégio, que disponibilizaram o seu tempo e a sua competência para ensinar aqueles que, à sua semelhança, escolheram o “velho casarão da Ortigosa” para a sua formação académica, assim contribuindo para “levar” o nome da cidade de Lamego a todo o território nacional e cada vez mais para além-fronteiras.

O espaço e a credibilidade que estamos a conquistar a nível internacional permitem dar a conhecer a nossa cidade e atrair estudantes que, quiçá, a escolham para o seu futuro pessoal e profissional.

Por sua vez, a cidade de Lamego, pela sua beleza natural, história, segurança e simpatia das suas gentes, inspira a uma maior certeza dos pais na decisão de escolher o Colégio para os seus filhos. Também a confiança que os órgãos autárquicos depositam na nossa instituição, concretamente na atual direção, que publicamente assumem e partilham, beneficia o Colégio na medida em que denota a nossa qualidade formativa.

 4. Com certeza que existem alunos que a marcaram de uma ou de outra forma. Há alguma história que queira partilhar?

Sabe que a grande proximidade que existe com todos os alunos, desde o 1.º ao 12.º ano (sei o nome de todos, sem exceção), permite um acumular de histórias dos mais variados géneros e todas elas deixam a sua marca. A porta do meu gabinete está sempre aberta para receber os alunos e eles sabem disso… Desde histórias engraçadíssimas, próprias do “Flagrantes da Vida Real”, até às que partem o coração mais gélido, há tantas histórias dignas de partilha que é difícil escolher uma. Quem sabe um dia as possa compilar e publicar.

Apesar dos meus 54 anos e de três filhos já adultos, as histórias experienciadas com os alunos têm-me proporcionado uma permanente e gratificante aprendizagem pessoal. Já vivi inúmeras alegrias com os alunos, mas também já chorei por alguns e com alguns, tal qual sucede com os nossos filhos, só que, aqui, a responsabilidade pesa ainda mais porque são “nossos” sem o serem.

Contudo, podendo não ser as que nos marcam mais, as histórias que acabam bem são aquelas em que um aluno vem para o Colégio apenas por opção dos pais e passado algum tempo fica por vontade própria, ou quando parte genuinamente agradecido pelo caminho percorrido nesta casa ou com a imensa alegria de ver concretizados os seus objetivos.

5. Como asseguram a comunicação escola-família?

A nossa proximidade com a família permite uma comunicação regular e eficaz, através de qualquer meio de comunicação.

6. Quais os cursos disponibilizados pelo Colégio de Lamego? 

O Colégio disponibiliza, para além do ensino básico, todos os cursos científico-humanísticosciências e tecnologias, línguas e humanidades, ciências socioeconómicas e artes visuais – e vamos iniciar, em 2021/2022, os cursos profissionais de Técnico Administrativo e Vitrinismo, ambos totalmente comparticipados e, como tal, sem qualquer custo para os estudantes que optem por esta via.

Para além destes cursos, o Colégio oferece também um Centro de Estudos, que funciona durante todo o ano letivo e Programas de Atividades para os períodos não letivos, ambos abertos a alunos de outras escolas.

7. Sente que os alunos saem daqui prontos para a vida profissional?

Sem dúvida! Os inúmeros casos de sucesso de antigos alunos falam por si.

O Colégio de Lamego sempre incutiu nos seus alunos os valores do trabalho, do rigor, do esforço e da resiliência e o lema beneditino, “PER ASPERA AD ASTRA”, continua a ser um dos princípios que rege a formação dos atuais alunos. Desde o 1.º ano que começam a perceber que os resultados dependem do trabalho, do empenho e do comportamento.

Fundamental a este processo formativo é a prática desportiva que fomentamos. As regras, o espirito de equipa, o treino, o esforço, o respeito pelos colegas e pelos adversários, o saber lidar com a derrota e a capacidade organizativa a que o desporto obriga, contribui de forma muito positiva para que os alunos adaptem os mesmos valores à sua vida académica e, mais tarde, à sua vida profissional.

Para ajudar a gerir a pressão que, desde cedo, muitos começam a sentir, estamos a iniciar um trabalho de educação emocional, transversal a todos os níveis de escolaridade.

Incutindo valores fundamentais e estimulando a autorregulação emocional, estamos certos de que estamos a criar as raízes necessárias para que os nossos alunos integrem e lidem da melhor forma com a vida profissional que escolherem.  

Há poucos dias, um aluno que vai sair do país dizia-me, na hora em que se despediu, “Obrigado por me terem relembrado e feito reavivar em mim valores que já me tinha esquecido que existiam.” Senti que tínhamos cumprido a nossa missão! Mais alguém a quem tínhamos ajudado a ganhar asas para voar sozinho e para bem longe.   

8. Muitas vezes, passamos mais tempo no local de trabalho do que em casa e, por isso, é importante haver um ambiente familiar com os colegas de profissão. Sente que o ambiente no Colégio é agradável, um ambiente familiar?

O que já referi a propósito do ambiente que se vive no Colégio abrange todos os nossos colaboradores. O espírito de cooperação e entreajuda nota-se nas mais pequenas coisas e há verdadeiras relações de amizade entre alguns. Nem a pandemia travou o companheirismo que sempre se fez sentir!

Estamos de corpo e alma no Colégio, dedicamo-nos a 100% aos nossos alunos e trabalhamos para um objetivo comum: a sua excelente formação académica e humana.

“Juntos somos Colégio!” é a expressão que carateriza e espelha a nossa forma de estar, viver e sentir o Colégio.

9. Quais são as expectativas do Colégio para daqui a dez anos?   

Confiando no trabalho que temos desenvolvido e no seu reconhecimento por parte de toda a comunidade educativa, temos expectativas elevadas. Daqui a dez anos, esperamos, em primeiro lugar, manter connosco os alunos que estão atualmente no 1.º e 2.º anos de escolaridade e aumentar o número total de alunos, mantendo a qualidade de ensino existente. Depois, criar protocolos com algumas universidades, nacionais e estrangeiras, que permitam aos nossos alunos uma escolha mais informada e consciente para a sua vida académica futura; voltar a ter equipas campeãs nacionais de voleibol em vários escalões; ter uma quinta pedagógica em pleno funcionamento e os campos de futebol relvados e repletos de crianças e jovens.  

E acreditamos que é possível! Afinal, “PER ASPERA AD ASTRA”.

in Voz de Lamego, ano 91/34, n.º 4616, 7 de julho de 2021

Editorial Voz de Lamego: Não te reconheço!

É uma expressão popular que ouvimos muitas vezes sobretudo quando a outra pessoa nos surpreende positiva ou negativamente ou, então, quando vemos que ela não reage da forma como estávamos à espera que reagisse perante uma adversidade. Neste tempo de pandemia, ouvimos muitas expressões semelhantes, pois nem sempre reconhecemos imediatamente as pessoas com máscara. Já nos aconteceu, talvez a todos, cumprimentar uma pessoa, trocar algumas palavras e ficarmos a refletir quem seria tal pessoa!

É bem conhecida a expressão de Jesus a Filipe: há tanto tempo que estou convosco e não me conheces? (Jo 14, 7-14). Na parábola do Juízo Final (cf. Mt 25, 31-46), aqueles que são benditos a entrar no Reino ficam surpreendidos e questionam quando é que realizaram o bem. A resposta do Rei é concludente: “Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim mesmo o fizestes”. O Rei reconhece-os e acolhe-os porque também eles O reconheceram no cuidado aos irmãos. Em sentido contrário, são malditos (não-reconhecidos) aqueles que não O reconheceram nos irmãos: “Sempre que deixastes de fazer isto a um destes pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer” (cf. Mt 25, 31-46).

A mesma expressividade na parábola das 10 Virgens, 5 prudentes e 5 insensatas. Como o noivo se demorasse, as virgens foram adormecendo. As sensatas levaram azeite de reserva, as insensatas não se precaveram. Quando o noivo se aproxima, as insensatas apressam-se a ir comprar mais azeite, mas quando regressam a porta está fechada. “Em verdade vos digo: Não vos conheço” (Mt 25, 1-13).

A pessoa enquanto tal é um mistério que nunca se expõe nem é exposta totalmente. Pelos perfis digitais, a pessoa diz e esconde muito do que é. Um amigo, um familiar, um colega de trabalho, pode parecer que se conhece bem, mas de repente…

Na Sinagoga de Nazaré, os amigos de Jesus acharam que O “conheciam” demasiado bem. Ele é o Filho de Maria e de José, o Carpinteiro. Conhecem os parentes e as ligações à comunidade, mas são surpreendidos pelas Suas palavras, pelos prodígios realizados e pela fama que, entretanto, tinha granjeado em outras terras.

Obviamente é bom e salutar que nos conheçamos e tenhamos consciência de que conhecemos bastante bem os nossos amigos e familiares, pois é sinal de proximidade, atenção e afeto. Conhecer bem pode, positivamente, ajudar a responder às necessidades, anseios e questões levantadas por eles. Negativamente, quando diminuímos a atenção e o cuidado, porque conhecemos, porque as reações são sempre as mesmas e assim as respostas também serão. Como exemplo paradigmático: casais que na conquista e no namoro procuram ser reciprocamente atenciosos, ouvintes, compreensivos… com o tempo deixam de surpreender e já não se centram tanto nas necessidades do outro mas mais nos gostos próprios…

Com ou sem máscara, com ou sem pandemia, a verdade é que deixamos de reconhecer algumas pessoas, positiva e negativamente, pelo que eram e por aquilo em que se tornaram. No tempo, somos sempre os mesmos, mas, simultaneamente, é bom e desejável que cresçamos, amadurecendo, aprendendo, como nos diz São Paulo, até à estatura de Cristo (cf. Ef 4, 13-15). O drama é quando crescemos e ficamos da nossa própria estatura, tornando-nos como Zaqueu antes de encontrar Jesus e se deixar ver por Ele (cf. Lc 19, 1-10). Zaqueu era um homem de vistas curtas e de pequena estatura, preocupado com os seus bolsos e com o seu umbigo, mas pelo caminho encontrou-se com aquele Mestre sábio e bom. Pôs-se em movimento, em bicos de pés, subiu a uma árvore… para descer da sua prepotência e sobranceria e caminhar ao lado de Jesus, acolhendo-o em sua casa e na sua vida.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 91/34, n.º 4616, 7 de julho de 2021

Entrevista com Miguel Duarte, Diretor da Escola de Hotelaria e Turismo do Douro-Lamego

Miguel Duarte disse-nos que quando aceitou o desafio para o cargo de Diretor da Escola de Hotelaria e Turismo do Douro-Lamego tinha como principal missão dar continuidade ao grande projeto que já tinha iniciado há mais de 20 anos.

O seu maior desafio é que a Escola tenha um papel determinante no desenvolvimento do território do Douro, ser um centro de inovação e competitividade na área da Gastronomia. O seu maior propósito é ter uma escola com o propósito de Educar e Formar para a Sustentabilidade o destino Douro, promovendo um consumo sustentável dos recursos endógenos da região.

“Estou há dois anos como diretor da escola, têm sido 2 anos atípicos, entrei com um desejo e ambição enormíssima, mas rapidamente vi tudo isso condicionado pela pandemia. Este é um setor de formação que é muito penalizado com a questão da pandemia porque a transição para o online só pode ser feita em algumas vertentes, pois seria impossível juntar a componente prática e o online”.

Apesar de todo o contributo que o diretor e a Escola de Hotelaria e Turismo do Douro Lamego já deram à região, Miguel Duarte mostra que há vontade para contribuir muito mais, ajudar a resolver problemas da região e valorizá-la.

“Daqui a 10 anos espero ainda estar a trabalhar no setor, se possível, neste território. Com todos os projetos que temos em mãos espero que, num futuro próximo, esses projetos estejam a dar frutos e sejam reconhecidos, não só pelas pessoas que estão envolvidas, mas também para que, quem nos visita, possa desfrutar de um território mais coeso em termos territoriais, mas coeso a nível social e mais sustentável. Uma das minhas metas passa por valorizar esta região, que tem imenso para oferecer”.

Um dos grandes objetivos desta região é que haja um território que trabalhe em rede e, desde que a escola se instalou em Lamego, uma das coisas que tentou promover foi a ligação com o meio, privilegiando bastante a rede de contactos que tem, privilegiando os parceiros.

“O nosso sucesso é também o sucesso dos nossos parceiros. Temos uma ligação muito forte com as câmaras municipais, há uma relação bastante boa com a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego, desenvolvemos também imensos projetos com a universidade de Trás-os-Montes na área da gastronomia e alimentação e ainda com todas as escolas profissionais do interior”.

A Escola de Hotelaria e Turismo do Douro Lamego conta agora com 270 alunos inscritos, muitos deles oriundos de outras cidades, que acabam por residir em Lamego.

“Muitos dos alunos estão deslocados da residência da família, o que faz com que os docentes tenham a preocupação de dar um acompanhamento mais personalizado aos alunos. Nas residências fazemos muitas sessões de cinema, leitura, teatro e muitas outras atividades. Fazemos isso para que os alunos sintam que têm aqui uma comunidade muito próxima deles”.

Miguel Duarte falou ainda das oportunidades que quer que os alunos da Escola de Hotelaria e Turismo do Douro Lamego tenham. Grande parte das escolas do nosso setor estão situadas no litoral, havendo apenas três escolas no interior, mas isso não preocupa o diretor.

“O facto de sermos das poucas escolas do interior, faz com que pareça que estamos distantes do mundo global, o que não acontece. Hoje em dia nós conseguimos colocar Lamego e o Douro. É por isso que faço questão que os meus alunos participem em concursos e atividades, sei que, se participarem, são os melhores”.

Todo este esforço, para que os seus alunos se mantenham entre os melhores da sua área, tem dado frutos, tendo mesmo alunos a representar o país, fora de portas.

O aluno da Escola de Hotelaria e Turismo do Douro-Lamego, Gonçalo Graça, conquistou recentemente o primeiro lugar da categoria de Cozinheiro Aprendiz no concurso Interescolas 2021.

A prova foi organizada pelas escolas do Turismo de Portugal. Gonçalo Graça, que estuda no curso de Gestão e Produção de Cozinha, garantiu a sua participação nos Encontros Europeus da Associação Europeia de Escolas de Hotelaria e Turismo que se vai realizar na Estónia.

O concurso Interescolas teve lugar no início deste mês de junho, contando com a participação de 12 escolas e perto de 100 alunos que competiram durante três dias na Escola de Vila Real de Santo António, no Algarve. Em prova estiveram 12 categorias ligadas às áreas de formação ministradas nas escolas de hotelaria e turismo do país.

O diretor, Dr. Miguel Duarte, está otimista em relação ao próximo ano letivo e apela a todos os que realmente gostam da área de hotelaria e turismo a juntarem-se à equipa da Escola de Hotelaria e Turismo do Douro-Lamego.

As candidaturas à Escola de Hotelaria e Turismo do Douro Lamego estão abertas, até 20 de julho, através de um processo online e gratuito, disponível em escolas.turismodeportugal.pt, para alunos nacionais e estrangeiros.

Cozinha, Pastelaria, Restauração e Bebidas, Hotelaria/Alojamento são alguns dos cursos disponíveis, com uma forte componente ligada ao desenvolvimento pessoal, às soft skills e à preparação dos jovens para uma ação ambiental e socialmente responsável. No último ano, 93% dos candidatos conseguiu colocação no Curso/Escola da sua primeira opção.

No próximo ano letivo, é também reforçada a aposta na capacitação das empresas e formação dos profissionais em novas áreas emergentes do turismo, como o Turismo Literário, Turismo de Luxo, Turismo de Saúde e Bem-Estar, bem como, no segmento da alimentação saudável, com uma nova oferta em Cozinha e Pastelaria Vegetal.

Perante os desafios dos últimos meses, a Escola de Hotelaria e Turismo do Douro Lamego tem vindo a introduzir mudanças significativas na sua organização e metodologia de formação, adequando-as à mudança digital acelerada que pauta o setor. Em 2021/2022, a Escola irá continuar a apostar no processo de transformação digital que consolidará as soluções de ensino à distância, a produção de suportes pedagógicos digitais e de apoio ao estudo.

Para preparar os profissionais do futuro com competências adequadas às exigências do setor do turismo, que acrescentem valor às empresas, que atuem com responsabilidade, ética e sustentabilidade e que assegurem um serviço de qualidade focado nos clientes e no desenvolvimento de experiências únicas, é essencial rever modelos e conteúdos, utilizar a tecnologia e os recursos digitais, mas também, criar projetos colaborativos com outras escolas e outras entidades e, sobretudo, com as comunidades locais e as empresas.

Neste sentido, a EHTDL procura dinamizar conteúdos nas áreas do digital, da sustentabilidade, da gestão, do marketing e vendas, novos conteúdos cognitivos nas áreas da análise de dados, do pensamento crítico e analítico e nas áreas colaborativas, gestão das emoções, da ética, da comunicação e relação social, da flexibilidade e adaptabilidade, da criatividade e autoaprendizagem.

Têm, igualmente, vindo a adicionar novos suportes tecnológicos e digitais, como softwares colaborativos, plataformas educativas e suportes digitais a processos de aprendizagem autónoma, mas também, criado parceiras colaborativas com outras escolas e universidades, empresas e as comunidades locais, ultrapassando as barreiras físicas da escola e estruturando um novo conceito de escola, enquanto comunidade de aprendizagem.

Paralelamente, têm vindo a ser introduzidas novas metodologias de educação-formação, com projetos piloto de aprendizagem baseada em projetos, de aprendizagem experiencial e de aprendizagem integrada, onde a formação deixa de estar focada na transmissão de conhecimento para estar focada na geração de competências através da resolução de situações concretas, do envolvimento em projetos reais, na resolução de questões identificadas nas empresas e nas comunidades. Através da concretização de experiências reais, os alunos vão desenvolvimento competências efetivas de pensamento analítico, de tomada de decisão, de liderança e de comunicação, adaptando-se e aprendendo a ser flexíveis, relacionais, focados nas soluções, empreendedores e inovadores.

O novo ano letivo 2021/2022 será focado na capacitação das equipas, em que se pretende enriquecer a Bolsa de Formadores com mais talento, em que será feito um reforço das parcerias nacionais e internacionais com outros níveis de ensino, e um maior investimento em novos meios e recursos digitais e tecnológicos para consolidar a área de inovação da escola.

Os grandes desafios da Escola nos próximos anos:

A EHTDouro Lamego pretende ser uma alavanca no desenvolvimento do território do Douro

  • Apoiar o Douro como um Pólo de Inovação e Competitividade.
  • Ajudar a tornar o Douro como um Território Ambientalmente Sustentável e Socialmente Inclusivo.
  • Apoiar o Douro como um Território em Rede, suportado em parcerias institucionais.

Projeto Centro Enogastronómico do Douro

  • Valorizar o património cultural do Douro através da promoção da Gastronomia enquanto marca distintiva da Região.
  • Preservar e promover a autenticidade dos produtos locais na gastronomia através da sua qualificação.
  • Manter viva a tradição de uma gastronomia que foi criada com os produtos da terra respeitando a lógica da sazonalidade.
  • Contribuir para a preservação da memória culinária do Douro.
  • Dar fôlego aos produtores locais contribuindo para a divulgação dos seus produtos e promovendo o enriquecimento local.
  • Identificar a gastronomia Duriense em função das disponibilidades/necessidades locais e também das festas e tradições.
  • Promover um encontro profícuo e cada vez mais ativo entre a gastronomia local e os vinhos do Douro.

Esperamos, assim, contribuir para a competitividade e qualidade do serviço prestado pelas empresas.

Queremos ser uma escola referência nas boas práticas “Km 0”, uma escola que trabalha em rede alargada com parceiros Institucionais e com os agentes económicos do setor.

Queremos ser uma escola Inclusiva e socialmente responsável e interveniente no seu ambiente territorial e agentes do setor do Turismo.

Seguindo sempre o nosso propósito “Educar e Formar para a Sustentabilidade o destino Douro, promovendo um consumo sustentável dos recursos endógenos da região”.

 in Voz de Lamego, ano 91/32, n.º 4614, 23 de junho de 2021

Editorial Voz de Lamego: Quando foi que nos perdemos?

Poderás ser tu a ovelha perdida? Ou serei eu?

Será que ainda estamos no caminho certo? Seguimos com os outros! Mas continuamos a seguir Jesus ou apenas um esqueleto de tradições e obrigações? É a fé que nos anima ou pesa-nos a falta de alegria e de festa? Alguém caminha em sentido contrário! Ou fui eu que me enganei na direção? Ou foste tu que te perdeste no caminho?

Onde ou quando se terá perdido Judas?

Não sabemos. Era um dos apóstolos mais próximos de Jesus. A ele foi confiada a administração dos parcos bens, a bolsa comum. Alguns insistem que era corrupto, ainda que os dados dos Evangelhos não permitam tal juízo. Há vários estudiosos que sustentam que não foi a falta de fé ou a avareza que o conduziram ao descalabro, mas uma fé enviusada, demasiado zelo e demasiada pressa. Uma fé infantil que quis obrigar Jesus a agir como “Deus”, com milagres e poder. Faltou-lhe clareza e confiança. Não foi capaz de dar o salto. Como ninguém pode dizer que ele se condenou, há quem diga que o próprio suicídio foi uma forma (extrema e doentia) de apressar o encontro com Jesus na eternidade. Nalgum momento queimou os fusíveis e perdeu a direção!

Pedro também se perdeu no caminho! Não conheço esse homem, não sei quem é, nunca o vi mais gordo, não sei onde pendura o pote! Do mesmo jeito, os demais apóstolos fogem, com medo, e mantêm-se à distância, como observadores, neutros, amorfos, indiferentes! Como cristãos, alguns de nós assumimos a mesma postura, ficamos na nossa zona de conforto até ver onde param as modas!

Por ocasião dos 12 anos de Jesus, Maria e José levam-n’O ao Templo, para cumprirem a tradição.  Ele assume a Sua adultez diante dos doutores da Lei e dos sacerdotes do Templo. A partir de então, Jesus pode ler em público a Escritura Sagrada, podendo propor alguma meditação. No regresso a casa, no final do primeiro dia de viagem, Maria e José apercebem-se que Jesus não se encontra na caravana! Hoje, esta aparente perda abriria telejornais e espalhar-se-ia rapidamente pelas redes sociais, uns culpando os pais por falta de cuidado e de responsabilidade; outros, diriam que Jesus era demasiado arisco e que se tinha perdido em consequência das suas traquinices (e óbvia falta de educação!). Seja como for, Maria e José, quando se apercebem que Jesus não regressou para a ceia, partem a buscá-l’O entre parentes e amigos. E voltam atrás. Não descansam até que O encontram. Não adianta correr se não sabes onde vais (Amália Rodrigues)!

João Batista aponta Jesus aos seus discípulos que, doravante, seguem o Messias de Deus. Voltando-se Jesus, pergunta-lhes: a quem buscais? Eles por sua vez, questionam-n’O: onde moras? Vinde ver, diz-lhes Jesus. Eles foram e ficaram com Jesus.

Já as mulheres, no primeiro dia da semana, vão ao sepulcro, com o fito de embalsamar o corpo de Jesus, pois não tiveram tempo de o fazer ao cair da tarde de sexta, quando se iniciava o dia sagrado de sábado. O anjo diz-lhes: «Sei que buscais a Jesus de Nazaré, o crucificado; não está aqui, ressuscitou… Ide depressa dizer aos Seus discípulos: ‘Ele ressuscitou dos mortos e vai à vossa frente para a Galileia. Lá O vereis’» (Mt 28, 5-7).

É importante seguir Jesus, ver onde mora, como vive! Ele mora, como canta a Ir Maria Amélia, em tua casa, no teu coração, na tua rua, no teu vizinho. Pior do que nos perdermos e/ou perdermos Jesus é não nos apercebermos que Jesus já não segue na nossa barca! Quando foi que nos perdermos? Sempre que esvaziámos a alegria da fé e a alma do Evangelho…

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 91/33, n.º 4615, 30 de junho de 2021

Editorial Voz de Lamego: Noah e as teorias da conspiração

O pequeno Noah esteve desaparecido umas 36 horas. Logo dispararam os alarmes: rapto, negligência dos pais? O que aconteceu? O que se supõe que terá acontecido? Horas e horas de diretos! E, para alguns, a ligação imediata ao caso Maddie.

Ficámos com a sensação que para alguns teria sido preferível encontrar a criança sem vida ou concluir que tinha sido raptada. Parece que tudo encaixaria melhor! Como é possível que um menino de dois anos e meio tenha sobrevivido tanto tempo e percorrido cerca de 10 km, ao relento e sem comer? Pelo caminho foi largando roupas e calçado…

A preocupação de pais, de autoridades e de muitos voluntários foi encontrá-lo quanto antes com vida. Muitos se regozijaram com a descoberta de Noah com vida. Novas suspeitas?! Uma história mal contada! Para já, tanto quanto se sabe, não há indícios de rapto e/ou ação criminosa.

Semelhanças com o caso Maddie? Pelo menos duas diferenças significativas. Os pais de Noah não saíram para uma noitada, mas saiu o pai para trabalhar, de madrugada, sendo suposto que às oito horas da manhã os dois irmãos ainda estivessem pela cama. Por outro lado, não foi numa cidade pejada de turistas, mas na tranquilidade do campo.

Tempos de suspeita, juízos de opinião rápidos e apressados, sob necessidade de destrinçar qualquer mistério. Quando nos deparamos com situações demasiados óbvias, o grau de suspeita mantém-se ou aprofunda-se ainda mais. Parece que por detrás de tudo há algum tipo de conspiração, que alguém está a mentir ou a sonegar informação! Não podemos confiar em ninguém! Não podemos ser ingénuos e acreditar em tudo o que nos dizem! Anda meio mundo a enganar outro meio!

Um texto que lemos/escutámos por estes dias, traz-nos a figura de Job. Job era um homem justo, piedoso e temente a Deus. Tinha sete filhos e três filhas. Tinha muitas posses, centenas de cabeças de gado. A determinada altura, morrem a mulher, as filhas e os filhos, morrem-lhe os animais. Fica na penúria. Os amigos de Job tentam encontrar uma explicação lógica. Para eles, a culpa é de Job, consequência do seu mau proceder, pois Deus é justo e castiga com conta, peso e medida. Job, olhando para a sua vida, não encontra nada que mereça o castigo de Deus. E clama a Deus por justiça. Deus convida-o a contemplar o mistério das coisas, da criação e da vida. Nem tudo compreenderemos, de uma só vez e para sempre! Também os amigos de Job são chamados à liça, pois enveredam por leituras fáceis e apressadas acerca de Deus e dos Seus mistérios e rapidamente condenam Job colocando em causa a sua honorabilidade. No final, não sancionando inteiramente Job, Deus coloca-se do lado dos seus questionamentos, desafiando-o a não se deixar amedrontar pelo mistério, pois em tudo está presente a bondade divina.

Muitas pessoas ajudaram nas buscas. Muitas rezaram e confiaram na ajuda de Deus. Terá Deus colocado o anjo desta criança em alerta para que nenhum mal lhe acontecesse? Terá iluminado os que se apressaram a ajudar? Claro que há tantas outras situações em que o desfecho é diferente e sobram perguntas sobre a omnipotência de Deus e a Sua benevolência. O próprio Jesus não responde teoricamente às questões de sofrimento, ainda que as desligue de qualquer tipo de moralismo. Jesus faz o que está ao Seu alcance para ajudar, curar, salvar, integrar. Demasiadas vezes tiramos a Deus o poder de intervir na nossa vida e na história do mundo. Noutras, clamamos pela Sua intervenção.

No caso de Noah, ficar-nos-emos pela casualidade, por uma conspiração não explicada, um rapto malsucedido, ou por coincidências milagrosas através das quais Deus Se faz ver?

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 91/32, n.º 4614, 23 de junho de 2021

Editorial Voz de Lamego: Popularidade dos santos

Estamos em plena época dos santos populares. Com o desejo da praia, das férias e do convívio, da descontração e do descanso, ombreiam as festas populares que se iniciam em junho com os afamados “santos populares”. Se são populares, são do povo! O povo identifica-se com eles! Calma! Talvez não se identifique com os santos, mas com as festas e tradições a eles associadas!

Se olharmos para figuras populares, um artista, um cantor, um futebolista, como Cristiano Ronaldo ou Messi, têm seguidores nas redes sociais, aos milhares, ou milhões, e onde se deslocam há centenas ou milhares de fãs que querem ver, tirar uma foto, um selfie, solicitar um autógrafo, pedir a camisola! Quantos pais colocam aos filhos os nomes dos seus heróis/ídolos? Quantas jovens querem ser como Cristiano Ronaldo?

Passemos então à popularidade de Santo António, de São João e de São Pedro!

São João Batista era de facto bastante popular, atraía multidões, batizava centenas de pessoas, conduzia à conversão muitas pessoas, desafiando à não violência, à justiça social e à partilha, ao cumprimento dos mandamentos. A popularidade de São João Batista custou-lhe a vida. Herodes, a pedido da bela filha de Herodíade, mandou cortar-lhe a cabeça. Alguém quer imitar São João Batista? Outra característica de João é a humildade, não das palavras, mas na atitude, apontando para Jesus Cristo. É Ele, é Ele que deve crescer e eu diminuir… nem sou digno de Lhe desatar as correias das sandálias!

E Pedro, aquele apóstolo simples, titubeante e impulsivo que segue Jesus, quereremos imitá-lo? Deixou tudo para seguir Jesus! Se calhar pensou que largava uma vida sacrificada e dura por uma vida mais faustosa e tranquila. Essa foi uma das suas tentações, tal como a de outros discípulos. Quando vê que as coisas estão complicadas, assusta-se e nega Jesus: não tem nada a ver com Ele, não quer ser identificado com Jesus Cristo! E com os outros discípulos, mantém-se à distância de segurança! Depois da ressurreição e das aparições de Jesus, Pedro transfigura-se e torna-se um convicto pregador. Mais tarde será morto por ser cristão. Algum de nós quer seguir as pisadas de Pedro? Não estamos a falar do facto de ter sido o primeiro Papa, mas de ter sido mártir e antes um indisciplinado apóstolo!

E que dizer de Santo António? Sim, é um dos santos bem populares. De família nobre, renunciou a uma vida faustosa para se tornar monge. Depois de ordenado sacerdote dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho, escolhe (ou melhor, é escolhido por Deus para) outro caminho, faz-se monge franciscano, assumindo a pobreza dos frades e a ânsia de se tornar mártir missionário em África, mas também aí Deus lhe muda o destino e virá a tornar-se um grande pregador, com centenas de pessoas a ir ao seu encontro para o ouvirem. Por outro lado, passa horas a confessar e realiza, em nome de Deus, muitos milagres. Esta parte dos milagres até que nos dava jeito! Mas o verdadeiro milagre é o da conversão. A fé move montanhas. Deus realiza os milagres através de crentes, cuja fé está amadurecida e fundada na oração e na intimidade com o Senhor. Prontos para sermos como Santo António? Seguros nos bens que temos ou no risco de tudo colocarmos em Deus?

Se fizéssemos uma sondagem sobre popularidade… talvez São João, São Pedro e Santo António não figurassem nas primeiras cem opções! Obviamente que as festas populares são importantes, referidas a estes ou outros santos. É também oportunidade para os conhecermos melhor. Por outro lado, a santidade, como cristãos, está sempre no horizonte. Cabe-nos acolher a santidade de Deus que em Cristo Se manifesta amor e compaixão.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 91/31, n.º 4613, 16 de junho de 2021

Entrevista com Joaquim Paulino Bernardes – Administrador E. Leclerc

Tendo a Voz de Lamego uma matriz cristã, procurámos entrevistar um ou outro empresário que obteve sucesso no espaço territorial da Diocese de Lamego e cujo empreendedorismo lhes permitiu criar vários postos de trabalho, contribuindo para o desenvolvimento da região, mas igualmente com uma componente social, com ligações mais ou menos estreitas à Igreja. Com a colaboração do Pe. José Ferreira, pároco da Sé e Cónego do Cabido, lançamos questões sobre o relacionamento com os funcionários e sobre a função social da riqueza.

Será possível conjugar investimento e compromisso cristão? Ser empresário de sucesso sem sacrificar as pessoas a números e percentagens?

Foram a estas e outras questões que o Sr. Joaquim Bernardes, administrador do hipermercado E. Leclerc de Lamego, respondeu, revisitando também a sua vida, nomeadamente como emigrante e, no regresso a Portugal, as etapas que o levaram a enveredar pelo movimento E. Leclerc, fixando-se em Lamego.

Voz de Lamego – Agradecemos, desde já, a oportunidade em nos conceder uns momentos para conversar connosco. Como é que se tornou aderente do movimento E.Leclerc?

Fui imigrante em França entre a década de 70 e 80 e conheci o E.Leclerc como cliente.

Os supermercados distinguiam-se dos restantes pela defesa constante do poder de compra dos consumidores em todas a áreas de consumo: combustíveis, produtos alimentares, moda, livros, auto, etc… Os preços eram de facto muito mais baratos. Na localidade em que vivia, no distrito de Lyon, reparei que um pequeno comerciante que conhecia pessoalmente e onde também fazia compras, abriu um supermercado E.Leclerc na periferia da cidade e que explicou-me que o fundador do grupo E.Leclerc, o Sr. Edouard Leclerc, autorizava que comerciantes independentes abrissem uma loja com o seu nome desde que vendessem mais barato, trabalhassem em âmbito famíliar (marido e mulher trabalhariam lado a lado) e repartissem os resultados da empresa com todos seus colaboradores.

Quando no início da década de 90 regressei a Portugal, abri um minimercado na cidade do Cartaxo e vi nascer os primeiros grandes supermercados e hipermercados. Conhecendo a missão da marca E.Leclerc em França, estabeleci contactos, e, após muita burocracia e dificuldades que tive que ultrapassar, consegui abrir com a minha esposa o E.Leclerc de Lamego em dezembro de 1996.

Como é que funciona o movimento E.Leclerc?

É um movimento cooperativo em que a empresa familiar, constituída por um casal, é proprietária do seu ponto de venda e são também coproprietários da marca E.Leclerc, tornando-os responsáveis pelo legado do seu fundador, o Sr. Edouard Leclerc. A sua missão, na década de 40 (pós-segunda guerra mundial) era ajudar os Franceses a acederem a produtos alimentares a preço baixo, comprando grandes quantidades de produtos para os vender mais baratos, tornando-se, por isso, este movimento precursor da distribuição moderna. É uma história muito rica de grandes combates sempre a favor dos consumidores e que os leitores podem conhecer em (http://movimento-leclerc.pt/)

Passado tantos anos do início desta cadeia de supermercados E. Leclerc, ainda se mantêm os objetivos que estiveram na génese da sua fundação?

Sem dúvida. Esta missão mantém-se válida e é hoje atualizada do ponto de vista social e dos valores que a norteiam. A titulo de exemplo no E.Leclerc promovemos: um consumo responsável (não vendemos crédito ao consumo); igualdade e ética no local de trabalho; a compra a fornecedores e produtores locais, apoiando assim o tecido económico local; a descentralização das competências e das decisões, beneficiando diretamente a qualificação e o número de empregos gerados por loja em oposição a grupos centralizados; o apoio as iniciativas culturais, sociais e desportivas locais que respondem ás solicitações da população local;

Como foi mudar de terra e fixar-se em Lamego?

Eu e a minha esposa mudamo-nos em 1995 com a convicção, desde o primeiro momento, que seria uma mudança definitiva. E assim foi. Considero-me hoje um Lamecense e em conjunto com a minha família criámos laços, amizades e afinidades que dão sentido à nossa vida e, no meu caso particular, à minha missão pessoal. Descobri gente de fibra e perseverante que muito estimo e respeito, pois acompanharam-nos do ponto de vista pessoal e profissional. Refiro-me também a todos os colaboradores com quem trabalho e com quem já trabalhei.

Como é a sua relação com os colaboradores?

Somos uma equipa familiar e todos conhecem as suas responsabilidades e a sua missão. Dispõem de uma grande autonomia e de um ambiente trabalho saudável podendo falar comigo sobre qualquer questão, sempre que o entenderem.

Esta é uma empresa de gente com “fibra”, em que mais de 30% dos colaboradores têm mais de 20 anos de casa e apenas 2% são contratos a prazo. Tentei sempre fazer do local de trabalho dos meus colaboradores um porto de abrigo, promovendo situações laborais estáveis. Gostaria de enumerar as boas memórias e histórias que guardo com os meus colaboradores ao longo de 25 anos, mas seria necessário escrever um livro. Aproveito a oportunidade para reconhecer publicamente o empenho e o valor de todos os homens e mulheres que comigo vão construindo e consolidado esta casa. A todos quero manifestar a minha gratidão.

Quantos são?

Nas épocas sazonais, de verão e natal, somos mais, mas a média anual são cerca de 130 colaboradores diretos e cerca de 15 indiretos (seguranças, limpeza e reposição externa).

Conhece-os pessoalmente?

É evidente que os conheço. Como é que posso cumprimentá-los e falar com eles se não souber o seu nome? Atualmente, tenho 40 funcionários que trabalham comigo há mais de 20 anos.

Alguns dos colaboradores são mesmo a segunda geração dos que começaram em 1996. Ou seja, trabalham os pais, os filhos e quem sabe, um dia, os netos. Infelizmente, a memória atraiçoai- me algumas vezes, levando a alguma troca de nomes.

Promove algum momento de convívio?

Sim, formais e informais, mas o mais simbólico é a organização anual do jantar de Natal que envolve sempre um número elevado de colaboradores na preparação e planeamento. É uma noite de partilha entre todos, em que distribuímos presentes aos mais jovens e festejamos os valores cristãos desta época.

São também beneficiários dos resultados da empresa?

Em 24 anos de atividade reparti todos anos, parte dos resultados da empresa com os colaboradores. É justo que, se contribuíram para os lucros da empresa, possam também beneficiar de uma gratificação em função do seu empenho e mérito. Os restantes resultados são investidos, localmente, de forma a melhorar continuamente as condições da atividade e desempenho da empresa.

Pensa que o respeito pela ética no trabalho também beneficia economicamente a empresa?

Sem dúvida, que isso é um imperativo que se impõe. Com base nas minhas convicções religiosas e valores pessoais que cultivo, não poderia ter   outra missão que não fosse promover os valores éticos e morais no trabalho, nomeadamente, encorajando um ambiente de trabalho saudável, de respeito mútuo e assente na honestidade. Quando se têm profissionais com um sentido ético no desempenho do seu trabalho, e com valores morais, há menos possibilidade  de furtos, desvios ou corrupção e isso também é importante dentro de uma organização e na sociedade em geral, como sabemos.

Este é um jornal regionalista… De que modo a região tem beneficiado da atividade da empresa?

Julgo que já fui respondendo a esta questão, mas podemos resumir da seguinte forma: emprego de mão de obra mais qualificada nas lojas, fruto de uma gestão mais descentralizada; a promoção de carreiras profissionais a longo prazo da quase totalidade dos seus colaboradores; a partilha dos lucros e dos resultados alcançados há mais de 24 anos; apoiamos e privilegiamos a produção local, permitindo o acesso de pequenos produtores de todas as áreas de produção; a possibilidade de contratar prestadores e empresas locais de serviços e de indústria para as suas necessidades locais, reforçando as sinergias; graças à nossa rede de dimensão europeia, conseguimos propor aos clientes produtos de grandes marcas, mas também os de marca própria, a preços muito baixos. Os nossos clientes reconhecem-no e quem compra sabe que aqui as compras ficam mais baratas. É esta a nossa missão.Posso concluir que as populações locais podem aceder a uma oferta de produtos e serviços que geralmente só estão acessíveis em centros urbanos de maior dimensão. Mas a missão E.Leclerc é precisamente disponibilizar tudo a preços baixos;

De que modo a sua formação cristã o tem influenciado no seu agir empresarial?

Reconheço que, nestas duas décadas a empresa tem apoiado, economicamente, iniciativas de carácter religioso, no âmbito paroquial da cidade, mas também doando géneros alimentares e não só, a inúmeras iniciativas sociais, culturais e religiosas em várias centenas de milhares de euros. Mas neste campo, prefiro que sejam as associações, as instituições da Igreja local, e mesmo os beneficiários diretos a destacar o papel humanitário da empresa. Fi-lo sempre pelas minhas convicções religiosas sem esperar nada em troca. A minha formação espiritual tem ajudado a saber humanizar a empresa e a dar-lhe um sentido de proximidade com os mais necessitados, quando há campanhas humanitárias.

A sua empresa tem contribuído para iniciativas na região?

Sem dúvida. Tentamos sempre que possível, participar em iniciativas várias e ajudar as instituições que prestam assistência à população e na organização de eventos que promovem o concelho e a região.

Embora a ajuda não deva ser interesseira …pode atrair mais clientes?

As empresas devem desenvolver o seu papel social em função das emergências e necessidades sociais da região em que se insere. Como cristão, este é um papel natural feito de forma desinteressada, mas cujo reconhecimento emerge de forma lenta. Tenho o privilégio de perceber ao longo de 25 anos, que contribuímos para as melhorias das condições de muitos concidadãos, clientes, mas também não clientes. Confirmo que em prazos longos e com decisões consistentes as políticas sociais geram reconhecimento.

É possível conjugar lucro, ajudando a fixar famílias?

Claro que sim. Trabalhamos todos no sentido de desenvolver a empresa e o setor do comércio e serviços e, nesse sentido, apoiar o desenvolvimento local. Ao manter e criar emprego, as pessoas têm um rendimento estável que lhes permite fixarem-se no concelho e concelhos limítrofes e manterem um nível económico e social estável, diminuindo a emigração.

Que diria a alguém que queira investir na região?

A realização nesta área não advém do resultado económico direto, sendo, contudo, essencial para a continuidade da atividade se projetar a longo prazo, desenvolvendo sinergias com o tecido económico e social locais.

Como é que lidou com este tempo de pandemia?

Com muita esperança e paciência. Foi um desafio a uma escala global com consequências negativas do ponto de vista social e económico. A nível laboral foi difícil, pois enfrentamos um momento imprevisível e sem precedentes, mas contei sempre com o empenho e a colaboração dos funcionários que se esforçaram muito para mantermos todos os nossos serviços a funcionar com qualidade e segurança. Por outro lado, também verifiquei maior disponibilidade e tempo para um recolhimento e maior convívio com a família.

É possível ser cristão e ser empresário de sucesso? Como conciliar?

Acredito seriamente que sim. É possível ser cristão em toda e qualquer circunstância e em qualquer contexto. É este o desafio de ser cristão no século XXI. Os cargos de maior responsabilidade para com a sociedade são hoje submetidos a enormes pressões de lucros a curto prazo, às vezes sem olhar a meios, mas não devemos ceder naquilo em que acreditamos. É uma questão de coerência e de verdade para quem acredita e orienta a sua vida pela mensagem do Evangelho.

in Voz de Lamego, ano 91/30, n.º 4612, 8 de junho de 2021