In Memoriam: Mons. Henrique Paulo da Fonseca

Celebrar a memória dos homens é próprio da História; celebrar a memória de um Sacerdote é próprio da Igreja; celebrar um Pároco deve ser obrigação de um paroquiano, Pároco ou não como ele ou simplesmente um paroquiano que com ele viveu, compartilhou as mesmas aspirações e preocupações, mesmo que a vida os separasse para mais longe ou os retivesse por mais perto.

Fui paroquiano do P.e Henrique, deixa-me e deixai-me que assim me dirija e ele e dele fale; dois anos mais novo do que ele no Seminário onde estudámos e convivemos, tudo era a vivência de um caminhar para a meta onde ambos gostaríamos e queríamos chegar: o Sacerdócio. Ele recebeu-o na Sé de Lamego em 15 de agosto de 1959 e eu no Santuário dos Remédios em igual dia de 1961.

Nesta última data ele era já pároco de Numão, uma freguesia vizinha da minha; ali vivia o seu Sacerdócio, partilhando com sua irmã a pobre casa transformada em residência para os dois, a empregada e, mais tarde, o agora Mons. José Guedes, que com ele fez o seu estágio pastoral. A vida não era fácil, mas foi assim que o P.e Henrique mereceu ser chamado «lutador» ao logo da sua vida e assim apontado por seu irmão no dia do seu funeral. Ali me deslocava, acompanhando nas férias o meu Pároco, P.e Fernando Teixeira Dias; mais tarde encontrávamo-nos com o P.e Henrique, que havia de lhe suceder na paroquialidade de Numão e da Horta, aqui depois da doença e transferência do P.e Fernando. Memórias não esquecidas, porque vividas e divididas entre Padres, amigos, cada um nas suas missões, comuns na sua especificidade, mas separadas no terreno de trabalho.

Já padre, também me enviaram para o meu concelho de Vila Nova de Foz Côa, com Mós e Santo Amaro para o meu cuidado pastoral, onde o P.e Henrique me conduziu para a tomada de posse. E nova etapa da vida começava para mim, continuando ele meu pároco e eu, padre, a ser o seu paroquiano. Condividíamos trabalhos, embora limitados pela dificuldade de locomoção e deslocação, mas se os tempos eram outros, a mesma era também a nossa missão e preocupação.

A vida que nos tinha aproximado acabou mesmo por nos separar; duas ausências no Estrangeiro, pároco na região de Lamego, as distâncias separavam-nos para o trabalho, mas não para a amizade. E as minhas idas à Horta eram quase sempre de visita ao P.e Henrique, que já tinha ali a sua residência.

Foi pouca a minha colaboração para a construção da nova igreja da minha terra, mas não deixei de o acompanhar quando era preciso ir onde eu me sentia mais à vontade para o que fosse preciso; e não lhe neguei a minha colaboração a vários níveis, sempre que era necessário.

Era a alegria do P.e Henrique receber o Clero que na sua casa se reunia para reuniões do Arciprestado ou o colega que o visitava. Voltou a residir em Numão, mas já pouco nos encontrávamos; a vida tornou-se mais complicada para mim, mas sabia que podia contar com ele e com a sua amizade nos diversos encontros do Clero Lamecense.

Em Viseu foi o nosso último encontro de vida, na sua terra natal, a Póvoa, o encontro do paroquiano ainda vivo com a antigo Pároco, agora falecido; trouxe comigo a «memória» escrita que o nosso novo colega e seu pároco escreveu; em cima da minha mesa de trabalho, ela lembra-me o Homem, o Padre e o Amigo que perdi para este mundo, mas ganhei junto de Deus.

Obrigado, P.e Henrique, por tudo que me ensinaste, ajudaste e fizeste para que o teu paroquiano pudesse ser o Padre que ambos queríamos ser e creio que fomos: Deus não falta aos Seus amigos. Ainda não tínhamos, mas tenho agora diante dos meus olhos a palavra do Papa Francisco: «Peçamos a Deus a graça de recordar todos os dias que não somos esquecidos por Ele». Lembrou-se de ti e chamou-te para te recompensar dos teus trabalhos por Ele; da minha parte confio que não Se esquecerá de mim. E tu, por aí mais perto, pede-Lhe também por mim. Obrigado!

Pe. Armando Ribeiro, in Voz de Lamego, ano 89/34, n.º 4522, 20 de agosto de 2019

Editorial Voz de Lamego: Igreja em comunhão

Prefiro uma Igreja acidentada por sair, que uma Igreja “raquítica” por permanecer encerrada por medo ou por comodismo. São palavras do Papa Francisco que nos ajudaram a refletir sobre o lema pastoral da Diocese de Lamego para 2019/2020: “Igreja em caminho. Igreja em comunhão”. Enquanto esperamos pela Carta Pastoral do nosso Bispo, a apresentar a 28 de setembro, partiremos novamente das palavras do Santo Padre para refletirmos sobre a acentuação sinodal da Igreja.

Não basta partir! Partimos para levar Jesus, para dar Jesus aos outros, para transparecer Jesus, para, como Ele, cuidarmos dos mais frágeis. Não vamos sós. Não vamos em nosso nome. Mas em nome da comunidade, em nome da Igreja. Acentuação lunar da Igreja que reflete Jesus, a verdadeira Luz, assim como a Lua reflete a luz do Sol. Como membros da Igreja, também nós havemos de refletir a Vida de Jesus.

Em muitas das suas intervenções, o Papa junta dois vocábulos: caminhar e juntos. Não basta caminhar, mas caminhar juntos, inseridos na comunidade. Esta, à imagem da Santíssima Trindade, faz-nos avançar, ajuda-nos a não nos fecharmos sobre nós e não nos iludirmos com as nossas verdades! Juntos, apoiamo-nos, ajudamos a transportar a cruz uns dos outros. Pertencemo-nos, somos responsáveis pelos outros e eles por nós. Em Jesus, acentua-se a irmandade/fraternidade. Ele vem como Filho (de Deus) e logo Se assume como (nosso) Irmão. “Meu e Vosso Pai”. A oração que nos ensina é preenchida pela primeira invocação: Pai-nosso. Não Pai meu ou Pai teu, mas nosso. Colocamo-nos sob a mesma paternidade, assumimos a mesma filiação. Não é possível viver Cristo sem a comunidade, sem a Igreja, pois esta é o Seu Corpo, é no Corpo de Cristo que nos reconhecemos como irmãos uns dos outros e como filhos do mesmo Pai do Céu.

Outra das insistências do Papa é precisamente a construção da civilização do amor. Expressão muito cara aos seus Predecessores. Para isso, a aposta terá que ser na cultura do diálogo e do encontro, na opção pela ternura e pelo amor. E, como é óbvio, o encontro dá-se entre pessoas que se colocam em situação de igualdade e, de preferência, em situação de pertença mútua. Assim o diálogo, assim o amor. Vive-se. Partilha-se. Enriquece-se em comunidade, em família.

Jesus chama 12 Apóstolos que simbolicamente representam todo o povo. Ou chama e envia 72 discípulos, chama discípulos de todas as nações para os enviar a todas as nações. Vão dois a dois. Partem da comunidade e seguem ligados à comunidade. Não vão sós. Individualmente. Onde estiverem dois ou três reunidos em Meu nome, Eu estarei no meio deles. Sós, podemos equivocar-nos, perder-nos no caminho, desanimar…

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/34, n.º 4522, 20 de agosto de 2019

Editorial da Voz de Lamego: A Igreja em caminho

O caminho da Igreja em Lamego é Jesus e em Jesus cada uma das pessoas que vive ou que visita o território que se estende de Cinfães a Foz Côa, de Castro Daire a São João da Pesqueira, de Vila Nova de Paiva a Armamar, integrando 14 concelhos, 6 arciprestados. Como sublinhou o concílio Vaticano II, o caminho da Igreja é o homem (GS 22).

E neste caminho, a nossa diocese desafia-nos a refletirmos durante três anos sobre a identidade, a realidade, a vocação e a missão da Igreja. O primeiro ano, 2018-2019, sob a dinâmica vocacional e missionária – Igreja de Lamego, chamada e enviada em missão –; o segundo ano sob a dinâmica sinodal – Igreja em caminho e em comunhão –, e o terceiro ano em abordagem da realidade mais concreta da Igreja peregrina no chão da nossa diocese.

De Cristo fluem rios de água viva, que geram vida e nos alimentam, dando sentido aos nossos dias, sentido além do tempo e da história, da nossa fragilidade e finitude. A água parada, estagnada, acabará por se tornar salubre, inquinada, imprópria para consumo, deixará de ser lugar de vida e onde nenhuma vida sobrevirá, a não ser que seja oxigenada pela terra… assim a vida da Igreja e a nossa vida.

A determinada altura Jesus diz aos Seus discípulos: vamos a outros lugares, anunciar o Evangelho, foi para isso que Eu vim ao mundo. Com efeito, os Evangelhos mostram que Jesus não se fixa num lugar específico, a não ser em Nazaré durante mais de 30 anos, tempo de enraizamento, em que Jesus, num ambiente familiar, aprende o valor da família, da amizade, da solidariedade entre vizinhos que se ajudam e se protegem mutuamente, o valor do trabalho honesto e o sacrifício de quem trabalha a terra e com esforço  sobrevive, pagando os elevados impostos que pesam sobre a maioria dos judeus, vivam em Nazaré ou vivam em Belém. A vida pública de Jesus é tempo de sementeira, é necessário lançar mãos ao arado e espalhar sementes de amor, de perdão e de esperança, de paz e de justiça.

No último conclave, o então Cardeal Bergoglio, que viria a ser eleito Papa (Francisco), fixava o caminho da Igreja – sair ao encontro dos mais frágeis, indo às periferias geográficas, mas sobretudo existenciais. Nos dias que se seguiram à Sua eleição, esta seria uma das palavras mais usadas. Uma Igreja a caminhar, em saída, comprometida com as periferias, em dinâmica missionária. Um Igreja lunar, disponível para comunicar a Luz do Sol, Jesus Cristo e como Ele, Bom Pastor, indo em busca das ovelhas perdidas.

 

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/34, n.º 4521, 13 de agosto de 2019

Falecimento do Padre Henrique Paulo da Fonseca | 1936-2019

Padre Henrique Paulo da Fonseca nasceu a 22 de abril de 1936, na paróquia de Santa Margarida de Póvoa de Penela. Filho de Luís Manuel da Fonseca e Maria Rosa Martins, foi criado no seio de uma família cristã junto com mais 9 irmãos.

Depois de completar a instrução primária da sua terra natal, fez a sua formação sacerdotal nos seminários diocesanos de Lamego, Seminário Menor Resende e Seminário Maior de Lamego.

Foi ordenado sacerdote na capela do Semanário Maior de Lamego, a 15 de agosto de 1959, pelas mãos do Bispo de Lamego, D. João da Silva Campos Neves, junto com mais 6 colegas de curso.

Em setembro de 1959 foi nomeado pároco das paróquias de Horta do Douro e Numão, no concelho de Vila Nova de Foz Côa, e posteriormente da paróquia dos Pereiros, do concelho de São João da Pesqueira. Paroquiou também temporariamente a paróquia de Custóias, no concelho de Vila Nova de Foz Côa, e de Vilarouco, no concelho de São João da Pesqueira.

Nestas paróquias do Alto-Douro vinhateiro ofereceu e gastou a sua vida sacerdotal, como pastor e pároco, junto dos seus paroquianos ao longo de 54 anos.

Foi o grande responsável pela construção da nova igreja paroquial da Horta do Douro, cuja primeira pedra foi benzida a 10 de março de 1976 e sagrada pelo bispo de Lamego D. António de Castro Xavier Monteiro, a 15 de agosto de 1984 e das construções das residências paroquiais da Horta e de Numão.

O papa Bento XVI, no ano de 2009, ano das suas bodas de ouro sacerdotais, nomeou-o Monsenhor com o título de Capelão de Sua Santidade.

Jubilou-se das funções paroquiais em setembro de 2013, regressando para a sua terra natal, para junto da sua família onde colaborou na vida paroquial.

Acompanhou-o sempre a sua irmã Utília de Nazaré Sousa Fonseca, que com ele viveu o seu sacerdócio até aos momentos finais da sua vida.

Faleceu no dia de 10 de agosto 2019, no Centro Pastoral da diocese de Viseu, onde viveu o último ano da sua vida com a idade 84 anos.

Exéquias…

O seu corpo estará em câmara ardente na Capela do Centro Pastoral de Viseu, a partir das 15 horas.

Amanhã, a partir das 13 horas, estará em câmara ardente na Igreja da Paróquia de Numão, onde será celebrada Eucaristia de corpo presente, pelas 16 horas. No final, o seu corpo será levado para a sua terra natal, Póvoa de Penela.

Ficará em câmara ardente na Igreja Matriz, onde, pelas 20 horas, será celebrada Eucaristia de corpo presente.

A Eucaristia exequial será na próxima segunda-feira, pelas 11 horas, presidida pelo bispo da Diocese de Lamego, D. António Couto, indo a sepultar no jazigo da família no cemitério da Paróquia de Póvoa de Penela.

Paz à sua alma.

Pe. Luciano Moreira

Falecimento do Pai do Padre Aniceto Morgado

Deus Pai de Bondade infinita, fez regressar à Casa definitiva, ao Seu Coração eterno, o Sr. Manuel da Costa Morgado, pai do Pe. Aniceto da Costa Morgado, Pároco de Nossa Senhora da Conceição de Arnas, São Facundo de Cunha e Santo António de Tabosa da Cunha; Capelão de Ponte do Abade.

D. António Couto, Bispo de Lamego, conjuntamente com o presbitério diocesano, endereça sentidas condolências ao reverendo Pe. Aniceto e demais familiares e amigos, rezando ao Deus da Vida, que, ressuscitando Jesus, Seu Amado Filho, também nos ressuscitará, assumindo-nos como filhos no Filho. Oração para que os familiares na fé e na Palavra de Deus encontrem o conforto para esta hora de luto, na esperança firme da ressurreição e da vida eterna, da qual passa a fazer parte o Sr. Manuel Morgado.

A Missa Exequial, de corpo presente, será celebrada amanhã, dia 29 de julho, às 18h00, na Igreja Matriz de Pretarouca.

Editorial Voz de Lamego: Vinde e descansai um pouco…

Palavras simples, mas cheias de cuidado e atenção, de Jesus aos seus discípulos.

O contexto é narrado pelo evangelista: Jesus tinha-os enviado, dois a dois, em missão (Mc 6, 6-13). “Eles partiram e pregavam o arrependimento, expulsavam numerosos demónios, ungiam com óleo muitos doentes e curavam-nos”. No regresso desta jornada missionária, reúnem-se com Jesus e contam-Lhe tudo o que tinham feito e ensinado.

O evangelista não nos diz da reação de Jesus, se ficou contente ou se perguntou por mais informações. Pela continuação da narração, até parece que Jesus não se interessou muito com a missão dos Apóstolos, talvez não esperasse outra coisa deles. Confiou neles e rezou para que tudo corresse bem; confiou no Pai, certo de tudo estaria em conformidade com a vontade de Deus. Afinal, tinha-os instruído com clareza sobre a missão!

Mas logo, São Marcos mostra a delicadeza de Jesus que diz aos Seus apóstolos: “Vinde, retiremo-nos para um lugar deserto e descansai um pouco”. E São Marcos continua dizendo “que eram tantos os que iam e vinham, que nem tinham tempo para comer”. Seguindo o conselho de Jesus, “foram, pois, no barco, para um lugar isolado, sem mais ninguém. Ao vê-los afastar, muitos perceberam para onde iam; e de todas as cidades acorreram, a pé, àquele lugar, e chegaram primeiro que eles” (Mc 6, 30-33).

Sabemos o que se segue: ao desembarcar, Jesus viu uma multidão, sentiu compaixão das pessoas que eram como ovelhas sem pastor, começou a ensinar-lhes muitas coisas. A delicadeza de Jesus é visível também agora: vendo que a hora ia adiantada, Jesus insiste com os discípulos: “dai-lhes vós mesmo de comer”. Jesus não prega para uma multidão anónima, mas para pessoas de carne e osso que precisam de descansar, de comer e de beber. Foi assim com os discípulos, foi assim com a multidão. Pode ensinar muitas coisas. É o início da caridade! Mas não pode deixar de atender às necessidades concretas que tem pela frente: dar de comer a quem tem fome e de beber a quem tem sede, dar guarida a quem precisa de um ombro e de um abraço, levantar quem está caído, abatido, desiludido. O cristianismo faz-se de fé, de esperança e, sempre, de caridade. O cuidado concreto atesta da maturidade da fé. Acreditar no Amor de Deus para connosco compromete-nos com gestos concretos de serviço, atenção e docilidade para com a aqueles que o bom Deus coloca no nosso caminho.

São Marcos deixa ver um Jesus muito humano e cuja humanidade nos provoca a imitá-lO, a segui-l’O na concretude dos gestos de carinho e ajuda. Também nas férias e no descanso…

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/33, n.º 4520, 23 de julho de 2019

Falecimento de Monsenhor Germano José Lopes | 1921-2019

Germano José Lopes.

Nasceu a 20 de fevereiro de 1921, na freguesia de Goujoim, no concelho de Armamar.

Filho de Joaquim José Lopes e de Deolinda da Conceição.

Foi batizado a 27 de abril de 1921, na Igreja de Goujoim.

Frequentou os Seminários diocesanos.

Foi ordenado diácono a 27 de junho de 1943 e ordenado sacerdote a 28/11/1943, na Capela do Seminário, por D. Agostinho de Jesus e Sousa, então Bispo de Lamego.

Pároco de Arcos de Nagosa e de Longa, na Zona Pastoral de Tabuaço. Arcipreste de Tabuaço, de 1945 a 1951.

Pároco de Sernancelhe, Ponte do Abade, Sarzeda e do Granjal, Zona Pastoral de Sernancelhe. Arcipreste de Sernancelhe.

Pároco de Penude (1978 a 1996), Arciprestado de Lamego. Arcipreste de Lamego. Pároco do Mezio e de Bigorne, durante 2 anos.

Foi Diretor Espiritual do Seminário Maior e professor de Liturgia, durante 4 anos. A partir de 1969, Secretário das Missas diocesanas. Diretor da União Reparadora dos Sacrários. Assistente Diocesano da JEC (Ação Católica), do Apostolado de Oração.

A 19 de maio de 1985 foi nomeado Cónego Capitular da Sé. Foi cerimoniário da Mitra. Professor de Português e Latim no Liceu, durante 18 anos. Bibliotecário do Seminário Maior. Em 1990, foi nomeado Vigário Episcopal da Zona Centro e também nesse ano Vice-Chanceler. Em 16 de maio de 2000, foi nomeado Chanceler da Cúria Diocesana, cargo exercido até 16 de abril de 2015.

Ultimamente vivia no Lar das Filhas de São Camilo, em Lamego.

Faleceu a 19 de julho e foi a sepultar no dia 20 de julho, na sua terra natal, Goujoim.