Archive

Archive for Dezembro, 2016

Mensagem do Papa Francisco para o 50.º Dia Mundial da Paz 2017

msg_papa_dia_mundial_paz_2017

MENSAGEM DO SANTO PADRE FRANCISCO PARA A CELEBRAÇÃO DO 50.º DIA MUNDIAL DA PAZ

1 de janeiro de 2017

A não-violência: estilo de uma política para a paz

1. No início deste novo ano, formulo sinceros votos de paz aos povos e nações do mundo inteiro, aos chefes de Estado e de governo, bem como aos responsáveis das Comunidades Religiosas e das várias expressões da sociedade civil. Almejo paz a todo o homem, mulher, menino e menina, e rezo para que a imagem e semelhança de Deus em cada pessoa nos permitam reconhecer-nos mutuamente como dons sagrados com uma dignidade imensa. Sobretudo nas situações de conflito, respeitemos esta «dignidade mais profunda»[1]e façamos da não-violência ativa o nosso estilo de vida.

Esta é a Mensagem para o 50º Dia Mundial da Paz. Na primeira, o Beato Papa Paulo VI dirigiu-se a todos os povos – e não só aos católicos – com palavras inequívocas: «Finalmente resulta, de forma claríssima, que a paz é a única e verdadeira linha do progresso humano (não as tensões de nacionalismos ambiciosos, nem as conquistas violentas, nem as repressões geradoras duma falsa ordem civil)». Advertia contra o «perigo de crer que as controvérsias internacionais não se possam resolver pelas vias da razão, isto é, das negociações baseadas no direito, na justiça, na equidade, mas apenas pelas vias dissuasivas e devastadoras». Ao contrário, citando a Pacem in terris do seu antecessor São João XXIII, exaltava «o sentido e o amor da paz baseada na verdade, na justiça, na liberdade, no amor».[2] É impressionante a atualidade destas palavras, não menos importantes e prementes hoje do que há cinquenta anos. Ler mais…

À procura… preparação dos jovens para o Natal

jovensJovens “à procura…”

O Natal está aí à porta! Jesus vem até nós! Mas, para recebermos tão importante visita nas nossas vidas, impõe-se que nos preparemos… arrumando a nossa casa interior.

Nesta linha, ao longo das últimas semanas, a Equipa do DDPJ percorreu os trilhos da nossa Diocese para proporcionar aos jovens “Encontros de preparação para o Natal”.

De Castro Daire até à Mêda, passando por Tarouca e Moimenta da Beira, a juventude andou “à procura…” de várias coisas indispensáveis para acolher o Menino que quer acampar mais íntimo do nosso coração.

Depois do acolhimento e da oração inicial surgia o convite dinâmico para nos colocarmos, literalmente, “à procura… do Natal” na sua dimensão mais contemporânea: através de inúmeras imagens tentamos perceber como é que a nossa sociedade vive hoje o Natal. Posto isto, fomos “à procura… do Advento” e encontramos os seus símbolos, as temáticas principais de cada domingo e as suas figuras mais relevantes. Imersos num clima de esperança e afinados no tom da alegria vigilante era hora de cantar: “Jesus vem, nascerá p’ra todos nós! Preparai os caminhos do Senhor!”.

No entanto, nesta época festiva, nem tudo são luzes decorativas. Tínhamos de ir “à procura… dos outros”, daqueles que não vão ter presentes; não vão comida; não vão ter companhia; daqueles que não vão ter casa. Sensibilizados por esta realidade, era hora de olhar para dentro: “à procura… de mim”.

Após um tempo de reflexão individual, os jovens foram “à procura… de Deus”. Analisando várias passagens bíblicas (Anunciação, Visitação, Recenseamento, Nascimento) e aderindo à moda dos Mannequin Challange, tornaram-se mensageiros da boa-nova, protagonizando 4 simples vídeos que, tendo sido colocados na internet, já foram vistos por milhares de outros jovens.

Ainda antes de regressarem a casa, cada um teve a possibilidade de construir uma recordação natalícia e na oração de envio, ao rezar pela paz no mundo, foram desafiados a não voltar pelo mesmo caminho, a fazer diferente, a viver o verdadeiro Natal, a ir “Ao encontro…” dos idosos e doentes das suas paróquias, no dia 25 ou na oitava, levando a imagem do Menino Jesus do presépio da Igreja Paroquial.

Agradecemos a todos os que nos apoiaram na organização e nos acolheram nas suas comunidades aos longo deste Advento. Já recebemos o feedback de alguns grupos mas, para podermos avaliar melhor esta atividade, iremos enviar um inquérito online. Quem o desejar fazer de forma mais completa pode enviar para e-mail: lamego.sdpj@gmail.com. Contamos com a ajuda de todos para realizar esta missão.

Equipa DDPJ, in Voz de Lamego, ano 87/07, n.º 4392, 20 de dezembro de 2016

Paróquia de Almacave | Festa de Natal da Catequese

natal-almacave

Foi no passado domingo, 11 de dezembro que os Grupos de Catequese da paróquia de Almacave realizaram, mais uma vez, a sua Festa de Natal.

 Como habitualmente, esta festa realizou-se no auditório do Centro Paroquial e contou com casa cheia.

Nela participaram os grupos de Catequese, o grupo de jovens da paróquia-Almacave Jovem, o agrupamento 140 do CNE e um grupo de pais das nossas crianças que acompanham as sessões de catequese dos seus educandos e animam a Eucaristia das 10h de domingo, dedicada às crianças da catequese.

Houve momentos de animação, de mensagem…mas todos eles a convidar auma meditação sobre o verdadeiro sentido do Natal

Todos trabalharam de forma afincada com o objectivo de proporcionar aos presentes uma excelente tarde de convívio. Uma tarde onde foi possível viver o espírito de Natal através do teatro, da música e da declamação de poemas.

O Natal é a festa do amor, da paz, da amizade, da partilha, da esperança, da fraternidade, e é sempre neste espírito que realizamos esta festa,  com o intuito de fazer passar a todos os nossos catequizandos estes nobres sentimentos. Assim, devemos continuar a caminhar, reconhecendo, agradecendo e melhorando o que for possível.

«A maior glória está no nascimento de Cristo no coração dos homens»

Que neste Natal possamos fazer de Jesus o nosso melhor amigo, pois é Ele o único motivo do Natal e da nossa existência.

Feliz Natal e um Ano Novo cheio de amor, paz, amizade, humildade e sabedoria, com as bênçãos do Menino Jesus!

 

Leonor Silva, in Voz de Lamego, ano 87/07, n.º 4392, 20 de dezembro de 2016

Ceia de Natal do Corpo de Bombeiros de Lamego

bvl

A Festa de Natal do Corpo de Bombeiros de Lamego realizada no passado dia 16 de dezembro, reuniu uma vez mais Bombeiros e respetivas famílias num ambiente onde os símbolos desta época se mantiveram.

Mais do que uma festa, foi a celebração de mais um ano de dedicação, espírito de responsabilidade e amizade, sentimentos partilhados entre todos dentro do Corpo de Bombeiros.

Como já é habitual o Monsenhor Padre José Guedes capelão dos Bombeiros, brindando os seus bombeiros com as suas habituais palavras de encorajamento e amor.

Uma noite cheia de momentos de diversão, sorrisos e muita partilha. Uma noite de encontros, de instantes de alegria e conforto, na presença escolhida das pessoas que fazem parte da vida destes Bombeiros. O espírito de Natal foi ainda propício à reflexão sobre o equilíbrio da vida de muitos dos presentes: entre dar e receber, entre trabalho e lazer, entre partilhar e acumular, entre liderar e acompanhar, características tão comuns a todos os Bombeiros.

Teve lugar no salão nobre da Associação a tomada de posse os Adjunto de Comando António Joaquim Silva Fernandes e Luís Filipe Amaro Oliveira, e a imposição dos galões de Adjunto de Comando colocados pelas suas famílias que durante a maior parte do tempo abdicam da sua presença e prol desta causa.

Foram também presenteados 3 Bombeiros Voluntários com mais horas de serviço operacional, ficando em 1.º lugar o bombeiro de 3.º classe Pedro Fragueiro, em 2.º lugar o bombeiro de 3.º classe Luís Paiva e em 3.º lugar o bombeiro de 3.º classe António Paiva, receberam um brinde pela sua dedicação e entrega a esta nobre causa.

Já no final um presente desta vez bem grande a apresentação das novas Mascotes dos Bombeiros a Senhora Heroína e o Senhor Herói que nos presentearam com balões e muita diversão. Mascotes essas que fariam parte da nossa família a iram receber as escolas que nos visitarem bem como a sua presença nos eventos da cariz social.

O Comando e a Direção dos Bombeiros de Lamego desejam que a mensagem de Natal sirva de encorajamento para o novo ano que se aproxima e que a dedicação demonstrada por todos sirva de entusiasmo para se continuar a desenvolver um trabalho e excelência.

Um Santo Natal

in Voz de Lamego, ano 87/07, n.º 4392, 20 de dezembro de 2016

Papa Francisco celebrou 80 anos

papa44

Como qualquer ser humano, o Papa Francisco fez anos. Oitenta anos, um lindo rol que muitos gostariam de ver na sua agenda pessoal, nas páginas da sua história, mesmo que desconhecida para o mundo onde vivemos, mas sempre conhecida aos olhos de Deus, o Deus da nossa vida e da nossa história.

A data não passou despercebida ao olhar atento de muitos, mesmo que a pessoa de Francisco não seja o grande amor da sua vida; os jornais da nossa banca foram falando e anunciando a data, como meta de um pensar e de um viver que marque as páginas que, porventura, terão outra visão de um público ávido de saber o que se passa em Roma, muito particularmente no Vaticano, onde uma pessoa muito amada pela generalidade dos cristãos, merece isso e muito mais.

Mas o jornal, cujas páginas mais vou olhando em cada manhã, aproveita para espalhar o clima de divisão, real ou suposta, que se viverá no Vaticano. E não deixa de sublinhar que os Papas teriam sofrido mais com a ala contestatária da Igreja, e dita progressista, ao passo que Francisco terá mais dificuldades com a ala conservadora da mesma Igreja.

Quem conhece o Evangelho e o acredita como palavra revelada de Jesus Cristo e sabe que só Ele pode dizer «a Minha Igreja», certamente não se deixa influenciar por estas «alas», que existem nas nossas pequenas famílias, se alargam na medida em que as «famílias» crescem, deixam de ser as «nossas» e «pequenas», não se deixa influenciar, muito menos alarmar pelo que se possa passar e nos possam querer comunicar como fraqueza da nossa grande Família, a Igreja.

E o Papa, «Pai» nessa grande Família, torna-se o centro tão amado como discutido, tão esperado como capaz de ser contraditado quando nos convida à misericórdia, quando se encontra com os «publicanos e pecadores deste tempo», como Jesus no seu tempo. E Francisco pode sofrer com tudo isto e muito mais do que nós sabemos, mas o facto de o trazerem à ribalta do mundo no dia do seu aniversário significa que, não sendo ele uma pessoa qualquer, nem todos o olham com o mesmo olhar de amor que o Papa nos merece.

Era bom de ver! Encher a boca com a palavra/nome Francisco sem ler o que ele diz, ensina e faz, não é suficiente para nenhum cristão consciente do que o Papa, seja ele qual for, é e representa para os cristãos. Muitos, milhares, vão a Roma, irão a Fátima, baterão palmas, gritarão «viva o Papa», mas regressarão sempre insatisfeitos porque Francisco não dirá a palavra que cada um gostava e queria ouvir.

Quantos fizeram, hoje, 17 de Dezembro, uma oração por Francisco, o Papa de quem se gosta? Pelo menos, pelo menos! E quantos accionaram o mail indicado para uma palavra de bons votos pelo seu aniversário (papafrancisco80@vatican.va)?

Buon compleanno, parabéns, Papa Francisco!

Pe. Armando Ribeiro, in Voz de Lamego, ano 87/07, n.º 4392, 20 de dezembro de 2016

NATAL DAS EQUIPAS DE NOSSA SENHORA

natal-ens-2016-003

No pretérito dia 10 de Dezembro, sábado, congregaram-se nas instalações da Obra Kolping, os casais e conselheiros espirituais das Equipas de Nossa Senhora do Sector de Lamego.

A equipa responsável pela organização do Natal 2016, a Lamego 7, sugeriu que, em vez de troca de prendas, cada casal levasse géneros alimentícios para serem distribuídos pelas Conferências Vicentinas da Sé e Almacave.

Assim, vimos chegar um a um os casais, carregando consigo o saco com os donativos que foram sendo depositados junto ao presépio na entrada.

Às 12 horas, o Senhor D. Jacinto Botelho, Conselheiro Espiritual da Lamego 1 e 4, presidiu à Eucaristia, concelebrada pelo Sr. Provigário, Pe João Carlos Morgado, C.E. da Lamego 10, Monsenhor Bouça Pires C.E. da Lamego 2, Sr. Padre Adriano Monteiro C.E. da Lamego 5, Cónego Delfim de Almeida C.E. da Lamego 6, Padre José Abrunhosa C.E. da Lamego 8 e também pelo Monsenhor José Guedes, Pároco de Almacave.

A sua homilia foi direccionada para a vida do casal, dissertando a propósito das leituras do III Domingo do Advento – Domingo da Alegria.

A alegria que deve inundar o casal, a família. A paciência necessária, em muitas situações da vida do casal, sempre com a esperança e confiança no Senhor. A austeridade de João Baptista que fez dele um homem honesto e disponível para o anúncio da vinda de Jesus. Não nos preenchermos com o supérfluo, mas sim com o essencial das nossas vidas. O testemunho de uma vida simples, mas com sentido, vivida no amor de Deus e ao próximo.

Referiu também a importância das três palavras sugeridas pelo Papa Francisco e que devem permanecer na relação do casal:

Com licença! Expressão que ilustra uma atitude de respeito: a delicadeza, a discrição, a paciência, o acolhimento, reconhecendo o outro como uma realidade preciosa.

Desculpa! Exprime um pedido de perdão: ter consciência de ter ofendido, traído a confiança, enganado o outro.

Obrigado! Exige a consciência de não ser o centro do mundo, deixar espaço para o outro, ser grato.

Após partilharmos a Palavra de Deus neste encontro eucarístico, veio o momento de partilharmos o pão num grupo que encheu o refeitório da casa que nos acolheu. Depois da oração preparada pela Lamego 7, iniciámos a refeição que proporciona sempre momentos de alegria e convívio. O buffet de sobremesas, próprias desta quadra, saciaram os mais gulosos. Antes do café, houve tempo ainda para algumas declamações que animaram os presentes.

Os afazeres de cada um fizeram com que após o café nos fossemos despedindo uns dos outros com votos de Feliz Natal.

A Equipa de Sector, in Voz de Lamego, ano 87/07, n.º 4392, 20 de dezembro de 2016

Falecimento do Pe. Joaquim Mendes de Castro | 1920 – 2016

ascencao2

O Senhor Deus, Pai de Misericórdia, Deus de toda a consolação, chamou para Si, o Cónego/Padre Joaquim Mendes de Castro, que atualmente estava a residir na Diocese, Rio Tinto. Natural de Moldes, no concelho de Arouca, nasceu em 21 de junho de 1920. Foi ordenado sacerdote em 24 de abril de 1943. Durante muitos anos integrou o Cabido da Sé de Lamego, tendo-se tornado seu Deão.

Dedicou parte importante do seu tempo ao estudo da Sagrada Escritura, publicando alguns livros. textos, artigos, reflexões.

A Missa Exequial, em Rio Tinto, presidida pelo Bispo do Porto, D. António Francisco dos Santos, será celebrada pelas 10h00, na sexta-feira, 23 de dezembro. Seguir-se-á a celebração da Santa Missa em Moldes, concelho de Arouca, onde será sepultado, pelas 15h00.

O Senhor Bispo de Lamego, D. António Couto, expressa as suas condolências à família e aos amigos, confiando-o a Deus, na certeza confiante da Ressurreição e de Vida Eterna.