Arquivo

Archive for Junho, 2018

Profissão da Fé na Paróquia da Sé

Apesar do tempo tristonho e chuvoso, nada alterou a alegria e o entusiasmo com que os paroquianos encheram a catedral este domingo para a celebração das dez horas.

Jovens, familiares e restantes elementos da comunidade paroquial preparavam-se para celebrar a Profissão de Fé dos jovens do 6.º ano.

Com um percurso catequético e uma maturidade que já lhes permite optar com liberdade e conhecimento, os jovens decidiram fazer diante de Deus e da comunidade reunida na Eucaristia a renovação única e pessoal das promessas por eles feitas por seus pais e padrinhos por ocasião do seu Batismo; a vela que nessa altura representou a Luz de Cristo foi agora novamente acesa com a ajuda de alguns Pais, símbolo do Amor que nos une a Deus, e no qual estes jovens querem continuar a sua caminhada; o Credo foi rezado com especial fervor, após o que invocamos o Espírito Santo para que nunca deixe de os guiar, e Nossa Senhora para que os ampare sempre com o seu amor de Mãe.

Terminada a Catequese da Infância, seguem agora o seu percurso com a Catequese da Adolescência, onde esperamos que continuem a “dar bons frutos” e a ser elementos válidos e bem formados da comunidade cristã.

IM, in Voz de Lamego, ano 88/28, n.º 4465, 12 de junho de 2018

DECIDIR E ACEITAR | Editorial Voz de Lamego | 12 de junho de 2018

DECIDIR E ACEITAR

 

Amanhã celebramos a memória litúrgica de um dos portugueses mais conhecidos no mundo, apesar de ter vivido poucos anos e de nunca se ter esforçado para ser “famoso”!

Conhecemos bem a história deste santo que, tendo nascido em Lisboa, se deixa seduzir pelos Franciscanos, em Coimbra, e parte para África, animado pelo espírito missionário, mas a quem a doença e a tempestade levam até terras italianas, onde acabará por morrer e ser sepultado, em Pádua. É “de Lisboa” porque ali nasceu e “de Pádua” porque ali morreu, mas é, sobretudo, da Igreja e de todos quantos nele encontram um exemplo motivador e um intercessor a quem recorrer.

Mais do que proporcionar umas “sardinhadas”, umas procissões, uns arcos ou uns foguetes, St. António ensina a não ficar parado, a valorizar o dom da vida, a gastar os talentos recebidos, a servir onde quer que se esteja e todos os que se encontram, a valorizar a Palavra e a não desistir de anunciar, mesmo sem plateias numerosas…

Deste português, o primeiro dos “santos populares” que junho nos apresenta, poderíamos reter a coragem para decidir e a disponibilidade para aceitar. Não se trata de aventureirismo ou simples espírito de rebeldia; a sua coragem é amadurecida e assenta na vontade de cumprir a vida. Por mais que ame e respeite quem o deseja por perto e com determinado rumo, assume a sua vida e decide afirmar a sua vontade. Um exemplo diante de tanta indecisão e comodismo que, às vezes, se observam.

Por outro lado, é capaz de aceitar a novidade, abandonar-se à providência e não desesperar perante o que lhe sucede e que, aparentemente, contraria as suas opções. Mais do que fatalismo, aceita os desafios que o percurso escolhido lhe apresenta e permanece firme.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/28, n.º 4465, 12 de junho de 2018

RELEVÂNCIA E PRESENÇA | Editorial Voz de Lamego | 5 de junho de 2018

RELEVÂNCIA E PRESENÇA

A recente votação parlamentar “adiou” a legalização da eutanásia, já que os seus promotores não descansarão enquanto não puderem inscrever mais esse “avanço” na legislação portuguesa. Tal como na questão do aborto, o tema voltará à ordem do dia e os “arautos do progresso” inscreverão mais essa página na história lusa.

A este propósito, e a par dos defensores de tal prática, muitas foram os portugueses que se fizeram ouvir apelando ao “não”. E se noutros tempos caberia, maioritariamente, aos bispos e padres tal apelo, a verdade é que se ouviram outras vozes e se viram outros rostos nas manifestações concretizadas. O facto mostra que a Igreja cresceu, dando vez e voz a quem não é ministro ordenado, proporcionando aos fiéis leigos afirmarem-se como sujeitos.

Num tempo marcado pelo fim da cristandade e consequente perda de relevância da Igreja no debate público, saúda-se e sublinha-se a aparição de vozes formadas e informadas que enriquecem o debate e, de alguma forma, podem colmatar a ausência da hierarquia, tantas vezes ignorada pelos grandes meios de comunicação.

A Igreja sabe e assume que a perda de relevância no debate, a ausência do convite ou a invisibilidade a que, involuntariamente, é muitas vezes votada em nada diminuem a sua determinação em permanecer fiel ao Senhor, cumprindo a missão de anunciar o Evangelho, servir a humanidade e ser “sacramento de salvação”.

Porque enquanto a Igreja estiver disponível para servir, acolher, escutar, ocupar-se dos mais frágeis, marcar presença nos lugares não cobiçados… a Igreja permanecerá.

É verdade que a Igreja pode ter perdido a relevância de outros tempos, mas para ser fiel Àquele que a fez nascer será sempre mais importante estar presente, promovendo e defendendo a dignidade de todos.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/27, n.º 4464, 5 de junho de 2018