Arquivo

Archive for Janeiro, 2021

Editorial da Voz de Lamego: Os outros somos nós

É uma expressão banal, mas que interpela e compromete.

O ideal será colocarmo-nos no lugar dos outros, sabendo que, em absoluto, não é possível, mas é louvável o esforço em procurar ver a partir do que outro vê, vive, sente e sofre. Tentar compreender o seu agir e o seu pensar. A isso se chama empatia, pôr-se em sintonia com o outro. Não se trata, entenda-se, de renunciar às próprias convicções, mas fomentar o diálogo para caminharmos juntos. Só dialoga quem tem convicções, permitindo um confronto saudável de ideias e ideais. Quem não tem convicções, segue aqueles que gritam mais!

No próximo domingo, 24 de janeiro, vamos votar para o Presidente da República, e digo vamos votar, porque é nossa obrigação e compromisso, como cidadãos e como cristãos, participarmos na vida da comunidade, fazendo as escolhas que consideramos melhores para os destinos do país. Cabe-nos ouvir e discernir, sabendo que o sistema português é parlamentar e que o Presidente da República tem um papel de representatividade do povo português e da sua cultura, é moderador da ação política e partidária, garante do cumprimento da Constituição, aglutinador de vontades e projetos para o desenvolvimento e integridade de Portugal, como nação. Não legisla, nem executa, mas pode suscitar caminhos, promover uma visão para o país, inserido na União Europeia, com ligações privilegiadas aos países de língua oficial portuguesa, país tolerante e acolhedor.

Como cristãos, não deixando de ser cidadãos comprometidos, a nossa visão da vida e do mundo deve influenciar as nossas escolhas. Não somos melhores, como ponto de partida, mas devemos ser diferentes. Cabe-nos refletir sobre o candidato que melhor assume a nossa mundivisão judaico-cristã, na promoção da vida, na defesa dos mais frágeis, na busca do bem comum, na proteção da dignidade de cada pessoa, na assunção da fraternidade.

Reconhecemos a autonomia da República, mas sabemos que esta se enriquece com o contributo de cada um e também com os princípios que nos orientam como crentes. Onde estivermos, é Cristo que temos de imitar! Em todas as dimensões da vida, aquilo que fizermos ao mais pequeno dos irmãos é a Cristo que o fazemos. O bem comum terá que ser o horizonte do envolvimento político-partidário dos cristãos, como construtores de pontes, incluindo e optando, como Cristo, pela atenção e cuidado aos mais pobres.

Extremismos, de esquerda ou de direita, muito convincentes no discurso, excluem, radicalizam, vivem na lógica sectária, só quem pensa como eles é que é bom. Nós ou os outros? Excluímos ou somos excluídos? E, como se tem visto, na política, como na religião, na cultura, no desporto, discursos que fragmentam e dividem, mais cedo ou mais tarde criam crises e violência. Como disse um candidato, caminhamos com dois pés, um direito e outro esquerdo!

Atendamos às palavras do Papa Francisco: «Envolver-se na política é uma obrigação para um cristão… os cristãos não podem fazer de Pilatos, lavar as mãos… a política é uma das formas mais elevadas da caridade, visto que procura o bem comum… Os leigos cristãos devem trabalhar na política. Dir-me-ão: não é fácil… A política é demasiado suja, mas é suja porque os cristãos não se implicaram com o espírito evangélico. É fácil atirar culpas… mas eu, que faço?».

E, por falar em política e bem comum, tentaremos trazer à Voz de Lamego a voz dos 14 municípios que a Diocese de Lamego integra, através dos Presidentes de Câmara.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 91/10, n.º 4592, 19 de janeiro de 2021

Categorias:Editorial Etiquetas:,

Editorial da Voz de Lamego: Quero ver o vosso rosto

Na edição da Voz de Lamego desta semana teremos, num dos pratos principais, a entrevista ao novo Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lamego. Numa das respostas às nossas questões, o Dr. António Carreira referiu uma expressão do nosso Bispo, D. António Couto, na entrada solene da Diocese: “Quero ver os vossos rostos”.

Eis a citação: “Queridos filhos e irmãos, pais e mães que Deus me deu nesta dorida e querida Diocese de Lamego. Quero muito ver o vosso rosto. Já sabeis que trago notícias de Deus. E que conto muito com cada um de vós, para levar a todos os lugares e a todas as pessoas desta bela Diocese este vendaval de graça e de bondade que um dia Jesus desencadeou em Cafarnaum” (D. António Couto, 29 de janeiro de 2012).

É uma mensagem que nos interpela, e por maioria de razão, nos dias que passam. Queremos ver o rosto uns dos outros! O olhar e o sorriso! O coração e a vida! As esperanças e as angústias! Há quem se tenha afeiçoado de tal forma à máscara que já não a dispensa, nem nos perfis das redes sociais e, quem sabe, no CV, por acharem que essa é a sua (nova) identidade!

Quando encontramos alguém pela primeira vez, a tentação é de pedir para que nos mostre o rosto. O olhar é importante – os olhos são a janela da alma –, mas também os contornos do rosto, o sorriso completo. O cuidado que os outros nos merecem exigem o uso da máscara e o distanciamento físico, mas o desejo permanece: quero ver o teu rosto! Mau é quando não queremos ver o rosto do outro; quando escondemos o rosto e nos protegemos do olhar alheio. Já tiveram a experiência de conversar com alguém que se esconde, que está fechado em si mesmo e não levanta os olhos, e nos olha de esguelha? É uma estranha sensação! Não estamos em casa! Não nos sentimos em casa com o outro quando o seu olhar se esconde! Curiosamente, com as máscaras, tendemos a confrontar-nos mais com o olhar. Só conseguimos ver as expressões junto aos olhos! Não conseguimos ler os lábios, então olhamos mais nos olhos uns dos outros. Olhar nos olhos é colocar-nos no mesmo plano, nem acima nem abaixo.

A um determinado momento, uns gregos, que se encontravam em Jerusalém, por ocasião da festa, vão ter com Flipe e dizem-lhe: “Senhor, nós queremos ver Jesus” (Jo 12, 20-22). Não sabemos os motivos para quererem ver Jesus, mas é um desejo que os leva a dar os passos necessários para chegarem à presença de Jesus. Não basta a informação que recebemos dos outros, não são suficientes números ou estatísticas, mas olhar olhos nos olhos, ver a face, acolher o rosto dos outros! Assim a nossa relação com Jesus, assim a nossa relação com os outros. Ver o rosto, o coração e a vida, ir ao encontro de quem sofre, conhecer a sua história de vida, escutar e perceber, amar e servir! E não é filosofia! É a vida de Jesus, terá de ser a nossa também.

Os tempos que se avizinham não vão ser fáceis, cabe-nos fazer tudo o que está ao nosso alcance, e envolver outros, para que os mais frágeis ou os que caiam numa situação precária não se convertam em números de estatística.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 91/09, n.º 4591, 12 de janeiro de 2021

Editorial da Voz de Lamego: A cultura do naufrágio no novo ano

O ano de 2020 ficou para trás! Ou talvez não! Tenho lido comentários estranhos a propósito: 2020 deveria ser um parêntesis, avançando de 2019 para 2021; deveria passar-se uma borracha para apagar o ano!

Apagar o passado não é possível, pois não somos máquinas computadorizadas. Querer apagar o passado, por causa de um acontecimento negativo, revela ingenuidade ou infantilismo. A memória torna-nos verdadeiramente humanos, na certeza de que vamos acumulando memórias de muitos acontecimentos e encontros, lugares e pessoas, nem sempre o que procurámos ou desejávamos, mas os que a vida ou, quem sabe, Deus colocou no meu e no teu caminho.

Numa nova etapa, num novo ano, misturam-se ansiedade e esperança, dúvidas e receios. Como será o que vem pela frente? Será que o mundo se tornará melhor e as pessoas mais humanas e solidárias? A nossa vida será risonha? É um misto de sentimentos e emoções que nos faz desejar este (re)começo! Mas, como em todas as dimensões da vida, não se apaga o que somos, o que vivemos, as adversidades que enfrentámos. Se assim fora, teríamos que começar do zero, sem memória nem conhecimentos, sem comodidades, e perderíamos tudo o que de bom nos sucedeu, as pessoas que encontrámos, o que nos fez crescer. Não é possível fazer tábua rasa de um ano ou de um mês. Somos também o que vivemos, somos as opções que fazemos, seremos o que somos com o que lhe juntarmos.

O Papa Francisco empresta-nos o conceito da cultura do naufrágio, acerca da educação, mas que se adequa também à nossa vida. “O náufrago enfrenta o desafio de sobreviver com criatividade. Ou espera que o venham resgatar ou dá início ao seu próprio resgate. Na ilha onde chega, tem de começar a construir uma palhota, para a qual pode utilizar as tábuas do barco afundado e, também elementos novos que encontra no lugar. O desafio de assumir o passado, ainda que já não flutue, e de utilizar as ferramentas que o presente oferece, tendo em vista o futuro”.

E prossegue na mesma linha: “Para educar é preciso ter em conta duas realidades: o quadro de segurança e a zona de risco. Não se pode educar apenas com base em quadros de segurança, nem apenas com base em zonas de risco; tem de haver uma proporção, não digo equilíbrio. Uma pessoa começa a caminhar quando nota o que lhe falta, porque se não lhe faltar qualquer coisa não caminha”.

É com esta criatividade e expectativa que damos novas cores, rostos e configuração à Voz de Lamego, com os seus 90 anos, feitos a 8 de novembro de 2020. Não apagamos o que somos, como jornal, ao serviço da diocese e da região, mas queremo-nos ainda mais próximos, mais ágeis, e sempre transparentes nos valores da vida, da verdade e do bem, na senda do humanismo cristão, a informar e a refletir, a desafiar e a debater. Contamos com todos. A cada um solicitamos a colaboração para chegarmos mais longe, a mais pessoas, leitores, assinantes e anunciantes. A sobrevivência da Voz de Lamego passa por aqui, por ti e por mim, e pela captação de novos amigos. Prosseguimos com alegria e com esperança. Muito obrigado por esta entreajuda, certos da bênção e do favor de Deus. Bom ano de 2021.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 91/08, n.º 4590, 5 de janeiro de 2021