Archive

Archive for Julho, 2015

Bodas de Ouro Sacerdotais | Pe. Vítor Esteves Rosa

P.VítorÀ conversa com… Padre Vitor Esteves Rosa

Há 50 anos, quatro jovens foram ordenados Presbíteros na nossa Diocese, pelo que este ano celebramos o seu jubileu sacerdotal. Para os conhecermos melhor fomos ao encontro de cada um deles e hoje divulgamos as respostas do terceiro que já nos respondeu, a quem agradecemos e felicitamos.

Olhando para o caminho já percorrido, que etapas, pessoas ou situações gostaria de destacar?

Olhando à minha caminhada, gostaria de destacar aquelas pessoas que sempre se empenharam a que a minha vida de sacerdote – levar Cristo a todos e a cada um – ou ajudaram, nesta missão, que abracei com todo o meu coração. Destaco aqueles que colaboraram na catequese, grupo de jovens, o conselho económico e dirigentes de associações. Se alguma coisa se fez, foi devido a essas pessoas que colaboram comigo de alma e corpo.

Atento ao mundo em que vive e à Igreja que ajuda a formar e a crescer, que desafios a ter em conta?

O tempo em que estamos a viver, em cada dia nos traz novos desafios. Se sempre foi difícil levar a Palavra de Deus aos homens, hoje torna-se um desafio constante e uma luta que temos de travar, neste mundo em que podemos recordar as palavras de S. Pedro: “O Demónio como leão anda sempre à volta de nós”. Hoje tem tudo a colaborar com ele: Os média, as próprias escolas essencialmente laicas, os pais em cuja família se não reza, são grandes colaboradores desse que procura sempre desafiar Deus. Não é só o ateísmo, grande escola que sempre grassou na sociedade; mas o indiferentismo  religioso que é pior que o ateísmo. O Cristo disse-nos: “Sim, sim, não, não”. Mas hoje nem sim nem não.

Que palavra gostaria de deixar aos sacerdotes mais jovens da nossa Diocese?

Alguém disse de Lamenais: “Lamenais não reza. “Não quero fazer juízos de ninguém; mas será que o breviário – a reza do sacerdote – é cada dia rezado? Será que a meditação é feita? Será que a Missa é celebrada com a dignidade que nos merece?

Gostaria de lhes dizer que ponham em primeiro lugar o Cristo que abraçaram.

in Voz de Lamego, ano 85/27, n.º 4324, 28 de julho

Visita Pastoral de D. António Couto à Paróquia de Melcões

DSC_0008

De acordo com o programa delineado com o Senhor Bispo, no dia 25, de manhã, iniciou-se a visita pastoral à comunidade de Melcões.

O primeiro encontro foi com os crismandos, que ansiavam conhecer o Senhor D. António.

O ilustre prelado relevou o significado da confirmação no itinerário da vida cristã. Explicou com muita clareza as partes constitutivas do sacramento, que todos escutaram atentamente.

Reuniu depois com os vários colaboradores dos diversos sectores paroquiais. Dirigiu a todos uma palavra de agradecimento e incitou-os a participar na realização da missão da Igreja.

Crismandos e pessoal presente com o Senhor Bispo fez-se a visita ao cemitério onde foram evocados e se rezou pelos irmãos que ali repousam o sono da paz.

Concluiu-se o primeiro dia com a visita aos doentes e pessoas de idade.

O dia 26 foi realmente o dia inesquecível para a paróquia de Melções. Foi a apoteose.

Há mais de quinze anos que este pequenino rebanho não via nem ouvia a voz do seu pastor. Caprichou então toda a comunidade em preparar uma recepção histórica ao Senhor Bispo.

Construíram-se arcos e fez-se uma linda passadeira de flores. À sua chegada, descargas de fogo, lançamento de pombas, muitas palmas, vivas e abraços, e uma crismanda saudou-o e entregou-lhe um belo ramo de flores. Seguiu-se a Celebração Eucarística.

Igreja ricamente adornada, repleta de fiéis, muitas comunhões, cânticos escolhidos, e o belo quadro humano de dezassete crismandos.

O Senhor Bispo explicou o significado do momento que se estava a viver. Falou de quem nos unia, da Igreja em saída. Todos deveriam colaborar na edificação de um mundo melhor, mais belo, mais fraterno e mais justo. Explicou também o sentido do crisma a partir de unção de óleo perfumado que deve entrar na cabeça e descer ao coração. Tudo isto num ambiente de alegria, de simplicidade, de proximidade e ternura.

Não há dúvida de que o Senhor D. António veio iniciar uma nova dinastia pastoral de relacionamento com toda a comunidade diocesana.

No final o pároco agradeceu ao povo, aos crismandos e ao Senhor Bispo, a quem pediu que continuasse a levar sobre os ombros o manto da boa nova da alegria, da misericórdia, da az e do amor.

Pe. Frederico Martins, in Voz de Lamego, ano 85/27, n.º 4324, 28 de julho

Diocese em festa para acolher a Virgem Peregrina de Fátima

DSC_9505

Em pleno domingo do dia 26 de Julho a diocese de Lamego recebeu com júbilo a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima, tendo como porta de entrada a Zona Pastoral de Vila Nova de Foz Côa, como o nosso Bispo aludiu na sua homilia, à Virgem Mãe como a Senhora de ao pé da Porta, neste domingo foram as terras do Douro Superior a porta para esta grande jornada que a Imagem Peregrina vai empreender na nossa tão estimada Diocese.

Até ao limite da Diocese de Bragança-Miranda, estiveram presentes uma grande delegação com cruzes, bandeiras, para fazer a transição, vindo o pastor desta diocese o Sr. D. José Cordeiro fazer a entrega à nossa Diocese.

Já em terras da nossa diocese a Imagem foi recebida pelo pároco da paróquia de Nossa Senhora do Pranto de Vila Nova de Foz Côa o Sr. P.e António Ferraz, pelo Sr. Arcipreste Sr. P.e Basílio Firmino, pelo Assistente Diocesano do Movimento da Mensagem de Fátima o Sr. P.e Vasco Pedrinho, a direção do Secretariado Diocesano da Mensagem de Fátima, bem como uma considerável multidão de fiéis que quiseram acorrer para saudar a Mãe.

Aguardavam a chegada da Imagem Peregrina, uma multidão de fiéis oriundos das quinze paróquias da Zona Pastoral de Foz Côa, na Avenida Gago Coutinho e Sacadura Cabral entre aplausos e júbilo redobrado por ver a chegada da Mãe.

Deu-se inicio à procissão rumo à praça do Município onde aguardavam também um grande número de fiéis. Organizou-se o cortejo de entrada para a Celebração da Eucaristia Presidida pelo nosso Bispo D. António Couto, estiveram ainda presentes o Sr. D. Jacinto Botelho, Bispo Emérito da nossa Diocese, o Sr. Vigário Geral Monsenhor Joaquim Rebelo, o Sr. Pro Vigário geral P.e João Morgado, bem como todos os Párocos das Paróquias da Zona Pastoral.

Para esta efeméride estiveram envolvidas muitas pessoas, instituições do concelho e fiéis devotos que quiseram embelezar de forma impar a cidade, janelas e varandas engalanadas, ruas com passadeiras de flores, só as gentes que mais amam devotam esse mesmo amor no que fazem, pode-se dizer que aqui se assistiu a um testemunho de amor profundo pela Mãe Virgem Peregrina que não se cansa de visitar e estar com os seus filhos.

No final da Celebração os Senhores Bispos em frente da Imagem Fizeram o Ato de Consagração a Nossa Senhora de Fátima, terminando com um pedido de que a Sua presença nesta zona pastoral seja motivo para que a sua mensagem de Amor, de Fé e de Alegria fique impresso nos corações de todas as famílias, doentes, crianças, jovens e idosos.

Pelas 22 horas realizou-se a procissão das velas com um mar de gente iluminando a cidade de Foz Côa com as suas velas acesas.

No dia 27 de julho pelas 9 horas rezou-se a oração de Laudes e às 11 horas a celebração da Eucaristia com a presença do párocos da zona pastoral.

Às 16 horas teve inicio a recitação do Terço, de seguida o rito do Adeus a Nossa Senhora de Fátima e a sua partida para a zona pastoral de São João da Pesqueira.

Padre António Ferraz, in Voz de Lamego, ano 85/27, n.º 4324, 28 de julho

Nomeações de D. António Couto para o ano pastoral 2015-2016

Imagem1

Nota da Vigararia Geral

DIOCESE DE LAMEGO

A Vigararia Geral informa que o Sr. D. António José da Rocha Couto, Bispo da Diocese de Lamego, procedeu às seguintes dispensas e nomeações:

  • Rev. Pe. Joaquim Correia Duarte, DISPENSADO da paroquialidade de São João Batista de Miomães e da Capelania de Caldas de Aregos, mantendo a paroquialidade de São Miguel de Anreade, na Zona Pastoral de Resende;
  • Rev. Pe. António de Almeida Morgado, DISPENSADO da paroquialidade de Santa Leocádia de Travanca, na Zona Pastoral de Cinfães, mantendo as outras funções que já exerce;
  • Rev. Pe. José Augusto Rodrigues Cardoso, DISPENSADO da paroquialidade de São Martinho de Fornelos, na Zona Pastoral de Cinfães, mantendo as outras funções que já exerce;
  • Rev. Pe. Luís Pedro Macedo Almeida Costa, DISPENSADO da paroquialidade de S. Martinho de Moimenta, na Zona Pastoral de Cinfães, mantendo as outras funções que já exerce;
  • Rev. Pe. Abel Rodrigues Costa, DISPENSADO da função de Director Espiritual do Seminário de Nossa Senhora de Lurdes de Resende, mantendo as outras funções que já exerce;
  • Rev. Pe. Joaquim Manuel Silvestre, DISPENSADO da paroquialidade de São João Batista de Avões e de São Pedro de Samodães, mantendo a paroquialidade de Nossa Senhora das Candeias de Ferreiros, no Arciprestado de Lamego;
  • Rev. Pe. José Alfredo Gonçalves Patrício, DISPENSADO da paroquialidade de Nossa Senhora da Conceição de Cujó, do Divino Espírito Santo de Monteiras e de Nossa Senhora da Apresentação de Moura Morta, na Zona Pastoral de Castro Daire, mantendo os restantes encargos no Tribunal Interdiocesano, e NOMEADO para estudos de Ciclo III (Doutoramento) de Direito Canónico;
  • Rev. Pe. Germano Carlos Nunes Cardoso, DISPENSADO da paroquialidade de Santa Luzia de Feirão, e nomeado Pároco de São João Batista de Miomães e da Capelania de Caldas de Aregos, na Zona Pastoral de Resende;
  • Rev. Pe. Diogo Pereira Filipe, NOMEADO Pároco de Santa Luzia de Feirão, Zona Pastoral de Resende, mantendo as outras funções que já exerce;
  • Rev. Pe. José Miguel Loureiro Almeida, DISPENSADO da paroquialidade de Santa Cruz de Alvarenga, na Zona Pastoral de Cinfães, e de Santa Maria de Cabril, na Zona Pastoral de Castro Daire; NOMEADO membro da Equipa Formadora do Seminário de Nossa Senhora de Lurdes de Resende, membro do Departamento Diocesano da Pastoral Vocacional e membro do Serviço Diocesano da Promoção Vocacional e Pré-Seminário;
  • Rev. Pe. Miguel dos Santos Patrício Peixoto, NOMEADO Director Espiritual no Seminário de Nossa Senhora de Lurdes de Resende, mantendo as outras funções que já exerce;
  • Rev. Pe. Vítor Manuel Teixeira da Silva, NOMEADO Pároco de São João Batista de Avões e de São Pedro de Samodães, no Arciprestado de Lamego;
  • Rev. Pe. Jorge Henrique Gomes Saraiva, NOMEADO Pároco de Santa Cruz de Alvarenga, na zona pastoral de Cinfães, e de Santa Maria de Cabril, na Zona Pastoral de Castro Daire, mantendo as outras funções que já exerce;
  • Rev. Pe. Diamantino José Alvaíde Duarte, NOMEADO nomeado Pároco in solidum, com função de Moderador, de Santo Adrião de Cabaços e de S. João Baptista de Moimenta da Beira, na Zona Pastoral de Moimenta da Beira, juntamente com o Rev. Pe. Manuel Adelino Ramos Abrunhosa;
  • Rev. Pe. Fabrício António Pinheiro Correia, NOMEADO Pároco de São Martinho de Fornelos, São Martinho de Moimenta e Santa Leocádia de Travanca, na Zona Pastoral de Cinfães;
  • Rev. Pe. Valentim Manuel Moreira Fonseca, NOMEADO Pároco de Nossa Senhora da Conceição de Cujó, Divino Espírito Santo de Monteiras e Nossa Senhora da Apresentação de Moura Morta, na Zona Pastoral de Castro Daire;
  • Rev. Pe. Manuel Carlos Pereira Lopes, DISPENSADO do cargo de Presidente da Comissão Diocesana do Laicado e Família, e de Diretor do Departamento da Pastoral Familiar;
  • Rev. Pe. Paulo Jorge Pereira Alves, NOMEADO Presidente da Comissão Diocesana do Laicado e Família e Diretor do Departamento da Pastoral Familiar;
  • Rev. Pe. Ricardo Jorge Ribeiro Barroco, NOMEADO Responsável do Serviço Diocesano da Pastoral dos Ciganos.

A Diocese agradece a disponibilidade generosa de todos os sacerdotes e a sua inestimável dedicação aos vários ofícios eclesiais aos quais entregam a sua vida sacerdotal.

Lamego, 23 de Julho de 2015, na festa de S. Brígida, Padroeira da Europa

Mons. Joaquim Dias Rebelo

Vigário Geral da Diocese de Lamego

FECUNDIDADE SILENCIOSA | Editorial Voz de Lamego | 28 de julho

EditorialVL

O destaque principal da Voz de Lamego vai para a Visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima à Diocese de Lamego, tendo iniciado no dia 26 de julho, recebida em Foz Côa, e até ao dia 9 de agosto, saindo da Sé de Lamego para o Santuário de Nossa Senhora de Fátima.

O Pe. Joaquim Dionísio, Diretor da nossa Voz de Lamego, faz eco desta Visita às nossas gentes, com alguns desafios inerentes ao bom acolhimento, par nos levar a imitar os valores marianos.

FECUNDIDADE SILENCIOSA

A nossa diocese acolheu, no último domingo, a imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima que percorrerá, até à tarde do próximo dia 09 de Agosto, as suas diversas zonas pastorais. Oportunidade para acolher quem continuamente vela por todos os que a invocam e dela esperam intercessão, mas também para expressar gratidão e aprofundar uma proximidade que se traduza em seguimento.

Entre o muito que se possa dizer, sempre aquém do que os crentes sentirão ao longo destes dias, é desejo comum que esta “passagem mariana” aumente a disponibilidade e a fecundidade de todos os diocesanos. Porque Maria ensina a dar tempo e espaço à semente que é lançada por Deus, a ser terra fecunda que acolhe e permite o crescimento, frutificando.

Maria, a humilde serva de Nazaré, a jovem que vive longe dos centros de decisão, integrada no grupo das gentes aparentemente insignificantes, torna-se a escolhida por Deus para colaborar de forma singular no projecto salvífico. A sua disponibilidade para acolher a Palavra, traduzida num sim contínuo, é condição para a fecundidade da sua vida.

Uma fecundidade que não é sinónimo do activismo que se observa e experimenta nos dias que correm, onde o destaque pertence ao fazer e ao produzir. Um activismo que pode marcar a vida dos baptizados, das comunidades e da Igreja, levando a olhar a realidade eclesial como algo a planear e a produzir. A Igreja não é um produto feito, muito menos uma criação e produção nossa, mas sim a semente viva de Deus que quer crescer e amadurecer.

A fecundidade acontece quando a Igreja se torna terra sagrada para a Palavra. Ser terra fecunda resultará também de sermos seres expectantes, interiorizados, seres que, na fecundidade da oração, do desejo e da fé, criam espaço ao crescimento.

 in Voz de Lamego, ano 85/27, n.º 4324, 28 de julho

Categorias:Uncategorized

Inicia hoje a Visita da Imagem Peregrina na nossa Diocese

NSFátima_Lamego

D. António Couto presiderá a Eucaristia, em Vila Nova de Foz Côa, assinalando o início da Peregrinação da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima na Diocese de Lamego. Por sua vez, D. José Cordeiro, Bispo de Bragança-Miranda estará no momento da passagem de testemunho de Bragança para Lamego.

Visita Pastoral de D. António Couto na Paróquia de São Silvestre de Britiande

0JC_0228

«Saboreai a alegria de sermos irmãos»

Desde o dia 16 de julho até ao domingo, dia 19, Britiande teve a visita do seu Bispo, dando cumprimento à Visita Pastoral que ainda continua na Zona Pastoral de Lamego, com a presença do Bispo Diocesano em duas paróquias.

No dia 16, apenas seria celebrada uma Eucaristia para dar a conhecer o programa e o trabalho a fazer; assim aconteceu e o Senhor D. António partiu das leituras do dia para nos dar a conhecer não só uma palavra, como também o que ela representava para nós.

Os doentes foram a preocupação do dia seguinte, ocupando toda a parte da manhã com a visita feita a quase todos; alguns foram visitados noutro dia, pois havia celebração da Eucaristia perto da sua residência; depois de uma breve passagem pela Junta de Freguesia, foi celebrada a Eucaristia da Unção dos Doentes, que a todos encantou pela nova visão desse Sacramento, não mais «de morte», mas sempre «de vida», podendo ser recebido todos os dias, em qualquer idade, pois estamos sempre «fragilizados» e, como tal, necessitados de força para vencer as dificuldades do momento. Assim, o que parecia destinado a poucos, foi aproveitado por muitos outros que se foram aproximando do celebrante, animados pela sua palavra e convite.

À noite e na sede da Junta, mais central para quem quisesse ir, fez-se a reunião com os responsáveis da pastoral paroquial; os poucos que estiveram foram surpreendidos com a imagem de uma nova comunidade que o Senhor D. António «desenhou» e apresentou aos presentes.

Os diversos grupos que poderiam dar vida a essa nova comunidade, passam pela oração, pela caridade, pela evangelização, juventude, formação de adultos, capacidade de levar a preocupação de uma nova comunidade a toda a gente, sabendo e sentindo que a maioria «está lá fora».

Ocuparia todo o espaço disponível no jornal o desenvolvimento da responsabilidade de cada grupo, mas ficámos com a noção, certeza mesmo, de que, embora difícil, é possível uma nova dinâmica na nossa acção pastoral, que atinge toda a comunidade que se evangeliza e se torna mais evangelizadora. Novidade, novidade, não o é, mas a força da palavra do Bispo diocesano torna mais presente o que se vai esquecendo ou deixando de fazer e faz sentir a todos que não é o Pároco o único responsável da pastoral comunitária, mas todos os membros da mesma comunidade.

O sábado foi passado nas «periferias» da paróquia; o Bairral teve a Eucaristia logo a seguir ao meio dia e ali acorreram cristãos de outras comunidades. Na pequena capela, o Senhor Bispo pôde admirar a sua beleza e, depois, ouvir uma explicação mais pormenorizada do que é aquela Capela, que foi sede de paróquia antes da actual Britiande. E a Santa Unção voltou a ser a «novidade» do dia e teve crianças a aproximar-se do celebrante para a receber. Ali foi servido um almoço/convívio em que muitos tomaram parte, continuado mesmo depois da retirada do Senhor Bispo e do Pároco para Magustim; foram visitadas duas doentes, foi celebrada a Eucaristia, merenda convívio e foi preciso partir para a Capela do Senhor do Calvário, sede de uma Irmandade, onde o Senhor Bispo deu a todos uma palavra, antes de ali reunir com os Crismandos, a quem explicou o sentido de algumas palavras e gestos, utilizados na administração do Sacramento.

E já falta o espaço aconselhado para a utilização do jornal; e falta narrar o que se passou no «grande» dia da Visita Pastoral, com a recepção ao Senhor Bispo, a passagem pela rua mais utilizada na Vila, antes da paramentação na capela de S. Sebastião, onde o Senhor D. António foi saudado por uma catequista. E esta disse: «É com muita alegria que Britiande recebe a visita do seu Bispo, continuador da missão de Cristo, o Bom Pastor que conhece as suas ovelhas, lhes dirige a sua palavra, que elas aprendem e lhes serve para orientação da sua vida cristã».

Em procissão se caminhou para a Igreja Paroquial; ali foi saudado pelo Pároco e foi perante uma igreja repleta de fiéis que se procedeu à Confirmação de uma adulta e vinte e oito jovens que quiseram receber este Sacramento, ouviram a palavra do Senhor Bispo, receberam o seu Diploma por ele assinado e partiram para uma nova fase da sua vida cristã animados pela palavra que serve de título a esta crónica: «saboreai a alegria de sermos irmãos», de modo a conseguir o que a todos foi apontado como meta de vida cristã: «que as nossas flores (as da vida) sejam as mais belas do mundo, para que Britiande seja a terra mais bela do mesmo mundo». Para isso, «trabalhai com o coração cheio de amor, trabalhai com Cristo para construir a nova comunidade».

Pe. Armando Ribeiros, in Voz de Lamego, ano 85/26, n.º 4323, 21 de julho