Archive

Arquivo por Autor

MOVIMENTO DA MENSAGEM DE FÁTIMA | Retiro de Doentes em Fátima

Nos dias 5, 6, 7 e 8 de Junho, realizou-se em Fátima  o  retiro de  doentes para a  Diocese de Lamego, em conjunto com a Diocese do Algarve.

Estiveram presentes, doentes de várias paróquias. Orientou o retiro o Sr. Padre Manuel Antunes, Assistente Nacional do MMF, com a colaboração do Senhor Padre  Nelson da Diocese do Algarve.  Fomos  convidados  a viver em pleno o Centenário das Aparições.  Fizemos a Via sacra aos Valinhos, visitamos os túmulos dos santos, Francisco e Jacinta Marto,  na Basílica da Senhora do Rosário. Rezámos o terço,  assistimos à procissão de velas na Capelinha das  Aparições e  à celebração da Eucaristia, na Basílica da Santíssima  Trindade. Os momentos de silêncio e as reflexões apresentadas, ajudaram-nos  a entender melhor, que o sofrimento  vivido em ato de reparação, torna-se dom, que nos santifica.         Os pastorinhos  deixaram-nos o exemplo, de que através da  oração e do sacrifício nos tornaremos mais fortes. Foram quatro dias vividos em união com Jesus e sua Mãe Maria Santíssima.  Que o coração Imaculado de Maria, seja sempre o nosso refugio e o caminho que nos conduzirá até   Deus.

in Voz de Lamego, ano 87/32, n.º 4417, 20 de junho 2017

Pedrógão Grande: Cáritas quer devolver as casas às pessoas

Já foram identificadas mais de 20 habitações destruídas e várias fábricas ligadas à indústria da madeira

O presidente da Cáritas Portuguesa disse que a instituição está comprometida com a “urgência de devolver a casa às pessoas” depois da campanha de recolha de roupa, durante esta segunda-feira. “Queremos transparência e rigor, mas nada de burocracia e vamos insistir para que nada obstaculize a urgência de devolver a casa às pessoas”, afirmou Eugénio Fonseca, referindo que há já a identificação de mais de 20 casas destruídas e várias fábricas ligadas á indústria da madeira.

O presidente da Cáritas Portuguesa visitou este domingo as zonas atingidas pelos incêndios, em Pedrógão Grande, com o presidente da Cáritas Diocesana de Coimbra, onde se encontrou membros do governo e com responsáveis autárquicos. Eugénio Fonseca adiantou que a reconstrução das casas ardidas vai envolver as câmaras municipais, nomeadamente na elaboração de projetos e licenciamentos, as seguradoras dos imóveis, caso existam, e a reconstrução é assegurada pela Cáritas Portuguesa com os donativos recolhidos pela campanha ‘Cáritas com Portugal abraça vítimas dos incêndios’.

A conta ‘Cáritas com Portugal abraça vítimas dos incêndios’ tem o número 0001 200000 730 e o IBAN PT50 0035 0001 00200000 730 54, na Caixa Geral de Depósitos.

“Nós faremos tudo em articulação com o governo, nomeadamente o ministério da Administração interna e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social e com as câmaras municipais respetivas”, referiu o presidente da Cáritas Portuguesa.

Em 2016, a campanha ‘Cáritas Ajuda as Vítimas dos Incêndios em Portugal’ recolheu 311.856,67, refere a página da internet da Cáritas Portuguesa e foram reconstruídas 2 casas no Sardoal, 4 na Anadia, que vão ser entregues em julho, e 2 em Arouca, a concluir posteriormente, disse Eugénio Fonseca.

A Cáritas Portuguesa fez também um donativo de 200 mil euros para a ajuda de emergência, a Cáritas Diocesana de Coimbra 100 mil e a Cáritas Diocesana de Viana do Castelo 5 mil.

in Voz de Lamego, ano 87/32, n.º 4417, 20 de junho 2017

APOSTOLADO DE ORAÇÃO | Editorial Voz de Lamego | 20 de junho

Em destaque nesta edição, entre as várias notícias e reflexões, a Solenidade do Corpo de Deus na cidade de Lamego e a Peregrinação Diocesana ao Santuário de Fátima no Dia da Família Diocesana. O nosso Diretor, Pe. Joaquim Dionísio, faz outro sublinhado, a celebração da solenidade do Sagrado Coração de Jesus:

APOSTOLADO DE ORAÇÃO

O calendário litúrgico convida os católicos a celebrarem, no próximo dia 23, a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus como momento singular de um mês totalmente dedicado a esta devoção.

E falar do “coração de Jesus” é mais do que recordar ensinamentos e práticas eclesiais ou as visões de Sta. Margarida Maria Alacoque (1675), em Paray-le-Monial, França. Trata-se de tomar consciência do amor de Deus, realidade divina que todos abraça e centro para onde tudo converge.

A Igreja contempla o coração do Salvador da humanidade e deixa-se guiar até ao mais profundo do mistério de amor, onde se encontram o homem e Deus. E a devoção ao Sagrado Coração convida a fixar a atenção sobre este coração amoroso, compassivo e misericordioso que revela a essência de Deus. E facilmente percebemos a estreita ligação entre o Sagrado Coração e a Eucaristia.

O Evangelho insiste no olhar sobre a compaixão de Deus diante da nossa fragilidade. E não se trata apenas da nossa ligação ao pecado e à confissão. A misericórdia divina ultrapassa a dimensão do pecado e recorda-nos continuamente que o convite “Sede misericordiosos” retoma o grande mandamento: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.

Uma palavra também para as Associações do Apostolado da Oração, presentes em tantas das nossas paróquias e que, de forma discreta e eficiente, promovem e alimentam redes de oração e de proximidade entre os seus membros e o mundo.

Num tempo em que a eficiência é enaltecida e continuamente medida pelos resultados visíveis, o Apostolado da Oração convida à confiança e à esperança, valorizando o compromisso pessoal e o acto de semear pelo bem de todos.

Talvez o mundo e a Igreja não vejam o bem diariamente semeado pelos Associados do AO, mas testemunham as graças que continuamente o Coração de Jesus lhes concede.

in Voz de Lamego, ano 87/32, n.º 4417, 20 de junho 2017

Pendilhe – Festa em honra de Nossa Senhora de Fáitima

Os dias 20 e 21 de maio foram marcado, na Paróquia de Nossa Senhora da Assunção, pela celebração da  Festa em honra de Nossa Senhora de Fátima.

Como já tem sido hábito, todos os dias do mês mariano é meditado o terço em honra de Nossa Senhora de Fátima na igreja matriz e realizada a novena nos dias que antecedem as celebrações fortemente vivenciadas pela população da freguesia. É um momento em que as celebrações são realizadas com o apoio e empenho de todos, como sejam a recolha de flores para a elaboração da passadeira, a participação ativa na Eucaristia ou a preparação de figuras e encenações bíblicas a ser representadas no decorrer das procissões.

Este ano a tradição foi mais uma vez cumprida… No início da noite de sábado, a Procissão das Velas pelas ruas da freguesia permitiu a meditação e reflexão, que iam sendo iluminadas pelas velas dos fieis levando na frente a imagem da nossa Mãe do Céu.  Domingo, iniciamos o dia com a Eucaristia, na qual alguns jovens da paróquia realizaram a Profissão de Fé, permitindo que aos braços de Maria, todos professássemos a fé que com gosto procuramos vivenciar. A tarde foi trabalhosa, pois era nosso objetivo realizar a tradicional passadeira para a Procissão do Adeus que decorreu contando com a participação ativa de todos.

Que Nossa Senhora abençoe todos aqueles que, foram nomeados para a organização desta festa, os elementos que procuraram animar e participar ativamente nas celebrações e a toda a comunidade.

Grupo Cultural Católico Pendilhense

in Voz de Lamego, ano 87/31, n.º 4416, 13 de junho 2017

Apresentação da obra “A Diocese de Lamego em Três Histórias”

“A Diocese de Lamego em Três Histórias” é referência na História de Lamego

Um extraordinário contributo para a História de Lamego e da sua Diocese. Foi desta forma que este sábado, 10 de junho, unanimemente foi considerada a obra “A Diocese de Lamego em Três Histórias”. Da autoria de Joaquim Correia Duarte, a apresentação decorreu no Museu de Lamego, integrada nas comemorações do Centenário, e esteve a cargo da Presidente da Academia Portuguesa da História, Professora Doutora Manuela Mendonça.

Numa lição de História que percorreu séculos da Diocese e cidade de Lamego, Manuela Mendonça referiu-se ao autor da obra como um viabilizador da História, ao “sinalizar ancestrais, mas relevantes trabalhos” que possibilitam sentir o “pulsar das gentes de Lamego” ao longo dos séculos XVI, XVIII e XIX. Um legado, assinalou, a partir de agora acessível, inscrevendo o nome de Joaquim Correia Duarte no “catálogo de ouro dos historiógrafos portugueses”.

Com pesquisa, leitura, reprodução, organização e anotações de Correia Duarte, ao longo de quase 700 páginas, são transcritos três documentos da maior importância para a História do Bispado de Lamego. O pároco da Diocese de Lamego e membro da Academia Portuguesa da História classificou a obra como um “repositório de conhecimento histórico”, ao disponibilizar informação sobre os mais diversos aspetos, como as lutas políticas e sociais, paróquias, Paço Episcopal (onde atualmente está instalado o Museu de Lamego), catedral, castelo, cisterna, rio Coura, Hospital da Misericórdia, entre outros tantos espaços já desaparecidos ou ainda existentes na cidade. Para o pároco, “não é possível conhecer a História da cidade e Diocese sem ler ou consultar” as três obras que ali são transcritas.

Os anos de 1596, 1789 e 1878 correspondem a três importantes obras sobre a Diocese, que de importantes têm tanto como de desconhecidas. Em 1596, Manoel Fernandez, membro do Cabido da Sé, escrevia a “Sumária Reapitulaçam da antiguidade da Sé de Lamego”; em 1878, João Mendes da Fonseca, cónego da Sé, registava a “Memoria Chronologica Dos Excellentíssimos Prelados que tem existido na Catedral desta Cidade de Lamego”; Joaquim de Azevedo encerra “A Diocese de Lamego em Três Histórias”, com a “História Ecclesiástica da Cidade e Bispado de Lamego”, escrita no século XVIII, mas só publicada em finais do século seguinte, depois de continuada e atualizada por um cónego da Sé de Lamego.

A sessão contou ainda com a presença do Bispo Emérito de Lamego D. Jacinto Botelho, que ressalvou a riqueza que esta obra revela sobre o conhecimento da Diocese.

in Voz de Lamego, ano 87/31, n.º 4416, 13 de junho 2017

Profissão da Fé na Paróquia da Sé

O domingo em que celebramos em particular a Santíssima Trindade, o nosso Deus único em três Pessoas, Pai, Filho e Espírito Santo, foi escolhido para que as 35 crianças do 6º ano, quase adolescentes, professassem a sua Fé neste mesmo Deus, que tem guiado e iluminado o seu caminho catequético até aqui.

Vestidos de branco, símbolo da pureza do seu coração juvenil, segurando nas mãos a vela do Baptismo que foi acesa pelos Pais que em tempos os apresentaram a Deus e á Igreja, renovaram as promessas feitas por Pais e Padrinhos, comprometendo-se a seguir os caminhos de Deus e a trabalhar para manter sempre acesa a Luz de Jesus, a Luz da Fé, que, como lembrou o Sr. Pe. José Ferreira, tem que ser continuamente cuidada e renovada, como o azeite da candeia, para que não esmoreça nem se apague.

Terminam este ano o ciclo da Catequese da Infância; esperamos por todos eles no próximo ano, agora integrando a Catequese da Adolescência, pois Deus quer ser uma presença constante nas suas vidas e depende deles e dos seus Pais deixarem que isso aconteça.

Aos Pais fica a mensagem: não deixem que os vossos filhos enfrentem sem Deus um período tão turbulento, incerto e por vezes assustador até para os jovens, como é a adolescência; dai-lhe não só o vosso conforto, atenção e amor, mas permiti que também encontrem tudo isso na presença amorosa de Jesus. Apoiai-os e incentivai-os.

Aos jovens: não pensem que a Igreja não tem mais nada para vos dar, ou que já não devem nada mais á Igreja; somos todos nós que formamos a Igreja, cada um de vós tem o seu lugar único e insubstituível que ninguém pode ocupar; a comunidade, os jovens, os vossos colegas, contam convosco para continuarmos a nossa missão de dar testemunho de Jesus.

E para tudo o que precisarem, a vossa comunidade está sempre aqui.

CONFIEM EM NÓS. CONFIEM EM JESUS.

in Voz de Lamego, ano 87/31, n.º 4416, 13 de junho 2017

Saudação do Grupo Almacave Jovem aos novos crismandos

Jovens amigos,
que hoje recebestes o Dom do Espírito Santo

Também nós, grupo Almacave Jovem, ficamos felizes, neste dia em que recebestes o Sacramento da Confirmação. Um dia, recebemos também nós a Força do Espírito que nos faz testemunhas de Jesus ressuscitado. Sexta-feira, à noite, estivemos em vigília convosco, pedindo ao Espírito Santo que a todos nos ilumine com os seus dons. Hoje, mais do que nunca, somos desafiados a ser mais fortes e a não deixar que essa luz que nos habita esmoreça. Vivemos num mundo que gira a alta velocidade, indiferente ao sofrimento de quem passa. Indiferente ao grito desse Amor que chama, que impele, que procura e não encontra. Um Mundo que se vai deixando esmagar pelas trevas. Somos cada vez mais urgentes! Precisamos de despertar desse sono e ir, sem medo, dar tudo – “dar sempre seis”! Que nunca vos passe pela cabeça que o vosso gesto não faz diferença, que as vossas mãos não são necessárias, que a vossa vida não é capaz de marcar outras. “Há diversidade de dons, mas um mesmo é o Espírito. A cada um é dada a manifestação do Espírito em vista do bem comum (…) Como o corpo é um, embora tenha muitos membros, e como todos os membros do corpo, embora sejam muitos, formam um só corpo, assim também acontece com Cristo.”
Hoje, mais do que nunca, deveis sentir a força desse espírito que nos empurra, que nos corta as amarras e nos leva por caminhos que nunca pensámos percorrer; que nos levanta, mesmo quando pensamos já não ser mais capazes de caminhar. Ele vive em nós! Escutai-O no silêncio e sabei que jamais caminhareis sozinhos. E que por maiores que sejam as tempestades, nunca nada será maior que o Amor que Deus tem por cada um de nós. Que este dia fique tatuado nas vossas vidas como um compromisso de Amor que deve guiar-vos para sempre. Carregai bem alta essa luz que rasga as trevas e senti que nada será capaz de vos separar do Amor de Deus. Ler mais…