Arquivo

Archive for Março, 2018

Via Sacra na Senhora da Guia de Ferreirim

Tarde de domingo de Ramos e o povo de Ferreirim, tal como em anos anteriores, juntou–se e fez a celebração da Via Sacra no recinto de Nossa Senhora da Guia de longe ou dos arciprestes como é conhecida na região de Lamego.

Pelas 15.30 h do dia 25 de março de 2018, todos os caminhos da freguesia iam ter à Srª da Guia. A pé, de carro ou de outro qualquer meio de transporte, as gentes de Ferreirim e arredores marcaram presença naquele recinto sagrado.

Os atores lá se iam vestindo à época, na casa do peregrino, para às 16 h fazerem a representação das 14 estações, pelas quais Cristo passou, até chegar ao monte Calvário.

Cenário preparado, tudo a postes e o Sr. Padre Leal dá início à via-sacra às 16 h.

Todos sem exceção, atores e público “viveram” esta representação. O silêncio instalou-se e todos foram participantes e participativos nesta tarde na Srª da Guia na vivência desta encenação.

Este ano e dada a falta de figurantes que ano após ano se tem verificado, o Sr. padre alterou a representação e pessoalmente penso que todos saíram a lucrar.

Em anos anteriores não era audível a maioria das falas dos intervenientes e daí não “prender” o público que não conseguia compreender o que se estava a passar, muito embora soubessem que se tratava do caminho que Cristo seguiu até ao Calvário. Este ano ouvia-se perfeitamente tudo o que foi dito se ouviu, a mensagem passou e…o povo gostou.

Parabéns a todos os que de uma ou outra forma contribuíram para que esta encenação fosse representada no recinto da Srª da Guia.

Quando o povo de Ferreirim se une, sempre saem coisas bonitas.

Para o ano se Deus quiser, voltaremos a juntar-nos e mais uma vez havemos de representar o que Jesus sofreu para nossa remissão.

 

Zé Almeida, in Voz de Lamego, ano 88/17, n.º 4454, 27 de março de 2018

FIDELIDADE E TESTEMUNHO | Editorial Voz de Lamego | 27.03.2018

FIDELIDADE E TESTEMUNHO

A Semana Santa começa com a celebração do Domingo de Ramos e termina na noite pascal, dando-nos a oportunidade de comemorar a refeição da Ceia, a Paixão de Cristo e a sua morte na Cruz. E com a festa da Páscoa, que celebra a Ressurreição, estes dias formam o núcleo central de todo o ano litúrgico.

Nas nossas comunidades cristãs, mais ou menos numerosas, organizam-se as celebrações, preparam-se os espaços, multiplicam-se os convites, alarga-se a participação, acolhem-se familiares e amigos que vêm “passar a Páscoa”, aumenta o ritmo, cumprem-se as tradições …

Há a vida de tantos que se manifesta e observa, mas há, sobretudo, a vida de Alguém que se celebra. É verdade que o sofrimento, a injustiça, a tristeza e a morte estão presentes, mas somos testemunhas da alegria, do serviço, da verdade e da vida que Jesus Cristo protagoniza. Há um caminho marcado por estações (paragens) diversas, mas há, antes de tudo, a meta da eternidade, à luz da qual tudo adquire sentido.

Viver os dias e celebrar os acontecimentos da Semana Santa com os olhos na Ressurreição é sinónimo de seguimento de Jesus Cristo e de disponibilidade para assumir a vida de todos os dias, apesar das contrariedades.

O Papa Francisco afirmou um dia que a Igreja precisa de membros decididos no seguimento e audazes no testemunho, mais do que “cristãos de pastelaria”, disponíveis apenas para momentos sem dor ou vivências não contrariadas. Não duvidamos que viver definitivamente com o Senhor será a tal “pastelaria eterna” que todos anseiam, mas tal não se atinge sem provas de fidelidade, quando as “estações” também trazem desencontros, injustiças, perseguições, insucessos ou exigem contrariar o comodismo e a facilidade.

A festa espera-nos, mas não há verdadeira alegria sem ultrapassar a dor.

Pe, Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/17, n.º 4454, 27 de março de 2018

Conheces Jesus? – Retiro de Páscoa GJS 2018

Que temos a dizer sobre a Páscoa, além de que este ano calhará no Dia das Mentiras? Retirando as piadas, o cabrito e o chocolate, fica-nos o fulcral: a Ressurreição de Cristo. De facto, chegando esta época chega também nova oportunidade de reflexão sobre Jesus, o que fez por nós, e a relação que com Ele temos. Com o objectivo de tirar partido dessa oportunidade, realizou-se neste fim-de-semana de 17/18 o Retiro de Páscoa anual do GJS, hospedado no Seminário Maior de Lamego. Partilhamo-lo agora – sucintamente – neste curto artigo.

A manhã de Sábado iniciou-se, após devida acomodação dos jovens (era suposto uma pessoa por quarto… pois…) com dois jogos didácticos conhecidos de todos e qualquer um: “Quem é Quem” e um quizz. Oi? Num Retiro? Acontece que o “didáctico” se encontra ali por um motivo. Os jogos tiveram como tema a vida pública de Jesus, servindo de ponto de partida para se aprofundar o conhecimento sobre o que a Bíblia nos indica, e mesmo o que é alegado por alguns teólogos. Ademais, que maneira mais eficaz de memorizar algo do que com um “Não acredito que errei esta!”?

Há razão, contudo, em considerar que a reflexão e a oração não deixam nunca de ser o cerne, no que a esta actividade diz respeito: e ambas fizeram-se presentes durante a tarde de Sábado. Partindo do texto bíblico, e divididos em grupos menores, foi dado tempo de reflectir as palavras do Pai Nosso e seu significado, assim como no que consiste Perdoar. As partilhas que se seguiram revelaram diferentes perspectivas que acabaram por se aproximar no essencial, mas que, acima de tudo, demonstraram a seriedade com que o momento foi tratado. Foram, também, o mote para a Via-Sacra: narrada, rezada, reflectida e cantada. O Seu último dia.

Após o jantar, seguiu-se a “sessão de cinema” já habitual, tendo recaído a escolha deste ano em Somos Todos Iguais (Same Kind of Difference as Me), cuja trama despoleta questões sobre o perdão, a caridade, a confiança, a persistência e novas oportunidades… E a revolta que é por vezes sentir-se uma injustiça que não se consegue controlar.

E apenas agora, com o intervalo de uma noite sem percalços (ninguém se atreveu a desafiar o Poderoso Vigia), chegamos a Domingo. Em seguimento do dia anterior, tornou-se altura de reflectir sobre o “e agora?” que segue a morte de Jesus. Que pediu Cristo a quem o seguia, insistente, ainda antes do seu calvário? Que pediu quando retornou? Ide, e fazei discípulos. Mas que significa isto? Que diferença é este entre apóstolos e discípulos? Quando deixamos “apenas” de seguir para também divulgar?

E, por fim, qual a importância que deve a Eucaristia ter na nossa vida, atendo a que nossa Fé se apoia em comunidade? Como considerar o dever versus o querer? Reforçando esta última reflexão, cada grupo responsabilizou-se por um momento eucarístico da celebração que encerrou o Retiro. Os resultados tornaram a Eucaristia num momento único e íntimo, onde tanto a introspecção quanto a ligação com o outro se fizeram sentir.

Chegaram assim ao fim dois dias marcados pela diferença da rotina, onde a chama pôde ser reavivada, e a Páscoa encarada com nova consciência.

Inês Montenegro

GJS

in Voz de Lamego, ano 88/16, n.º 4453, 20 de março de 2018

ALEGRIA E SAUDAÇÃO | Editorial Voz de Lamego | 20-03-2018

ALEGRIA E SAUDAÇÃO

Alguns meses depois da morte de D. António Francisco dos Santos, a diocese do Porto conheceu, na passada quinta-feira, 15 de março, o nome do seu novo bispo, D. Manuel Linda, e ouviu-o comprometer-se em favor de todos, a começar pelos mais desfavorecidos. E se é verdade que estas mensagens de saudação são devida e atempadamente pensadas, não deixam de revelar opções, caminhos e prioridades de quem as assina e assim se compromete.

O nome do bispo do Ordinariato Castrense já aparecera na habitual lista de prováveis que a comunicação social sempre divulga quando estão implicadas as maiores dioceses. Meio ano depois, a escolha foi revelada, a normalidade tende a instalar-se e as conversas sobre possíveis mudanças cessaram.

O nosso jornal, a exemplo de tantas vozes que se fizeram ouvir para saudar o novo bispo do Porto, felicita o escolhido e alegra-se por ver mais um filho desta diocese de Lamego assumir tão importante missão. Com efeito, D. Manuel Linda é natural de Paus, Resende, e frequentou os nossos Seminários diocesanos, saindo depois para a diocese de Vila Real, onde viria a concluir o seu curso e a ser ordenado sacerdote.

A um bispo oriundo do nosso presbitério sucede agora um bispo natural da nossa diocese. O mérito é inteiramente dele, mas não podemos deixar de celebrar esta escolha e de nos associarmos a todos quantos, nesta hora, o felicitam e lhe asseguram, em todo o tempo, a oração pela missão agora assumida.

A diocese do Porto, extensa, diversificada e densamente habitada (um quinto da população portuguesa) será sempre sinónimo de grande exigência para a missão episcopal. Para isso, e a par das capacidades pessoais e da experiência acumulada, não faltarão, certamente, a D. Manuel Linda, a acção do Espírito, as ajudas e os meios para o caminho.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/16, n.º 4453, 20 de março de 2018

Festa do Pai-nosso na Paróquia da Sé

As crianças do 2º ano realizaram neste domingo a sua festa, a Festa do Pai Nosso.

Ao pé do altar, em lugar de honra, celebraram durante a Eucaristia das 10 horas a alegria de serem filhos de Deus, dum Deus que os ama e a quem elas aprenderam a amar como Pai.

Como testemunhas e partilhando desta alegria, além dos Pais, Avós e outros familiares e amigos, todos nós, os paroquianos habituais nesta missa e todos os outros irmãos que a nós se quiseram juntar numa celebração que, sendo repetida todos os anos, é sempre nova e diferente, pois são sempre outras as crianças que a comunidade vê crescer no seu percurso catequético e no Amor do Pai.

Como membros da comunidade, cabe também a todos nós ajudar os Pais a continuar o bom (e difícil!) trabalho de educar estes meninos e meninas nos caminhos de Jesus, e aos Pais procurar e aceitar essa ajuda, pois as crianças são um bem comum, uma dádiva de Deus para a Humanidade, e não uma propriedade exclusiva de quem os gera.

Se a criança estiver sempre no centro das preocupações de todos, tudo correrá pelo melhor.

E todos nós nos sentiremos realmente Filhos do mesmo Pai !

IM, in Voz de Lamego, ano 88/15, n.º 4452, 13 de março de 2018

Falecimento da Irmã do Padre Ildo de Jesus

Deus, Pai de Bondade, chamou a Si a D. Lídia Alice Silva, irmã do reverendo Padre Ildo Aníbal da Silva, pároco de Chavães e de Arcos na Zona Pastoral de Tabuaço.

D. António Couto, Bispo de Lamego, em comunhão com todo o Presbitério, une-se ao luto dos irmãos, familiares e amigos e, na oração, confia a Deus a vida desta nossa Irmã, que nos precede na morte, na esperança da vida eterna.

Celebrações eucarísticas (com o corpo presente), esta sexta-feira, 16 de março:

14h00 – Paróquia de Chavães

16h00 – Paróquia de Cedovim

Que o Deus da Vida lhe conceda o prémio dos justos, na eternidade.

24 Horas para o Senhor na Paróquia de Almacave

Vivência que não esquece

Decorreu na Igreja da Paróquia de Almacave, mais um momento de exaltação da Fé e do Amor, que o Senhor nos dedica em todos os momentos da nossa vida.

A pedido do Papa Francisco, na sua Mensagem Quaresmal deste ano, foram dedicadas ao Senhor vinte e quatro horas de oração e reflexão, estreitando os laços de comunhão entre nós e Aquele que, com a dádiva da Sua vida, se imortalizou em todo o ser humano com o seu Amor incondicional.

Como nos anos anteriores, todos os movimentos e grupos de ação pastoral ou grupos organizados por bairros ou famílias foram convocados a dedicar uma hora de adoração ao Senhor desde as 19 de sábado, dia 9, até às 19h do dia 10. Pela igreja de Almacave, passou muitíssima gente: crianças, adolescentes da catequese, Grupo de Jovens, escuteiros do 140 do CNE, grupo de casais, muitos adultos e até idosos.

É de realçar a disponibilidade de um grande número de pessoas, incluindo os nossos Párocos, que permaneceram longos períodos da noite nesta Jornada de Oração e de Fé na Eucaristia.

As vinte e quatro horas dedicadas ao Senhor terminaram com a presença orante de todas as crianças e adolescentes que frequentam a catequese, com presença dos seus pais, que, com a sua alegria, jovialidade e simplicidade, transformaram aquele momento num “pedacinho do céu”.

Devia ter sido muito gratificante para os nossos Párocos, constatarem o entusiasmo e as manifestações de comunhão e de unidade dos seus paroquianos, nesta Jornada tão cheia de simbolismo, abnegação e de Fé centrada no Mistério da Eucaristia.

Uma Paroquiana, (Catequese de Adultos)

in Voz de Lamego, ano 88/15, n.º 4452, 13 de março de 2018