Arquivo

Archive for the ‘Opinião’ Category

Editorial da Voz de Lamego: Louvado sejas, Senhor!

Um dos documentos do Papa Francisco que mais surpreendeu, pela temática e pela urgência, e que continua a ser objeto de estudo, de reflexão e preocupação, dentro da Igreja, mas com boa aceitação em outros meios sociais e culturais, foi a Carta Encíclica Laudato si’, sobre o cuidado com a casa comum, casa de todos, que é o mundo que habitamos.

Já lá vão cinco anos. O Santo Padre parte da oração de São Francisco de Assis, que trata as diferentes criaturas como irmãs, num convite à fraternidade, estendida a toda a criação. “Louvado sejas, meu Senhor, pela nossa irmã, a mãe terra, que nos sustenta e governa e produz variados frutos com flores coloridas e verduras”.

Ao louvor de São Francisco, logo o Papa manifesta, nos primeiros números, a urgência em refletir e repensar comportamentos. “Esta irmã clama contra o mal que lhe provocamos por causa do uso irresponsável e do abuso dos bens que Deus nela colocou. Crescemos a pensar que éramos seus proprietários e dominadores, autorizados a saqueá-la. A violência, que está no coração humano ferido pelo pecado, vislumbra-se nos sintomas de doença que notamos no solo, na água, no ar e nos seres vivos. Por isso, entre os pobres mais abandonados e maltratados, conta-se a nossa terra oprimida e devastada, que «geme e sofre as dores do parto» (Rm 8, 22). Esquecemo-nos de que nós mesmos somos terra (cf. Gn 2, 7). O nosso corpo é constituído pelos elementos do planeta; o seu ar permite-nos respirar, e a sua água vivifica-nos e restaura-nos”.

A sensibilidade para o cuidado da natureza tem sido crescente. Ainda há pouco manifestações, por parte de estudantes, numa vintena de cidades portuguesas, lembrando que não há um planeta B. Dias dedicados à água, à terra, à árvore, ao ambiente… oportunidades para refletir na escassez de alguns recursos ou na exploração desenfreada (e egoísta) dos bens da terra. Pelas contas de alguns, nós consumimos até julho o que deveria chegar até ao fim do ano. Excesso de consumismo, sem esquecer que os nossos excessos não são compensados pela miséria de milhões de pessoas.

Ressalta na carta do Papa, e de demos nota na Voz de Lamego, aquando da sua publicação, a ecologia integral. O Papa não se posiciona em qualquer radicalismo extremista, partidarizando a defesa do ambiente, das plantas e dos animais, esquecendo as pessoas. O cuidado da casa contempla cuidado da pessoa, na defesa da vida, desde a gestação até à morte natural, a atenção ao grito dos pobres e ao desenvolvimento dos povos. De que adianta proteger o ambiente, se se matam as pessoas?!

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/27, n.º 4514, 11 de junho de 2019

Editorial Voz de Lamego: dilatar o horizonte familiar

“A minha Mãe e os meus irmãos são estes: os que ouvem a Palavra de Deus e a põem em prática” (Lc 8, 21). A resposta de Jesus obriga a alargar o horizonte da família além dos laços sanguíneos. Jesus há de repreender os seus discípulos por quererem proibir um homem de expulsar demónios em Seu nome, porque não faziam parte do grupo! Os discípulos querem ter o exclusivo de Jesus. “Não o impeçais… quem não é contra nós, é a nosso favor” (Mc 9, 38-41).

Um dos assuntos do dia, nos meios de comunicação social, tem sido o nepotismo governamental. Claro que não é este nem o tempo nem o espaço para discutir a questão (pelo menos politicamente). Têm-se esgrimido argumentos e razões. Parece que mudam as cores, mas as práticas são idênticas, em maior ou menor proporção. Amigos e familiares vão tendo as portas escancaradas para assumirem cargos de responsabilidade, acompanhados por remunerações significativas. É possível que alguns tenham competência e façam um bom trabalho, mas haverá outros que só acedem a esses lugar pela amizade ou pelo parentesco. Não é exclusivo nem deste governo, nem do governo central. Também localmente isso acontece.

Mas cabe-nos perguntar? E como agiríamos nós? Estando num cargo de decisão e tendo que empregar, nomear ou escolher alguém para um lugar, quem escolheríamos? Um familiar? Um amigo? Um estranho? Alguém de quem não gostássemos muito? Optaríamos por uma pessoa da nossa confiança ou a pessoa mais competente para a tarefa a desempenhar?

Num momento de reflexão, a RFM (Rádio do Grupo Renascença), levantava precisamente esta questão. Aproveitando a oportunidade criada por esta polémica, importa interrogar-nos: como é que agimos nos grupos e movimentos eclesiais? “Nós amamos aqueles que são nossos, que são como nós, que se parecem connosco, que pensam como nós. Nós amamos os que nos amam e são bons para nós. Nós amamos aqueles que nos divertem e no lisonjeiam” (Cardeal O’Malley. Ver sugestão de leitura ao lado).

Quando uma pessoa é do nosso grupo, facilmente a elogiamos ou ao trabalho que realiza. Se pertence a outro grupo (eclesial), se não está no meu rol de amigos ou família, o que faz é só para se exibir ou não faz nada de jeito. Por certo, temos pessoas com as quais podemos contar e a quem podemos recorrer, sabendo que não nos vão deixar na mão. Mas seremos suficientemente criativos e despojados para confiarmos noutras pessoas, chamarmos mais gente, desafiarmos aqueles que vêm só esporadicamente?!

O desafio do Mestre da Vida é claro: ide por todo o mundo, fazei discípulos de todas as nações. Amai os vossos inimigos. O desafio do Papa Francisco é perentório: Igreja em saída, cristãos como o Bom Pastor em busca das ovelhas perdidas, preferência pelas periferias (existenciais).

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/19, n.º 4505, 9 de abril de 2019

Editorial Voz de Lamego: Lutar pela toalha

O Cardeal Seán O’Malley, Arcebispo de Boston, orientou os Exercícios Espirituais aos Bispos Portugueses, de 11 a 15 de março, em Fátima. Esta foi a segunda vez que o fez, pois já em 1996 o tinha feito. Reflexões e homilias desses dias, bem como outras reflexões, mensagens, intervenções, integram um livro publicado nesta ocasião, em Portugal, aproveitando a sua presença em Fátima, sob o título “Procura-se: Amigos e Lavadores de Pés”. Teremos ocasião de o apresentar, oportunamente, como uma das leituras, na secção ao lado. Para já recuperámos uma expressão que nos faz perceber a obra, mas, de um modo mais abrangente, a Igreja de Jesus, anunciada, vivida e servida pelo Papa Francisco, a quem o autor dedica precisamente estes textos.

No decorrer da Última Ceia, Jesus levanta-Se da mesa, coloca uma toalha à cintura e começa a lavar os pés aos discípulos. A preocupação é exemplificar o seguimento e o compromisso daqueles e daquelas que queiram integrar o Seu Corpo que é a Igreja. Jesus, como em outras situações, não faz grandes discursos, exemplifica, mostra como se faz, ou faz-nos atores de uma história (parábola), para nos sentirmos suficientemente livres para optarmos, seguindo-O ou rejeitando-O. O Cardeal refere-o desta maneira: “Ele queria que os seus Apóstolos, os seus Amigos, parassem de disputar os primeiros lugares à mesa e começassem a lutar pela toalha”.

Ao longo do seu pontificado, que leva 6 anos, o Papa Francisco tem procurado fazer como Jesus, mais do que com discursos bem elaborados (o que também faz muito bem), tem assumido gestos luminosos, provocadores, por vezes mais acintosos do que aquilo que ouviríamos a Jesus, mas talvez porque no nosso tempo os apóstolos e discípulos, que somos, tenham uma carapaça mais dura, estejam mais acomodados, tenham mais argumentos (ou assim o entendemos). Ouvimos os pais a dizerem que educar os filhos neste tempo é muito mais difícil de quando eles próprios eram filhos. Os tempos são outros. A expressão adequa-se a todos nós. Os tempos são outros, somos pecadores como os Apóstolos de então, mas justificamo-nos mais rapidamente e levamos mais tempo a compreender que é para nós que Ele fala. Jesus não fala para o vizinho ou para a vizinha. É para mim. É para ti. É para todos. É para cada um de nós.

Aproximava-se rapidamente a Cruz e os Apóstolos apressavam-se a disputar a coroa, o primeiro lugar à mesa, o ministério mais honroso e com mais poder. Abertamente, em mais que uma ocasião, Pedro contesta Jesus. Quando necessário, pega na espada! Mas todos eles querem ser o primeiro, o maior! O caminho de Jesus é o do servo, daquele que disputa a toalha!

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/18, n.º 4504, 2 de abril de 2019

Editorial Voz de Lamego: A Igreja de Francisco

Antes de mais, quero dizer com alegria: o Papa Francisco é o meu Papa. E para enunciar as suas qualidades não preciso de contrapor a outro Papa, canonizando um e diabolizando outro. Creio que os detratores de um são sensivelmente os detratores do outro, ou pelo menos, aqueles que mais pedras colocam no seu caminho, pois a predisposição para se servir da Igreja não desaparece. Quando muito poderiam estar sonolentos, saciados, refastelados, a serem servidos. Outro tempo, algumas mudanças, e, como no tempo de Cristo, os adormecidos começam a acordar, a ver que não têm o lugar seguro, ou que o testemunho os expõe perante as pessoas, perante o mundo, pois a distância na postura não deixa margens para dúvidas.

Eleito uns dias antes (13 de março), o Papa Francisco dava início ao seu pontificado a 19 de março de 2013, há 6 anos, Solenidade de São José, colocando o seu pontificado sob o protetorado do Padroeiro Universal da Igreja.

Os primeiros dias do seu pontificado ficaram marcados pelas suas palavras no início do conclave que viriam a elegê-lo como 266.º Papa da Igreja, defendendo que a Igreja deveria ser Igreja em saída, e não autorreferencial. Uma Igreja lunar que reflete a luz de Cristo e não a luz própria e, como Ele, ir em busca das 99 ovelhas que andam arredias, ir às preferiras (também geográficas, mas sobretudo) existenciais. Prefiro, diria várias vezes o Papa argentino, uma Igreja acidentada por sair que uma Igreja adoentada por ficar!

Nem de Apolo nem de Paulo nem de Pedro, a Igreja de Francisco é a Igreja de Jesus Cristo, o Bom Pastor que toma sobre si o cuidado de todo o rebanho, como servo dos servos de Deus, com a responsabilidade de guiar o caminho de todos, como candeia que vai à frente a iluminar o caminho, e vem atrás para dar ânimo às ovelhas perdidas, desgarradas, desencontradas.

É conhecido o episódio em que Francisco de Assis percebe a voz de Deus: reconstrói a minha Igreja. Francisco de Assis levou a sério esta inspiração. Mais importante que as estruturas e os meios, ainda que importantes, terão de ser as pessoas. Uma Igreja pobre, imitando Cristo, para os pobres.

Como o próprio já o referiu, a simplicidade não significa ingenuidade. O Papa está ciente que audiências gerais com alguns homens poderosos não passam de charme, mas não pode deixar de anunciar a todos o Evangelho de Jesus Cristo: a ternura e a compaixão, o perdão e a justiça, a misericórdia e o amor, o serviço e cuidado sobretudo aos mais frágeis, sem excluir ninguém, optando pelas pontes ao invés dos muros, escolhendo a verdade e a justiça ao invés da hipocrisia e a da acomodação.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/16, n.º 4502, 19 de março de 2019

Editorial Voz de Lamego: Cristo, Luz do Oriente, ao centro

Antes de mais, quero dizer com alegria: o Papa Bento XVI foi o meu Papa (de 19 de abril de 2005 a 28 de fevereiro de 2013). Como cristão, sacerdote, professor, teólogo, como Bispo e Cardeal, como responsável máxima do Dicastério da Doutrina da Fé, procurou ser fiel a Jesus Cristo e à Igreja. Foi uma ajuda preciosa ao ministério petrino de João Paulo II, trabalhando discretamente.

Na Visita Apostólica a Portugal, no Porto, Bento XVI reafirmava o essencial para os cristãos: partir de Cristo e encaminhar-se para Cristo (14/05/2010). Foi também esse o mote da primeira hora. Na homilia em que assumiu a Cátedra de Pedro, Bento XVI deixava claro: “O meu verdadeiro programa de governo é não fazer a minha vontade, não perseguir ideias minhas, pondo-me contudo à escuta, com a Igreja inteira, da palavra e da vontade do Senhor e deixar-me guiar por Ele, de forma que seja Ele mesmo quem guia a Igreja nesta hora da nossa história” (24 de abril de 2005)

“A caridade na verdade”. Servir a Igreja e a humanidade, transparecer Cristo, que não nos rouba nada… dar Cristo aos outros… No conclave que o viria a eleger, o então futuro Papa referia-se ao relativismo, para sublinhar, que também hoje, a Igreja e os cristãos têm a missão (e a obrigação) de testemunhar a verdade de Cristo e do Evangelho, não para excluir, condenar ou julgar os outros, mas para reafirmar o Caminho, a Verdade e a Vida. O problema não é saber para onde vou, ainda que com as minhas fragilidades, limitações e hesitações, o problema é mesmo não saber. O diálogo só é possível quando há convicções. E então sim, o diálogo com ateus, agnósticos, com crentes de outras confissões cristãs e de outras religiões… integrar, incluir aqueles que foram excluídos ou que se excluíram, com humildade e com a sabedoria do coração.

Firmeza nos princípios, na procura da verdade e da justiça. E como vimos, isso trouxe-lhe oposição. Na via-sacra, em 2005, ainda sob o pontificado de João Paulo II, o então Cardeal Ratzinger explicitara: “Quanta sujeira há na Igreja, e precisamente entre aqueles que, no sacerdócio, deveriam pertencer completamente a Ele! Quanta soberba, quanta autossuficiência! Respeitamos tão pouco o sacramento da reconciliação, onde Ele está à nossa espera para nos levantar das nossas quedas! Tudo isto está presente na sua paixão. A traição dos discípulos… que Lhe trespassa o coração”. Aquilo que então denunciava e que provocou calafrios, viria a revelar-se demasiado preocupante e escandaloso, mas que mereceu o maior cuidado e atenção, para repor a verdade, refazer, quanto possível, a justiça, ressarcir as vítimas, afastar os violadores.

Bento XVI preparou a Igreja para Francisco.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/13, n.º 4499, 26 de fevereiro de 2019

Editorial da Voz de Lamego: Ir além da violência

Nestes dias, têm-se acentuado a preocupação da violência (sobretudo) doméstica. A casa é o lugar do encontro, da partilha, da vida acolhida, partilhada e amadurecida. A casa e a família. Como sói dizer-se, é em casa, a começar no berço, que aprendemos a ser gente, aprendemos os valores, aprendemos a conviver, a respeitar os mais velhos, a cuidar dos mais novos, a interagir com as gerações, a respeitar o espaço e as coisas dos outros, a preservar o diálogo, em saudável convivência entre todos.

Casa que não é ralhada não é governada, mas nem oito nem oitenta. Discussões entre irmãos, entre pais e filhos, entre marido e mulher?! Com conta, peso e medida. Significa que o outro conta, o outro é importante, a sua opinião e a sua presença, os seus gestos e as suas palavras, bem como a ausência de palavras, de gestos, e de gratidão.

Há famílias que são cemitérios, campos de batalha, território minado, sobrevindo a agressão (física, verbal, emocional), o desrespeito pelo outro, as chantagens emocionais, a possessão: és meu/minha, então tens que fazer o que eu quero. “Quero, posso e mando”. A civilidade, a evolução civilizacional parece, em tantos casos, uma miragem. A globalização da comunicação, o acesso fácil à cultura e à educação, nem sempre gera pessoas maduradas e equilibradas.

Seja como for, não podemos desistir. Todos temos responsabilidade, família, escola, Igreja, comunicação social. A educação, mais que uma paixão, terá que ser uma opção e um compromisso constante. No Dia dos Namorados (14/02), houve reportagens que reproduziram formas de viver o namoro na adolescência: agressividade de linguagem e de gestos, o controlo “militar” sobre o outro, acedendo ao telemóvel, decidindo com quem fala e com quem está proibido de falar, o que pode e o que não pode fazer.

Para haver conflito basta haver duas pessoas. As birras e os arrufos, os silêncios e o excesso de palavras fazem parte da família, por certo! Há dias de sol e dias em que as nuvens o escondem. Pior é a indiferença dentro de portas! O Papa Francisco, a propósito, tem incentivado o uso de três palavrinhas: por favor, obrigado, desculpa. Delicadeza, gratidão e consciência dos próprios limites e fragilidades.

Um desafio que muitos casais vivem: não se deitar sem dar um beijo, rezar uma oração, dar as mãos. Há momentos em que as palavras são difíceis, mas há pequenos “hábitos” que podem ajudar a serenar o coração e a manter a confiança. Numa discussão, ideal seria que houvesse discernimento para saber parar, não forçando o outro a reagir, multiplicando a dureza das palavras, e, quanto possível, não usar palavras que destruam ou espezinhem o outro. O perdão tornar-se-á mais difícil e mais ainda o restaurar da confiança. Respeito e educação.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/12, n.º 4498, 19 de fevereiro de 2019

Editorial Voz de Lamego: Violência X Violência

Nos últimos dias, semanas, a violência tem multiplicado. Melhor, nos últimos anos. Não faltam diagnósticos, faltam, isso sim, soluções, caminhos, compromissos para alterar este estado de coisas. Talvez porque não exista um receituário eficaz para diminuir ou tornar menos letal a violência.

A educação por certo será sempre um compromisso a ter em conta. A educação que começa no berço e se alarga à escola, à Igreja, aos clubes e associações, movimentos! É preocupante abrir um jornal, uma revista, uma aplicação, o televisor e deparar-nos com situações que ainda nos horrorizam. Mas como há tempos alertava o Papa Francisco, o risco é que a violência se torne banal. Já vimos tanto, já vimos situações inenarráveis, que nada mais nos poderá surpreender, nada mais nos comove! É preocupante, porque a habituação à violência torna-nos indiferentes. É mais um caso. Mais uma agressão, uma morte, entre tantas outras e, olhando de fora, até justificamos alguns casos de violência doméstica, pois achamos que era merecido! E isso é muito preocupante!

Vemos conflitos em diversas partes do mundo ou, se ainda não são visíveis, já se esperam a qualquer momento, tais são os radicalismos que se acentuam. Nem os países industrializados ou as democracias ocidentais estão imunes a este flagelo. Se pararmos um pouco talvez percebamos que a violência que se multiplica nas ruas já se multiplicou em casa e na família. A violência doméstica em Portugal tem aumentado a olhos vistos nos últimos três anos. O inverso também é possível, a violência avança da rua para casa, ou entra diretamente através dos meios de comunicação social. E alguns dão-nos doses repetidas, esquadrinhando até ao ínfimo pormenor todas as variantes possíveis e imagináveis da violência.

A Igreja deixou de considerar a confissão pública dos seus fiéis não tanto por expor os mesmos, mas porque dessa forma se ensinava a outros como pecar. A comunicação social, pelas notícias, documentários, debates, filmes e novelas, explica-nos como ser violentos e como escapar. Claro que a comunicação social também ajuda a denunciar formas de violência, de escravização, de exploração. A comunicação social por perto pode ser dissuasora de alguns comportamentos abusivos, se bem que também pode multiplicar os focos de violência. Nem tudo é branco ou preto. Alguns meios de comunicação, mais focados em audiências e lucros, continuarão a ser combustível que se junta à violência.

A violência gera violência e gera radicalismos, à esquerda e à direita, e, se momentaneamente parecem trazer mais segurança, os radicalismos conduzem a novas formas de violência. Temos de voltar ao berço. Temos de embainhar a espada da agressividade, e apostar na paciência da educação e do amor.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/11, n.º 4497, 12 de fevereiro de 2019