Início > Centenário das Aparições, Evangelho, Eventos, , Formação, Igreja, Nossa Senhora, Santuários > Centenário das Aparições de Fátima: Revelações privadas

Centenário das Aparições de Fátima: Revelações privadas

aparicao-de-nossa-senhora-de-fatima-2

Falar de aparições é fazer referência às “revelações privadas”, que importa diferenciar da Revelação. A propósito, e procurando ajudar a evitar excessos ou confusões, aqui se recordam algumas afirmações simples e claras.

A Revelação consiste na comunicação que Deus faz de Si próprio e do Seu projecto de salvação em favor de todos os homens, a fim de os tornar Seus filhos, unidos a Cristo através do Espírito. Trata-se de uma iniciativa divina, a partir da qual Deus entra em diálogo com a humanidade e desenvolve-se por acções e palavras em que Deus condiz livremente o Seu diálogo com os homens para lhes dar esperança e futuro. E Deus torna os homens capazes de Lhe responder, de acolher a Sua presença e de participar na Sua vinda.

Esta Revelação foi acontecendo ao longo da história da humanidade (Heb 1, 1-2) e atingiu o seu cume em Jesus Cristo. Em Jesus Cristo, Deus cumpriu a Sua revelação. Disse-Se e deu-Se a Si próprio, comunicou tudo o que tinha a comunicar. Nada pode ser acrescentado, até ao dia em que a condição humana seja transfigurada para além da história e o Senhor Se manifeste na Sua vinda gloriosa, tal como no-lo ensina o Catecismo da Igreja Católica: “No decurso dos séculos tem havido revelações ditas ‘privadas’, algumas das quais foram reconhecidas pela autoridade da Igreja. Todavia, não pertencem ao depósito da fé. O seu papel não é ‘aperfeiçoar’ ou ‘completar’ a Revelação definitiva de Cristo, mas ajudar a vivê-la mais plenamente, numa determinada época da história. Guiado pelo Magistério da Igreja, o bom-senso dos fiéis sabe discernir e guardar o que nesta revelações constitui um apelo autentico de Cristo ou dos seus santos à Igreja. A fé cristã não pode aceitar ‘revelações’ que pretendam ultrapassar ou corrigir a Revelação de que Cristo é o acabamento. É o caso de certas religiões não-cristãs, e também de certas seitas recentes, fundadas sobre semelhantes revelações” (n.º 67).

Resumindo, as aparições e respectivas revelações privadas, reconhecidas como autênticas pela Igreja, são sinal da presença de Deus no mundo, mas não acrescentam nada ao conteúdo da Revelação. Aliás, a prudente demora no reconhecimento da autenticidade das mesmas é fundamental para poder aferir da sua concordância com a Revelação e para discernir se estamos diante de invenção/perturbação humana ou manifestação divina.

Sendo assim, donde lhe vem a importância ou a utilidade?

A resposta é fácil e está contida na citação do CIC: as revelações particulares poderão chamar a atenção para aspectos pontuais do Evangelho e servirão para ajudar a viver, numa certa época, o mesmo Evangelho, reavivando a fé e o empenhamento de conversão.

Por outro lado, frequentemente ouvimos a pergunta: “É preciso acreditar nas aparições para ser católico?” Este poderá ser o tema da próxima semana.

JD, in Voz de Lamego, ano 87/11, n.º 4396, 24 de janeiro de 2017

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: