Arquivo

Posts Tagged ‘Centenário das Aparições’

Papa rejeita imagem de Nossa Senhora como «Santinha»

Francisco convida peregrinos a ver a Virgem Maria como «Mestra da vida espiritual»

O Papa Francisco afirmou hoje em Fátima que a Virgem Maria deve ser vista como uma referência para a vida espiritual dos católicos e não como uma “santinha”.

Na sua segunda intervenção em solo português, o Papa questionou os peregrinos reunidos na Cova da Iria sobre a imagem que têm de Nossa Senhora: “A ‘bendita por ter acreditado’ sempre e em todas as circunstâncias nas palavras divinas, ou então uma ‘santinha’ a quem se recorre para obter favores a baixo preço?”.

Francisco participou esta noite na Benção das Velas e na Oração do Terço no santuário, num percurso em papamóvel durante o qual saudou com alegria as centenas de milhares de peregrinos presentes.

O Papa argentino percorreu inclusivamente os últimos metros a pé, até à Capelinha das Aparições, e dirigiu depois a palavra a todos os presentes.

Francisco sublinhou a importância da recitação do terço e convidou os peregrinos a ver na Virgem Maria uma “mestra da vida espiritual”, ou seja “a primeira que seguiu Cristo pelo caminho estreito da cruz” e não “uma Senhora inatingível e, consequentemente, inimitável”.

Francisco apresentou uma reflexão sobre a figura da Virgem Maria, “que deu um rosto humano ao Filho do eterno Pai”.

“Na verdade, se queremos ser Cristãos, devemos ser marianos”, afirmou, citando uma intervenção de Paulo VI.

O Papa rejeitou “sensibilidades” na Igreja Católica que apresentam Nossa Senhora “segurando o braço justiceiro de Deus pronto a castigar”.

Após a oração do terço, introduzida por Francisco, o Papa segue para a Casa de Nossa do Carmo, onde fica hospedado em Portugal, até este sábado.

Na Cova da Iria, os fiéis prosseguem com a procissão de velas e a Missa presidida pelo cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado do Vaticano.

in Voz de Lamego, ano 87/27, n.º 4412, 16 de maio de 2017

Caminhar com Maria em Lamego

O Santuário de Nossa Senhora dos Remédios quis associar-se à celebração do Centenário das Aparições, em Fátima, e programou, entre maio e outubro deste ano, uma procissão mensal, seguida de uma conferência com diferentes protagonistas. O encontro está marcado para os dias 13 de cada mês, à excepção de Maio, em que o acontecimento decorreu no dia 04, tal como anunciado e aqui divulgado pelo Serviço de Apoio ao Santuário.

À hora marcada, pelas 21h00, muitos foram os fiéis que aceitaram o convite e se juntaram para a procissão de velas, presidida por D. António Couto. Entre os presentes, um numeroso grupo de homens e mulheres que, com uma t-shirt apropriada, se identificavam como peregrinos em vésperas de iniciarem a caminhada até Fátima. E foram eles que transportaram o andor com a imagem de Nossa Senhora de Fátima que seguia atrás da cruz e dos escuteiros e à frente da restante assembleia. Durante o percurso rezou-se o Terço, meditando cada Mistério a partir do livro de apoio para este mês que a Conferencia Episcopal editou e distribuiu.

Já no interior da igreja do Santuário dos Remédios todos se ajoelharam e rezaram diante do Santíssimo Sacramento, recebendo a Sua Bênção. Após este momento, muitos dos que participaram na procissão já não ficaram para o que se seguiu.

Depois, e tal como previsto, a oportunidade para escutar o nosso bispo falar de Maria, aquela que sabe acolher o Outro, está atenta aos outros e guarda o importante da vida. Para isso, um coração pronto a encher-se com o bem e a deixar-se ocupar pela revelação de Deus Amor. E caminhar com Maria de Nazaré é tentar imitar tal postura e adoptar o seu exemplo.

No final da breve conferência, atendendo ao avançar da hora e à necessidade de levantar cedo por parte de alguns, foram abençoados os peregrinos presentes, pedindo ao Senhor que os acompanhe e desejando a todos uma profícua experiência espiritual.

Antes da despedida, os responsáveis do Santuário dos Remédios, agradecendo a presença e a palavra a D. António Couto, ofereceram-lhe uma lembrança e convidaram-se a assinar o Livro de Honra dos Visitantes.

Na mesma altura, o Reitor, Padre João António Teixeira, renovou o convite para os dias 13 dos próximos meses, anunciando que em junho e em julho ali estarão a Ir. Ângela Coelho e o Eng. Fernando Santos, respectivamente, para as conferências que se seguirão às procissões de velas.

JD, in Voz de Lamego, ano 87/26, n.º 4411, 9 de maio de 2017

CENTENÁRIO DAS APARIÇÕES | ESTAR EM CASA

No próximo sábado, 13 de maio, assinalam-se os 100 anos da primeira aparição de Nossa Senhora aos três pastorinhos, em Fátima. Presidirá à peregrinação o Papa Francisco, o 4.º Pontífice a visitar aquele Santuário nos últimos 50 anos e a cerimónias ficarão, também, marcadas pela canonização dos Beatos Francisco e Jacinta, dois dos videntes escolhidos pela Mãe do Céu para levarem ao mundo os “apelos do céu” com vista à oração e à conversão.

Ao longo das últimas semanas aqui foram sendo publicadas umas quantas palavras para assinalar a passagem do primeiro centenário. Mas não faltará literatura sobre o assunto para quem deseje aprofundar os seus conhecimentos.

Por outro lado, as actuais acessibilidades tornam Fátima um lugar de fácil acesso, possibilitando um conhecimento directo. Já lá vai o tempo em que ir àquele Santuário era uma aventura e conseguir ir algumas vezes uma proeza. Assim, cada um poderá “saborear” Fátima, percorrendo os espaços, contemplando tudo e todos, participando nas celebrações diárias, demorando-se onde se sente mais à vontade… Ler mais…

Nota Pastoral da CEP sobre os Pastorinhos

Os bispos portugueses emitiram uma nota pastoral sobre a canonização de Francisco e Jacinta Marto, realçando o desafio que a vida e o exemplo destas duas crianças representam para a Igreja Católica. E destacam a canonização, marcada para dia 13 de maio, em Fátima, como um momento de “júbilo” para toda a Igreja, reforçado pela presença do Papa Francisco.

Os membros da CEP sublinham depois que “a santidade de Francisco e Jacinta” deve “desafiar a Igreja Católica à conversão”, pelo modo como “cada um deles contemplou, assimilou e refletiu a imagem de Cristo”.

Primeiro, ao acolherem com uma “confiança total e disponível” as Aparições de Nossa Senhora em Fátima e não fecharem o seu coração aos apelos que receberam: o desafio de se “oferecerem” completamente a Deus, de rezarem a “favor da reconciliação dos pecadores e da paz no mundo”, e de intercederem pelos “mais vulneráveis”.

Para os bispos portugueses, “Francisco e Jacinta fazem, na sua espiritualidade, a síntese daquilo que a Igreja é continuamente chamada a ser: contemplativa e compassiva”.

Depois, por serem também exemplos de “coerência” na fé, de fidelidade aos acontecimentos que testemunharam na Cova da Iria, mesmo perante a ameaça e a prisão.

“Apesar da sua tenra idade, quando são instados a negar as aparições ou a revelar o que lhes fora confiado como segredo, permanecem fiéis à verdade, assumindo o sofrimento que a opção lhes causava”, pode ler-se.

Para os membros da CEP, o “exemplo” de Francisco e Jacinta Marto “evidencia que se pode testemunhar a fé em Cristo em qualquer condição de vida: de criança, de adulto ou de ancião; seja-se extrovertido ou tímido; no areópago da culta Atenas do primeiro século, no lugar de Aljustrel do início do século passado, ou hoje, no mundo global”.

“Sirva este exemplo como incentivo a uma pastoral capaz de revelar, desde a infância, a beleza da vida em Deus e a exigência do compromisso que dela resulta”, acrescentam os responsáveis católicos.

Francisco e Jacinta Marto, dois irmãos naturais de Aljustrel que, entre maio e outubro de 1917, presenciaram as Aparições de Nossa Senhora em Fátima juntamente com a prima Lúcia de Jesus, vão ser canonizados pelo Papa Francisco no próximo dia 13 de maio.

As duas crianças, que viram a sua vida encurtada pela doença, deixaram no entanto um legado que os bispos portugueses consideram “um precioso bem para a Igreja” e por isso merecedor de ser elevado à “glória da santidade”.

Além disso, a CEP frisa que “nos dois milénios de história da Igreja, Francisco e Jacinta Marto são as primeiras crianças não martirizadas a serem declaradas modelo de santidade”.

“Somos convidados a olhar para o exemplo de vida destas crianças, cientes da semente de fé, esperança e amor que elas semeiam na história humana (…) Testemunhas da misericórdia de Deus, Francisco e Jacinta continuam a levedar a história com a força da caridade que transforma os corações”, concluem os bispos.

in Voz de Lamego, ano 87/26, n.º 4411, 9 de maio de 2017

FÁTIMA – SURPRESA | Editorial Voz de Lamego | 9 de maio de 2017

Em vésperas do Centenário das Aparições de Nossa Senhora aos Pastorinhos, em Fátima, com a Peregrinação do Papa Francisco ao Santuário e a Canonização dos Pastorinhos Francisco e Jacinta, a Voz de Lamego no seu conjunto, e o Editorial, do nosso Diretor, Pe. Joaquim Dionísio, não poderia deixar de fazer eco, nas notícias e nas reflexões… mas por certo encontramos outros pontos de interesse no Jornal Diocesano. Boa leitura.

FÁTIMA – SURPRESA

No próximo sábado, 13 de Maio, assinalam-se os cem anos da primeira aparição de Nossa Senhora a três humildes crianças, socialmente irrelevantes, numa localidade que, à época, estava longe de despertar a atenção. O nosso Deus surpreende-nos todos os dias!

Pouco a pouco, apesar das aparentes limitações dos pequenos videntes, das perseguições dos instalados, das dúvidas nos decisores e da habitual prudência eclesiástica, os peregrinos foram crescendo e formaram multidões. É verdade que a presença do Papa proporciona outra divulgação e motiva à participação, mas antes da primeira visita papal (1967) Fátima já era uma referência. Sem campanhas publicitárias, contra a vontade de alguns e apesar da indiferença de outros, Fátima aí está.

Os católicos sabem que Fátima nada acrescenta à Revelação e que poderão viver a sua fé e o seguimento do Ressuscitado sem nunca peregrinar até este lugar ou atender ao que ali se passa. Mas são muitos os que se sentem atraídos pela Mãe e através d’Ela se aproximam do Filho. Porque Fátima não estorva nem perturba a fé, antes promove a fidelidade ao “único Senhor da nossa vida”.

A celebração deste centenário motivou a vinda do Papa, o aumento de peregrinos e de notícias sobre o Santuário, a divulgação do acontecimento e da sua mensagem em livros e artigos, a realização de conferências e de filmes… E para alegria de todos, a tudo isto se junta a canonização dos beatos Francisco e Jacinta.

Nestas alturas festivas aparecem mais notícias, mas a verdade é que Fátima é uma boa notícia todos os dias, uma surpresa de Deus, um constante apelo da Mãe, um lugar de encontro em todos os momentos e um espaço de celebração da fé para todas as horas.

in Voz de Lamego, ano 87/26, n.º 4411, 9 de maio de 2017

CENTENÁRIO DAS APARIÇÕES | Peregrinar a caminho

Iniciámos a vivência do mês de Maio, época do ano em que o olhar de muitos se volta para Fátima. Muitos fá-lo-ão com fé no Senhor e motivados pela esperança de contarem com a intercessão da Mãe, outros com curiosidade jornalística de quem encontra por ali motivo de reportagem, alguns com certo desdém por não partilharem a mesma fé e não compreenderem tamanho fervor.

Neste penúltimo contributo para assinalar a passagem do primeiro Centenário das Aparições, uma palavra sobre os peregrinos, essa massa de gente crente e anónima que, contra frios e indiferenças, caminha, ano após ano, rumo ao santuário. Fazem-no para rezar e cumprir promessas, para acompanhar amigos e testar a própria resistência, para celebrar a alegria de vencer obstáculos ou partilhar experiências… E se é verdade que há agora mais apoios e melhores condições, também é verdade que caminhar durante tantos quilómetros continua a ser exigente. Ler mais…

CENTENÁRIO DAS APARIÇÕES | FÁTIMA E O PAPA

Ao longo destes cem anos de Fátima muitos foram os devotos que escutaram, confiaram e divulgaram os “apelos” que a Mãe comunicou aos pastorinhos para o mundo inteiro. Também os Papas.

Bento XV (1914 – 1922). Era o Papa na altura das aparições (1917). Explicitamente, nunca se referiu ao facto, apesar da informação disponível. Recorde-se que, à data dos acontecimentos, estavam cortadas as relações diplomáticas entre Portugal e a Santa Sé (I República). Por outro lado, só alguns anos depois é que o bispo de Leiria reconhecerá as aparições.

Pio XI (1922 – 1939). A primeira visita de um representante do Papa à Cova da Iria só acontece em 1926 e só em 1927 a Congregação dos Ritos permitiu que ali se celebrasse a Missa votiva do Santíssimo Rosário. Mas este Papa benzeu uma imagem da Senhora de Fátima para o Colégio Português, em Roma (06/12/1929), e permitiu que a Senhora de Fátima fosse proclamada padroeira da Acção Católica portuguesa.

Pio XII (1939 – 1958). A sagração episcopal deste futuro Papa aconteceu em Roma, no dia 13 de Maio de 1917 e, ao longo do seu pontificado, serão várias as referências a este Santuário e contínuos os seus convites à oração a Nossa Senhora de Fátima. Por alturas dos 25 anos das aparições (1942) enviou uma radiomensagem, onde se refere à consagração da Igreja e do mundo.

João XXIII (1958 – 1963). Antes de ser eleito Papa e marcar o seu pontificado com a convocação do II Concílio do Vaticano, foi peregrino de Fátima e presidiu à peregrinação de maio de 1956, enviado por Pio XII.

Paulo VI (1963 – 1978). Deve-se a este Papa a atribuição ao Santuário de Fátima da Rosa de Ouro (1964), expressando confiança nos cuidados da Mãe do Céu por toda a família humana. Mas o grande facto acontece em 1967, quando se comemoraram os 50 anos das aparições e o Papa veio a Portugal presidir à peregrinação do 13 de maio.

João Paulo I (26/08 – 29/09/1978). Os 33 dias como Papa não lhe permitiram muito, mas, antes de ter sido eleito, em 1977, esteve em Fátima e foi até Coimbra, onde se encontrou com a Ir. Lúcia.

João Paulo II (1978 – 2005). Será, certamente, o Papa que mais testemunhou a sua devoção e amor a Nossa Senhora de Fátima. Após o atentado (13/05/1981), cedo confidenciará que a protecção materna de Nossa Senhora o livrou da morte e peregrinará até Fátima por três vezes: 1982, 1991 e 2000, ano em que beatificará Francisco e Jacinta.

Bento XVI (2005 – 2013). No ano 2000, enquanto Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé e aquando da divulgação da “terceira parte do segredo de Fátima”, publica um comentário ao mesmo que valerá a pena ler. Como Papa visitou Fátima em 2010.

Francisco (2013 – …). Aguarda-se a sua vinda para presidir à peregrinação de Maio de 2017, no centenário das aparições. Até lá, esperamos ainda uma palavra sua sobre a esperada canonização de Francisco e Jacinta.

JD, in Voz de Lamego, ano 87/22, n.º 4407, 11 de abril de 2017