Arquivo

Archive for the ‘Eventos’ Category

Acólitos da Sé de Lamego na Peregrinação Nacional

Foi um dia de festa e  reencontro o que viveram os acólitos da paróquia da Sé a 1 de Maio.

Reencontro com a Sra de Fátima e os milhares de acólitos portugueses que se reuniram no local que Ela escolheu para nos visitar. Foi a Peregrinação Anual dos Acólitos Portugueses.

São Pedro brindou-nos com um dia de sol, mas não muito quente, perfeito quer para a viagem quer para as atividades realizadas no recinto.

Após uma viagem animada em que a conversa nos aproximou mais como irmãos e amigos e afastou os últimos vestígios de sono, chegamos ao centro Paulo VI tinha justamente sido iniciado o acolhimento e animação – com cânticos e anedotas fomos ficando todos super animados e respondemos entusiasticamente á chamada pelas nossas dioceses ( o grupo da Sé foi um digno representante da diocese de Lamego, mas esperamos ter a companhia de muitas mais paróquias em próximas peregrinações…). Ler mais…

DIGNIDADE DOS TRABALHADORES | Editorial Voz de Lamego

DIGNIDADE DOS TRABALHADORES

A exemplo do que acontece noutros países, também os portugueses param para viver a festa dos trabalhadores, no primeiro dia de Maio, recordando as lutas sociais e a repressão sangrenta que nesse dia, em 1886, aconteceu nos EUA.

A Igreja não poderia deixar de participar nesta jornada. Por isso, em 1955, Pio XII instituiu a festa de S. José Operário, convidando à dignificação do trabalho e de todos os trabalhadores, bem como à contemplação de José, aquele a quem Deus confiou Jesus.

E José nem será uma referência se atendermos apenas à performance do trabalho por muitos defendida: o mais rápido, o mais forte, o que ultrapassa os outros. Na carpintaria de Nazaré estamos longe do culto da competitividade, dos objectivos sobre-humanos, da idolatria da carreira, do êxito profissional a todo o custo… Isso levaria apenas ao stress ou às intermináveis horas suplementares nem sempre pagas, com as consequências negativas desse modo de vida profissional: famílias abandonadas, ausência face aos filhos, desgaste e perda de saúde, depressões… Uma carreira profissional merecerá tais sacrifícios? No fim, o que fica?

Os evangelhos dizem pouca coisa sobre José e, ele próprio, nada diz. Mas adivinhamos facilmente que ele faz o seu trabalho, sem correrias, obcecado com o sucesso ou o lucro. José é um trabalhador comum, “um bom pai de família”, no que isso tem de mais simples. Educou Jesus, ensinou-lhe a sua profissão, proporcionou-lhe uma existência tranquila, não particularmente rica, mas não necessariamente pobre. Um modelo pacífico e acessível, muito longe do culto da performance dos tempos modernos.

A idolatria do trabalho é a antítese do trabalho tal como o exemplifica S. José. O trabalho é alegria e sofrimento, serviço da comunidade e aproximação de Deus: eis o que podemos aprender na escola de Nazaré.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/21, n.º 44587, 24 de abril de 2018

DIGNIDADE DA MULHER | Editorial Voz de Lamego | 6 d março d 2018

DIGNIDADE DA MULHER

Na próxima quinta-feira, dia 8, assinala-se mais um Dia Internacional da Mulher, para sublinhar o percurso feito na defesa e promoção da dignidade e igualdade e, em simultâneo, recordar que tal caminho está ainda atrasado em vários países do globo.

A comunicação social continua a divulgar situações em que as mulheres são exploradas, excluídas, violentadas, vítimas de tráfico, de exploração sexual, de trabalho escravo e mortas. Várias são ainda as sociedades onde mulher é sinónimo de sujeição e humilhação públicas, ficando impunes os culpados. Continuamente surgem notícias de mulheres sujeitas a agressões físicas e psicológicas, que carregam vidas de sofrimento ou que são assassinadas por maridos, companheiros ou namorados.

Por isso, assinalar este dia é recordar a importância de continuar a lutar pela dignidade e igualdade da mulher em todos os dias do ano.

Talvez por causa da proximidade da data, uma revista do Vaticano, distribuída conjuntamente com o jornal Observatore Romano, escreveu sobre religiosas que se doam ao serviço de bispos e cardeais e que não são devidamente reconhecidas e recompensadas pelo seu trabalho.

A revista apresenta diversas dessas situações, percebendo-se a tristeza das protagonistas por não se verem reconhecidas na sua dedicação ou até, por obediência, cumprirem uma missão algo distante da vocação e carisma professados e assumidos.

Mas esta deverá ser, também, uma oportunidade para alguns desses “príncipes da Igreja” tomarem consciência do quão distantes estão de praticar o que pregam, quer na forma como vivem quer na forma como tratam quem em casa os serve. Mesmo não sendo muitos, serão sempre demais.

A oportunidade da denúncia não se questiona, bem como a necessidade de mudanças para promover a mulher dentro da Igreja, tal como o assumiu, desde o início, o Papa Francisco.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/14, n.º 4451, 6 de março de 2018

ESCOLHER CUIDAR | Editorial Voz de Lamego | 23 de janeiro de 2018

ESCOLHER CUIDAR

No primeiro dia das recentes Jornadas de Formação do Clero, esteve entre nós um jovem padre dehoniano que, entre outras coisas, falou da importância e urgência de saber cuidar, bem como da arte do cuidador.

E foi no decorrer do encontros que desafiou os presentes a elaborarem, individualmente e em cinco minutos, uma lista com dez realidades que não gostariam de perder. Sem muito tempo para pensar ou justificar, quase por impulso, cada um lá escreveu o que quis. E todos sabiam que a lista não era para partilhar, o que favorecia a espontaneidade.

Depois, com a mesma simplicidade e rapidez, todos foram desafiados a “libertarem-na” de duas realidades, reduzindo-a a oito. E não foi fácil, pois todas haviam merecido o título de “importantes”. Mas o esforço aumentou: optar e riscar… No fim, apenas poderia ficar uma realidade!

A tarefa é fácil de enunciar, mas, quando feita com seriedade, exige esforço, já que obriga a discernir e a optar. No meio de tanto que nos é caro, é interpelante e desafiador elaborar uma lista com algumas realidades que não gostaríamos de perder. E o desafio aumenta quando exige desprendimento para ir deixando para trás o que se julgava fundamental.

No final, talvez o exercício, aparentemente infantil, surpreenda pelo que restou e ajude a concluir que nem sempre a atenção e o esforço são devidamente investidos ou que há confusão entre o essencial e o acessório…

Talvez a escolhas finais de cada um, de cada família, de cada grupo, de cada comunidade sirvam para hierarquizar prioridades e tarefas no meio de tanto que há para fazer; talvez motivem mudanças e ajudem escolher meios e modos para cuidar do que, realmente, é importante e não gostaríamos de perder.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/08, n.º 4445, 23 de janeiro de 2018

ALMACAVE JOVEM – Natal na “Estrada de Jericó”

Quando pensamos no Natal, o nosso imaginário transporta-nos, inevitavelmente, para as luzes de Natal que cintilam nas nossa casas e nas ruas da cidade, para o sabor das iguarias da consoada e do calor das nossas casas. Mas, para muitos, a imagem do Natal carrega consigo sentimentos de tristeza, de solidão e até mesmo de doença e abandono. Pessoas que sentem o “frio” não só pela falta da lareira, mas sim, também, pela falta de um abraço ou de uma simples conversa ou presença.

Foi para contrariar esta tendência redutora de viver o Natal, cada vez mais entranhada na nossa sociedade que, durante o Advento, nós, Grupo de Jovens, quisemos preparar o Natal através da vivência da caridade decalcada na Parábola do Bom Samaritano que serve de suporte ao nosso Plano Pastoral diocesano e paroquial. Domingo após domingo, também toda comunidade paroquial foi desafiada a transformar o lema, “ Vai, e faz tu do mesmo modo” em atitudes concretas na prática do amor e a recriar modelos de atuação através da proximidade a dispensar a todos aqueles que na nossa paróquia são empurrados para os valados da frieza da indiferença e da insensibilidade.

Foi a pensar nessas pessoas, que o nosso grupo de jovens agendou, também, visitas aos doentes da Paróquia, aos lares de idosos, ao Hospital de Lamego. Tentámos levar connosco a alegria da Boa Nova do nascimento de Jesus, um pouco mais de conforto e de calor natalício com o auxílio da música, da oração e também com um pezinho de dança.

Não é fácil deixarmos as nossas agendas preenchidas, tantas vezes com afazeres supérfluos, e vencer o cansaço de um semestre com frequências à porta, sair do conforto da nossa casa, ir ao encontro dos outros e determo-nos nas casas dos doentes, dos mais fragilizados e dos que vivem sós ou em lares, e daqueles a quem lhes foi roubada a esperança.

Também, como tem acontecido já em anos anteriores, quisemos terminar o ano de 2017 com os reclusos do Estabelecimento Prisional de Lamego. Uma greve imprevista obrigou-nos a antecipar este esta obra de misericórdia para o dia 30 de dezembro. O encontrou iniciou-se com a celebração festiva da Eucaristia animada liturgicamente por nós e também pelos reclusos participantes, seguindo-se um tempo de convívio onde não faltaram os doces típicos desta época e canções de Natal.

Para os que participámos nesta aventura de ir ao encontro dos outros, de quem somos próximos, sentimos profundamente que, quando o fazemos com a determinação de levar a mensagem do Amor e da Alegria do Nascimento de Jesus, somos sempre nós que ficamos com o coração mais aquecido.

Acabámos a semana  do Natal com uma bênção especial  a seis mães  grávidas e seus bebés, na Eucaristia da família Paroquial no dia da Festa da Sagrada Família, para que se sintam amadas e protegidas por Jesus Cristo e Sua Mãe, que também deu à luz o seu filho, o mistério da Encarnaçao  que celebramos festivamente neste tempo de Natal.

 

Claresse Reis – Grupo Almacave Jovem,

in Voz de Lamego, ano 88/05, n.º 4442, 2 de janeiro de 2018

Natal no Hospital de Lamego

A Liga dos Amigos do Hospital de Lamego procura criar condições para que a estada dos doentes no Hospital de Lamego seja aliviada no que diz respeito aos aspectos humanos de cada um deles. Para além do acompanhamento diário no apoio aos doentes acamados e aos que se dirigem às Urgências, há momentos, ao longo do ano, que, pela sua relevância na vida quotidiana familiar e social dos cidadãos, a Liga procura valorizar para tornar mais ameno o afastamento da família e do seu ambiente natural. O Natal é, na nossa sociedade, um tempo muito forte em vibrações humanas afectivas, que urge suavizar naqueles que, por motivos de saúde, se mantêm hospitalizados.

Por isso, no dia 22 de Dezembro passado, a Direcção e alguns Voluntários visitaram todos os doentes internados a quem deixaram, para além de palavras de conforto, os votos de rápida recuperação e uma pequena lembrança natalícia. Toda esta visita foi acompanhada pelas vozes juvenis e cheias de encanto do Coro do Grupo de Jovens da Sé – Lamego. A ternura e emoção, que os seus cânticos natalícios transmitiram aos doentes, não serão esquecidos por aqueles que os puderam ouvir. A todos os Jovens deste Grupo generoso e disponível, a Direcção da Liga transmite um sentido agradecimento, tendo a certeza que, do coração dos doentes, brotou gratidão ainda mais profunda.

Na atenção aos doentes, a participação da Liga será apenas complementar do trabalho, diário e contínuo, realizado por todos os profissionais que prestam serviço no Hospital de Lamego (Médicos, Enfermeiros, Pessoal Técnico, Assistentes Operacionais, Pessoal dos Serviços Administrativos). Eles são os primeiros a cuidar da saúde e do bem-estar dos doentes: um serviço que implica muita dedicação, saber e preocupação atenta e cuidadora. Estes profissionais do nosso Hospital são merecedores do reconhecimento grato e respeitoso da Liga. Nesta quadra natalícia, quis a Liga transmitir, a todos eles, através de um pequeno gesto simbólico, um agradecimento pelo seu profissionalismo e pelo seu humanismo e desejar-lhes Boas Festas de Natal.

A Liga agradece à Senhora Enfermeira Olga Cardoso, Adjunta da Direcção de Enfermagem do CHTMAD e à Senhora Enfermeira Isabel Ermida, Directora dos Serviços de Humanização do mesmo Centro Hospitalar, a delicadeza com que nos acompanharam nesta visita.

A Liga faz votos de que, neste Natal, todos os Doentes e Profissionais de Saúde do nosso Hospital, tenham a Alegria e a Paz que o Menino Deus nos veio trazer, prolongadas pelo ano de 2018.

M. R., in Voz de Lamego, ano 88/05, n.º 4442, 2 de janeiro de 2018

Festa de Natal do Centro Social Filhas de São Camilo

Na tarde do dia 16 de Dezembro, o Centro Social esteve em festa. Reunimos os familiares e amigos dos nossos queridos utentes para uma tarde convívio de muita cor e alegria.

Contamos com a colaboração dos funcionários da casa para uma encenação natalícia intitulada por: “O verdadeiro espírito de Natal” onde se incentivou as pessoas a refletirem sobre o verdadeiro significado do Natal, pois não é só prendas, casas e pinheiros enfeitados e luzes cintilantes… Natal é muito mais, Natal é Jesus. Por isso se alguém desejar e aceitar Jesus, vai experimentar o verdadeiro espírito natalício.

Entre cantorias e declamação de poemas, houve lugar também para uma representação de uma dança pelos nossos queridos utentes do centro, com a orientação da animadora. O presépio vivo esteve também presente na festa, com interpretação dos utentes. Por fim, chegaram os Reis Magos ao estábulo onde se encontrava o menino Jesus, Maria, São José, o anjo, o burrinho e a vaca.

A Superiora Liliana tomou palavra no fim do programa deixando a sua mensagem aos utentes e seus familiares, manifestando a esperança de no próximo ano voltarem a compartilhar grandes momentos como os desta festa. Logo de seguida deu-se início ao lanche partilhado, onde os nossos queridos utentes saborearam com um enorme gosto os doces natalícios.

Agradecemos a todos os que se deixaram envolver nesta festa, principalmente aos familiares que dedicaram o pouco do seu tempo para estar junto do ente querido. O Natal é uma das datas que já se transformou em sinónimo de festa de família, aproxima as pessoas e nos faz refletir sobre o que realmente significa a família na nossa vida.

Neste Natal que o Menino Jesus abençoe todos os que sabem o verdadeiro significado da palavra FAMÍLIA e ilumine os corações daqueles que a abandonaram ou dizem não ter, afinal, somos todos irmãos, somos uma grande família filhos do mesmo Pai. Votos de um Feliz Natal e um próspero Ano Novo.

São os votos desta família – Centro Social Filhas de São Camilo.

 

in Voz de Lamego, ano 88/05, n.º 4442, 2 de janeiro de 2018