Início > D. António Couto, Dia da Igreja Catedral, Editorial, Eventos, Jovens, Mensagem, Ordenações, Solenidades, Vocações > ELEITO E ELITE | Editorial Voz de Lamego | 25 de dezembro

ELEITO E ELITE | Editorial Voz de Lamego | 25 de dezembro

voz_lamego_25_novembro_2014

Com a solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo, chegou o DIA da IGREJA CATEDRAL, que este ano contou com a ordenação do Fabrício Pinheiro e do Valentim Fonseca. Como não poderia deixar de ser, a edição da Voz de Lamego desta semana dedica especial atenção a esta jornada do Dia da Igreja Catedral, nos vários momentos de encontro, formação, celebração, festa.

No Editorial, o Diretor, Pe. Joaquim Dionísio, salienta as Ordenações Diaconais, que dão seguimento à vocação batismal:

ELEITO E ELITE 

No passado domingo, em ambiente de festa e de acção de graças, a nossa diocese testemunhou a livre decisão de dois jovens que, chamados por Deus através da Igreja, D. António Couto ordenou de Diáconos. E alegramo-nos já com a perspectiva da sua ordenação sacerdotal, no próximo verão.

O baptizado que recebe o sacramento da Ordem (diácono, sacerdote, bispo) é apresentado como “ministro”, traduzindo-se este termo por “servidor”; à missão que assume e cumpre chamamos “ministério”, sinónimo de “serviço”.

Assim, falar de “ministro ordenado” é referir aquele que, pelo sacramento da Ordem, recebeu e assumiu a missão de servir o Povo de Deus. Muito longe, portanto, da concepção de tal ministério em termos de poder. Porque na Igreja de Cristo há apenas o “poder de servir”.

Ser ordenado pressupõe um chamamento, exige uma resposta e é fruto de uma eleição. Deus chama através da Sua Igreja, mas ninguém avança sem uma livre decisão pessoal e sem a necessária escolha feita pela Igreja. Dito de outra forma, os ministros ordenados são previamente eleitos, escolhidos, não porque sejam imaculados, mas por causa da disponibilidade demonstrada e reconhecida capacidade para servir.

É verdade que, como seres livres e limitados, tais ministros podem falhar, ficar aquém do exemplo que se espera ou esquecerem o testemunho que se exige. Mas, em consciência, têm o dever de se esforçar por cumprir a missão para que foram chamados e ordenados.

Mas não são uma elite, no sentido habitual em que esta se compreende como uma minoria prestigiada e formada pelo que de melhor existe na sociedade, a fina flor ou nata que detém algum poder e influência. A tentação de confundir eleito com elite pode surgir, mas não é cristã.

in VOZ DE LAMEGO, n.º 4290, ano 84/52, de 25 de novembro de 2014

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: