Arquivo

Archive for the ‘Editorial’ Category

Editorial da Voz de Lamego: Dai-lhes vós mesmos de comer

No próximo Domingo, 17 de novembro, viveremos o 3.º Dia Mundial do Pobre, proposta do Papa Francisco que se vai impondo paulatinamente. Teve alguns críticos, dentro e fora da Igreja, por uma compreensão superficial e errónea do que se pretenderia, a começar pela formulação da comemoração, pois poderia entender-se que se estava a cristalizar, a elogiar e a justificar a pobreza. Uma coisa é defender a pobreza como opção que envolve humildade, despojamento e serviço ao próximo, e que obviamente, também pode incluir a produção de riqueza para promover o emprego e a disponibilidade de bens para mais pessoas; outra coisa é a resignação diante da pobreza imposta, a miséria a que milhões de pessoas estão sujeitas. “O compromisso dos cristãos, na vida ordinária de cada dia, não consiste apenas em iniciativas de assistência que, embora louváveis e necessárias, devem tender a aumentar em cada um aquela atenção plena, que é devida a toda a pessoa que se encontra em dificuldade”.

A propósito, a Madre Teresa de Calcutá era acusada de não pensar e não defender uma política de erradicação da pobreza na medida em que apostava na resposta imediata e concreta às situações que iam surgindo. Com o tempo, ficou claro que as políticas são importantes, e sobretudo quando têm efeitos práticos, mas não se pode virar as costas à situações do dia-a-dia. Enquanto se espera pela implementação das medidas as pessoas morrerem à fome e ao frio… O assistencialismo pode ser provisório, mas não pode ser desculpa para não ajudar, fazendo já o que é necessário e possível.

O Papa Francisco tem deixado claro o princípio da subsidiariedade: não deixar para os outros o que posso fazer, envolvendo outros em questões mais complexas, não deixar para amanhã o que posso resolver hoje. Incentivar o Estado e as estruturas centrais a resolver problemas mais complexos e crónicos, de forma sustentada, mas mantendo-nos, a mim e a ti, comprometidos com a pessoa que está à nossa beira. Com efeito, em diversas ocasiões, o Papa tem sido contundente em relação a governos e estruturas centrais, à política e economia, para um envolvimento mais efetivo e rápido ao grito dos pobres, dos desfavorecidos, daqueles que continuam a viver nas periferias existenciais. Os pobres clamam. Deus ouve a sua voz. Quem se recusa a escutar o grito dos excluídos, tapa os ouvidos, o coração, a Deus. Como não lembrar a expressão papal: “esta economia mata” ao colocar o foco nas percentagens de desenvolvimento e produtividade, nas estatísticas, nos ganhos das bolsas de valor, ainda que à custa dos pobres, pessoas e povos.

Na mensagem para esta terceira jornada o Papa não pode ser mais claro: “A numerosos grupos de pessoas, a crise económica não lhes impediu um enriquecimento tanto mais anómalo quando confrontado com o número imenso de pobres que vemos pelas nossas estradas e a quem falta o necessário, acabando por vezes humilhados e explorados… Passam os séculos, mas permanece imutável a condição de ricos e pobres, como se a experiência da história não ensinasse nada”.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/47, n.º 4534, 12 de novembro de 2019

Editorial Voz de Lamego: Sábio é aquele que está disponível para aprender

Sábio não é o que sabe tudo, o que sabe mais coisas. Sábio é aquele que está sempre disponível para aprender, para acolher, para amar, para ser amado, para ser instrumento de ligação aos outros, ao mundo e a Deus. Sábio não é o que tem um curso superior, ou tem muitos contactos, que tem um canudo, ou viajou pelo mundo inteiro. Sábio é o que quer escutar os outros, quer compreender o mundo à sua volta, que dispõe a sua vida para acolher o mistério que vem do alto, que vem de Deus. Sábio é o que reconhece os seus erros e ainda assim caminha. É o que não desiste, mesmo que por vezes tenha que recuar, recomeçar, voltar a tentar. Sábio é aquele que reconhece que está a caminhar, que ainda não chegou à meta, que ainda está longe. Sábio é aquele que se dispõe a servir a Verdade. Sábio não é o que não peca. Sábio é o que está disponível para acolher o perdão.

Sábio é o que se deixa encantar com as pequenas coisas da vida, momentos sublimes do nascer ou do por do sol, o sorriso de uma criança ou os malabarismos de um gato. Sábio não é aquela pessoa séria, sisuda, que dita sentenças. Sábio é aquele que sabe rir de si mesmo, e sorrir diante dos seus disparates, e que procura estar atento a tudo o que o rodeia.

Sábio não é o que atingiu um grau de conhecimento superior, ou está moralmente acima de qualquer suspeita. Sábio é aquele que cultiva a arte da dúvida, da curiosidade, da interrogação, que está sempre em busca, procurando aprender com tudo e com todas as situações.

O sábio não é aquele que não muda porque atingiu a perfeição. Embora um provérbio chinês diga que só não mudam os sábios e os estúpidos. Coloquemo-nos entre uns e outros, a caminho… Sábio é, antes, aquele que procura aperfeiçoar todos os aspetos da sua vida e mantém aberta a mente para acolher situações novas e poder contribuir para a transformação do mundo.

Sábio não é o que não tem dúvidas, mas aquele que vive nas dúvidas, procurando ser feliz e contribuir para a felicidade dos outros, fazendo a ponte. A dúvida é específica do ser humano. Somos ser inacabados. Mas que beleza! Como somos seres inacabados temos a oportunidade de crescer sempre mais, até ao Infinito, até à eternidade de Deus.

Sábio não é aquele que tem respostas para tudo, mas aquele que questiona (quase) tudo, que se interroga constantemente e ao mundo que o rodeia.

Sábio não é aquele que tem todas as certezas, mas aquele que não se deixa abater pelas dúvidas e incertezas e procura acertar o seu caminho, para o sábio cristão, procura acertar o seu caminho pelo de Jesus Cristo.

Maria interroga o Anjo quando este lhe anuncia que vai ser Mãe do Filho de Deus: “Como será isto se não conheço homem?”

A interrogação faz parte da procura, da escuta, do nosso peregrinar, faz parte do caminho da sabedoria.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/46, n.º 4533, 5 de novembro de 2019

Editorial da Voz de Lamego: Se o grão lançado à terra não morrer…

“Se o grão de trigo, lançado à terra, não morrer, fica só; mas, se morrer, dá muito fruto. Quem se ama a si mesmo, perde-se; quem se despreza a si mesmo, neste mundo, assegura para si a vida eterna. Se alguém me serve, que me siga, e onde Eu estiver, aí estará também o meu servo” (Jo 12, 24-26). Na verdade, “quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; mas, quem perder a sua vida por minha causa, há de encontrá-la” (Mt 16, 25-26).

A vida eterna não se decide no final da vida histórica, decide-se hoje, todos os dias, nas escolhas que fazemos e nos caminhos que percorremos. Vamos celebrar a Solenidade de Todos os Santos e viver a Comemoração dos Fiéis Defuntos, duas faces da mesma moeda, a vida dos fiéis que se predispuserem a seguir Jesus Cristo. Alguns tornaram-se para a família e/ou para as suas comunidades uma referência de santidade, de vida assumidamente cristã, nos valores e nas obras, nas palavras proferidas e nas palavras que se fizeram sangue, suor e lágrimas, compromisso, serviço e cuidado aos irmãos. Como tem dito o Papa Francisco, são santos à porta de casa, que encontramos em todo o lado. Agem de forma discreta, mas persistente, a dar bons conselhos, a visitar quem está mais só, a levar uma palavra de conforto ou ouvidos que escutam, a levar alimentos, a fazerem “voltas” a quem tem dificuldade de mobilidade.

A santidade é um caminho permanente. Uma opção de vida. Que exige, nas palavras de Jesus, vigilância e disponibilidade para servir. Os que já se encontram na glória de Deus são testemunho da fidelidade (fé, fiel) ao Senhor. Os Fiéis Defuntos são purificáveis por Jesus, no mistério da Sua morte e ressurreição. A nossa oração por eles faz-nos reconhecer que até à vida gloriosa estamos sempre em caminho e necessitados do amor e da graça de Deus, e permanecemos sempre interligados uns nos outros.

A vocação à santidade decorre do batismo e é universal. A santidade é, antes de mais, dom de Deus, a Sua graça em nós, a vida divina que nos habita desde o batismo. Ser santo não é um bicho de sete cabeças. Tem a ver com a felicidade, não apenas como meta, mas como processo. Tem a ver com o darmos, nas diferentes dimensões da vida, o melhor de nós e procurarmos nos outros o melhor deles. É uma missão permanente de quem acolhe Deus e O comunica aos outros, dando-se com generosidade e ternura, validando a identidade original – imagem e semelhança de Deus, filhos bem-amados do Pai. A santidade não é afastamento espiritual do mundo, mas comprometimento concreto. A fé expressa-se com as mãos, com o labor, é, ainda no dizer de Francisco, artesanal, como o amor que acaricia, abraça, cuida. A fé é amor que se materializa nas obras de misericórdia, corporais e espirituais, na referência constante às Bem-aventuranças, pois os cristãos só podem assumir-se na humildade e pobreza para que neles se engrandeça a presença de Deus.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/45, n.º 4532, 29 de outubro de 2019

Editorial da Voz de Lamego: Quando as pessoas são boas, são felizes

É uma expressão feliz de Dorothy Day e que assume o mandamento novo do amor por inteiro. Amar como Jesus amou, sem tréguas, sem reservas, sem condições prévias, não em função do que pode falhar, mas com o propósito de salvar, remir, fazer o bem, ajudar, reunir, construir. Só Deus basta (Santa Teresa de Ávila). Só o amor, ao jeito de Jesus, basta. Ama e faz o que quiseres (Santo Agostinho), porque amando farás não o que é melhor para ti e te garanta o futuro, mas o melhor para os outros, construindo o futuro.

“O caminho mais seguro para encontrar Deus, para encontrar o bem, é através dos irmãos”. É urgente a síntese entre “culto, cultura e cultivo”. Um compromisso que abranja a educação, a transformação da sociedade, passando pela conversão pessoal, e o empenho concreto e real no cuidado da criação, sem secundarizar a solidariedade com todos, no serviço aos mais pobres. Cultivar a inteligência e cultivar a terra, para que esta, produzindo em abundância, sem a exploração excessiva, possa beneficiar a todos e não apenas os mais ricos, povos e pessoas, desperdiçando uns enquanto outros vivem à míngua, mendigando as migalhas que caem da mesa dos magnatas ou rebuscando as lixeiras mais imundas.

“Nós e todos os homens temos um coração grande e generoso com o qual podemos amar a Deus… vendo Cristo nos outros, amando o Cristo que vemos nos outros. Mais do que isso, ter fé em Cristo nos outros sem poder vê-l’O”. Felizes aqueles que acreditam sem terem visto. “Tudo o que fizerdes ao mais pequenos dos meus irmãos é a Mim que o fazeis”. Por mais voltas que demos, amar a Deus só é possível se eu e tu, se nós nos empenharmos em fazer o bem aos outros, em praticar as obras de misericórdia, pondo em marcha as bem-aventuranças, pensando, não em mudar o mundo inteiro e chegar aos confins da terra, mas na pessoa que está ao meu lado, na minha rua, na minha aldeia, vila ou cidade. É louvável querer mudar o mundo inteiro e predispor-se a partir para longe, para lugares onde a ajuda é, ou parece ser, mais preciosa. Mas, esse propósito tem o mérito de ser apenas isso, um propósito: gostava de… se tivesse mais tempo… se tivesse a vida organizada… se não tivesse filhos… se…

Os propósitos assomam uma bondade inicial. Mas, como vemos, muitas vezes ficam na condicional, como possibilidades em aberto. Assim é nas nossas comunidades também. Hoje… este ano… agora… não me é possível… quem sabe amanhã… daqui a dois ou três anos! É o início do caminho, mas há sempre caminho a fazer-se, não me comprometo aqui, mas ali faço-me presente, não vou para a Cochinchina mas tenho um vizinho que precisa que lhe vá buscar o pão, um familiar que posso escutar por alguns minutos, um pai ou uma mãe que preciso de abraçar, um doente que precisa de desabafar, um idoso que precisa de perceber aquela carta ou aquela fatura…

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/44, n.º 4531, 22 de outubro de 2019

Editorial da Voz de Lamego: Educação: insistir, contrariar, resistir

O programa “À Roda da Alimentação”, da RTP 1, conduzido por Catarina Furtado, no dia 7 de setembro, começava, como habitualmente, com uma pergunta e três hipóteses: “Quantas vezes devemos insistir com os bebés até que aceitem um novo sabor? 9, 10 ou 11 vezes?” A resposta foi dada no final do programa: 11 vezes.

Na base da questão, a preocupação: como conseguir que as nossas crianças tenham uma alimentação equilibrada e variada? Sabe-se da guerra que os pais têm para que os filhos comam determinados alimentos que considerem saudável e necessário. Para ajudar a responder, o Pediatra Paulo Oom. O importante é não desistir de insistir. O ser humano foi condicionado para gostar de alimentos doces (saudáveis, com calorias… para caçar) e rejeitar os alimentos amargos (associados a alimentos que podiam matar). Então temos que contrariar esta tendência. No máximo, aos seis meses, a criança tem que começar a comer os alimentos, se possível não começar pelos doces, por exemplo, cereais, mas por legumes, como a sopa. A comida passada é facilmente aceite pela criança, mas não quando deteta um grãozito… há uma fase, 8 a 10 meses, se a criança for treinada a outras texturas e consistências, mais sólidas, com pedaços, vai-se repercutir nos anos seguintes, vai querer experimentar coisas novas… a “dieta” para a criança terá que ser para a família toda, o exercício físico, as regras de alimentação… tem que haver o exemplo dos pais… É muito importante que a criança, a crescer, saiba quais as linhas vermelhas que não pode ultrapassar, aquilo que não é inegociável… é suposto que todos comam de todos os grupos alimentares… Quando a criança aumenta de peso nos primeiros dois anos vai ter uma relação direta da sua tendência para o excesso de peso e para a obesidade na adolescência…. O problema não é da criança, é da família e da comunidade em que está inserida, como a escola. Imaginação e criatividade na apresentação dos alimentos. A atividade física é sempre importante.

Educar um filho, uma criança, não é fácil. Os dias que correm apresentam muitas referências, valores, alternativas. Antes, a referência era a família, a Igreja, a escola. Hoje a escola é a primeira e quase única referência. As crianças passam grande parte do tempo dentro de quatro paredes, dentro do espaço confinado da escola. Diga-se em abono da verdade, que hoje em dia há uma maior consciência da envolvência comunitária na vida escolar e académica.

Outra pergunta que se coloca com frequência: orientar as crianças, ter uma ação mais “invasiva”, ou deixar andar, não contrariar as crianças, procurar respeitar os seus gostos e as suas inclinações. Há escolas em que os alunos escolhem as disciplinas que querem, os horários que lhes convém e os espaços em que querem estar… Mas queiramos ou não, não deixa de haver orientação. Os pais serão os primeiros responsáveis pela educação dos filhos e cabe dar-lhes as ferramentas e indicar-lhes o que consideram o melhor caminho. Quando chegar o tempo, os filhos decidirão que caminho seguir…

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/43, n.º 4530, 15 de outubro de 2019

Editorial da Voz de Lamego: Missionários do Coração de Jesus

No próximo dia 20 de outubro, Dia Mundial das Missões, realizar-se-á a Peregrinação Nacional do Apostolado de Oração, presente em muitas das nossas paróquias, e simultaneamente o Encerramento do Ano Missionário.

A propósito dos 175 anos do Apostolado de Oração, a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) preparou uma Nota Pastoral que ajuda a perceber, a enquadrar e, não menos importante, a incentivar a devoção ao Sagrado Coração, numa estreita ligação ao Apostolado de Oração, movimento da Companhia de Jesus, mas também obra do papa e que atualmente se apresenta como Rede Mundial de Oração do Papa (RMOP). “É uma Obra Pontifícia confiada à Companhia de Jesus, com um Diretor Mundial nomeado pelo Santo Padre. Tem como missão sensibilizar e mobilizar os cristãos, a partir de uma relação pessoal com Jesus, e todos os homens e mulheres de boa vontade, para os desafios do mundo e da missão da Igreja que o Santo Padre expressa nas suas intenções mensais de oração”.

Na referida Nota Pastoral, do “Coração de Cristo para o Coração do Mundo”, a CEP traça a identidade desta rede: “Fazer da vida diária uma oração pelos outros, especialmente pelas pessoas e situações pelas quais o Santo Padre pede uma atenção particular, é um tesouro da espiritualidade desta Rede Mundial de Oração. Motivamos, por isso, os numerosos Centros do Apostolado da Oração a continuarem a renovar a sua entrega generosa e fiel, em estreita colaboração com os párocos, na oração pessoal de oferecimento do dia, na celebração das primeiras sextas-feiras, no culto eucarístico e na devoção ao Sagrado Coração Jesus, centro da nossa fé”.

Apóstolos (apostolado) da oração, pois esse é a primeira missão do cristão. A oração permitir-nos-á chegar ao coração de Cristo e deixar que o Seu Amor preencha o nosso coração e na nossa vida. A nossa fé é o amor de Deus acolhido, vivido e partilhado. Assim começa e se realiza a missão da Igreja. Vale a pena, mais uma vez, mastigarmos as palavras do Santo Padre: “Todo o homem e mulher é uma missão, e esta é a razão pela qual se encontra a viver na terra. Ser atraídos e ser enviados são os dois movimentos do nosso coração”.

Enraizámo-nos na vida, morte e ressurreição de Jesus.  “A partir da cruz de Jesus, aprendemos a lógica divina da oferta de nós mesmos (cf. 1 Cor 1, 17-25) como anúncio do Evangelho para a vida do mundo (cf. Jo 3, 16). Ser inflamados pelo amor de Cristo consome quem arde e faz crescer, ilumina e aquece a quem se ama (cf. 2 Cor 5, 14)… Esta transmissão da fé, coração da missão da Igreja, verifica-se através do «contágio» do amor, onde a alegria e o entusiasmo expressam o sentido reencontrado e a plenitude da vida. A propagação da fé por atração requer corações abertos, dilatados pelo amor. Ao amor, não se pode colocar limites: forte como a morte é o amor (cf. Ct 8, 6). E tal expansão gera o encontro, o testemunho, o anúncio; gera a partilha na caridade com todos… Toda a pobreza material e espiritual, toda a discriminação de irmãos e irmãs é sempre consequência da recusa de Deus e do seu amor”.

Será preciso dizer mais alguma coisa?

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/42, n.º 4529, 8 de outubro de 2019

Editorial Voz de Lamego: Um mês extraordinariamente missionário

Ou talvez não.

A Igreja em Portugal procurou que o mês sugerido pelo Papa se traduzisse num ano especialmente missionário. A nossa diocese sintonizou com a decisão, procurando que Lamego se sentisse chamada e enviada em missão. É uma marca que os planos pastorais têm sempre presente. Também no ano pastoral que ora se inicia, a Igreja em Lamego é chamada a caminhar, a fomentar a comunhão. Esta tem um duplo movimento, é gerada pela missão, mas, por sua vez, leva à missão evangelizadora.

Na Sua mensagem para o Dia Mundial das Missões, no próximo dia 20 deste mês – Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo – o Santo Padre justifica o propósito: “Pedi a toda a Igreja que vivesse um tempo extraordinário de missionariedade no mês de outubro de 2019, para comemorar o centenário da promulgação da Carta apostólica Maximum illud, do Papa Bento XV (30 de novembro de 1919). A clarividência profética da sua proposta apostólica confirmou-me como é importante, ainda hoje, renovar o compromisso missionário da Igreja, potenciar evangelicamente a sua missão de anunciar e levar ao mundo a salvação de Jesus Cristo, morto e ressuscitado”.

A Igreja é missionária através de cada batizado. “A celebração deste mês ajudar-nos-á, em primeiro lugar, a reencontrar o sentido missionário da nossa adesão de fé a Jesus Cristo, fé recebida como dom gratuito no Batismo. O ato, pelo qual somos feitos filhos de Deus, sempre é eclesial, nunca individual: da comunhão com Deus, Pai e Filho e Espírito Santo, nasce uma vida nova partilhada com muitos outros irmãos e irmãs. E esta vida divina é uma riqueza para dar, comunicar, anunciar: eis o sentido da missão. Recebemos gratuitamente este dom, e gratuitamente o partilhamos (cf. Mt 10, 8), sem excluir ninguém. Deus quer que todos os homens sejam salvos, chegando ao conhecimento da verdade e à experiência da sua misericórdia por meio da Igreja, sacramento universal da salvação (cf. 1 Tm 2, 4; 3, 15; Lumen gentium, 48)”.

Desde a primeira hora, o Papa convocou a Igreja a sair ao encontro do mundo, dos outros, a ir até às periferias existenciais, para levar o Evangelho da Alegria, para partilhar os dons de Deus, para alimentar a esperança, para cuidar dos mais frágeis, para efetivar a caridade de Deus no serviço aos pobres e desprotegidos.

Os batizados são sempre missionários. O que recebemos é para anunciar, viver e partilhar. Não vivemos para nós próprios. “Eu sou sempre uma missão; tu és sempre uma missão; cada batizada e batizado é uma missão. Quem ama, põe-se em movimento, sente-se impelido para fora de si mesmo: é atraído e atrai; dá-se ao outro e tece relações que geram vida. Para o amor de Deus, ninguém é inútil nem insignificante. Cada um de nós é uma missão no mundo, porque fruto do amor de Deus”.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/41, n.º 4528, 1 de outubro de 2019