Arquivo

Archive for 15/11/2014

SUPERSTIÇÃO: falta de confiança em si e na providência de Deus

superstições

Quantas pessoas entram num lugar com o pé direito, vestem sempre determinada roupa para dar boa sorte, penduram ferraduras, batem na madeira para afastar o azar, não fazem nada no dia 13 e evitam qualquer coisa ligada a esse número?… Para não falar da maldição causada por gatos pretos, por passar debaixo de uma escada ou quebrar um espelho. Essas e outras práticas revelam uma falta de confiança em si e, principalmente, nos cuidados de Deus. Chama-se a isso superstição.

Uma crença

A superstição é a crença de que certas obras, objetos ou números têm força para dar sorte ou azar. E quanto menos uma pessoa conhece e vive o amor de Deus, tanto maior são as suas superstições. Por incrível que pareça, nos nossos dias, aumenta o número dos que se voltam para estas práticas e muitos mais os que a elas recorrem. Por todo o lado aparece publicidade de quem se apresenta como “especialista” para resolver problemas de dinheiro, amor, emprego, hérnias… E não se pense que só os analfabetos aparecem nestas “consultas”!

Fé e superstição são duas realidades completamente diferentes. Porquê? A fé está alicerçada nas promessas de Deus: A fé é o fundamento da esperança, é uma certeza a respeito do que não se vê” (Hb 11,1). Os heróis da Bíblia são apresentados como homens e mulheres que “graças à sua fé (em Deus) conquistaram reinos, praticaram a justiça, viram realizar-se as promessas”(Hb 11,33).

Medo paralisa

No Catecismo da Igreja Católica, a superstição é apresentada como um pecado contra o primeiro mandamento da lei de Deus: a superstição é o desvio do sentimento religioso e das práticas que ele impõe. Pode afetar também o culto que prestamos ao verdadeiro Deus, como por exemplo quando atribuímos uma importância mágica a certas práticas. Atribuir eficácia exclusivamente à materialidade das orações ou dos sinais sacramentais, sem levar em conta as disposições interiores que exigem, é cair na superstição (CIC 2111).

Por outro lado, a superstição cria medo na pessoa, levando-a a confiar em coisas e não em Deus. E uma pessoa supersticiosa nunca é livre, porque tem sempre medo.

Listagem do azar

Haverá muito mais, mas aqui ficam algumas das superstições mais “populares”, as 13 (por acaso) situações que alguns mais temem:

– Partir um espelho é sinónimo de 7 anos de azar

– Varrer os pés de uma pessoa faz com ela nunca se case

– Abrir o chapéu de chuva em casa atrai problemas

– Colocar uma vassoura ao contrário atrás da porta faz com que uma visita chata vá embora

– Ver um gato preto neste dia dá azar

– Passar por baixo de uma escada dá azar

– Devemos entrar sempre com o pé direito para dar sorte

– No dia do casamento o noivo não pode ver a noiva antes da cerimónia para não dar azar

– Ter a orelha quente significa que alguém está a falar de nós

– Bater 3x na madeira afasta os maus espíritos

– Nunca devem estar 13 pessoas à mesa

– Cruzar facas dá azar

– Colocar a mala no chão significa perder dinheiro.

O medo paralisa. Quantas pessoas não deixaram de dizer, fazer, ir, estar por causa de medos que têm origem em superstições como estas?

in VOZ DE LAMEGO, n.º 4288, ano 84/50, de 11 de novembro de 2014.