Arquivo

Archive for the ‘Vocações’ Category

Nota da Conferência Episcopal Portuguesa

Em homenagem a D. António Francisco

Foi com enorme tristeza e sentida consternação que recebemos a notícia do falecimento de D. António Francisco dos Santos, Bispo do Porto. Rezamos para que Deus Pai o acolha eternamente no seu Coração de Bom Pastor.

Como nos recorda D. Manuel Clemente, Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, em profunda homenagem a D. António Francisco, «ele foi entre todos nós, em Portugal, entre todos nós que o conhecemos e que tanto ganhamos com a sua convivência e com a sua ação, uma belíssima imagem do que é Cristo Bom Pastor que continua presente na Igreja e na sociedade em geral».

Na certeza da esperança, acreditamos que continua bem vivo entre nós o seu grande testemunho de Homem e Pastor simples e humilde, cheio de sabedoria e próximo das pessoas, intensamente dedicado aos seus diocesanos e sempre disponível para servir a Igreja em Portugal.

As Exéquias Solenes celebram-se no próximo dia 13, quarta-feira, às 15 horas, na Sé Catedral do Porto. O corpo de D. António estará em Câmara ardente a partir das 17h00 de hoje. A Catedral estará aberta das 9h00 às 24h00.

 

Lisboa, 11 de setembro de 2017

P. Manuel Barbosa, Secretário e Porta-voz da CEP

 

in Voz de Lamego, ano 87/42, n.º 4427, 12 de setembro 2017

Iraque: As Irmãs Dominicanas sonham com o regresso a casa 

Anjos-da-guarda 

Desde que foram obrigadas a abandonar o convento de Teleskuf onde viviam, no Verão de 2014, face à conquista da região pelos jihadistas do auto-proclamado “Estado Islâmico”, que as Irmãs Luma Khuder e Nazek Matty sonham com o dia de regresso a casa. Mas durante estes três longos anos não ficaram um dia sequer de braços cruzados. E criaram conventos de emergência…

Por muitos anos que vivam, dificilmente as Irmãs Luma Khuder e Nazek Matty esquecerão os dias de tumulto que ocorreram na Planície de Nínive, no Iraque, em Julho e Agosto de 2014, faz agora precisamente três anos. Nesses dias, perante o ensurdecedor silêncio do mundo, grupos jihadistas foram conquistando todos os palmos de terra da região, subjugando aldeias, vilas e cidades, obrigando milhares de cristãos a abandonarem tudo o que tinham para salvarem as próprias vidas. Num espaço de dias, às vezes até em poucas horas, muitas dessas aldeias e vilas ficaram vazias, sem ninguém para testemunhar o saque das casas, a destruição das capelas e igrejas, a profanação de todos os lugares sagrados. Fugiram quase todos para o Curdistão. Luma Khuder e Nazek Matty, irmãs dominicanas de Santa Catarina de Sena, assim como outras 70 religiosas, fizeram-se também à estrada. Não tinham alternativa. Quando partiram, quando olharam pela última vez para o convento de Nossa Senhora do Rosário, em Teleskuf, não conseguiram esconder as lágrimas. Quando chegaram a Erbil, ao Curdistão iraquiano, as Irmãs Luma e Matty eram refugiadas entre refugiados. Mas eram também verdadeiros anjos-da-guarda. Muitas vezes, Luma e Matty nada mais podiam oferecer do que o conforto dos seus abraços ou palavras de simpatia embrulhadas em sorrisos. Era quase nada mas ali, no meio daquele desespero humano, valia como um verdadeiro tesouro. Todos os dias havia alguém para consolar, havia alguém em lágrimas. Ler mais…

Voluntariado missionário: 1403 portugueses partem em 2017

18 pessoas deixam o seu emprego e 10 pedem licença sem vencimento para partir em missão

 

A Fundação Fé e Cooperação (FEC), organismo da Igreja Católica em Portugal, anunciou hoje que 1403 pessoas vão dedicar-se a ações de voluntariado missionário em 2017.

“389 jovens e adultos realizam projetos de voluntariado missionário em países em vias de desenvolvimento e 1014 desenvolve atividades de voluntariado/missão em Portugal”, refere um comunicado da instituição, enviado hoje à Agência ECCLESIA.

Este é um número global mais alto do que em 2016, verificando-se um aumento no número de voluntários que parte para missões fora da Europa, segundo dados estatísticos da Rede de Voluntariado Missionário coordenada pela FEC – Fundação Fé e Cooperação.

O elenco inclui voluntários que abdicam dos seus empregos e salários para partir em missão

“Com idades compreendidas entre os 18 e os 50 anos, 18 pessoas deixam o seu emprego e 10 pedem uma licença sem vencimento para partir este ano para países em desenvolvimento”, assinala a nota de imprensa.

A este número somam-se 10 desempregados que vão dedicar-se a experiências de voluntariado missionário. Ler mais…

Categorias:Testemunho, Vida, Vocações Etiquetas:, ,

Ordenações sacerdotais – 2 de julho – 16h00 – Sé de Lamego

À conversa com os nossos Diáconos Ângelo, Diogo e Luís Rafael

Para os nossos leitores, quem sois vós?

Ângelo: “Porque eu sou, junto de Vós, um peregrino, um caminhante como os meus antepassados” (Sl 38,13). Um peregrino em rumo à pátria do amor trinitário. Frequentei o Seminário Maior de Lamego durante seis anos (2009-2015). No período de 2015-2016 fiz uma paragem para uma etapa diferente no percurso vocacional. Durante esta etapa estive ligado a uma Organização Não-Governamental de inspiração cristã, chamada Leigos para o Desenvolvimento.

Diogo: Bem, penso que nós não somos os melhores a falar de nós mesmos… Sou um diácono, natural de um lugar chamado Mazes, pertencente à Paróquia de S. Miguel de Lazarim. Depois de ter frequentado os Seminários da nossa Diocese, estou a fazer o estágio pastoral com o Pe. Bráulio Carvalho e o Pe. Jorge Giroto, nas Paróquias de Alvite, Leomil e Sever. E, juntamente com dois diáconos da nossa Igreja de Lamego, preparo-me para a Ordenação Presbiteral.

Luís: Sou aquele menino que cresceu junto às águas do Távora, em Vila da Ponte. Sou aquela criança irrequieta que nem sempre se portava bem na catequese mas gostava muito de vestir a alva e ajudar o Senhor Padre na Missa. Sou aquele adolescente aventureiro que encontrou no Seminário de Resende uma nova casa. Sou aquele Jovem Sem Fronteiras que sempre procurou “estar perto dos que estão longe, sem estar longe dos que estão perto”. Sou aquele estudante de teologia… seminarista… filho… amigo… diácono… discípulo-missionário… embalado pelo Amor de Deus.

Ler mais…

SACERDÓCIO E COMUNHÃO | Editorial Voz de Lamego | 27 de junho

A edição desta semana da Voz de Lamego dá grande destaque às Ordenações Sacerdotais que se aproximam rapidademente. O Pe. Joaquim Dionísio, nosso Diretor, faz eco deste acontecimento importante para a vida da Igreja, em particular da Igreja na Diocese de Lamego…

SACERDÓCIO E COMUNHÃO

No próximo domingo, primeiro de julho, a nossa diocese alegra-se com a ordenação sacerdotal dos três diáconos que o nosso jornal apresenta, nesta edição, aos nossos leitores. Em simultâneo, damos graças ao Senhor da Messe pelo dom da vocação e felicitamos estes jovens pela generosa resposta ao chamamento, o caminho percorrido e a decisão tomada.

A propósito, vale a pena recordar uma passagem que o Concílio Vaticano II dirigiu aos padres: “Os presbíteros, tirados dentre os homens e constituídos a favor dos homens nas coisas que se referem a Deus, para oferecerem dons e sacrifícios pelos pecados, convivem fraternalmente com os restantes homens” (PO 3).

No Antigo Testamento, o sacerdote é o “homem do sagrado”, separado dos irmãos. Uma separação que visa recordar-lhe que está ao serviço de Deus, o “totalmente Outro”. O sacerdote faz parte de uma tribo, a tribo de Levi, que não tem território e o sumo-sacerdote deve separar-se do povo para entrar sozinho no santuário.

O sacerdote (padre) do Novo Testamento é o homem da comunhão, o irmão sobre quem o último concílio insiste longamente no que respeita às suas relações com o bispo, com os outros padres e com todos os baptizados. Ele é o irmão, sinal de um Deus que quis incarnar-se, e o coração do seu ministério é a Eucaristia, mistério da união entre a humanidade e Deus. E toda a sua vida deve manifestar o essencial.

Os padres, tal como os demais cristãos, são chamados a não viverem para si próprios, mas a saberem, segundo as exigências da lei da caridade, colocar ao serviço dos outros os dons recebidos (cf. PO 6).

Rogando a Deus pelos esperados membros do nosso presbitério, felicitamos os futuros Padres Ângelo Santos, Diogo Rodrigues e Luís Rafael, a quem desejamos uma vivência plena e apaixonada da missão sacerdotal.

 

in Voz de Lamego, ano 87/33, n.º 4418, 27 de junho 2017

SEMANA MISSIONÁRIA | “Com Maria IDE por todo o mundo”

Durante quatro dias (18 a 21 de maio) as comunidades de Moimenta, Fornelos e Travanca (Cinfães) diocese de Lamego, acolheram e viveram a chamada semana missionária, dinamizada pelos padres Fabrício Pinheiro, pároco das comunidades e delegado diocesano para as Obras Pontifícias Missionárias, Francisco Costa, o Dehoniano, João Batista, Consolata, Joaquim Pinho, Boa Nova; e pelas Irmãs Zélia Esteves, Reparadora do Coração Jesus, Isabel, da Boa Nova, Aurora e Arlete, Combonianas. Os missionários, pertencentes a vários Institutos Religiosos Missionários Ad Gentes (missões fora do país), estão congregados numa associação chamada ANIMAG, que significa Animadores Missionários Ad Gentes e cujos objetivos são: partilhar o entusiasmo do seu «sim» a Jesus Cristo; partilhar a sua vocação e experiencias missionárias, animar a fé dos crentes; propor a todas as «periferias» existências e geográficas a Boa Nova da Redenção.

Foram quatro dias intensos e de partilhas de fé extraordinários. Unidos ao pároco e à diocese de Lamego, a equipa propôs-se rezar e celebrar a Eucaristia com as comunidades; visitar os doentes; partilhar experiências missionárias feitas no Brasil, Sudão, Moçambique e Angola; participar da atividade diocesana da Jornada da Juventude em Nespereira; encontrar-se com os alunos da escola de Travanca e com as catequeses da infância e da juventude de todas as comunidades. Foi uma bela experiência de fé e de Igreja! “Vale a pena ser cristão” ouvia-se de vez em quando. Foram bem patentes o acolhimento e a alegria das pessoas, a sede de Deus e o desejo de ser cada vez mais membro ativo da Igreja e o desejo de colaborar com a obra de Deus nos espaços que habitamos e na união com os que partem para as fronteiras da missão.

Cabe aqui uma palavra de gratidão ao Padre Fabrício que desde a primeira hora acolheu e acarinhou a proposta missionária e nos apoiou em tudo o que foi necessário. Um obrigado de todo o coração às comunidades de Moimenta, Fornelos e Travanca pela alegria, coração aberto e ternura com que nos acolheram e pela experiência de fé que a todos enriqueceu. Obrigado também à Irmandade do Senhor dos Enfermos que na pessoa do pároco e da professora Cristina nos concederam guarida e a delicadeza atenta para que não nos faltasse nada. Bem hajam!

Que a chama do Amor de Deus continue a brilhar nas vossas comunidades e ilumine todos os recantos da vida quotidiana. Obrigado|

Pelo Animag

Pe Francisco Costa, scj e Presidente Nacional

Dos Animadores Missionários Ad Gentes

in Voz de Lamego, ano 87/28, n.º 4413, 23 de maio de 2017