Arquivo

Posts Tagged ‘Zona Pastoral de Cinfães’

JAM de Travanca – Cinfães: MÊS DE MARIA

travanca-jam

No passado dia 28 de Maio decorreu em Travanca o Encerramento do Mês de Maria. Os JAMistas não se pouparam a esforços no arranjo das flores para a realização de um belo tapete e do andor de Nossa Senhora Rainha da JAM. Foi um sábado de trabalho, mas de muita alegria. Quanta alegria a nossa pela presença amiga e simpática do núcleo e S. João de Ovil – Baião. Mais do que um grupo de amigos, somos um grupo de irmãos em Cristo e Sua e nossa MÃE.

O tempo não ajudou pois foi um dia de muita chuva, mas mesmo assim a nossa comunidade não teve receio e encheu a nossa Igreja Paroquial, que bela noite de oração.

Às 21H00 iniciou-se a celebração da Eucaristia, presidida pelo nosso pároco o senhor padre Fabrício Pinheiro, após a entrada triunfal e em procissão do andor de Nossa Senhora Rainha da JAM.

No momento de ofertório foi tempo para oferecermos um Globo para simbolizar o mundo inteiro e pedirmos a Jesus que molde este Mundo na verdadeira Unidade para juntos peregrinarmos até ao Pai; oferecemos ainda duas Mão como símbolo, por um lado da nossa dependência de Deus, e por outro, como forma de pedido de proteção. Por fim oferecemos a Coroa de Nossa Senhora, para que junto com o Santo Papa João Paulo II, no entreguemos a Jesus e a Maria e assim possamos eleger Nossa Senhora como nossa Rainha entregando-lhe a responsabilidade das nossas vidas, do nosso futuro e da nossa aspiração à santidade.

Finda a Santa Missa, saímos em procissão pela estrada fora, em manifestação de fé pública e vivida, novamente com o andor de Nossa Senhora.

Cada pessoa levava consigo uma vela que nos ajudava no recolhimento interior.

Recitamos o Terço do Rosário, meditando nos Mistérios Gloriosos, intercalando com cânticos alusivos a Nossa Senhora. Sentíamos que a MÃE tinha que estar contente connosco, pois demonstramos ser JAMistas de corpo e alma, sem respeitos humanos que nos perturbassem.

Finda a procissão, e a pedido do nosso pároco, casa pessoa trouxe consigo uma flor, que entregou à Mãe simbolizando as suas intenções, os seus pedidos para com ela.

De seguida, o nosso pároco procedeu à Coroação de Nossa Senhora, com a coroa oferecida no ofertório, e chamou até junto dela o Núcleo da JAM de Travanca e o núcleo convidado para juntos nos Consagrarmos à Nossa Mãe

No final foram proferidas palavras de agradecimento em primeiro lugar a Jesus e Sua Mãe. Agradecemos ao senhor Padre Fabrício, por ter proporcionado que fosse possível o nosso encontro, ao núcleo da JAM, que connosco veio rezar, às pessoas que nos ajudaram e à comunidade em  geral.

Com eventos desta natureza, a JAM não acaba. Recomenda-se.

VIVA A JAM!

Núcleo de Travanca, in Voz de Lamego, ano 86/26, n.º 4365, 31 de maio de 2016

6.º Ano do Seminário: Conhecer a realidade pastoral da Diocese

IMG_6312

Tendo em vista uma melhor preparação para o exercício do ministério presbiteral, o nosso sexto ano de teologia está a ser rico em formações práticas que nos proporcionam um maior conhecimento da nossa realidade diocesana, seus movimentos, departamentos, serviços, etc.

Ainda imbuídos na experiência dos Cursilhos de Cristandade realizados no passado mês de abril, recebemos no dia dez de maio, no nosso Seminário Maior de Lamego, o senhor José Luís Morais e a sua esposa, para nos falar do que é no concreto o Cursilho e a sua importância na vida paroquial e eclesial. Ficamos a conhecer melhor a História deste movimento, as suas características fundamentais e a sua evolução ao longo destes anos todos. Pudemos também partilhar experiências e reconhecer que o papel dos leigos é muito importante na Igreja. Cristo conta com todos nós para o anunciarmos, não só na igreja mas também nos ambientes onde estamos inseridos.

No dia treze de maio, juntamente com o nosso Reitor, Padre Joaquim Dionísio, deslocamo-nos até terras de Cinfães, mais concretamente até à Paróquia de Tendais, onde fomos recebidos pelo senhor Padre Adriano Alberto que aceitou falar-nos um pouco sobre a sua experiência como fundador e diretor de uma IPSS. Num diálogo fraterno marcado pela disponibilidade para esclarecer algumas das nossas questões, sentíamos que estávamos a ter uma aula de Doutrina Social da Igreja in loco.

Alertados para as dificuldades burocráticas e sensibilizados para as necessidades do povo de Deus, percebemos que um sacerdote pode desempenhar um papel muito importante nessa área socio-caritativa. Numa diocese do interior, como é a nossa, a existência desse tipo de instituições apresenta-se como um meio importantíssimo para dar resposta a muitos problemas escondidos, para apoiar pessoas esquecidas, para criar emprego.

Foi uma semana rica em testemunhos! Agradecemos ao senhor José Luís e à sua esposa a disponibilidade manifestada desde o primeiro instante, em vir ao seminário, e a alegria em nos poderem ajudar a conhecer este movimento, que tal como outros é tão importante para a vitalidade da Igreja e para a nossa Diocese.

Manifestamos igualmente a nossa gratidão ao Padre Adriano e ao Padre Francisco Marques, que também esteve connosco, por nos terem dado a conhecer a beleza do serviço a Deus e a responsabilidade do compromisso com todos, principalmente com aqueles que mais necessitam.

Diogo Rodrigues e Luís Rafael Azevedo,

in Voz de Lamego, ano 86/24, n.º 4363, 17 de maio de 2016

Peregrinação Jubilar da Zona Pastoral de Cinfães ao Santuário da Lapa

cinfaes-lapa1

Cinfães na Lapa – Peregrinação Jubilar

1. Em busca da Porta Santa partiram manhã cedo no dia 24 de abril.

A Zona Pastoral de Cinfães, em peso, rumara ao Santuário da Lapa. Milhares.

Todos os párocos e todas as paróquias, cada uma com duas ou 3 camionetes cheias, além das viaturas particulares.

Às 10 horas, tudo à «Porta»; padres, acólitos, escuteiros, povo e estandartes ao vento falando da fé. A fé também se vê.

A «Porta  Santa» do Santuário estava aberta e à espera o Sr. D. Jacinto que a todos recebeu e deu as boas vindas.

Seguiu-se a oração pelo Papa Francisco, a comunhão com o bispo diocesano e o «sede bem vindos» à multidão apinhada junto à Porta Jubilar.

«Entrai». As portas são para entrar. «A porta da graça está sempre aberta».

Ler mais…

CAPELA DO SENHOR DOS ENFERMOS: OBRAS DE RESTAURO

Fornelos-restauro

No segundo domingo de Páscoa, dia três de abril, a paróquia de São Martinho de Fornelos, no concelho de Cinfães, vivenciou momentos de grande alegria com a reabertura da capela do Senhor dos Enfermos, no lugar de Macieira, após as obras de conservação e restauro a que foi sujeita. A capela foi pequena para acolher todos os fiéis que quiseram estar presentes, sinal de grande fé no Senhor dos Enfermos.

A cerimónia foi presidida pelo Senhor Vigário Geral, Monsenhor Joaquim Dias Rebelo, em representação do Senhor Bispo da Diocese de Lamego, Dom António Couto. O evangelho do dia falava em São Tomé, apóstolo que, perante a notícia da ressurreição de Jesus, negou-se a acreditar. “Se eu não vir o sinal dos cravos nas suas mãos, e não puser o dedo no lugar dos cravos, e não puser a minha mão no seu lado, de maneira nenhuma acreditarei.” Perante a presença de Jesus, vivo, diante dos seus olhos, Tomé rendeu-se e, movido pela poderosa fé que sentia no coração, disse o que até aí não tinha descoberto: “Meu Senhor e meu Deus.” Jesus responde-lhe:Acreditaste, porque me viste? Bem-aventurados os que creram sem terem visto!” E foi esta mesma fé, este acreditar sem ter visto, que encheu a capela do Senhor dos Enfermos, num desejo de partilhar aquele momento com toda a comunidade e, acima de tudo, partilhá-lo com Deus, naquela que é a sua casa agora renovada.

Já quase no final da cerimónia, a presidente da Irmandade do Senhor dos Enfermos, professora Cristina Miranda, leu um discurso de agradecimento a todos aqueles que deram o seu contributo, tornando esta obra uma realidade. As entidades políticas locais, designadamente os presidentes da Câmara Municipal de Cinfães e da Junta de Freguesia de Fornelos, não deixaram de estar presentes, tendo ambas as entidades subsidiado a obra. A presidente fez também uma breve alusão a todo o processo percorrido e o que há ainda a percorrer, mencionando a preciosa colaboração dos Senhores Padres Vítor Pinto e José Augusto Cardoso enquanto anteriores párocos da freguesia, e do Senhor Padre Fabrício Pinheiro, atual pároco.

De entre todos os agradecimentos, o mais marcante foi, certamente, a menção aos antepassados que ergueram a capela e cujos nomes foram agora postos a descoberto com o restauro do teto. “Foram eles os primeiros e principais responsáveis por tudo isto que agora vemos, sendo que, se hoje esta capela é uma realidade, acolhendo anualmente milhares de fiéis, é a eles que o devemos. Estejam onde estiverem, as suas almas estarão certamente em paz, e aqui fica o nosso sincero agradecimento e um grande bem hajam por todo o legado que nos deixaram.”

Terminada a cerimónia, os participantes partilharam um lanche, fruto da colaboração de todos, ficando o desejo de que o santuário do Senhor dos Enfermos seja, e continue a ser, um local de muita fé, de oração e de encontro com Deus.

A Presidente da Irmandade:

Cristina Miranda, in Voz de Lamego, ano 86/21, n.º 4358, 12 de abril de 2016

Via Sacra na Paróquia de Fornelos, de Cinfães

fornelos

A Via Sacra é, por definição, uma oração que tem como objectivo meditar na paixão, morte e ressurreição de Cristo. É relembrar o caminho da dor e do sofrimento de Jesus, no percurso de sua Divina missão Redentora, quando demonstrou uma profunda obediência ao Pai eterno e um infinito Amor à humanidade de todas as gerações. É o reviver dos últimos momentos da sua vida na Terra.

Foi nesta linha que no passado dia 12 de Março, na Igreja Paroquial de Fornelos, o grupo de teatro amador “Mant’Art” constituído por pessoas da comunidade paroquial, nomeadamente, pais e catequizandos, levaram a cabo uma encenação teatral que teve como principal objectivo compreender melhor a pessoa de Jesus e o amor que teve por nós ao ponto de ter sido crucificado, sofrendo muito, para que aprendêssemos verdadeiramente o que é amar.

A encenação, que foi realizada com grande rigor e seriedade, mexeu com as emoções de toda a comunidade que, em grande número, assistia, levando muitas pessoas “às lágrimas”, fazendo, assim, com que revivessem na mente e no coração a grandeza do Amor de Deus.

Cumpriu-se portanto o objectivo principal da actividade que era recordar o percurso doloroso de Jesus desde a sua condenação até à sua morte e ressurreição, levando toda a comunidade a fazer uma introspecção relembrando que durante a vida devemos retirar dos nossos corações o ódio, o rancor, a inveja, os zelos que se opõem ao nosso amor a Deus e aos irmãos.

Assim, a cruz de Cristo simboliza o amor e ensina a olhar para o outro com misericórdia, sobretudo para quem sofre, quem tem necessidade de ajuda, quem espera uma palavra, um gesto. A Cruz convida a que sejamos capazes de sair de nós mesmos para ir ao encontro de quem mais precisa.

Foi então desta forma que a Comunidade Paroquial de Fornelos abriu as portas à semana santa que se aproxima, uma semana de particular intensidade e importância para os seus cristãos, assim como, para os cristãos do mundo inteiro.

Paróquia de Fornelos, Cinfães

Pelo Grupo de Teatro “Mant’Art”, in Voz de Lamego, ano 86/18, n.º 4355, 22 de março de 2016

Falecimento de Emigrantes em França | Nota da Vigararia Geral

acidente21350ee6

(Foto da Rádio Renascença)

Nota da Vigararia Geral

O Senhor Bispo D. António Couto e a inteira Diocese de Lamego, associam-se à dor das famílias atingidas pela perda dos seus entes queridos, falecidos no acidente desta quinta-feira à noite, em Moulins, França, onde perderam a vida mais de uma dezena de emigrantes portugueses que regressavam a Portugal para as festas pascais. Ente as vítimas contam-se alguns emigrantes oriundos  dos Concelhos de Cinfães e de Sernancelhe, da Diocese de Lamego.

Rezamos pelos falecidos, que em Tríduo Pascal se identificam com a morte de Cristo, para que com Ele tomem parte na glória da ressurreição.

Às famílias, e às comunidades paroquiais, reafirmamos a certeza da nossa proximidade na oração.

Pe. João Carlos Costa Morgado, Pró – Vigário Geral

Zona Pastoral de Cinfães: Encontro de preparação para a Quaresma

DSC_0171

A forte chuva, que se fez sentir na manhã do passado dia 13, não intimidou as cerca de cinco dezenas de jovens oriundos das paróquias de Cinfães, S. Cristóvão, Piães, Tarouquela, Oliveira do Douro, Ferreiros, Nespereira, Tendais e Moimenta, da zona Pastoral de Cinfães, que marcaram presença no salão paroquial de Cinfães para um encontro de reflexão sobre a Quaresma.

Da equipa coordenadora estiveram presentes: os chefes, Tó do agrupamento do CNE de Cinfães,  Sandra do agrupamento do CNE de Tendais, e Alexandre, do agrupamento do CNE de Oliveira do Douro; e responsáveis dos  grupos de jovens de Tarouquela a  Marta e de Moimenta a Simone.  Estes elementos, com o apoio da Amanda de S. Cristóvão, tiveram a seu cuidado: previamente a preparação e a divulgação do encontro; no próprio dia, o acolhimento, a animação, a apresentação do tema e o acompanhamento dos trabalhos de grupo.

Balões coloridos, que alegraram a chegada de cada grupo e reforçaram a motivação para a participação, ajudaram a sentir, ao contrário do que por vezes se pensa, que a Quaresma não é um tempo triste. Pelo contrário, as práticas penitênciais que propõe, a oração, a ajuda  e o jejum, pela conversão que proporcionam, são portadoras de uma verdadeira alegria, que encontra seu fundamento último na celebração da ressurreição gloriosa de Jesus Cristo.

Após a oração da manhã deu-se início aos trabalhos propriamente ditos. Uma exposição, centrada nas obras de misericórdia e apoiada num expressivo diaporama, envolveu todos os participantes numa atenta reflexão. Neste ano da misericórdia, e particularmente no tempo quaresmal, é fundamental saber estar atento a tantas formas de sofrimento que nos rodeiam. As obras de misericórdia: apontam-nos caminhos de proximidade junto dos mais sós e carenciados, ajudando a reconhecer neles o rosto sofredor de Jesus; e despertam nos para incoerências e mesmo hipocrisias de muitas das nossas atitudes e comportamentos.

Seguiu se a reflexão por grupos em que os jovens meditaram sobre o tema em questão  tendo partilhado de seguida, com criatividade e em grupo  as suas reflexões e os seus propósitos. A mensagem tinha sido acolhida e compreendida, agora o importante é que chegue à vida. São reconhecidas dificuldades, mas o encontro veio reforçar as motivações. Vale a pena abraçar com confiança o percurso quaresmal de preparação da Páscoa de Cristo.

De registar o testemunho de vários jovens que afirmaram ter vindo, porque mobilizados pelo  encontro de Janeiro no Seminário de Resende, com o Padre Tony Neves, e pela união  entre todos. O encontro terminou lembrando e apelando à participação na Jornada Diocesana da Juventude a realizar no próximo mês de Maio em Tarouca, agradecendo a Deus a oportunidade proporcionada neste encontro e invocando a orientação e alento de Maria, a Mãe da Misericórdia.

Que nesta Quaresma todos nos sintamos «chamados à misericórdia e ao perdão».

Pela  equipa, Simone,

in Voz de Lamego, ano 86/13, n.º 4350, 16 de fevereiro de 2016

Zona Pastoral de Cinfães | Encontro de Jovens

cinfaes-VL jovensNo passado fim de semana, 16 e 17 de janeiro, cerca de cinco dezenas de jovens da Zona Pastoral de Cinfães, estiveram reunidos para um encontro de reflexão sobre o tema «Oração e Misericórdia». O local escolhido para o encontro foi o Seminário de Nossa, Senhora de Lurdes em Resende, que proporcionou aos participantes um bom acolhimento disponibilização também os meios e espaços necessários.

Promovido por uma equipa de jovens, daquela zona pastoral, que integra os chefes dos três agrupamentos dos Escuteiros do concelho de Cinfães e com a colaboração dos sacerdotes da zona pastoral de Cinfães, tinha como objetivo despertar os jovens participantes para a vivência  do Ano da Misericórdia que tem como lema «Misericordiosos como o Pai».

Foi um encontro muito proveitoso sob a orientação do pe. Tony Neves, missionário do Espirito Santo, que nos levou a aprofundar a dimensão da oração, o sentido da nossa relação com Deus, e sobretudo da missão com misericórdia. Com recurso a passagens bíblicas e sobretudo com a sua experiência de vida missionária, deu-nos grandes exemplos para a vivência da Misericórdia.

Participaram no encontro jovens oriundos das paróquias de Nespereira, Moimenta, Espadanedo, Tarouquela, Santiago de Piães, São Cristóvão de Nogueira, Cinfães, Oliveira do Douro, Ferreiros e Tendais. Distribuídos por grupos refletiram sobre o tema e com muita criatividade intervieram com representações sobre a vivência da misericórdia. A apoiar o trabalho desenvolvido esteve uma equipa constituída: pelos chefes Tó, do Agrupamento do CNE de Cinfães; Sandra e Filomena, do Agrupamento do CNE de Tendais; e Alexandre, do Agrupamento do CNE de Oliveira; e ainda pela Simone, Amanda, Marta e José Manuel das paróquias de Moimenta, São Cristóvão de Nogueira, Tarouquela e Piães. Passaram pelo Seminário e encontraram-se com os participantes os padres Adriano Pereira, Francisco Marques e José Augusto Cardoso.

No final do encontro cada jovem deixou uma mensagem, relacionada com a vivência daquele fim de semana, que foi partilhada entre todos: como cristãos, somos chamados a ir mais além, pois só assim seremos misericordiosos como o Pai.

Pela equipa: Simone e Amanda,

in Voz de Lamego, ano 86/09, n.º 4346, 19 de janeiro de 2016

Zona Pastoral de Cinfães: formação para agentes pastorais

cinfaes

 

No passado dia 28 Novembro, durante a manhã, no salão paroquial de Cinfães, decorreu uma ação de formação para todos os agentes pastorais desta zona pastoral de Cinfães que se havia de repetir, durante a tarde desse mesmo dia, em Resende.

Como não poderia deixar de ser, o tema escolhido foi a Misericórdia de Deus, muito bem explanado pelo formador, Sr Pe. Diamantino Alvaíde, pároco de Cabaços e Moimenta da Beira, há pouco tempo regressado de Roma, onde se formou em Pastoral.

Na sua alocução, o Reverendo Pe. Diamantino começou por referir que a data escolhida, 8 de Dezembro de 2015, pelo Papa Francisco, para o início do Ano da Misericórdia, teve por base dois fatores marcantes na vida da Igreja – o cinquentenário do encerramento do concílio Vaticano II e simultaneamente dia da Imaculada Conceição, Mãe da Igreja.

Bem explicados foram os ensinamentos vivenciais da Bula da proclamação do Jubileu Extraordinário da Misericórdia – Rosto da Misericórdia – como condição para a nossa salvação, palavra reveladora do mistério da Santíssima Trindade, lei fundamental que mora no coração humano e caminho que une Deus ao homem.

Algumas das manifestações da misericórdia divina nos Evangelhos, os desafios que se nos colocam, direcionados ao coração dos irmãos e às periferias existenciais, com tradução na prática das 14 obras de Misericórdia, foram os alicerces da introspeção que cada participante teve o prazer de degustar para poder depois levar para os seus ambientes.

Foram ainda proporcionadas sugestões, a partir da Bula Papal, para um melhor aprofundamento da vida cristã, neste ano jubilar, como seja: acolhimento de todos, especialmente os mais desprotegidos, Laus perene e adoração ao Santíssimo individualmente e, como não podia deixar de ser, a frequência ao Sacramento da Reconciliação, com todos os requisitos exigidos – arrependimento, confissão e conversão.

O Sr. Pe. Adriano, arcipreste de Resende/Cinfães, informou os presentes, que entre outras iniciativas a levar a cabo no arciprestado, em Cinfães, a Igreja paroquial vai estar aberta, nos dias 10 e 26, de cada mês, com exposição do Santíssimo, havendo sacerdotes para a administração do sacramento da Reconciliação, a quem o desejar.

Os cerca de oito dezenas de participantes ficaram mais conscientes para a vivência do ano dedicado à Misericórdia, que decorre entre 8 de Dezembro próximo e o dia 20 de Novembro de 2016, tendo como princípios orientadores documentos pontifícios e episcopais entre os quais se destaca a carta pastoral do nosso Bispo D. António Couto, publicada na apresentação do ano pastoral da nossa diocese.

Serão sempre bem vindas estas ações formativas, pois, no fundo estamos a falar de catequese de que tanto está ávido o povo de Deus.

Aqui fica o agradecimento aos mentores da iniciativa e esperamos que outras se sigam.

V.M., in Voz de Lamego, ano 85/53, n.º 4340, 1 de dezembro

Paróquia de Moimenta de Cinfães acolhe Pe. Fabrício Pinheiro

Tomada de Posse 019 (3)

No dia 27 de setembro a ornamentação da igreja de São Martinho de Moimenta demonstrava que era um dia festivo. Passadeira de flores à entrada da igreja e um arco envolto com xailes coloridos embelezavam a fachada da igreja.  Sim! Era a receção do seu novo pároco, o padre Fabrício Pinheiro.

Os sons dos foguetes anunciavam a sua chegada, acompanhada do Pró-Vigário geral, padre João Carlos Morgado. No início da Eucaristia, um representante do Conselho Económico leu um texto de boas-vindas e congratulou-se em Moimenta ser uma das suas primeiras paróquias do seu ministério presbiteral, de seguida uma criança da catequese presenteou-o com um ramo de flores.

Durante a Eucaristia, logo após a leitura da provisão episcopal e a entrega das chaves da igreja e do sacrário, foi saudado com uma salva de palmas. O pe. João Carlos Morgado, que presidiu a celebração, deixou uma palavra de gratidão ao anterior pároco, padre Luís Pedro Costa, pelo trabalho desempenhado em oito anos naquela paróquia. Ao povo de Moimenta pediu-lhes que acolhessem o pe. Fabrício com ternura maternal, fazendo analogia aos xailes que as mães usam para aconchegar os filhos e que utilizaram para enfeitar o portal da igreja.

Antes de terminar a celebração foi lido um texto de agradecimento ao sr pe. Luís Pedro pelo serviço  e dedicação ao longo dos oito anos que ali esteve, tendo sido homenageado com uma lembrança oferecida pelas crianças da catequese.

Que Deus continue a dar forças ao padre Luís Pedro para continuar a sua vocação, sob o seu lema sacerdotal, «Eu não vim para ser servido, mas para servir».

E que, o pe Fabrício, recém-ordenado, faça das paróquias que lhe foram confiadas, através da vivência sacramental, verdadeiras comunidade, unidas pelo amor fraternal e empenhadas a testemunharem os valores do Reino de Deus.

Simone,  in Voz de Lamego, ano 85/45, n.º 4332, 6 de outubro