Arquivo

Posts Tagged ‘Vida’

Pe. Inocêncio António Dias Fernandes | 1945-2022

O Senhor Deus, Pai de bondade infinita, chamou à Sua presença eterna, a 23 de julho, do corrente ano de 2022, o nosso irmão, Pe. Inocêncio António Dias, aos 77 anos. Viveu os últimos tempos marcado pelo cancro e pelos diversos tratamentos. Natural de Paipenela, no concelho da Mêda, nasceu a 4 de julho de 1945. Filho de Luís Augusto Fernandes e de Maria Isabel Dias da Cruz.

Foi ordenado diácono, na Capela do Seminário de Lamego, a 4 de novembro de 1968 e sacerdote, na Sé Catedral, pelas mãos do então Bispo da Diocese, D. João da Silva Campos Neves, a 31 de julho de 1969.

Tendo frequentado os dois seminários, o menor e o maior, depois de ordenado foi nomeado pároco de Lazarim e Meijinhos, a 15 de outubro de 1969; a 12 de janeiro de 1991, foi nomeado administrador paroquial de Lalim; a 4 de outubro de 2000, foi nomeado pároco de Bigorne e do Mezio, e a 16 de outubro de 2003, foi nomeado pároco de Melcões, no Arciprestado de Lamego.

D. António Couto, e com ele todo o presbitério diocesano, manifesta a suas condolências a familiares e amigos, agradece a sua vida e o seu ministério sacerdotal, confia-o nas mãos de Deus e à Sua misericórdia infinita, certo da ressurreição dos mortos e da vida eterna

A celebração de Missa, de corpo presente, será nesta Domingo, 24 de julho, pelas 18h30, em Meijinhos, presidida pelo nosso Bispo D. António. No final da Eucaristia, irá a sepultar no cemitério local.

Antes, pelas 16h00, haverá também Missa na Igreja da Graça.

Deus lhe dê o descanso eterno.

Falecimento do Diácono Luís Cardoso

O Senhor Deus, Pai de Misericórdia, chamou à eternidade do Diácono Permanente, Luís Cardoso, natural de São Martinho de Mouros, Resende, onde nasceu a 5 de março de 1938, vindo a falecer aos 84 anos, a 14 de julho de 2022. Foi ordenado diácono em 28 de julho de 2001, colaborando em diversas paróquias de Cinfães e de Resende.

A celebração das Exéquias está marcada para sábado, pelas 10h00, na Igreja Matriz de São Martinho de Mouros, seguindo-se o funeral no cemitério local.

D. António Couto, Bispo de Lamego, em seu nome e do presbitério e diocese de Lamego, endereça as suas condolências à família e amigos, confiando na misericórdia benevolente de Deus para Quem e em Quem todos vivem.

Confiamos a Deus o reverendo Diácono Luís Cardoso.

Categorias:Falecimento, Vida Etiquetas:, ,

Editorial Voz de Lamego: A vida, a vinha e o vinho (generoso)

A diocese de Lamego é território de bons vinhos, não estivéssemos numa das regiões demarcadas mais antigas e mais conhecidas. Vinho generoso (tratado, fino, do Porto), que deu fama à região, mas também vinhos de mesa, brancos e tintos, vinho espumante. O pão não pode faltar à mesa dos portugueses, nem o vinho pode faltar às festas de verão, e das outras estações do ano, a casamentos e batizados, a aniversários. Mesmo com a proliferação de outras bebidas, o vinho continua a ser como que a base para as festas dos adultos!

Na Bíblia, a vida futura (o reino de Deus) é comparada a um banquete: “Sobre este monte, o Senhor do Universo há de preparar para todos os povos um banquete de manjares suculentos, um banquete de vinhos deliciosos: comida de boa gordura, vinhos puríssimos” (Is 25, 6).

No Evangelho de São João, o início da vida pública de Jesus acontece nas Bodas de Caná. Maria, Sua Mãe, é convidada. Jesus e os discípulos também estão entre os convidados. A determinada altura, Maria dá-se conta que está a faltar um dos ingredientes indispensáveis para a festa, e vai dizê-lo a Jesus: “Não têm vinho”. Na aparente relutância de Jesus, a confiança de Maria que vai ter com os serventes e lhes diz: “Fazei tudo o que Ele vos disser”. Jesus manda que encham de água seis talhas, destinadas à purificação dos judeus, e manda que distribuam… a água transformada em vinho (Jo 2, 1-12). E o vinho é de primeira apanha! É possível fazer vinho sem uvas, mas não sem água! A qualidade e a abundância do vinho, fruto da bênção e da ação de Jesus é também antecipação e sinal de outra transformação: o vinho que se transformará no Seu sangue, abundância da vida nova e da Sua presença entre nós ao longo do tempo.

Que tem a ver o vinho com a vida? Muito! Além de nos convocar para a festa e para a partilha, ajuda-nos a perceber as relações entre as pessoas, também no seio dos casais, das famílias e da comunidade. A não ser alguém já “viciado”, a bebida é um convite à confraternização, à cumplicidade. A bebida desinibe e, não sendo em excesso, coloca as pessoas mais à vontade. Sendo vinho generoso, a amadurecer num pipo, precisa da vigilância do “vinhateiro”, que vai acrescentando mais vinho para não correr o risco de um dia encontrar o pipo seco! Assim, na vida, precisamos de ir acrescentando momentos, celebrações, encontros, amizade, para não ficarmos perdidos, sozinhos, a definhar! Precisamos dos outros e da sua companhia!

Por outro lado, quando o vinho, sobretudo em garrafa ou garrafão, é agitado, é necessário deixar que assente. A vida também precisa de tempos de repouso, paragem, reflexão, para que a turbulência (e as dificuldades) de momento não ofusquem a serenidade, o sentido e a confiança no futuro e nas pessoas. E, tal como vinho, a vida também precisa de respirar. Respirar e expirar o odor de Cristo, o sopro do Espírito.

A imagem da vinha está também muito presente na Sagrada Escritura. Isaías narra o cântico de amor à vinha, que é a casa de Israel, com todos os cuidados que Deus teve com ela: lavrou-a, limpou-a das pedras, plantou-a de cepas escolhidas, protegeu-a, erguendo uma torre ao centro e um lagar, vedou-a. O natural é que viesse a dar uvas, mas só deu agraços (cf. Is 5,1-7; Sl 79). Jesus utiliza a mesma imagem para falar do Reino de Deus.

O relacionamento num casal, na família, na comunidade, com os amigos precisa de ser cuidado em todo o tempo… é como a vinha, logo que acaba a vindima começa um novo ciclo: a poda e a empa, o despampar, a atenção ao “choro” das vides, às doenças que podem acontecer, ao clima, aos vários tratamentos, a poda em verde, tirando alguns ramos que não interessam e, posteriormente, cortar alguns cachos em excesso, potenciando a qualidade dos que ficam. Na vida precisamos deste cuidado permanente, para que o decorrer do tempo e as dificuldades não destruam o amadurecer do fruto…

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 92/34, n.º 4665, 6 de julho de 2022

Editorial Voz de Lamego: Caim e Abel, irmãos nossos

«Onde está o teu irmão Abel?» Deus questiona Caim pelo seu irmão e responsabiliza-o. A resposta de Caim preocupa: «Não sei dele. Sou, porventura, guarda do meu irmão?» Na verdade, é uma resposta que continuamos a dar ou a viver. O tempo que atravessamos traz-nos muitas histórias (reais) de indiferença, desprezo, exclusão, violência, conflito.

Deus chama à razão Caim: «A voz do sangue do teu irmão clama da terra até Mim» (Gn 4, 8ss). Caim sujeita-se às consequências dos seus atos, do seu mau proceder, contudo, Deus marca-o com um sinal para que ninguém lhe faça mal. A história de Caim e de Abel é uma história de infortúnio, mas também de esperança e de compromisso.

A história dos dois irmãos traz duas conceções de vida antagónicas: a vida das “cidades”, sedentária, e a vida do campo, nómada. As duas formas de vida estão presentes no povo de Israel. Alguns defendem que o povo não se deve fixar, mas estar sempre em deslocação, lembrando que Abraão é um “arameu errante”, sem-terra. Outros, pelo contrário, sustentam a ideia de uma terra, dada por Deus em herança, ao seu povo, cumprindo a Sua promessa. O relato de Caim e Abel faz a opção clara pela “errância” do povo, predominando o pastoreio em vez a agricultura. Esta fixa-se na terra. Aquela avança de terra em terra.

Olhando para a história da humanidade de todos os tempos, verifica-se que a violência gratuita, os fratricídios (irmãos que matam irmãos) são frequentes: povos que se aniquilam, irmãos que guerreiam pela herança, que se matam por ciúmes e inveja, umas vezes por um pedaço de terra, outras vezes por uma ninharia. Ainda que possa haver sempre o ideal da reconciliação.

A guerra imposta pela Rússia à Ucrânia é mais um episódio infeliz como a desconfiança e o medo, o egoísmo e prepotência, conduzem à violência, à imposição de ideais e vontades, recorrendo ao poderio militar. A história de Caim e Abel assume e faz-nos visualizar a realidade histórica.

Mas, infelizmente, histórias de violência familiar repetem-se todos os dias. Fomos surpreendidos pela morte de uma menina com três anos, em Setúbal. À posteriori podem ver-se descuidos, desatenções, demissões. A família, que deveria ser espaço seguro, de vivência do amor, de cuidado e proteção, afinal não garantiu a vida desta menina. Muitas pessoas se juntaram para “julgar”, condenando, movidas pela revolta em relação a uma situação que não deveria ter acontecido. Mas onde estávamos antes de acontecer mais esta desgraça? Onde estavam os vizinhos, a família, os amigos? Onde estavam os que vieram depois?

Na história bíblica há um rasto de esperança. Apesar da infidelidade humana, Deus acredita, Deus aposta no homem. Caim matou o irmão. Deus reafirma, e a fé também, o mandamento: “Não matarás”. Quando alguém é morto, o “normal” é a vingança, a morte do agressor. Porém, se a justiça é necessária, a vingança é dispensável, pois só gera mais violência e não suprime a perda nem a ofensa. Caim é marcado com o sinal de Deus que impede que outros possam agir de forma violenta sobre ele. É uma história de amor e de salvação. Deus quer o nosso bem, mesmo quando e apesar de nos desviarmos do bem.

Caim permanecerá como uma figura do lado mais obscuro que há em nós, mas em simultâneo na certeza que a descoberta de Deus nos conduz à salvação.

Vale a pena registar e mastigar as palavras de são Paulo: «Pelo amor, fazei-vos servos uns dos outros. É que toda a Lei se cumpre plenamente nesta única palavra: ‘Ama o teu próximo como a ti mesmo’. Mas, se vos mordeis e devorais uns aos outros, cuidado, não sejais consumidos uns pelos outros» (Gál 5, 14-15).

Quando a guerra, a violência, os conflitos estão distantes, sossegamos porque não é (ainda) connosco! Mas, mais longe ou mais perto, os outros dizem-nos respeito e o que fazem ou deixam de fazer afeta-nos, se não mais cedo, mais à frente. Como cristãos, esta consciência deve ser ainda mais viva, pertencemo-nos, somos responsáveis pelos outros.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 92/33, n.º 4664, 29 de junho de 2022

Editorial Voz de Lamego: Não se perturbe o vosso coração

Há uma semana, o editorial tinha como título: só se vive uma vez. Tinha partido de uma música, conhecida, que passou num momento de festa e confraternização, após o matrimónio do meu irmão Augusto e da minha cunhada Paula. O que a letra sugeria, parece que ganhou um sentido mais premente.

Recuperando um pouco do editorial: “Se nós soubéssemos que amanhã já não estamos (fisicamente) por cá, talvez acelerássemos algumas tarefas e compromissos, para deixarmos resolvido, para vivermos. Como não sabemos, também não o devemos adiar, pois o futuro só a Deus pertence. Ele dá-nos o tempo atual como presente para desfrutarmos, para vivermos, para construirmos um mundo fraterno, que seja casa de todos e para todos. Há quem não viva hoje à espera de viver o amanhã, de melhores dias e melhores circunstâncias que não chegam ou quando chegam já é demasiado tarde”.

Estou certo que o meu irmão viveu dias muito felizes, muito preenchidos, dando o melhor, recebendo o melhor da vida, da família, dos amigos e, especialmente, da esposa. Muitas vezes, e nós padres fazemo-lo quase constantemente, repetimos o desafio a viver o dia de hoje como presente que Deus nos dá, pois não saberemos se amanhã estaremos (fisicamente) por cá. Então, sem medos, sem pressas, sem ansiedade, vivamos! Digamos hoje o que temos a dizer! Amemos hoje, cuidemos hoje, perdoemos hoje, pois o HOJE torna-se eterno.

Quando se aproxima a Sua hora, Jesus prepara e sossega os seus amigos mais íntimos: «Não se perturbe o vosso coração; acreditai em Deus e acreditai em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fosse, ter-vos-ia dito que vos vou preparar um lugar? E, quando Eu tiver partido e vos tiver preparado um lugar, virei de novo e levar-vos-ei comigo, para que onde Eu estou, estejais vós também» (Jo 14 1-3).

As palavras de Jesus só serão compreendidas a posteriori. «Disse-vos estas coisas para que a minha alegria esteja em vós, e a vossa alegria seja completa» (Jo 15, 11). E Jesus prossegue, dizendo: «Mas, porque vos disse estas coisas, a tristeza encheu o vosso coração… haveis de chorar e lamentar-vos, mas o mundo alegrar-se-á; vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza tornar-se-á alegria… vós agora sentis tristeza, mas Eu hei de ver-vos de novo, e o vosso coração alegrar-se-á, e ninguém vos poderá tirar a vossa alegria… Até agora, nada pedistes no meu nome; pedi e recebereis, para que a vossa alegria seja completa… disse-vos estas coisas para que em Mim tenhais paz. No mundo tereis tribulações. Mas tende coragem: Eu venci o mundo!» (Jo 16).

Parafraseando Toltói, a alegria é semelhante para todos, a tristeza cada um a vive à sua maneira. Não seremos capazes de nos colocarmos no lugar dos apóstolos, quando Jesus lhes diz que vai ser morto ou quando Jesus morre de facto. As palavras de Jesus são também para mim, para nós. O anúncio da partida, da separação física gera um emaranhado de sentimentos, um certo entorpecimento… a fé desafia-nos a acolher os desígnios de Deus, mesmo quando são inusitados, quando chegam fora do tempo que julgávamos ter. Jesus volta à vida, ainda que numa dimensão (dinâmica) diferente. Com Ele vivem os que com Ele partem. Assim o creio e assim o espero para o meu irmão Augusto, para que, vivendo em Deus, a Deus reze por todos aqueles que fizeram e fazem parte da sua vida. Agradeço a Deus os momentos que nos deu para apreciarmos a vida, desfrutarmos da presença, agradecermos as pessoas. Como naquele dia, há pouco mais de uma semana, na Sé de Lamego, diante de Deus, abençoando um compromisso para a vida… a mesma vida e a mesma bênção nos liguem ao mistério amoroso de Deus.

Agora a tristeza e o luto, mas logo, a alegria do reencontro, quando Ele vier e nos levar Consigo. Até lá… vivamos agradecidos por tantos momentos, agradeçamos vivendo, como se nunca tivesses partido, porque Deus te quer perto de nós, no nosso coração e na nossa vida. Vida! Sempre. Gratidão e Paz.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 92/28, n.º 4659, 25 de maio de 2022

Editorial Voz de Lamego: Só se vive uma vez!

Em meados dos anos 90, do século e milénio passados, um duo espanhol, Azucar Moreno, popularizou-se com este tema: Sólo se vive una vez! Deixamos o ritmo para quem o tiver, e partirmos deste desafio que perpassa na letra desta canção, cheia de vida. “Apaga o televisor… dá marcha ao coração… Se te importa o que dirão e se te querem enrolar, lembra-te bem: só se vive uma vez… Se te querem amargar com problemas… não te deixes convencer: só se vive uma vez”.

Saímos da Semana da Vida (8 a 15 de maio), num indelével convite a acolher, amar, proteger a vida, cuidar dos mais frágeis, as crianças e os idosos, os pobres e as pessoas portadoras de deficiência. Nestes dois meses de guerra, imposta pela Rússia à Ucrânia, multiplicam-se as pobrezas, gerando órfãos, pais que veem os filhos morrer, filhos que deixam os pais para trás, sem esperança de os voltarem a ver, mulheres cujos maridos, companheiros, namorados, noivos estão na linha da frente. Uma guerra gera orfandade e viuvez, gera luto e tristeza, e desolação, medo e vontade de vingança. Os estragos atuais terão reflexo nas próximas gerações. Os edifícios construir-se-ão, os corações levarão muito mais tempo e as famílias, muitas delas, ficarão destroçadas para sempre.

Neste cenário preocupante, o desafio a viver é mais premente. Se nunca sabemos a nossa hora, num contexto de guerra, que pode alargar-se a toda a Europa ou a todo o mundo, a incerteza agudiza-se. A fé, também neste caso, ajuda-nos a relativizar, sem desvalorizar o pecado da violência, da agressão gratuita, dos assassinos em massa em prol do poder, do controlo, da supremacia de uma ideologia ou de um país ou de um líder. A fé garante-nos que a vida não acaba com a morte e que também o tempo de morte e de trevas passará. A história mostra-nos longos períodos de guerra e de embotamento face à duração da mesma. Porém, para quem é agredido, violado, torturado, perseguido, expulso de sua casa, para quem é morto, ferido, ou vê os seus a serem feridos e mortos, não será o tempo a curar, a repor, a compensar, ainda que amenize a dor ou mesmo o desejo de vingança. Nas perdas humanas, só a fé garante a esperança na vida eterna, a certeza de novo reencontro, sem o qual a vida fica a meio, deficitária, por completar.

Se nós soubéssemos que amanhã já não estávamos (fisicamente) por cá, talvez acelerássemos algumas tarefas e compromissos, para deixarmos resolvido, para vivermos. Como não sabemos, também não o devemos adiar, pois o futuro só a Deus pertence. Ele dá-nos o tempo atual como presente para desfrutarmos, para vivermos, para construirmos um mundo fraterno, que seja casa de todos e para todos. Há quem não viva hoje à espera de viver o amanhã, de melhores dias e melhores circunstâncias que não chegam ou quando chegam já é demasiado tarde.

Jesus, numa página da Sua vida (histórica), tranquiliza os Seus discípulos, desafiando-os: «Não vos preocupeis com o amanhã, porque o amanhã preocupar-se-á consigo próprio. A cada dia bastam os seus males».

Mas atenção, não se trata de despreocupação ou de demissão, mas de compromisso e empenho em viver e em cuidar da vida, das pessoas, do mundo que é a nossa casa. Diz-nos Jesus, numa parábola: «A terra de um homem rico deu uma boa colheita. E discutia consigo próprio, dizendo: “Que hei de fazer, dado que não tenho onde recolher os meus frutos?”. Disse, então: “Vou fazer assim: destruirei os meus celeiros e edificarei uns maiores; lá recolherei todo o grão e os meus bens. E direi à minha alma: “Alma, tens muitos bens em depósito para muitos anos: descansa, come, bebe e regala-te!”. Mas Deus disse-lhe: “Insensato! Esta noite a tua vida ser-te-á reclamada. O que preparaste, para quem será?”. Assim acontece àquele que acumula para si e não se torna rico diante de Deus».

Se conjugarmos os dois textos, vivamos hoje, sem adiamentos, empenhados em sermos bênção e casa uns dos outros.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 92/27, n.º 4658, 18 de maio de 2022

Editorial Voz de Lamego: A vida… ninguém ma tira, sou Eu que a dou

Como darmos o que não nos pertence?

Ou como suprimirmos o que não podemos dar?

A vida… a vida não depende, na origem, de nós, é-nos dada! Também não a podemos retomar! Poderemos interrompê-la? Uma interrupção significaria que, posteriormente, poderia haver regresso. Se a recebemos, se a acolhemos, não nos cabe acabar o que não começamos! Em relação aos outros, muito menos, pois ninguém nos designou para assumirmos um papel que não é nosso, pois não somos autores da vida.

O quinto mandamento é taxativo e não tem vírgulas, nem acentuações, não se sujeita a interpretações. Direto: “Não matarás”. É uma ordem divina. Na formulação da catequese, explicita-se: “Não matar (nem causar outro dano, no corpo ou na alma, a si mesmo ou ao próximo)”. Infelizmente continuamos a matar e a causar dano uns aos outros. Jesus Cristo é crucificado em cada vítima, em cada pessoa faminta, perseguida, escravizada, em cada pessoa negociada, vendida, violentada e morta.

Jesus ensina-nos a formular o mandamento pela positiva: amar a Deus de todo o coração e ao próximo como a si mesmo, ao jeito do Bom Samaritano que se faz próximo de quem está caído à beira do caminho, sem voz nem vez.

Na verdade, “o amor é a única maneira de compreender outro ser humano no fulcro mais íntimo da sua personalidade. Ninguém pode ter um conhecimento profundo e completo da essência do outro ser humano a menos que o ame. Por meio do seu amor, fica capacitado para ver os traços e as características essenciais da pessoa amada” (Viktor Frankl).

Viktor Frankl foi prisioneiro, durante quatro anos, nos campos de concentração nazi, durante a Segunda Guerra Mundial. Logo que libertado, enquanto psiquiatra, escreveu para pessoas com tendência para o desespero. “Vislumbrei então o significado do maior segredo que a poesia, o pensamento e as crenças dos seres humanos podem comunicar: a salvação dos homens consegue-se no amor e pelo amor. Compreendi como pode um homem a quem nada resta no mundo conhecer ainda assim a felicidade, mesmo que por breves instantes, na contemplação do ser amado”.

A segunda guerra mundial fez emergir a maldade e o egoísmo, a prepotência e a sobranceria, centrada, sobretudo, na liderança de Hitler. As nações uniram-se para evitar que se repetissem situações como as verificadas, de tortura, maus-tratos, escravização, mortes às dezenas e centenas de pessoas, enterradas em valas comuns. Foi o sonho de um homem, movido pela sede de poder ou, simplesmente, com os neurónios em curto-circuito! Como tem alertado o Papa Francisco, estamos na terceira guerra mundial, ainda que aos pedaços, em diferentes zonas do planeta, além da fome, do tráfico de órgãos e de pessoas, da multidão de refugiados, oriundos de diferentes países, a fugir da violência, da perseguição, por motivos políticos, económicos, étnicos e religiosos. A agressão violenta da Rússia ao país irmão, a Ucrânia, é mais um lamentável episódio que tende a repetir a mesma prepotência de Hitler, agora com outro nome, Vladimir Putin. A facilidade com que se tira a vida, justificando atos hediondos com palavras como defesa (preventiva) e libertação! Libertação de um povo que se sente livre e que não pediu para ser libertado.

Numa das páginas do Evangelho, Jesus clarifica: «Assim como o Pai tem a vida em Si mesmo, assim também concedeu ao Filho que tivesse a vida em Si mesmo» (Jo 5, 17-30). Só quem tem a vida em si mesmo, pode, de facto, dar a vida! «O Pai ama-me, porque dou a minha vida para a retomar. Ninguém a tira de Mim, mas Eu a dou a Mim mesmo e tenho o poder de a dar, como tenho o poder de a reassumir» (Jo 10, 17-18.)

Analogamente, a vida dá-se, amando, gastando-a a favor dos outros. Quem guardar a vida para si, perdê-la-á e quem perder a vida, por Minha causa e do Evangelho, diz Jesus, ganhá-la-á (cf. Mt 10, 39; 16, 25).

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 92/21, n.º 4652, 6 de abril de 2022

Falecimento da Mãe do Padre João António

Os desígnios de Deus e a Sua hora nem sempre são coincidentes com os nossos. Na Sua benevolência e sabedoria, Deus, nosso Pai, chamou à Sua presença eterna, a D. Maria Teresa Teixeira, mãe do Padre João António Teixeira Pinheiro, Reitor do Santuário de Nossa Senhora dos Remédios e Deão do Cabido da Sé de Lamego.

O Sr. Bispo, D. António, também em nome do presbitério de Lamego, manifesta a sua comunhão com o reverendo Pe. João e com os demais familiares e amigos, na certeza que o momento de luto se reveste de esperança na ressurreição dos mortos e da vida eterna. Nesta hora, a fé e a oração colocam-nos em sintonia com a glória de Deus, que em Cristo nos garante a eternidade na comunhão dos santos, como professamos no Credo.

A Eucaristia de corpo presente celebra-se hoje, 12 de março, pelas 15h00, na Igreja do Santuário dos Remédios. O cortejo fúnebre seguirá para São João de Fontoura, de onde é natural. Na Igreja paroquial também será celebrada Eucaristia, indo depois a sepultar.

Deus lhe dê o descanso eterno. Ao Pe. João e familiares, Deus lhes dê o conforto que vem da fé e a confiança firme na ressurreição.

Editorial Voz de Lamego: Para uma vida simples

A simplicidade e a leveza são caminho para uma vida feliz e abençoada, ainda que não garantam ausência de dificuldades, contratempos e sofrimento. Quando vivemos atolados de coisas e de preocupações temos dificuldade em nos encontrarmos e em nos abrirmos aos outros, pois deixamos de ter tempo, disposição e disponibilidade, deixamos de ter paciência, caindo na ansiedade, na pressa, no medo de perdermos o que conquistamos ou de deixarmos algo importante por fazer ou por viver, como se o mundo dependesse apenas de nós!

A simplicidade leva-nos ao outro como somos, sem máscaras nem disfarces, transparecemos o que somos na pele, no sorriso, no olhar, no abraço, sem subterfúgios, sem engodos, nem malabarismos. É a simplicidade que torna mais leve a nossa vida. Temos tanto, tantas coisas e tantos afazeres que, por vezes, não temos tempo para nós, para o descanso, para o louvor, para a gratidão, para apreciar um café, o nascer do sol, a brisa da tarde, o cantar de um pássaro, a brincadeira de um gato. Tão ocupados e cheios de nós que não temos tempo para os outros, para um abraço, para um sorriso partilhado, para um encontro, um lanche, uma caminhada, não temos tempo para um telefonema, para a escuta atenta e tranquila, para palavras calmas e doces e reconfortantes.

A simplicidade faz-nos pobres e peregrinos, despertos para a aprendizagem, para a partilha, disponíveis para caminharmos com os outros, descobrindo com eles novos encantos, apoiando-nos neles na dureza do caminho, contando com a sua ajuda e sabedoria nas adversidades.

Uma pessoa que se reconhece pobre sabe que depende dos outros para sobreviver e tocar a vida para a frente. Bem-aventurados os pobres em espírito, os humildes, os simples, porque deles é o Reino de Deus.

A simplicidade e a pobreza fazem-nos pender para o outro. Não sobreviveremos sozinhos e muito menos seremos felizes sozinhos. A simplicidade faz-nos agradecidos. Só uma pessoa grata se abre à vida, se predispõe a apreciar a beleza e todo o bem que chega dos outros. O contrário de uma pessoa agradecida é uma pessoa ensimesmada, soberba, arrogante, fechada em si, sob isolamento e distância de todos, vive no rancor e no lamento constante. Só uma pessoa grata é capaz de experimentar a alegria.

A simplicidade enriquece-nos com a vida e a sabedoria dos outros e faz-nos querer a sua alegria e que a sua vida seja abundante.

A simplicidade da vida irmana com a humildade e com a pobreza, com a consciência da nossa condição pecadora, da nossa fragilidade e da nossa dependência aos outros e ao Totalmente Outro que, em Cristo, Se faz Totalmente Próximo.

A simplicidade não conjuga com ingenuidade, mas com inteligência e sabedoria, procurando que o que somos, o que temos, a relação com os outros nos prepare e fortaleça para as tempestades, e nos dê asas para mutuamente nos ajudarmos a atravessar os vendavais. “Sede prudentes como as serpentes e simples como as pombas” (Mt 10, 16).

Inspira-nos, neste editorial, o novo livro de Marta Arrais, presença habitual na Voz de Lamego, “Guia para uma vida simples”. Como em relação às suas crónicas, também recomendamos uma leitura atenta e relaxada destes textos que preenchem este guia. É um convite à simplicidade, a tirar da mochila o que nos pesa e nos impede os abraços. Mesmo em tempo de pandemia!

Por outro lado, há de inspirar-nos o tempo de Quaresma, que agora iniciamos. É um desafio à simplicidade, ao despojamento, a abdicar do acessório em prol dos outros, a buscar o essencial, é um apelo à conversão a Jesus Cristo e ao seu modo de amar, perdoar, ao Seu jeito de acolher e de Se dar. A oração, o jejum e a penitência são instrumentos para nos despojarmos de nós, nos abrirmos à graça de Deus e para prestarmos atenção aos mais indigentes. É esta a simplicidade que gera vida nova. Coloquemos o olhar em Deus que nos ensina a fraternidade.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 92/16, n.º 4647, 2 de março de 2022

Editorial Voz de Lamego: Sem vida própria!

Há pessoas que não têm vida própria, vivem a vida dos outros, em função dos outros, agindo, não segundo as próprias convicções, mas na tentativa, vã, de agradar a uma pessoa, a um grupo, ou, pelo menos, com a preocupação exacerbada de não desiludir. Isto não é viver, no sentido mais autêntico do que entendemos por viver: desenvolver dons e talentos, orientar a vida pelas convicções que se cultivam, aprofundam e amadurecem ao longo do tempo, criando pontes de diálogo e laços de amizade e proximidade, deixando marcas no mundo, a começar pelas pessoas, marcas de bondade e de amor.

Vamos por partes. “Não ter vida própria” tem, pelo menos, duas dimensões distintas ou duas leituras diferentes. Quando a pessoa gasta a sua vida em prol da família, dos amigos, da comunidade, quando vive, mais, em função do trabalho, não é necessariamente algo mau. Alguém não tem vida própria, porque não tem tempo para si mesmo, mas ocupa-a a tratar dos outros, dos filhos, ou dos pais, ou a trabalhar para o sustento e a comodidade da família, ou envolvida em atividades de voluntariado (além da profissão e das lides de casa). Há sempre um “senão”. É necessário que diferentes dimensões da vida sejam preenchidas: o trabalho, o descanso, a família, a festa, a confraternização, o lazer, o voluntariado. Os pais trabalham tanto que não têm tempo para acompanhar os filhos, ir ver deles à escola, terem tempo de qualidade juntos, poderem brincar com os filhos, escutá-los, contar-lhes uma história… talvez possam estar a desperdiçar um tempo precioso que não volta mais. Compreende-se! As necessidades dos filhos, a habitação, a alimentação, encargos e mais encargos e trabalhos precários e mal remunerados, cujos patrões não têm em conta o agregado familiar, mas o indivíduo-trabalhador desligado do seu contexto social, económico e familiar. Mas como os próprios reconhecem, mais tarde, não acompanharam o crescimento dos filhos e, na atualidade, já não se compreendem mutuamente e, agora, são os filhos que não têm tempo nem disponibilidade, pois têm pressa de viver as suas vidas.

Valorizar a família implica ter tempo para estar em casa e amadurecer a cumplicidade entre os seus membros. O trabalho é essencial se englobar o descanso, a festa, as celebrações familiares. E será ainda mais essencial se predispuser a pessoa e a família para o voluntariado e para a envolvência na vida da comunidade. Isto vale para a interação com a sociedade como vale para a pertença à comunidade eclesial.

“Sabeis quem vive somente graças aos outros? Os vírus. Os vírus não têm vida própria, têm de se agarrar a alguém”. É uma frase de uma série televisiva – DOC – baseada em factos reais: um médico italiano que perde as memórias de 12 anos e quando volta a exercer, mudando de hospital, como que recomeçando a vida profissional.

Sem vida própria! Num sentido negativo, quando uma pessoa vive em função do que os outros pensam ou dependente do sucesso ou do fracasso dos outros para se sentir feliz e realizada. Há na natureza alguns exemplos curiosos, como o cuco. Este procura o ninho de outra ave, coloca lá o seu ovo, deitando fora um dos outros ovos. O ovo é semelhante em cor e tamanho, pelo que a ave não nota o engodo. A cria do cuco nasce primeiro e a ave-mãe cuida dela como se fosse sua. O cuco bebé, por outro lado, lança fora os outros ovos, para ser o único a receber a comida. A ave-proprietária do ninho não se dá conta do engano, mesmo quando o cuco fica maior do que ela.

Qual é a nossa opção: viver como o cuco ou procurar viver a própria vida?

Como cristãos, a opção é viver ao jeito de Jesus, acolhendo a vida como dom, gastando-a com os outros, construindo fraternidade.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 92/13, n.º 4644, 9 de fevereiro de 2022

Categorias:Editorial, Vida Etiquetas:, ,