Arquivo

Posts Tagged ‘Tabuaço’

Entrevista com Fábio Cecílio, o nosso campeão mundial de futsal

Reconhecido jogador de futsal, natural de Tabuaço, onde despertou para esta modalidade, mormente fazendo parte da AJAB (Associação Juvenil Abel Botelho), numa equipa que se batia com as melhores formações. Começou por volta dos 14 anos e é há 14 anos que tem vindo a encantar os adeptos deste desporto, despertando o interesse dos maiores clubes portugueses, a começar no Braga, depois o Benfica, onde jogou seis temporadas, e, na nova temporada, novamente no Braga. Ganhou diversos troféus, ao nível do clube, mas também da seleção. Foi campeão europeu e, no passado dia 3 de outubro, campeão do mundo. Portugal bateu a poderosa Argentina, e detentora do título de campeã mundial, por 2-1.

Obrigado, Fábio, por nos cederes um pouco do teu tempo para falares connosco.

VL – Quatro segundos para acabar a final do mundial, entre Portugal e Argentina, quando a bola foi ao poste. Que pensaste nesse momento? Vamos ser os novos campeões do mundo ou isto só acaba quando o árbitro acabar?

FC – O jogo só acaba aos 0 minutos, mas eu estava confiante que ia dar para nós. O sentimento era mesmo que íamos sair daquele jogo como campeões do Mundo.

VL – Quando o árbitro apitou para o final, que sentiste? Quais as emoções? Algum pensamento concreto? Quererias estar em algum lado nesse momento?

FC – Quando começou o campeonato do mundo, claro que sonhava em sair campeão, mas sabia que seria bastante difícil. Chegar à final foi algo inédito, que nunca tinha acontecido e ganhar o último jogo ainda é algo inacreditável. Às vezes ainda não acredito que é verdade.

VL – Como descreverias os momentos que se seguiram? Com a família? Com os adeptos? A chegada a Portugal?

FC – Primeiro festejámos em equipa, depois com os incríveis adeptos que nos acompanharam ao longo de todos os jogos. De seguida, fomos ter com a família que estava presente no pavilhão e aproveitar para festejar… já não os via há um mês. Na verdade, foram dois meses de estágio muito difíceis, mas tudo compensa. A chegada a Portugal foi emocionante. Estar no nosso país, rodeado de portugueses a festejar um título que tanto ambicionámos.

VL – Um momento também importante, pelo seu simbolismo, foi a receção que na segunda-feira tiveste no Palácio de Belém, com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Que reténs deste encontro? Nos cumprimentos pessoais, que é que o Presidente vos diz?

FC – Ir ao Palácio de Belém é sinal de que o nosso trabalho está a ser reconhecido e de que deixámos tantos milhões de portugueses orgulhosos de nós e da nossa modalidade. As palavras do Sr Presidente da República no seu discurso foram muito motivadoras. No abraço que nos deu a cada um de nós, transmitiu que está é estará sempre connosco.

VL – Numa vertente mais honorífica, és Comendador da Ordem de Mérito, comenda atribuída aquando da vitória de Portugal no europeu e, agora, Comendador da Ordem Infante D. Henrique. Que significado atribuís a estas insígnias?

FC – Ter estas insígnias significa que estamos a fazer bem o nosso papel. Estamos a representar bem o nosso país e a dar a conhecer ao mundo inteiro e, principalmente, estamos a honrar Portugal.

VL – Em 2018, Portugal foi campeão europeu de Futsal, modalidade que continua em expansão e a mostrar que os portugueses estão na primeira linha. Diferenças de vencer o europeu e o mundial? Que foi mais fácil ou que vos/te deu mais gozo?

FC – São vitórias diferentes. O Campeonato Europeu de Seleções foi o primeiro. Sonhei muito com isso e sempre achei que iria ser muito difícil de alcançar, mas conseguimos e admito que nos deu muita força para acreditar que o Mundial era possível. O Mundial tem muitas seleções em competição, mais do que o Europeu e, claro, estão sempre as melhores equipas do mundo, o que faz com que tenha um sabor especial.

VL – A seleção portuguesa de futsal, já tinha chegado a um terceiro lugar, mas não a uma final mundial. Em que momento percebeste, e os teus colegas, que a final era possível?

FC – Nós sempre acreditámos que era possível porque tínhamos e temos qualidade para isso. O jogo contra a Espanha foi o jogo que me fez acreditar ainda mais, porque foi um jogo difícil, intenso em que começámos bem, onde nos debatemos bem. Na segunda parte sofremos 2 golos e ainda assim acreditámos até ao último segundo e conseguimos dar a volta. Espanha é uma seleção com muitas conquistas, incluindo 2 campeonatos do mundo e nós conseguimos ganhar esse encontro e passar para as meias finais. Aí, já tinha um sentimento de que estava mais perto de sermos campeões.

VL – Mais difícil o trajeto de apuramento ou a fase final do campeonato do mundo?

FC – Sinceramente, ambos são difíceis. Todos os jogos são para ganhar e todos vão com esse objetivo. Não há margem para falhas em nenhuma ocasião.

VL – E depois do mundial vitorioso, o que se segue, a nível pessoal?

FC – Depois do mundial e de dois meses intensos, o que sabe bem é estar com a família e festejar com eles. Não há muito tempo para aproveitar, pois a vida segue e o clube precisa de nós.

VL – Como é que um jovem de Tabuaço, interior norte, foi parar ao palco do mundo? Achas que os jovens do interior poderão sonhar, no caso do futsal, em ingressar em clubes que militam no primeiro escalão, como Braga, Benfica, Sporting?

FC – Claro que sim! Felizmente a nossa vila tem muitos jogadores com um excelente percurso em que passaram por clubes “grandes” e espero que todos sejam uma inspiração para os jovens do interior. Tudo é possível, basta acreditar e lutar por isso.

VL – Segundo sabemos, o percurso até fazeres um contrato profissional, não foi nada fácil. Queres falar-nos como começou este sonho do futsal, do gosto pela bola até te tornares federado?

FC – É uma história muito longa. Comecei tarde a jogar futsal pela AJAB e, apesar de ser um sonho de miúdo, nunca acreditei que fosse possível. A verdade é que no momento em que planeava emigrar, quando terminei os estudos, surgiram alguns clubes interessados em mim. Fui para o Sporting Clube de Braga/AAUM e tornei-me profissional quando fui para o SL Benfica.

VL – Como conciliavas o futsal, os estudos, e o trabalho no campo?

FC – Não foi nada fácil. Eu levantava-me por volta das 5h da manhã e ia para o campo trabalhar. Depois almoçava e ia para a escola ter aulas. No final do dia, havia treino. Não foi fácil, mas eu precisava de o fazer. Precisava de ter o meu dinheiro, precisava de estudar para ter um futuro e, claro, precisava do futsal.

VL – Como é que te adaptaste à cidade e a Braga, na primeira passagem?

FC – O primeiro ano foi de adaptação. Eu praticamente nunca tinha saído de Tabuaço, muito menos viver fora e sozinho. Foi complicado até porque não tinha carro e, apesar de ser perto de Tabuaço, era muito difícil ir a casa visitar a família.

VL – Depois de dois anos no Braga, o desafio seguinte foi o Benfica, onde jogaste durante seis temporadas. Foi mais fácil a adaptação no Benfica? Maior visibilidade, maior exigência?

FC – O primeiro ano também não foi fácil a adaptação à cidade, não propriamente ao clube, mas à cidade. Calhou ir viver para o centro de Lisboa, na zona da Graça e, por isso, não foi fácil, mas ao longo do ano fui-me adaptando e conhecendo. Acabei por gostar muito. Tanto o Braga/AAUM como o SL Benfica são clubes que querem vencer, tal como eu.

VL – Como viveste o confinamento, devido à pandemia? Como é que a modalidade lidou com esta situação?

FC – No momento em que tudo fechou, não houve muito a fazer. Fomos para casa, ficámos fechados e a modalidade parou nos pavilhões. O treino continuou cada um em sua casa. Tínhamos que nos manter ativos. Claro que não foi fácil. É muito diferente treinar em casa com o espaço que temos, mas depois tudo voltou ao normal, felizmente.

VL – Uma mensagem para os jovens de Tabuaço ou deste interior onde se situa a diocese de Lamego. FC – Costumo batalhar sempre em três palavras: trabalho, dedicação e persistência. Se têm sonhos, seja qual for, nunca desistam. Tudo é possível! Mesmo ser do interior e ganhar um Campeonato da Europa ou do Mundo. É possível!

Categorias:Entrevistas Etiquetas:, ,

Andreia Gonçalves entrevista Presidente da Câmara de Tabuaço

O Bolo Rei de Tabuaço

O Bolo Rei de Tabuaço tem fama e diz quem conhece que é realmente delicioso. O segredo ninguém o conhece, para além dos pasteleiros do concelho. 

Por isso, nos dias 7 e 8 de dezembro, havia vários bolos reis, cheios de cor, disponíveis aos olhos e ao paladar de todos os que passaram no Palácio do Gelo, em Viseu.

Foi com Carlos Carvalho, Presidente da Autarquia de Tabuaço, que a Voz de Lamego tentou perceber a importância de levar esta iguaria natalícia até à capital de distrito.

Porque é que o bolo rei de Tabuaço é tão especial? 

Essencialmente pela forma como é confecionado desde sempre! A receita da massa, que continua ainda hoje a ser segredo, aliada à qualidade da fruta e dos frutos secos conferem-lhe características únicas que o transformam no melhor dos bolos reis!!

Porquê, na sua opinião, foi importante fazer uma mostra deste produto, em Viseu, no passado fim de semana? 

Entendemos que um produto tão especial merece ser o mais amplamente divulgado! E para além das diversas ações que ao longo do ano o Município leva a cabo nesse sentido, entendemos aproveitar esta época festiva para uma promoção de grande escala na nossa Capital de Distrito. Convidamos todos os produtores a marcar presença e assim poderem dar a conhecer, e provar, a todas as pessoas, que passarem pelo Palácio do Gelo nesses dois dias, o Bolo Rei de Tabuaço.

Gosta de bolo rei? É para si algo que não pode faltar à sua mesa, nas festividades natalícias? 

Como qualquer tabuacense, gosto imenso de bolo rei! E não pode faltar na mesa de Natal. Aliás, é também nossa intenção, bem como de quem produz, alargar a época de produção ao resto do ano. Porque, apesar de todos associarem este produto apenas a esta quadra festiva, acreditamos que as suas características únicas, bem como a sua, enorme, qualidade justificam a que esteja na nossa mesa todos os dias.

O Natal é uma época especial. Quer deixar uma mensagem a todos? 

Gostaria de desejar a todos um Santo e Feliz Natal e um 2020, pleno de realizações. Em especial a todos os nossos emigrantes que não vão poder estar juntos de nós e aqueles que, infelizmente, por momento menos bons estejam a passar.

E porque acredito que todos nós nesta época acabamos por ser melhores seres humanos que nos restantes dias do ano, deixar o desafio, sem querer cair no lugar comum, de tentarmos fazer deste estado de espírito uma constante e trazermos mais Natal às nossas vidas e às de quem nos rodeia.

in Voz de Lamego, ano 90/03, n.º 4538, 10 de dezembro de 2019

Andreia Gonçalves entrevista Ana Margarida, a caminho da Guiné

“Quando olhar para aqueles rostos, será para mim, o mais próximo que estarei de DEUS”

Ana Margarida, Costa, vive em Tabuaço, é licenciada em direito e, no início do próximo ano, vai desempenhar um novo papel na sua vida, o de voluntária numa escola, na Guiné Bissau. Mia Couto e Pedro Chagas Freitas são dois os escritores que mais admira e desta experiência trará certamente capítulos, também eles, cheios de amor para contar no livro da sua vida.

As motivações de uma jovem que acredita na humanidade, numa entrevista exclusiva à Voz de Lamego.

Entrevistada por: Andreia Gonçalves

Quem é a Ana Margarida?

Sou uma mulher comum, licenciada em direito, e gosto pelas coisas simples da vida. Como estar com os amigos, estar com a família, ler, sentir o vento na cara e fazer valer as minhas convicções para o bem da humanidade.

Desde quando sonha em fazer uma missão humanitária?

Desde os 14 anos, que sonho em fazer voluntariado, mas nunca imaginei para onde seria…. Agora, sei que será em janeiro e para a Guiné. Numa escola que conta com 800 alunos, com idades compreendidas entre os 3 e os 17, e cerca de 40 professores voluntários.

Prometi ao meu avô, que faleceu em 2009, que voltaria a Bissau, onde esteve na Guerra colonial, desta vez, para lhe fazer justiça. E fazer o bem, sem olhar a quem!

Como se processou tudo isto?

Senti, que não podia adiar mais esta minha vontade. Inscrevi-me numa instituição, sem fins lucrativos “PARA ONDE” e aí haveria muitas possibilidades. Eu optei por esta e sinto-me muito feliz com esta minha decisão.

Como recebeu a notícia de que em janeiro, poderia ir ajudar centenas de crianças, na Guiné?

Depois de enviar a minha carta de motivação, passei por outros “testes” e a partir daí sentiram que eu teria perfil para fazer este caminho.

O que acha que vai encontrar nesta missão na Guiné? Quanto tempo vai estar por lá?

A minha missão será de um mês, sei que vou encontrar sorrisos, muitas crianças, o mais próximo que existe do rosto de Deus, para mim.

Depois, não haverá água potável, eletricidade, mas num bairro, com 12 mil habitantes, apreenderei como eles conseguem viver, dia após dia. Afinal haverá sempre um luar para olhar a cada noite.

Vai levar consigo, para além da coragem e da bondade, uma mala cheia de material escolar e roupa que tanta falta faz a estas crianças.  O que mais precisa neste momento, tendo em conta que a viagem está quase aí à porta?

Vou levar uma mala, de 23 kg, com material escolar, e aceito a bondade de todos para a encher. pois aqueças crianças, não têm qualquer apoio e um simples lápis ou caneta valerá muito a pena. para além disso, borracha, marcadores, cadernos, pasta e escova de dentes, etc. Quanto à roupa, t-shirts e calções, roupa interior infantil, o mais leve possível. E assim farei o sol brilhar um pouco mais, quando chegar à Guiné, com ajuda de todos.

in Voz de Lamego, ano 90/01, n.º 4536, 26 de novembro de 2019

Município de Tabuaço atribui bolsas de estudo

????????????????????????????????????

CÂMARA MUNICIPAL ATRIBUIU BOLSAS DE ESTUDO AOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

Em cerimónia realizada para o efeito, decorreu no salão nobre dos Paços do Município, a entrega de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior para o ano lectivo 2015/16. Foram 30 alunos contemplados, que receberam a verba de acordo com a tabela baseada no rendimento familiar, que na totalidade foi de 34. 450 Euros, sendo fator primordial o aproveitamento escolar, que determina a atribuição e ser residente no concelho há pelo menos um ano.

De acordo com a revisão do regulamento publicado em Diário da República, aos alunos que não se enquadrem nas condições para receberem a bolsa, será atribuído um subsídio simbólico, como discriminação positiva.

O senhor Presidente da Câmara, Carlos Carvalho, que se fazia acompanhar pelo senhor vice-presidente José Carlos Silva, dirigiu aos estudantes algumas palavras de encorajamento na aplicação aos estudos, convicto de que a formação será determinante no futuro e sucesso de cada um.

in Voz de Lamego, ano 86/20, n.º 4357, 5 de abril de 2016

 

Jovens de Tabuaço no Parlamento

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Com o objectivo de incutir, sensibilizar e estimular a camada jovem na participação cívica e política do país, o Agrupamento de Escolas de Tabuaço tem levado a cabo várias iniciativas através do projecto “Parlamento Jovem” lançado pela Assembleia da República e dirigido aos jovens do 2º e 3º ciclo e que este ano teve com tema “Portugal: Assimetrias Litoral/Interior! Que soluções?”.

De forma a proporcionar uma maior proximidade entre estes jovens e as instituições, foram, pelo senhor Presidente da Câmara Municipal, Carlos Carvalho, convidadas as jovens deputadas, eleitas no plenário da escola, a participar na sessão da Assembleia Municipal que se realizou no passado dia 24 de Fevereiro.

Ana Letícia Cardoso, Cátia Sofia Neves e Inês Sofia Ramos, explanaram o Programa Parlamento dos Jovens e as medidas aprovadas na Sessão Escolar, e que se traduziram em três propostas que passamos a descrever:

  1. Apostar na multifuncionalidade do espaço rural/interior, de forma a que este se torne um verdadeiro polo gerador de emprego, valorizando assim esta região a nível económico e fazendo com que a população de fixe evitando o despovoamento;
  2. Melhorar as acessibilidades para que o interior se torne mais atrativo para investimentos nacionais e estrangeiros, bom como para o desenvolvimento das atividades já existentes.
  3. Repensar a gestão dos fundos comunitários dirigidos ao norte do país, dado que estes não são devidamente repartidos.

Será já no dia 15 de Março em Viseu, no Campus Politécnico realizada a sessão distrital, que culminará com o debate final na Assembleia da República nos dias 23 e 24 de maio, sublinhando que o tema proposto para a edição do ano 2016/17 é a Violência Doméstica.

Foi ainda lançado o desafio pela Autarquia de visitar a Assembleia da República,o que aconteceu no passado dia 01 de Março, onde visitaram o hemiciclo de S. Bento, e participaram em palestras, para melhor entender o conceito do debate e das regras parlamentares, contando também aqui com a companhia do senhor Presidente da Câmara e do Senhor Presidente da Assembleia Municipal, Leandro Macedo. Para além da Assembleia da República os jovens visitaram o INE (Instituto Nacional de Estatística) e a edição 2016 da BTL (Bolsa de Turismo de Lisboa).

Esta iniciativa é extremamente gratificante, atendendo a que nos alunos desperta uma maior consciência cívica, um contacto muito mais aprofundado com os problemas da nossa Sociedade e condu-los na busca de soluções para os mesmos.

in Voz de Lamego, ano 86/17, n.º 4354, 15 de março de 2016