Arquivo

Posts Tagged ‘Solidariedade’

COVID-19 – EMERGÊNCIA SOCIAL – Cáritas Portuguesa

  • Cáritas Portuguesa abre resposta de emergência social
  • 130 mil euros para apoio na aquisição de alimentos e bens essenciais a 2 000 pessoas

A Cáritas e a Igreja Católica não fecharam portas e estão comprometidas com a procura de soluções.
Face à emergência sanitária, a rede Cáritas em Portugal assumiu, em primeiro lugar, a preocupação de manter ativos todos os serviços essenciais à população implementando medidas de autoproteção nas respostas onde os utentes estão presentes e sem retaguarda familiar.

Hoje a Cáritas Portuguesa dá início a uma nova etapa na resposta à emergência social. A Cáritas Portuguesa disponibiliza uma verba de apoio às Cáritas Diocesanas que identificaram, neste momento, como principal dificuldade o acesso a bens alimentares. O atual programa de apoio terá um orçamento de 130.000,00€, proveniente de fundos próprios da Cáritas Portuguesa, dividido da seguinte forma: 100.000,00 € para vales e 30.000,00 € para apoios a situações pontuais urgentes. Este Programa de Resposta Social irá funcionar através da atribuição de vales de aquisição que permitam acesso de forma imediata a alimentos e bens essenciais.

“Acreditamos estar, desta forma, a dar um sinal à sociedade de que estamos atentos às suas dificuldades e poderemos apoiar a nossa rede agilizando a logística e a segurança das Cáritas Diocesanas no apoio às pessoas que as procuram e, ao mesmo tempo, a salvaguarda a dignidade, autonomia e privacidade dos beneficiários.” Eugénio Fonseca, presidente da Cáritas Portuguesa.

A rede nacional Cáritas irá continuar a trabalhar para que todos os que estão em situação de maior vulnerabilidade tenham condições para uma subsistência com dignidade. A preocupação da Cáritas é proteger a dignidade das pessoas mais vulneráveis e garantir que tudo é feito para que estas possam recuperar a sua vida ou redesenhar o seu caminho.

“É um trabalho que nenhuma organização faz de forma isolada. Apoiamos as famílias em complementaridade com aquilo que é feito pelas autoridades nacionais e locais, bem como outras entidades, através de respostas de apoio social.

Eugénio Fonseca, presidente da Cáritas Portuguesa.

Desde o início da atual crise provocada pela propagação do novo Coronavírus – COVID-19, que as 20 Cáritas Diocesanas sentem um aumento na procura de ajuda em cinco grupos considerados de apoio prioritário: população sénior, famílias e crianças em situação de vulnerabilidade, pessoas em situação de sem-abrigo, reclusos ou ex-reclusos em situação de inserção, migrantes em situação de vulnerabilidade social. Estima-se que esta medida chegue a 2 000 pessoas em todo o país.

A rede nacional Cáritas dá, anualmente, resposta a cerca de 100 mil pessoas no atendimento nacional e 40 mil pessoa em respostas sociais. Á maior preocupação é não deixar ninguém para trás!

Márcia Carvalho | marciacarvalho@caritas.pt

UM REPARO: APOIOS

A chuva, ainda que pouca para as necessidades, foi suficiente para a descida da temperatura e para controlar a vaga de incêndios que assolou o país e deixou rastos de morte e destruição. No rescaldo da tragédia, o Presidente da República passou e, entre um abraço e outro, pediu a atenção do Governo para a situação, bem como celeridade na atribuição dos apoios. O Governo também passou e, pela voz de vários responsáveis, deixou palavras de estímulo e promessas de medidas e de verbas.

Entretanto, o tempo vai passando, o frio aproxima-se e muitos dos que tudo perderam ainda não foram contactados para eventuais ajudas. Enquanto isso, a atenção mediática volta-se para a discussão do orçamento, para uma das regiões de Espanha e uma ou outra notícia.

Por causa da pouca celeridade no reconhecer da situação de muitas vítimas e na atribuição dos prometidos apoios, Jerónimo de Sousa desafiava, ontem, os responsáveis governamentais a adoptarem o mesmo ritmo acelerado com que foram em auxílio de certos bancos e banqueiros. E não deixa de ser oportuno tal desafio. Se para uns há milhões, para as vítimas dos recentes incêndios não deveriam faltar os tostões.

Ainda bem que alguns políticos passam pelos locais, arrastando consigo grupos de jornalistas que dão visibilidade à paisagem destruída e voz às vítimas. Mas é necessário que pressionem os responsáveis após a passagem e incomodem os governantes.

As instituições locais vão ajudando, a partilha de bens minimiza a dor, as paróquias fazem peditórios, mas determinadas obras precisam de outros apoios.

Há famílias desesperadas, pequenas empresas que desapareceram, explorações agrícolas destruídas, animais sem alimento… à espera de respostas e de apoios para recomeçar ou continuar.

Os dias correm e só promessas não chegam para manter viva a esperança.

JD, in Voz de Lamego, ano 87/49, n.º 4435, 7 de novembro de 2017

Categorias:Notícias, Opinião Etiquetas:,

Cáritas, com Portugal, abraça vítimas dos incêndios

A Cáritas Portuguesa acaba de abrir uma conta solidária, para aceitar donativos que serão encaminhados para as vítimas dos incêndios que deflagraram durante o mês de outubro. A conta “Cáritas, com Portugal, abraça vítimas dos incêndios”, criada em parceria com a Caixa Económica Montepio Geral, está disponível para todos os que queiram contribuir para fazer face às necessidades emergentes das vítimas desta catástrofe.

Os donativos podem ser feitos através do IBAN:

PT50 0036 0000 99105878243 94 com o CÓDIGO SWIFT – MPIOPTPL

e através do Multibanco com a entidade: 33333 e referência 333 333 333.

A verba angariada destina-se a ajuda de emergência e para apoio na reconstrução de habitações, assim como outras situações que sejam imprescindíveis para a recuperação dos meios de subsistência.

“A Cáritas está sempre empenhada em fazer tudo o que está ao seu alcance para minorar o sofrimento das pessoas. A destruição de tantas casas, fábricas e terrenos deixaram centenas de pessoas sem norte, sem teto, sem trabalho. Este é um momento difícil, mas o povo português é resiliente e temos a certeza que a reconstrução é possível. É neste sentido que abrimos esta conta solidária, para que todos quantos queiram ajudar tenham um canal que os aproxima das vítimas.” A afirmação é de Eugénio Fonseca, presidente da Cáritas Portuguesa.

A Cáritas tem vindo a desenvolver diversas reconstruções de casas no seguimento dos fogos de verão que atingiram a zona centro, trabalho que está a ser feito em parceria com as autarquias e através das Cáritas Diocesanas que estão no local. Até agora já estão em processo de reconstrução parcial um total de 14 habitações, 12 das quais nos concelhos de Castanheira de Pêra e de Pedrógão Grande, e as restantes duas no concelho da Sertã. Assim, como o apoio a uma empresa familiar e duas reparações de habitações em Mação.

“É desejo da Cáritas Portuguesa concluir estas reconstruções com a maior celeridade possível, priorizando a segurança e a qualidade das mesmas”, conclui o presidente da Cáritas Portuguesa.

A ação da Cáritas no terreno, é operacionalizada pelas Cáritas Diocesanas, começou logo no início da catástrofe, quando ainda havia fogos por extinguir. Todas as Cáritas envolvidas estão a trabalhar em articulação com as entidades locais, disponibilizando os seus meios técnicos e os voluntários.

Cáritas Diocesana de Lamego,

in Voz de Lamego, ano 87/48, n.º 4434, 31 de outubro 2017

SÍRIA: Devolver a esperança através do desporto em Alepo

“A zona ocidental de Alepo não apareceu tanto nos meios de comunicação social mas sofremos também muito com a guerra”, comenta Kevork Mavian, empresário de origem arménia. O bairro de Al-Zizieh, situado numa zona maioritariamente cristã perto do centro histórico de Alepo, acolhe uma comunidade traumatizada pelas consequências da guerra. Antes da guerra havia cerca de 150.000 cristãos mas por causa da violência, da falta de oportunidades e por causa da perseguição levada a cabo pelos grupos jihadistas, só restam 35.000.

As estradas estão salpicadas de buracos e cicatrizes que permanecem no asfalto, marcas das bombas que caíram durante mais de quatro anos de combate nesta cidade do Norte da Síria que, antes da guerra, era a cidade mais populosa e o maior núcleo industrial do país. Ler mais…

Categorias:Jovens, Notícias Etiquetas:, , ,

Paróquia da Mêda veste-se para Concerto Solidário

A Casa Municipal da Cultura de Mêda, vestiu-se no passado dia 30 de julho,para um concerto Solidário pelas vítimas de Pedrogão Grande, Figueiró dos vinhos e Castanheira de Pêra. Esta atividade organizada pela paróquia de Mêda (Grupo de catequistas), reuniu neste espaço muitos corações solidários que participaram de forma ativa, por todas as vítimas deste incêndio.

Ao longo de toda a tarde de domingo, vários artistas musicais do concelho, subiram ao palco, para este Concerto Solidário com lotação esgotada, tendo na plateia o Sr. Pe. Basílio Firmino, Sr. Presidente da Câmara e o Sr. Presidente da Junta de Freguesia de Mêda.

Parabéns a todos os grupos que participaram, mostrando assim que tudo se pode fazer com talento da “Prata da Casa”.

Os donativos foram entregues voluntariamente e um quadro foi doado para o efeito, e, leiloado por duas vezes. Os fundos criados num bar de apoio às pessoas que ali se encontravam, reverteu para o mesmo fim!

No final do concerto, foi anunciado que os donativos tinham totalizado cerca de mil e oitocentos euros, revertendo a favor da Cáritas Nacional, para reforçar o apoio às populações afetadas!…

Resta-nos agradecer a todas as pessoas que exaltaram a solidariedade do povo português, neste caso, a comunidade de Mêda, e a sua capacidade de ajudarem os seus irmãos a reerguerem-se após uma tragédia.

Hoje são eles que precisam, amanhã poderemos ser nós!…

 

Catequistas: Cristina Branco e Conceição Lourenço

in Voz de Lamego, ano 87/39, n.º 4424, 8 de agosto 2017

Concerto Solidário – Mêda, 30 de julho de 2017

No próximo dia 30 de Julho, pelas 16 horas, na Casa Municipal da Cultura da cidade de Mêda. vai realizar-se um Concerto Solidário a favor das vítimas de Pedrogão Grande, Figueiró dos vinhos e Castanheira de Pêra.
do nosso Concelho e terá como intenção, homenagear as vítimas desta tragédia e angariar dinheiro para ajudar as populações afetadas por este incendio que devorou vidas e bens, na região Centro.
Pretendemos ainda com esta iniciativa, dar um pouco de conforto para aqueles que ficaram!… Transmitir uma energia positiva, para que as vítimas desta tragédia ganhem coragem, e “tenham esperança”.
Hoje são eles que precisam, amanhã, poderemos ser nós!…
Seja solidário, apareça e faça a diferença!..

in Voz de Lamego, ano 87/37, n.º 4422, 25 de julho 2017

Conta solidária a favor dos familiares das vítimas de Lamego

Foi recentemente aberta uma conta solidária para angariar verbas que se destinam a ajudar as crianças e as viúvas do trágico acidente na fábrica de pirotecnia “Egas Sequeira” situada na freguesia da Penajóia, em Lamego, da qual resultou o desaparecimento de oito pessoas. Ao longo dos últimos dias, muitos cidadãos anónimos e beneméritos têm manifestado a intenção de ajudar a minorar o sofrimento e a precária situação destas pessoas. Assim, esta conta solidária estará activa até ao próximo dia 31 de agosto, tendo sido aberta ao abrigo da legislação vigente. Os interessados em contribuir devem utilizar os seguintes dados:

Título da Conta: APOIO SOLIDÁRIO FAMÍLIA VÍTIMAS LAMEGO

NIB: 0045 2090 40288314812 17

IBAN: PT50 0045 2090 4028 8314 8121 7

in Voz de Lamego, ano 87/23, n.º 4408, 18 de abril de 2017

Apelo de solidariedade

penedono-ajuda-aires

Um acontecimento trágico atingiu uma família da freguesia de Penela da Beira, concelho de Penedono e diocese de Lamego. Na noite de 27 de dezembro último, um incêndio destruiu, por completo, a exploração agrícola de Aires Macieira: cerca de 100 cabeças de gado (ovelhas), um tractor agrícola, instalações, forragens, ferramentas…

Os meios de comunicação social divulgaram a tragédia e foram várias as manifestações de solidariedade junto desta família.

Apelando à solidariedade de todos, aqui informamos que foi aberta uma conta na Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de Penedono onde podem depositar os donativos:

IBAN: PT50004521614026213364307

BIC/SWIFT: CCCMPTPL

Sabemos que será impossível esquecer esta fatalidade e muito difícil será recomeçar. Contudo, perante tal tragédia, não podemos ficar indiferentes.

Assim, aqui se apela à generosidade de todos, acreditando que, com a ajuda de muitos, por mais pequena que possa parecer, muito se conseguirá para auxiliar esta família e minimizar esta triste situação.

Agradecendo, desde já, todo o apoio possível, por todos rezamos ao Senhor.

Padre Luciano Augusto dos Santos Moreira

Pároco da paróquia de Nossa Senhora do Pranto de Penela da Beirain Voz de Lamego, ano 87/11, n.º 4396, 24 de janeiro de 2017

Almacave Jovem: Natal solidário

hospital

Nesta época natalícia, é sempre bom relembrar que é tempo de reunir a família…. Mas é também tempo de sermos mais próximos daqueles que por diversos motivos não vivem este Natal. Começa aí o desafio, o de sermos capazes de ir ao encontro dos outros, partilhando com eles a alegria e fé naquele que vem anunciar o Amor. Para isso, basta chegar com um sorriso para que um coração “angustiado” se encha de felicidade e seja capaz de renascer na esperança da mensagem de Jesus. É neste sentido que o nosso grupo Almacave Jovem todos os anos, durante este período de férias, agenda visitas aos doentes da Paróquia, aos lares de idosos, ao CAT, Portas P’rà Vida, ao hospital de Lamego e ao Estabelecimento Prisional. Junto deles, cantamos, conversamos, fazemos uma breve oração e, com o Menino que transportamos como anúncio de que o Natal é sempre quando o homem quiser, sentimos a alegria e a emoção dos que olham para nós como portadores da Mensagem Do Natal. Foi neste contexto que partimos em Missão de Anúncio.

Decidimos então, por uns dias, deixar os nossos afazeres, dirigindo-nos até aos que mais precisavam de nós. Nem sempre é fácil quando nos deparamos com a realidade do que é por vezes o abandono, mas cabe-nos a nós mudar isso, nem que seja por um breve momento e sabemos que as lágrimas que vemos muitas vezes, são lágrimas de alegria, de agradecimento, de preenchimento de algo que estava esquecido: um coração com amor!

Quantas vezes é que tentamos pôr-nos no lugar do outro?

Não é difícil dedicarmos algum do nosso tempo a crianças que não vivem o Natal como muitas outras, com o aconchego das suas famílias. Não é difícil conversar um pouco com os idosos que estão nos lares e partilhar com eles um momento de oração. Não é difícil ir ao encontro dos reclusos que, fechados entre quatro paredes, apenas querem sentir o “abraço” do perdão e aceitação, que querem viver Jesus e mostram tanto entusiasmo e dedicação aquando a nossa chegada. É também tão gratificante quando nos dirigimos ao Portas P’rà Vida e passamos uma manhã a cantar, a dançar e conversar com pessoas tão cheias de felicidade! Pessoas que gostam de companhia, de abraços, que nos fazem olhar “para lá do que se vê” e ver a vida de uma outra perspetiva!

Para nós Almacave Jovem, o Natal antecipou-se e prolongou-se assim nas nossas vidas, fora do calendário convencional. Fomos em missão, mas sem dúvida que regressámos mais ricos com o que deles recebemos porque afinal de contas “é no dar que se recebe”.

Inês Gonçalves, Almacave Jovem,

in Voz de Lamego, ano 87/08, n.º 4393, 3 de janeiro de 2017

PRECARIZAÇÃO DA SOCIEDADE | Editorial Voz de Lamego | 13.12.2016

marcha-contra-o-desemprego

Com o aproximar do Natal, vêm ao de cima as necessidades de pessoas e famílias e as dificuldades que enfrentam no momento atual. É tempo de festa e da família. É tempo de compras e do comércio ter alguma desafogo. Realizam-se campanhas de solidariedade, sendo estas oportunidades para colocar a descoberto as fragilidades da sociedade.

O Pe. Joaquim Dionísio, Diretor da Voz de Lamego, faz eco destas preocupações no Editorial desta semana, a abrir a leitura do Jornal Diocesano.

PRECARIZAÇÃO DA SOCIEDADE

Por menos atenta ou estudiosa que seja a observação da sociedade em que vivemos, várias e variadas poderão ser as características que lhe descobrimos, as opiniões que emitimos ou os juízos que fazemos.

E nesta quadra natalícia, em que as famílias se reúnem, as casas se enchem e a amizade se materializa na palavra, na prenda ou no simples cartão (mensagem), em que os convívios se multiplicam, iniciativas solidárias se concretizam e muitas dádivas se materializam… talvez não seja completamente descabido estar atento à “precarização da sociedade”.

O termo “precarização” surge, habitualmente, em contextos laborais para caracterizar a perda de condições, direitos e garantias que atentam contra a vida e a dignidade dos trabalhadores. Mas, independentemente dessa utilização, facilmente associamos ao termo a ideia de insegurança ou realidade transitória.

Mas, olhando atentamente, damo-nos conta de que não serão apenas os postos de trabalho que se tornaram precários. Na verdade, os relacionamentos humanos, o ritmo a que a vida se vive e as condições em que a mesma se desenrola parecem padecer dessa precariedade. E se as causas poderão ser enumeradas, também as consequências não podem deixar de ser notadas.

A instituição familiar é, sem dúvida, das que mais sofre e perde com esta precarização da vida, dos compromissos, do trabalho, dos relacionamentos… Por todo o lado se testemunha um fazer e refazer de laços que leva alguns a falar em “relações leasing”, ou seja relacionamentos e compromissos que duram enquanto servem.

Por outro lado, também não será novidade afirmar que tal precarização da vida, dos compromissos ou dos objectivos, fragiliza o ser humano, tornando-o menos alegre, seguro, confiante ou protagonista da esperança. Nem sempre o sucesso profissional disfarça o vazio instalado.

Celebrar Natal é também descobrir que Deus não ama de forma precária, mas perene.

in Voz de Lamego, ano 87/06, n.º 4391, 13 de dezembro de 2016