Arquivo

Posts Tagged ‘Sínodo’

SÍNODO DOS JOVENS | Editorial Voz de Lamego | 10 de abril de 2018

SÍNODO DOS JOVENS

No próximo outono, a Igreja reunirá mais uma assembleia sinodal, em Roma, desta vez para olhar a realidade juvenil. Uma assembleia que, embora maioritariamente constituída por bispos, contará com jovens de todo o mundo, nomeadamente através dos contributos previamente enviados, e, sobretudo, com a presença do Espírito Santo.

Como sempre, o Papa convocou o Sínodo e definiu o tema. Depois da família, agora os jovens, assunto que motivou uma conversa entre o Papa e Thomas Leoncini, da qual surgiu o livro “Deus é jovem”, onde Francisco retoma algumas das suas.

E assim voltamos a ouvir certos apelos: “sair do sofá”, “assumir a vida”, “ir além da cultura do usar e deitar fora”, “falar com coragem”, “ser protagonista”, “sentir-se em casa quando se está na Igreja”, “participar na revolução da ternura”, “assumir o poder como um serviço”, “fazer e não apenas dizer”, “olhar os outros como uma grande família”…

Mas ouvimos também Francisco caracterizar o nosso tecido social como uma “sociedade desenraizada”, onde “o mundo virtual deixa os jovens voláteis”, em que se promove uma “cultura narcisista”, marcada pelo “pensamento único”, que dá “demasiada importância ao efémero” e cultiva uma “estética artificial”…

Como proposta, o Pontífice destaca a possibilidade de uma “filosofia da bofetada cultural” que promova a diferença, o encontro/diálogo entre gerações capaz de originar “velhos que sonham e jovens que profetizam” ou, ainda, o assumir da “artesanalidade” (fazer-se com criatividade)…

E já na parte final, quando questionado sobre a formação cultural dos jovens, sugere que esta articule três linguagens: “da cabeça”, “do coração” e “das mãos”. E sugere aos mais novos: “aprende o que ouves e faz”, “ouve o que pensas e faz”, “faz aquilo que pensas e escuta”.

A proximidade do Sínodo pode motivar esta e outras leituras e algumas das afirmações podem ajudar a pensar.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/19, n.º 4456, 10 de abril de 2018

Assembleia Geral dos Jovens da Diocese de Lamego

No passado dia 21 de Outubro, realizou-se no Seminário Maior de Lamego a tão esperada Assembleia Geral dos Jovens da Diocese de Lamego que teve como objetivo principal analisar as respostas dadas pelos jovens da nossa diocese ao inquérito preparatório do Sínodo dos Bispos 2018 promovendo uma reflexão conjunta e em pequenos grupos sobre “Os jovens de hoje” e a “Pastoral juvenil numa diocese/paróquia do interior”.

Iniciamos o dia com um acolhimento e a breve apresentação de todos, seguindo-se a oração da manhã. Depois, para melhor compreendermos o 1º tema, tivemos o privilégio de ter como oradora a Diretora do Agrupamento de Escolas de Satão, Prof. Helena Castro. Escutamos e discutimos que, numa sociedade onde quase tudo é tecnológico, imediato e superficial, torna- se mais complicado para os jovens de hoje aceitar e saber lidar com os obstáculos e o sofrimento, desencadeando a frustração e a tomada de novos rumos, longe da “verdadeira felicidade” e do amor, gerando um “vazio disfarçado”. Concordamos que nos dias que correm, cada vez reina mais o individualismo/egocentrismo e que andamos sempre “à volta de nós mesmos”, não deixando muitas vezes espaço para os outros, para Deus e não partilhando com o mundo aquilo que de melhor há em nós. Surgiram então os desafios aos jovens cristãos: o de conhecermos bem a nossa fé para poder transmiti-la, o de sermos ativos mas sempre simples e humildes, de usarmos os valores que seguimos para, dentro de qualquer assunto, conseguirmos atuar da melhor forma, porque só assim somos capazes de construir o Reino de Deus, respeitando as diversas opiniões e partilhando a nossa experiência com outros.

Após uma manhã produtiva e um almoço aconchegante, deparamo-nos com o 2º tema que nos foi muito bem explicado pelo Sr. Padre Tó Jó que é o Diretor do Secretariado Diocesano da Pastoral das Vocações e Juventude de Viseu. Com ele, entendemos que, com as novas gerações, torna-se urgente haver um maior acompanhamento individualizado dos jovens, na diocese, paróquia, grupos, para melhor conhecer os seus quotidianos, inquietações e problemas, pois só assim haverá mais proximidade e entreajuda; assim como é importante a presença e incentivo dos pais na vida cristã dos seus filhos, não esquecendo os Animadores dos grupos que precisam cada vez mais de quem os anime, para continuarem o seu trabalho de cativar os jovens que cada vez mais se afastam. Compreendemos que temos de ser jovens com uma presença solidária e todos ligados entre grupos e movimentos para melhor aprendermos uns com os outros, devemos evitar a “síndrome do teleférico”, como nos dizia o Pe. Tó Jó, pois não devemos estar só de passagem, de “monte em monte”, mas procurar viver ativamente a essência da nossa vocação na nossa paróquia e diocese.

Ao longo de todo o dia, tivemos uma dinâmica onde pudemos preencher alguns ramos com folhas onde deixamos escrita a nossa opinião sobre os defeitos e qualidades dos jovens de hoje, quais as maiores dificuldades com que se depara a pastoral juvenil numa diocese/paróquia no interior e as grandes oportunidades a aproveitar, o que completou toda a restante reflexão obtida. Esta foi uma atividade necessária e enriquecedora, uma vez que nos levou a refletir que há muito por fazer e vários aspetos melhorar. Regressamos a casa com a esperança de que o Sínodo dos Bispos 2018 seja uma “alavanca” que nos desinstale e nos capacite para tomarmos as rédeas da História.

Inês Gonçalves, Almacave Jovem, in Voz de Lamego, ano 87/47, n.º 4433, 24 de outubro 2017

Eucaristia de Encerramento do Sínodo | Homilia do Papa Francisco

cq5dam.web.1280.1280 (4)

SANTA MISSA DE ENCERRAMENTO
DA XIV ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA DO SÍNODO DOS BISPOS

HOMILIA DO PAPA FRANCISCO

Basílica Vaticana
XXX Domingo do Tempo Comum, 25 de Outubro de 2015

—————————————————————-

As três leituras deste domingo apresentam-nos a compaixão de Deus, a sua paternidade, que se revela definitivamente em Jesus.

O profeta Jeremias, em pleno desastre nacional, enquanto o povo é deportado pelos inimigos, anuncia que «o Senhor salvou o seu povo, o resto de Israel» (31, 7). E por que o fez? Porque Ele é Pai (cf. 31, 9); e, como Pai, cuida dos seus filhos, acompanha-os ao longo do caminho, sustenta «o cego e o coxo, a mulher grávida e a que deu à luz» (31, 8). A sua paternidade abre-lhes um caminho desimpedido, um caminho de consolação depois de tantas lágrimas e tantas amarguras. Se o povo permanecer fiel, se perseverar na busca de Deus mesmo em terra estrangeira, Deus mudará o seu cativeiro em liberdade, a sua solidão em comunhão: e aquilo que o povo semeia hoje em lágrimas, recolhê-lo-á amanhã com alegria (cf. Sal 125, 6).

Com o Salmo, também nós manifestámos a alegria que é fruto da salvação do Senhor: «A nossa boca encheu-se de sorrisos e a nossa língua de canções» (125, 2). O crente é uma pessoa que experimentou na sua vida a acção salvífica de Deus. E nós, pastores, experimentamos o que significa semear com fadiga, por vezes em lágrimas, e alegrar-se pela graça duma colheita que sempre ultrapassa as nossas forças e as nossas capacidades.

O trecho da Carta aos Hebreus apresentou-nos a compaixão de Jesus. Também Ele «Se revestiu de fraqueza» (cf. 5, 2), para sentir compaixão por aqueles que estão na ignorância e no erro. Jesus é o Sumo Sacerdote grande, santo, inocente, mas ao mesmo tempo é o Sumo Sacerdote que tomou parte nas nossas fraquezas e foi provado em tudo como nós, excepto no pecado (cf. 4, 15). Por isso, é o mediador da nova e definitiva aliança, que nos dá a salvação.

O Evangelho de hoje liga-se directamente à primeira Leitura: como o povo de Israel foi libertado graças à paternidade de Deus, assim Bartimeu foi libertado graças à compaixão de Jesus. Jesus acaba de sair de Jericó. Mas Ele, apesar de ter apenas iniciado o caminho mais importante, o caminho para Jerusalém, detém-Se ainda para responder ao grito de Bartimeu. Deixa-Se comover pelo seu pedido, interessa-Se pela sua situação. Não Se contenta em dar-lhe uma esmola, mas quer encontrá-lo pessoalmente. Não lhe dá instruções nem respostas, mas faz uma pergunta: «Que queres que te faça?» (Mc 10, 51). Poderia parecer uma pergunta inútil: que poderia um cego desejar senão a vista? E todavia, com esta pergunta feita «face a face», directa mas respeitosa, Jesus manifesta que quer escutar as nossas necessidades. Deseja um diálogo com cada um de nós, feito de vida, de situações reais, que nada exclua diante de Deus. Depois da cura, o Senhor diz àquele homem: «A tua fé te salvou» (10, 52). É belo ver como Cristo admira a fé de Bartimeu, confiando nele. Ele acredita em nós, mais de quanto acreditamos nós em nós mesmos.

Há um detalhe interessante. Jesus pede aos seus discípulos que vão chamar Bartimeu. Estes dirigem-se ao cego usando duas palavras, que só Jesus utiliza no resto do Evangelho. Primeiro, dizem-lhe «coragem!», uma palavra que significa, literalmente, «tem confiança, faz-te ânimo!» É que só o encontro com Jesus dá ao homem a força para enfrentar as situações mais graves. A segunda palavra é «levanta-te!», como Jesus dissera a tantos doentes, tomando-os pela mão e curando-os. Os seus limitam-se a repetir as palavras encorajadoras e libertadoras de Jesus, conduzindo directamente a Ele sem fazer sermões. A isto são chamados os discípulos de Jesus, também hoje, especialmente hoje: pôr o homem em contacto com a Misericórdia compassiva que salva. Quando o grito da humanidade se torna, como o de Bartimeu, ainda mais forte, não há outra resposta senão adoptar as palavras de Jesus e, sobretudo, imitar o seu coração. As situações de miséria e de conflitos são para Deus ocasiões de misericórdia. Hoje é tempo de misericórdia!

Mas há algumas tentações para quem segue Jesus. O Evangelho de hoje põe em evidência pelo menos duas. Nenhum dos discípulos pára, como faz Jesus. Continuam a caminhar, avançam como se nada fosse. Se Bartimeu é cego, eles são surdos: o seu problema não é problema deles. Pode ser o nosso risco: face aos contínuos problemas, o melhor é continuar para diante, sem se deixar perturbar. Desta maneira, como aqueles discípulos, estamos com Jesus, mas não pensamos como Jesus. Está-se no seu grupo, mas perde-se a abertura do coração, perdem-se a admiração, a gratidão e o entusiasmo e corre-se o risco de tornar-se «consuetudinários da graça». Podemos falar d’Ele e trabalhar para Ele, mas viver longe do seu coração, que Se inclina para quem está ferido. Esta é a tentação duma «espiritualidade da miragem»: podemos caminhar através dos desertos da humanidade não vendo aquilo que realmente existe, mas o que nós gostaríamos de ver; somos capazes de construir visões do mundo, mas não aceitamos aquilo que o Senhor nos coloca diante de olhos. Uma fé que não sabe radicar-se na vida das pessoas, permanece árida e, em vez de oásis, cria outros desertos.

Há uma segunda tentação: cair numa «fé de tabela». Podemos caminhar com o povo de Deus, mas temos já a nossa tabela de marcha, onde tudo está previsto: sabemos aonde ir e quanto tempo gastar; todos devem respeitar os nossos ritmos e qualquer inconveniente perturba-nos. Corremos o risco de nos tornarmos como «muitos» do Evangelho que perdem a paciência e repreendem Bartimeu. Pouco antes repreenderam as crianças (cf. 10, 13), agora o mendigo cego: quem incomoda ou não está à altura há que excluí-lo. Jesus, pelo contrário, quer incluir, sobretudo quem está relegado para a margem e grita por Ele. Estes, como Bartimeu, têm fé, porque saber-se necessitado de salvação é a melhor maneira para encontrar Jesus.

E, no fim, Bartimeu põe-se a seguir Jesus ao longo da estrada (cf. 10, 52). Não só recupera a vista, mas une-se à comunidade daqueles que caminham com Jesus. Queridos Irmãos sinodais, nós caminhámos juntos. Agradeço-vos pela estrada que compartilhámos tendo o olhar fixo no Senhor e nos irmãos, à procura das sendas que o Evangelho indica, no nosso tempo, para anunciar o mistério de amor da família. Continuemos pelo caminho que o Senhor deseja. Peçamos-Lhe um olhar são e salvo, que saiba irradiar luz, porque recorda o esplendor que o iluminou. Sem nos deixarmos jamais ofuscar pelo pessimismo e pelo pecado, procuremos e vejamos a glória de Deus que resplandece no homem vivo.

FONTE: página oficial do VATICANO.

APROFUNDAR PARA MUDAR | Editorial Voz de Lamego | 30-09-2014

VL_30-9-2014

No dia 27 de setembro, sábado, no Seminário Maior de Lamego, em Dia de Igreja Diocesana, a apresentação do Plano Pastoral Diocesano e a apresentação da Carta Pastoral de D. António Couto, Bispo desta nobre Diocese de Lamego. “Ide e construí com mais amor a Família de Deus”. É o tema da carta e o lema para o Ano Pastoral de 2014-2015. O jornal diocesano faz largo eco deste dia, publicando imagens, desenvolvendo a notícia e publicando a Carta Pastoral do nosso Bispo, alargando desta forma a possibilidade de mais pessoas terem acesso à convocação de D. António Couto.

Outro tema em destaque: a entrada nas paróquias do Pe. José Fonseca Soares e do Pe. Vítor Taveira. Também esta edição da Voz de Lamego faz eco do que vai acontecendo na região, na igreja e um pouco por todo o lado.  Por outro lado, várias reflexões, sob inspiração cristã, à procura de dar pistas, para dizer bem e bem fazer, para melhor viver.

O editorial desta semana faz-nos compreender o que significa o Sínodo dos Bispos que inicia no próximo domingo, cuja temática principal será a família.

Aprofundar para mudar

No próximo domingo, dia 05, no Vaticano e com participantes de todo o mundo, tem início o Sínodo sobre a família.

Ao serviço dos homens e mulheres de hoje e de sempre, a Igreja está particularmente atenta à família. Por isso a sua voz se faz ouvir, constantemente, para sublinhar a sua importância na vida de cada um e no todo da sociedade. E procura fazê-lo com realismo e confiança, denunciando profeticamente o que a atinge e demonstrando esperança nas capacidades humanas para fazer melhor. Porque a família é um bem universal que deve ser defendido e promovido, independentemente da fé que se professa ou da falta de fé que se assume.

No âmbito familiar, diante de tantas situações que geram desconforto pastoral, multiplica-se o refrão: “a Igreja tem que mudar o seu ensinamento e a sua prática!” Mas será que a Igreja poderá reescrever o Evangelho? Não. Mas pode aprofundar o conhecimento e interpretação do mesmo, bem como da circunstância histórica em que nos encontramos.

Por isso, “mudar”, na Igreja, significa aprofundar para conhecer. E conhecer mais proporciona seguir melhor. Daí que a esperança seja legítima, convictos de que o Espírito guia e assiste e que a Igreja reunida saberá interpretar os sinais e encontrar respostas. Este é o grande desafio de sempre: articular fidelidade doutrinal (estar junto de Deus) com criatividade pastoral (estar perto dos homens).

O próprio Papa desafiou, recentemente, o Cardeal W. Kasper a colocar questões sobre o assunto e a partilhá-las com Cardeais (Consistório). Nessa perspectiva, o Sínodo vai certamente debruçar-se sobre questões doutrinais, mas vai também estar ocupado em oferecer possibilidades e perspectivas pastorais: para trazer luz, abrir portas, fazer pensar, convidar à mudança e, sobretudo, apresentar um sentido.

Pe. Joaquim Dionísio, VOZ DE LAMEGO, 30 de setembro de 2014, n.º 4282, ano 84/44

Sínodo sobre a Família: contributo da Diocese de Lamego

In Agência Ecclesia

O responsável pelo tratamento em Lamego do inquérito sobre a família que o Vaticano enviou às dioceses de todo o mundo considera que as respostas recolhidas revelam “que a família cada vez se demite mais da sua missão”.

Em entrevista à edição mais recente do jornal ‘Voz de Lamego’, o padre João Costa Morgado salienta que os dados congregados através do questionário indicam que os pais tendem a “remeter a formação ética” dos filhos “para a Escola” e a educação na fé “para a Paróquia”.

“Globalmente as pessoas queixam-se da crise económica, da falta de tempo, dos meios de comunicação social, como obstáculos para uma melhor vivência do modelo cristão de família”, adianta o sacerdote.

A Santa Sé enviou às conferências episcopais um questionário solicitando a todas as dioceses que se pronunciassem sobre o tema ‘Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização’ que estará em debate numa assembleia extraordinária do Sínodo dos Bispos, no Vaticano, entre os dias 5 e 19 de outubro deste ano.

De acordo com o padre João Costa Morgado, o levantamento efetuado permite também verificar que existe “ainda um longo e persistente trabalho a fazer” pela Igreja Católica em áreas como a Pastoral Familiar e a Pastoral da Evangelização.

“Os documentos do magistério em geral e sobre a família, neste caso particular, são praticamente desconhecidos pela maioria da nossa gente”, realça.

Temas como a “União de pessoas do mesmo sexo”, a “Educação dos filhos no contexto de situações matrimoniais irregulares” e o “Matrimónio segundo a lei natural” também foram incluídos no lote de questões remetidas às famílias.

No que diz respeito “aos novos modelos de família”, o padre João Costa Morgado refere que as pessoas demonstraram “ter uma atitude cada vez mais compreensiva”: “Embora se reconheça o mal, é reclamada, pela quase totalidade, uma postura por parte da Igreja de acolhimento, de não discriminação e de atenção pastoral a estes casos”.

A Diocese de Lamego disponibilizou, através dos arciprestados e do seu site, o documento preparatório para o Sínodo, onde constava o referido questionário, pedindo respostas até ao final da primeira semana de dezembro de 2013, por correio ou via email.