Arquivo

Posts Tagged ‘Seminaristas’

Seminário Interdiocesano de São José: Retiro Anual

SML-Retiro 2015

Sob o tema “Dar-vos-ei pastores segundo o meu coração” o seminário interdiocesano de São José – formado pelos seminaristas maiores da diocese de Bragança-Miranda, Guarda, Lamego e Viseu – rumou ao Santuário do Imaculado Coração de Maria dos Cerejais, diocese de Bragança.

O retiro anual começou no dia 13 de fevereiro, sexta-feira, terminou no dia 17 do mesmo mês e foi orientado pelo Reitor do Santuário, o reverendo padre José António Machado. Durante estes dias os vinte seminaristas fizeram uma necessária paragem da rotina diária e foram chamados a refletir a sua vida e o seu chamamento à Luz da Palavra.

O primeiro dia foi utilizado para se fazer memória, cada um foi convidado a mergulhar no momento em que disse o seu sim e a atualiza-lo; o segundo dia para a identidade de jovens cristão seminaristas; ao longo do terceiro propôs-se o reencontro necessário com o Deus da História, com o Deus que nos ama e chama; e para terminar, como que agrupando todos os dias anteriores, foi proposto o entusiasmo como forma visível de demonstrar a certeza e a alegria do seguimento de Cristo.

Assim, o pregador do retiro quis transmitir-nos a certeza de que é bom corresponder ao chamamento de Deus, que se manifesta na vida de cada um, que nos ama e chama à conversão e a segui-lo na caridade.

O Santuário e o seu enquadramento paisagístico fizeram com que estes dias de escuta fossem mais apelativos para cada um de nós, quer no silêncio da capela quer na contemplação da natureza. Assim, vivemos melhor este encontro com Cristo, o bom Pastor, deixar ecoar melhor a sua Palavra.

O retiro terminou na terça-feira, dia anterior ao início da quaresma, depois de almoço. E antes do regresso a Braga houve ainda tempo para conhecer o Santuário de Santo Antão da Barca, localizado na mesma unidade pastoral, que foi, devido à construção da barragem do Sabor transferido da sua localização inicial.

Jorge Miguel 3ºAno (Diocese de Bragança-Miranda)

in VOZ DE LAMEGO, n.º 4303, ano 85/16, de 3 de março de 2015

Ação vocacional em VILA NOVA DE FOZ CÔA

Fotos SeminárioFoz Coa 066

No passado fim-de-semana, dias 24 e 25 de Janeiro de 2015 o Seminário Menor de Resende foi até terras do Alto Douro, nomeadamente Vila Nova de Foz Côa para fazer ações vocacionais e acompanhar o sr. Padre Ferraz nas suas paróquias (Santo Amaro, Pocinho, Vila Nova de Foz Côa e Mós). No dia 24 fizemos duas ações vocacionais, uma com os alunos da catequese e outra com os jovens que se estão a preparar para o Crisma. Já no dia 25, juntamente com o sr. Padre Ferraz fomos celebrar as suas eucaristias, animando com cânticos as eucaristias em Santo Amaro, Pocinho e Mós. Em cada paróquia acolitaram 2 seminaristas: um era o que ia dar o seu testemunho e o outro era o André Nascimento. Fomos nós que, também, fomos ler as leituras e a oração dos fiéis. Apenas na Eucaristia de Vila Nova de Foz Côa não lemos, mas acolitamos.

Fotos SeminárioFoz Coa 041Nas ações vocacionais cada um dos seminaristas se apresentou ao grupo de jovens. Nas várias homilias falou-se do chamamento de Jesus Cristo e, também, da falta de vocações sacerdotais. Falou-se também do pré – seminário que vai haver no fim-de- semana de 31 e 1 de janeiro. Apelou-se aos jovens para ir “experimentar” o Seminário, pois o Seminário não serve só para formar padres mas, principalmente, bons homens.

No final fomos todos almoçar juntamente com os pais do sr. Pe. Ferraz , depois regressamos a nossa casa, o Seminário Nossa Senhora de Lourdes.

A todas as comunidades confiadas ao Rev. Pe. Ferraz, o nosso grande Bem-haja pelo acolhimento e disponibilidade em nos receberem, assim como ao seu Pastor, neste momento a ser ajudado pelo Diácono Valentim a quem também agradecemos a forma como nos recebeu.

Igor Andrade (11º ano), Marcelo Castro (10ºano),

in VOZ DE LAMEGO, n.º 4298, ano 85/11, de 20 de janeiro de 2015

7 Seminaristas maiores | breve testemunho

seminário

“A minha entrada no seminário é o início de um novo caminho. Um caminho que tem como objetivo de destino o sacerdócio, no serviço a Deus e a Sua Igreja. Nesse caminho não estou sozinho. Comigo caminham outros que como eu procuram o trilho certo para a felicidade, Jesus Cristo. Juntos, formamos uma família. Somos todos irmãos, apoiamo-nos uns aos outros perante as dificuldades e alegrarmo-nos sempre que a tristeza se tenta apoderar da alma. O trabalho é árduo e o caminho é longo, mas a grandeza do amor de Deus por nós é a nossa energia”.

João Pereira, I Ano | Freigil-Resende

“Tempo de Seminário é também, para além de muitas outras disposições, tempo de agradecer ao Senhor. Agradecer por aquilo que nos deu sem que nós lho tenhamos pedido, nomeadamente a vocação e agradecer por tudo aquilo que tantas vezes não nos dá, ainda que nós lho peçamos

Diogo Martinho, III Ano | Cotelo-Gosende

“A família é, sem dúvida, um dos pilares fundamentais para a caminhada do seminarista rumo ao sacerdócio. É a família, que mesmo longe (em termos físicos) está sempre presente nos nossos corações, por meio da oração. É com a força de Deus, dos amigos e da família que todos os dias renovo o meu “sim” e o que me leva a seguir o percurso indicado por Ele”.

Vítor Carreira, IV Ano | Queimadela

“O Seminário, na sua vivência não difere da primeira comunidade dos discípulos. Continua a ser não só um lugar de procura, um eco do primeiro encontro dos primeiros discípulos: «Mestre, onde moras?», mas também a resposta ao convite de Jesus para O seguir, caminhando com Ele ao encontro da humanidade. De facto, é através da oração, do estudo e das atividades pastorais, que o seminarista se prepara para se configurar com Cristo, Bom Pastor”.

Diogo Rodrigues, V Ano | Mases-Lazarim

“Um seminarista é um “desafiado” por Deus. Chamado para O seguir, enviado para Amar! Não deixemos de desafiar com as nossas palavras e atitudes aqueles com quem nos cruzamos. Padre? Porque não?”

Luís Rafael Azevedo, V Ano | Vila da Ponte

“Tem confiança, levanta-te Ele chama-te” (Mc 10, 49). Esta provocação feita ao cego Bartimeu conduziu que ele deixasse a beira do caminho para passar a fazer parte do caminho com Ele e com alegria “levantou-se de um salto e foi ter com Jesus” (Mc 10, 50). Tenhamos a mesma ousadia de Bartimeu”.

Ângelo, VI Ano | Vila Nova Souto D`El-Rei

“A Paróquia é a grande escola da família da fé. É através da simplicidade das pessoas que se manifesta a alegria do Evangelho. Agradeço a todas as paróquias que nos têm acolhido e ensinado a viver na humildade e no Amor”.

Joel, VI Ano | Granjal

in VOZ DE LAMEGO, n.º 4288, ano 84/50, de 11 de novembro de 2014.

SEMINÁRIO MENOR DE RESENDE – Abertura do Ano Letivo 2014-15

seminario de resende-abertura

No passado dia 9 de outubro (quinta-feira), pelas 18h30 realizou-se no Seminário de Nossa Senhora de Lourdes (Seminário Menor da Diocese de Lamego), a abertura solene do Ano Letivo de 2014/2015.

O presidente da celebração foi o bispo da diocese, Sua Ex.a Rev.ma D. António José da Rocha Couto, acompanhado pela Equipa Formadora do mesmo Seminário, contando ainda com a presença do Reitor do Seminário Maior de Lamego, em representação de todos os que fazem parte dessa comunidade, outros sacerdotes amigos que quiseram tomar parte deste momento bem como os 14 seminaristas que fazem parte deste grupo.

Na homilia, o Senhor Bispo, referiu a importância da aprendizagem escolar e a importância da vida. De acordo com o texto de Lc 11, 5-8, D. António, dirigindo-se aos seminaristas e sacerdotes presentes disse que “todos nós devemos permanecer na umbreira da porta, para que quando alguém bater, por dentro ou por fora, possamos atender aos pedidos que nos são feitos, não pelo pedido em si, mas pela insistência daquele que pede.” Assim deve ser na vida do seminarista. Estar atendo às necessidades e insistências dos outros faz parte da vocação.

O momento terminou com a partilha da refeição com todos os presentes.

“Vamos construir, com mais amor, a família de Deus no Seminário.” É este o lema que o Seminário vai percorrer ao longo deste Ano Letivo. Neste sentido fica um pouco da mensagem do Senhor Vice-Reitor a propósito deste caminho a seguir: “Caminhar COM os outros dará ao jovem a capacidade de conhecer e de ser conhecido, de respeitar e ser respeitado, de perdoar e de ser perdoado, de aceitar e rejeitar, de superar a desconfiança e o medo porque juntos somos mais fortes e é na relação com os outros que encontramos o segredo da felicidade.”

André Nascimento, SMR, in VOZ DE LAMEGO, 14 de outubro de 2014, n.º 4284, ano 84/46

Abertura solene > SEMINÁRIO INTERDIOCESANO DE SÃO JOSÉ

abertura-Seminário2

No passado dia 3 de outubro iniciou-se oficialmente o ano letivo no Seminário Interdiocesano de S. José. Na abertura estiveram presentes os bispos das quatro dioceses, que compreendem o nosso Seminário: Bragança-Miranda, Guarda, Lamego e Viseu.

Depois da chegada dos senhores bispos e reitores dos Seminários diocesanos a Braga, estes reuniram com a equipa formadora do Seminário Interdiocesano. Finda a reunião, teve lugar o almoço, onde tomou parte D. Jorge Ortiga, arcebispo Primaz de Braga.

A tarde iniciou-se com uma sessão solene, na qual o Sr. Bispo de Bragança-Miranda proferiu uma reflexão onde tratou o tema para este ano: “Dar-vos-ei  pastores segundo o meu coração” apresentando  o Seminário, sobretudo, como um tempo de escuta, onde aquele que é chamado deve procurar pautar a sua vida através da oração e do encontro com Cristo.

Ao concluir este encontro, depois de um diálogo, onde o bispo de Bragança pôde responder a algumas dúvidas e inquietações, celebrámos, na nossa capela a missa votiva  Espírito Santo, pedindo-lhe como na sequência do Pentecostes que Ele seja Luz de Santidade e Benfeitor Supremo, como afirmava o Presidente da nossa celebração, D. Manuel Felício, bispo da Guarda, na sua homilia. Foi ainda referido o exemplo de S. José, para que nos ensine a viver na humildade, tal como ele.

Depois da celebração eucarística, houve um pequeno momento de confraternização, com que terminamos este dia de festa, e invocamos o Espírito Santo e pedimos a intercessão de S. José para os nossos trabalhos académicos e pastorais.

Diogo Rodrigues, VOZ DE LAMEGO, 14 de outubro de 2014, n.º 4284, ano 84/46

Admissão às ordens sacras – O pequenino da Escritura

Imagem

Platão afirmou que “Deus não se mistura com os homens”, ou seja, Deus encontrava-se na Sua transcendência permanecendo alheio à oração, às alegrias e aos sofrimentos das mulheres e dos homens. Na verdade a solução para esta falácia platónica encontramo-la na devoção ao Sagrado Coração de Jesus.

O mês de junho é dedicado especialmente a esta devoção, uma devoção que segundo o Cardeal Carlo Maria Martini tem como finalidade chamar “atenção para a centralidade do amor de Deus como a chave da história da salvação”. Neste sentido no passado dia 27 de junho na Igreja Catedral de Lamego procedeu-se a celebração da Solenidade do Sagrado Coração de Jesus, presidida pelo D. António Couto. D. António Couto na explanação da passagem do Evangelho de S. Mateus 11,25-30 chamou atenção para os dois movimentos operados por Jesus, isto é, Jesus primeiro volta-Se para Deus, para logo de seguida voltar-Se para nós. No entanto, esta preocupação com o “bem-querer do Pai” só pode ser realizada por Jesus, porque segundo D. António Couto “o pequenino da Escritura é Jesus”. Jesus é o pequenino de Deus, porque toda a Sua vida foi dedicada ao serviço, e no ensinamento e vivência do único mandamento, o mandamento do amor, em contrapartida da vivência dos 613 mandamentos dos judeus.

Imagem

Neste ano esta celebração teve a participação das comunidades do Seminário Maior de Lamego e do Seminário Interdiocesano de Braga, no acompanhamento de dois seminaristas de Lamego que realizaram mais uma etapa da sua caminhada vocacional. Os seminaristas Diogo André Costa Rodrigues (Lazarim) e Luís Rafael Teles Azevedo (Vila da Ponte) ambos do IVº ano foram admitidos as ordens sacras, assumindo “o propósito de caminhar até ao diaconado e presbiterado” nas palavras de D. António Couto.

Por fim, D. António Couto desafiou os cristãos a despojarem “das suas grandezas” para assumirem “o pequeno caminho da perfeição”, caminhando no seguinte tom, “servir é amar e amar é servir”.

Ângelo Santos, Seminário Maior de Lamego,

in Voz de Lamego, 1 de julho de 2014, n.º 4271