Arquivo

Posts Tagged ‘Seminário Maior de Lamego’

PASTOR – CUIDAR | Editorial Voz de Lamego | 10 de outubro

No passado dia 5 de outubro, aproveitando o feriado nacional, a Diocese de Lamego viveu a Assembleia do Clero, no Seminário Maior de Lamego. O Pe. Joaquim Dionísio reflete sobre a participação dos sacerdotes nestes encontros de confraternização, de formação e de diálogo.

Mas esta é a porta de entrada para a leitura do Jornal Diocesano, mas muitos outros temas se encontram nesta edição, notícias, eventos, reflexões… Boa leitura

PASTOR – CUIDAR

A participação nas nossas assembleias do clero tem vindo a diminuir, apesar de realizadas num feriado nacional, de ocuparem apenas uma manhã e de serem vistas como uma oportunidade de encontro e de diálogo fraternos.

Os motivos para a diminuta participação poderão resultar das dificuldades de agenda e de incapacidades ocasionais ou serem fruto de uma avaliação e opção pessoais, nomeadamente sobre a oportunidade do encontro alargado, o tema proposto, os intervenientes ou a modalidade prevista.

Talvez esta tenha sido pouco preparada e divulgada ou, então, talvez os encontros alargados tenham deixado de motivar e devam ser valorizados grupos mais reduzidos, nomeadamente os previstos nos arciprestados… Só a identificação das causas poderá ajudar a corrigir, a fazer diferente ou a deixar de insistir neste modelo.

A última assembleia havia sido pensada à medida do tema do ano pastoral em curso, nomeadamente sobre o cuidado com ministério sacerdotal. Cuidado e atenção de cada ministro ordenado diante do dom recebido; cuidado solidário e próximo para com os outros presbíteros; cuidado da comunidade cristã que acolhe e acompanha os seus pastores. Dito de outra forma, há uma responsabilidade pessoal que não pode ser hipotecada e uma acção comunitária indispensável para preservar e viver o dom do ministério sacerdotal. Porque, se o próprio não quiser, de pouco valerão as visitas, os convites, as reuniões ou as ajudas e se ninguém se interessar poderá o próprio sentir-se esquecido.

Neste particular e no que ao cuidado com os ministros ordenados diz respeito, o Bispo assume especial protagonismo, sendo convidado a preocupar-se com quem não está e a ter “uma compaixão prática pelos sacerdotes que se encontram nalgum perigo ou faltaram já a alguns dos seus deveres” (CD 16). Trata-se, mais uma vez, de procurar a ovelha perdida.

in Voz de Lamego, ano 87/45, n.º 4431, 10 de outubro 2017

MINISTÉRIO E CUIDADO | editorial da Voz de Lamego | 3 de outubro

A Diocese de Lamego fez acontecer a Abertura do Ano Pastoral 2017-2018, no passado dia 30 de setembro de 2011, no Seminário Maior de Lamego, subjugado ao lema: VAI, E FAZ TAMBÉM TU DO MESMO MODO. Tema enquadrado e aprofundado por D. António Couto na Carta Pastoral para este novo ano pastoral. No dia 1 de outubro, o país foi a votos, para decidir a governação autárquica. A edição desta semana da Voz de Lamego destaca este dois temas, desde a primeira página.

No Editorial, o Pe. Joaquim Dionísio remete-nos para outro evento, a realizar no próximo dia 5 de outubro, no Seminário Maior de Lamego, a Assembleia do Clero:

MINISTÉRIO E CUIDADO

No feriado comemorativo da implantação do regime republicano entre nós, o clero da nossa diocese reúne-se em assembleia. Não sendo a primeira da história recente, será sempre nova para quantos nela participam com alegria e disponibilidade.

A assembleia concretiza a oportunidade do encontro e da partilha fraterna, o assumir de uma pertença e o dar corpo ao presbitério. Mais do que boas ou originais ideias postas em debate, importante será sempre o assumir do “nós” que fortalece e motiva.

A partir da temática do ano pastoral, que convida a cuidar do outro e a testemunhar a fé através da caridade fraterna, o encontro visa também motivar os nossos padres a protagonizarem idêntico cuidado na vivência do seu ministério.

Por outras palavras, o objectivo da assembleia passa por convidar cada um a contemplar e a preservar o dom recebido, “gastando-o” na comunidade. Um dom que pode ser promovido e protegido com a presença e ajuda fraternas dos outros presbíteros, bem como com o cuidado da comunidade cristã diante dos seus pastores.

O ministério sacerdotal é um dom, uma graça de Deus à Igreja e ao mundo, que necessita de cuidados, sob pena de estiolar, levar ao desencanto, causar infelicidade ou tristeza. Quantas vezes, por manifesta falta de cuidado do próprio ministro, por causa de um certo isolamento procurado ou sofrido e devido à ingratidão das comunidades, o ministério sacerdotal, que deveria ser motivo de alegria e um bem a preservar, se transforma numa “cruz pesada” difícil de levar ou numa insatisfação que é difícil disfarçar?

Longe de qualquer tentação narcisista ou clerocentrista, cuidar do ministério é condição cimeira para a realização pessoal e para a edificação da Igreja. Porque só um padre consciente do dom que é pode ser bênção para os outros.

in Voz de Lamego, ano 87/45, n.º 4430, 3 de outubro 2017

ABERTURA E PERTENÇA | editorial Voz de Lamego | 26 de setembro

ABERTURA E PERTENÇA

No próximo sábado, o último de setembro, a diocese de Lamego viverá a abertura do novo ano pastoral. Como nos últimos anos, haverá oportunidade para escutar o nosso bispo sobre a temática escolhida, teremos acesso à planificação anual e testemunharemos a apresentação de sugestões e convites para a vivência do tema.

O destaque deste ano anda à volta do testemunho crente que se expressa na vivência da caridade, inspirado na resposta de Jesus aquando da narração da parábola do “bom samaritano”: “Vai e faz tu também o mesmo”.

Um convite que desinstala e convida a sair de si para encontrar os outros, mas que também deixa orientações sobre a forma como ser concretizado. Não basta ir; não chega fazer. Porque podemos ir sem compromisso e passar ao largo de quem está; podemos fazer muito, sem dar lugar ao essencial.

Eis o desafio colocado a todos e, em particular, aos que maior responsabilidade assumem na animação pastoral das comunidades. Importa identificar o caminho por onde ir e elencar propostas que ajudem a concretizar a fé.

Certamente que a Carta Pastoral de D. António Couto nos elucidará sobre a passagem bíblica e deixará linhas para a sua vivência em comunidade.

Por outro lado, a planificação a distribuir não abarcará toda a realidade nem esgotará o leque de sugestões. Mas pode ser um instrumento para ajudar a assumir e a viver a comunhão eclesial. Podemos ter ritmos diferentes, sensibilidades e prioridades distintas, mas urge não perder a referência ao todo de que cada um e cada comunidade são parte integrante e necessária.

A abertura do ano pastoral e o convite para caminhar juntos contribuem, à sua maneira, para o assumir de uma pertença e de um caminho que distinguem e motivam a avançar.

 

in Voz de Lamego, ano 87/44, n.º 4429, 26 de setembro 2017

Acompanhamento de Peregrinos no Santuário de Fátima

Neste ano em que se celebra o centenário das aparições de Nossa Senhora em Fátima, não podia eu deixar de também me aproximar mais daquele Santuário já apelidado como “altar do mundo”. Ao longo do último ano, várias vezes me debrucei sobre o “Acontecimento Fátima”: quer na oração, quer em leituras, quer em conferências, quer na escolha da música que escutei e, por fim, no zénite que foi a peregrinação dos passados dias 12 e 13 de Maio ao lado do Santo Padre.

No intuito de aprofundar mais intimamente as palavras da “serva e mensageira da Palavra” e sentir mais proximamente a diversidade de formas como, ali, Maria é “saudada por todas as gerações” decidi aproveitar a oportunidade que o Santuário de Nossa Senhora do Rosário de Fátima oferece aos seminaristas e, durante a quinzena de 15 a 31 de Julho, vivi Fátima em Fátima. O projeto de “acolhimento dos peregrinos por seminaristas” é uma oportunidade única de chegar ao coração daquele santuário. Partilho agora consigo, caro(a) leitor(a), aquela que foi a minha experiência:

O caminho para Fátima de autocarro fazia-me antever as expressões de fé que lá havia de encontrar. O condutor do autocarro, que de forma muito educada me acolheu, é exemplo daqueles cristãos que não varrem os sinais que apontam para a Mãe de Jesus Cristo. Junto ao volante, lá estava uma dezena que, se nunca foi rezada, deve ter a força de (e)levar o pensamento para a proteção maternal de Maria de cada vez que os olhos a fitam. Ler mais…

Comunidade do Seminário em Penedono: um dia histórico

A convite do Pe. Luciano Moreira, pároco de Penedono, Penela da Beira, Granja e Póvoa de Penela, no passado dia 27 de junho, a comunidade do Seminário Maior de Lamego teve a oportunidade de visitar algumas comunidades da nossa diocese.

Chegamos a Penedono por volta das 9h e o primeiro local a visitar foi a capela da Ssenhora do Viso, em Custóias, Vila Nova de Foz Côa. Aqui tivemos a oportunidade de vislumbrar a magnífica paisagem do Douro Vinhateiro. Seguimos viagem por Olas e Arnozelo e fomos até Numão. Depois do “café da manhã” oferecido pelo Pe. António Júlio, na residência paroquial, visitámos o castelo desta mesma localidade.

Após uma pausa para o almoço deslocamo-nos até à Estação Arqueológica do Prazo, que é mais um verdadeiro exemplar de uma Vila Romana que teve a sua ocupação entre o séc. I e o início do séc. V d.C. Como o tempo ia passando, a visita prosseguiu até à Coriscada, mais precisamente ao sítio arqueológico do Vale da Moura. Atrever-me-ia a dizer que é um local ainda desconhecido para muitos, uma vez que as escavações iniciaram apenas no ano de 2003. Mas, depois de descoberto, as palavras faltam-nos para descrever a beleza que ali podemos encontrar: vestígios de balneários romanos, cerâmicas e diz-se ainda que foram já encontradas bastantes moedas. Passamos ainda em Marialva, aldeia com um significado histórico bastante profundo e relevante, uma vez que as suas origens remontam aproximadamente ao séc. VI a.C.

Regressamos a Penedono e dirigimo-nos ao Santuário de Santa Eufémia, onde tivemos a oportunidade não só de visitar, mas também de rezar diante da imagem da virgem e mártir, agradecendo ao Senhor o dia que nos proporcionou. Após uma visita rápida ao castelo da vila dirigimo-nos para a igreja paroquial onde celebramos a Eucaristia. Nesta celebração, para além de outras intenções, recordamos o Pe. Manuel João, sacerdote natural desta paróquia, que faleceu a 22 de setembro de 2015 com 30 anos. Seguidamente visitamos ainda Penela da Beira nomeadamente o dólmen da capela de Nossa Senhora do Monte. O nosso dia de visita terminou com o jantar no hotel rural de Penedono.

Desde já agradecemos ao Pe. Luciano Moreira não só pelo convite que nos fez, mas sobretudo pelo dia que nos proporcionou. Um dos objetivos propostos para os alunos do 6.ºano de Teologia é precisamente o “sair”, para visitar as comunidades da nossa diocese, “ir” ao encontro dos párocos e ouvir as suas histórias e experiências. Foi um dia cheio, cheio de história, cheio de descobertas.

Vítor Teixeira Carreira,  in Voz de Lamego, ano 87/35, n.º 4420, 11 de julho 2017

Conselho Diocesano de Pastoral – 1 de julho de 2017

No passado sábado, 01 de julho, no Seminário Maior de Lamego, reuniu o Conselho Diocesano de Pastoral, sob a presidência de D. António Couto e com a presença da maioria dos conselheiros.

A agenda de trabalho estava dividida em duas grandes áreas: olhar para o percurso feito para identificar o mais e o menos conseguido; perspectivar algumas linhas de orientação para o próximo ano pastoral.

O encontro, cujo início estava marcado para as 9h30, começou com um tempo de oração, seguido de breve meditação do nosso bispo, a que se seguiu a aprovação da acta da reunião anterior. Depois, cada um dos presentes foi convidado a olhar para o ano prestes a findar e a identificar factos, etapas ou iniciativas que contribuíram para o concretizar do proposto e para o alcançar da meta geral fixada. O balanço identificou o muito conseguido, mas também o menos, sublinhando a importância de continuar no rumo proposto que é o da evangelização. A este propósito, D. António Couto não deixou de apontar para os evangelhos e para o exemplo de tantos, onde se encontram apelos e testemunhos de uma total dedicação ao Senhor que quer tudo e todos e não se contenta com calculismos e apenas alguns pormenores.

Em relação ao próximo ano, dentro das temáticas antes propostas, o tema geral andará à volta da caridade, sendo que ainda se esperam contributos de outros organismos diocesanos. A este propósito, ficou marcado um encontro para responsáveis de departamentos, serviços, movimentos e grupos com vista à elaboração do próximo plano pastoral.

Ainda houve uns minutos para sublinhar a oferta do Curso Básico de Formação Religiosa e outras oportunidades formativas possíveis.

A palavra final foi de D. António que, mais uma vez, agradeceu a presença e o esforço de todos, a quem apelou para continuarem a dar o seu melhor pela causa do Evangelho. O almoço encerrou os trabalhos.

JD, in Voz de Lamego, ano 87/34, n.º 4419, 4 de julho 2017

CEFÉCULT – proposta de formação e aprofundamento da fé

CENTRO DE ESTUDOS FÉ E CULTURA DA DIOCESE DE LAMEGO

Para começar no próximo ano pastoral, 2017-2018. Abertas as inscrições. Leia – Partilhe – lance o desafio – Convide

Pré Seminário no Seminário Maior de Lamego

Realizou-se no Seminário Maior da Diocese de Lamego o Pré Seminário entre os dias 26, 27 e 28 de maio de 2017. Estiveram presentes 6 pré-seminaristas.

Iniciou se a jornada com a receção e celebração da Eucaristia presidida pelo Sr. Padre Vasco Pedrinho onde também estiveram presentes os seminaristas maiores. Saciados espiritualmente passamos ao jantar onde já se encontrava o Reitor de Seminário Maior, o Sr. Padre Joaquim Dionísio e os restantes padres que habitam no seminário. Depois de um momento de descontração e diálogo seguiu-se as nove horas da noite a recitação do santo terço onde se pediu pelas intenções do Santo Padre, do nosso Bispo e pelos bons frutos do pré-seminário que se ia iniciar e pelas vocações mundiais. Para encerrar a noite, houve um encontro com todos onde o Sr. Reitor apresentou uma nota de receção e um pedido de silêncio e oração nestes dias que se iriam passar, não esquecendo claro a interação, diálogo e amizade com os seminaristas maiores.

O segundo dia iniciou-se com a Eucaristia presidida pelo Sr. Reitor. Posteriormente pelas dez horas da manhã decorreu um encontro com o Sr. Padre Vasco onde se retratou o chamamento dos discípulos ajudando-nos a uma melhor compreensão da responsabilidade de ser chamado para a messe do Senhor. Seguiu-se o encontro com o Victor, seminarista do 6ºano onde nos propôs uma dinâmica que consistiu em descobrir letras escondidas pelo jardim do seminário que formavam a palavra “caminho” explicou a vida na pastoral e o quão é importante interagir com as comunidades e o seu pastor. Terminada a meia hora, passamos a ter o encontro com o seminarista Diogo Martinho do 5º ano de Teologia, onde houve um diálogo onde nos explicou o ser chamado e para quê que somos chamados. Seguiu se um encontro com o Sr. Padre Vasco e almoço.

A parte da tarde foi mais recreativa. Organizada pelos seminaristas maiores João Pereira e Marcelo Moutinho, onde nos levaram a visitar o Museu Diocesano, a Cisterna e o Castelo e a Igreja da Santa Cruz do antigo mosteiro dos monges dos Jerónimos. Seguimos a viagem até à Régua onde caminhando pelo cais houve espaço para o lanche e uma meditação sobre a vocação de Santo Agostinho com um excerto do livro dez das Confissões, onde refletimos como a vocação de Santo Agostinho é parecida com as nossas, identificando-me com esta frase do texto: “Provei-te e, agora, tenho fome e sede de Ti. Tocaste-me, e agora ardo por Tua Paz.”

Há noite fomos à procissão de Nossa Senhora dos Remédios, do Santuário até à Sé Catedral, recitando o terço.

O último dia iniciou-se com Laudes da solenidade da Ascensão do Senhor seguindo-se encontros individuais com o Sr. Padre Vasco. Na parte da tarde associamo-nos à peregrinação arciprestal ao Santuário de Nossa Senhora dos Remédios meditando e rezando o terço e participando na Eucaristia presidida pelo nosso bispo D. António José da Rocha Couto, finalizando com um lanche/ajantarado oferecido pelas irmãs Franciscanas Hospitaleiras.

João Patrício

Seminário Menor de Resende

in Voz de Lamego, ano 87/29, n.º 4414, 30 de maio de 2017

59.º CURSILHO DE HOMENS DO MCC

No Seminário Maior de Lamego realizou-se nos dias 28 de abril a 1 de maio de 2017, o 59º Cursilhos de Cristandade de Homens, da diocese de Lamego, dando-se, assim, cumprimento ao plano de atividades previsto pelo Secretariado Diocesano para o presente ano Pastoral.

É com muita alegria que partilho convosco a vivência cristã deste grupo formado por 11 novos cursilhistas, dois deles de Murça (diocese de Vila Real), de diversas idades que, inspirados no e pelo Mestre, conseguiram encontrar a “estrada” certa neste momento das suas vidas.

Este curso foi orientado, por uma equipa de onze dirigentes leigos, sendo o reitor, Paulo Jorge Oliveira, auxiliados por três presbíteros, o nosso Diretor Espiritual do Movimento, Cón. José Melo, o Pe. Justino Lopes e o Pe. Aniceto Morgado que, em clima de fraternidade e amizade, iam dando graças ao Senhor pelas maravilhas que ele ia operando em cada um dos nossos onze valentes. Ler mais…

Rescaldo da Reunião do Colégio de Arciprestes

Às 10 horas, do passado dia 24 de Março, reuniu no Seminário Maior de Lamego o Colégio de Arciprestes, como estava agendado desde a última reunião.

O encontro de trabalho, que conta sempre com a presença do Senhor Dom António, teve inicio com oração da Hora Intermédia, e uma breve reflexão do Senhor Bispo.

O trabalhos iniciaram com um balanço do que tem sido a implementação do plano pastoral diocesano, nos diversos arciprestados da diocese. Seguiram-se algumas considerações relativas aquilo que deve ser o plano pastoral do próximo ano, sem que se dê o atual por terminado.

A discussão seguinte foi em torno da peregrinação diocesana a Fátima, no próximo dia 17 de Junho. Foram conhecidos mais pormenores do programa e feitas algumas chamadas de atenção.

Por último, foi chamado à reunião o Pe. Joaquim Dionísio, para inteirar os arciprestes das obras a realizar, brevemente, no edifício do Seminário Maior. Com a ajuda de um esboço do projeto de intervenção, foi dado a conhecer o conjunto de remodelações previstas, aquelas que são mais urgentes e as finalidades a que se destinam.

Dada a palavra final ao Senhor Bispo, o encontro terminou com o fraternal almoço.

Pe. Diamantino Alvaíde, in Voz de Lamego, ano 87/20, n.º 4405, 28 de março de 2017