Arquivo

Posts Tagged ‘Seminário Interdiocesano de São José’

Recoleção dos Seminaristas em Lamego

Nos passados dias 24, 25 e 26 de novembro, os seminaristas das dioceses de Lamego, Bragança-Miranda, Guarda e Viseu, juntaram-se, como tem vindo a ser costume nesta altura do ano, para fazer uns dias de recoleção. O local escolhido foi o Seminário Maior de Lamego que, na pessoa do seu reitor e equipa formadora, de imediato abriu as suas portas de par em par para acolher estes jovens que caminham num horizonte de esperança rumo ao sacerdócio.

Como bem sabemos, um dos maiores problemas dos nossos dias, nomeadamente entre os sacerdotes e os seminaristas, é a tendência cada vez mais natural que vamos tendo para viver de forma frenética e agitada, cheios de solicitações a toda a hora. Tudo parece urgente. Mas será que tudo é essencial? Será que corremos o risco de andar tão ocupados que, no fim de contas, nem chegamos a viver?

Ora, foi partindo precisamente destas interrogações que este grupo de jovens, sob a orientação do Cónego Jorge Seixas, da diocese de Viseu, percorreu um itinerário de reflexão e oração deveras desafiante. E o frio que se fez sentir ao longo destes dias, foi dando lugar ao caloroso abraço daquele que dá sentido ao âmago de toda a existência: Jesus Cristo. Ler mais…

Seminário Maior de Lamego: Casa de todos e para todos

Entre os dias 12 e 19 deste mês, decorre, a nível nacional, a Semana dos Seminários, motivando as nossas comunidades cristãs a rezarem e a interessarem-se por esta realidade diocesana, a quem o último Concílio chamou “coração da diocese”.

A nossa diocese mantém aberto o Seminário de Lamego e participa no projecto do Seminário interdiocesano de S. José, em Braga, juntamente com as dioceses vizinhas de Bragança, Guarda e Viseu. Ali vivem os seminaristas mais velhos, frequentando o curso teológico na Faculdade de Teologia da Universidade Católica.

No presente ano lectivo, frequentam o Seminário interdiocesano três seminaristas de Lamego. No Seminário de Lamego acolhemos e acompanhamos sete seminaristas: seis que transitaram de Resende (quatro no 9.º ano e dois no 12.º ano) e um finalista, que frequenta o Ano Pastoral (VI ano). A acompanhar estes seminaristas está uma equipa formadora com quatro sacerdotes: um Formador em Braga, o Reitor e um Formador em Lamego (com a paroquialidade de Britiande, entre outros trabalhos) e o Director Espiritual, pároco em diversas paróquias da zona pastoral de Sernancelhe.

Mas o edifício do Seminário de Lamego não acolhe apenas os seminaristas diocesanos. Cada vez mais se assume como centro de encontro e de formação para todos os diocesanos, mercê da localização, das dimensões e, cada vez mais, das condições que oferece. Os investimentos já feitos e aqueles que se projectam foram motivados, também, por esta nova realidade. Um esforço, de resto, já concretizado noutras dioceses que, antes de nós, se prepararam para dar uso aos espaços não ocupados pelos seminaristas.

Apesar da remodelação já efectuada no rés do chão, há necessidade de continuar a dotar o edifício de condições que lhe permitam continuar a acolher seminaristas e sacerdotes, mas também a dar resposta à procura que, até agora, era direccionada para a Casa de S. José. O objectivo é estar ao serviço de todos os diocesanos e ser uma casa aberta e cómoda que contribui para a vida e o ritmo da diocese. Sem deixar de cumprir a missão para que foi construído, o Seminário prepara-se para alargar tal missão, como casa viva que contribui para a vida cristã da diocese.

E porque é para todos, também de todos espera a ajuda indispensável para avançar. Foi assim para nascer, será assim para continuar.

Pe. Joaquim Dionísio

Reitor,

in Voz de Lamego, ano 87/50, n.º 4436, 14 de novembro de 2017

Seminário Maior Interdiocesano de S. José Comunidade alagada

P1010425

No passado dia 7 de Junho, o Seminário Interdiocesano de São José reuniu a sua comunidade mais alagarda em Braga. Num encontro de trabalho, comunhão e partilha estiveram reunidos os Bispos das quatro dioceses, a equipa formadora, os seminaristas, os reitores dos seminários diocesanos, entre muitos outros colaboradores e amigos.

Do programa da jornada de trabalho fez parte a habitual reunião da equipa formadora com o Bispos e os reitores dos Seminários diocesanos, da ordem de trabalhos fez parte o balanço deste ano lectivo que agora finda e aquilo que serão as linhas orientadoras para o seminário Interdiocesano de São José. À Semelhança de encontros anteriores seguiu-se um almoço onde foi permitido à comunidade estreitar os laços fraternos que a une e trocar impressões sobre o decorrer deste ano lectivo.

Como corolário da jornada foi celebrada, na capela do Seminário Interdiocesano, a Eucarístia sob a presidência do Bispo de Bragança-Miranda, D. José Cordeiro, e que por estes dias comemora o jubileu sua ordenação sacerdotal ocorrida há 25 anos, e onde concelebraram o Bispo da Guarda, D. Manuel Felício, e o Bispo de Viseu, D. Ilídio Leandro, a equipa formadora e os reitores dos Seminários diocesanos.

Na homilia o Bispo de Bragança-Miranda recordou que é no pecado do homem que se encontra o receptáculo da misericórdia de Deus, é na medida que somos pecadores e nos arrependemos que recebemos o perdão da parte de Deus misericordioso.

Esta foi a ultima vez em que a comunidade alagada do Seminário Interdiocesano esteve reunida neste ano lectivo, depois do convívio e da partilha desta jornada preparam-se nas próximas semanas a época de exames, uma fase bastante exigente para os seminaristas que vivem e estudam nesta instituição sediada em Braga.

Diogo Domingues Jesus, in Voz de Lamego, ano 86/32, n.º 4368, 21 de junho de 2016

Seminário interdiocesano de São José – Dia da Faculdade de Teologia

FOTO GRUPO FACTEO BRAGA

O Seminário Interdiocesano de São José, sediado Braga, que junta os seminaristas das Dioceses de Bragança-Miranda, Guarda, Lamego e Viseu, marcou presença nas comemorações do Dia Nacional da Faculdade de Teologia, um evento que juntou em Lisboa os alunos da Faculdade de Teologia que frequentam os centros regionais de Braga, Porto e Lisboa.

O dia começou mais cedo, do que o habitual, para a comunidade do Seminário Interdiocesano de São José que rumou a Lisboa para participar nas comemorações do Dia Nacional da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa.

Chegados à capital teve lugar, o primeiro momento do dia, com uma iniciativa chamada “Conversas Improváveis” e que contou com a presença de actual líder do CDS-PP, Assunção Cristas, do escritor e critico, Pedro Mexia e da Humorista e Actriz, Maria Rueff. Procurando responder à pergunta “Quem é este homem? Jesus como interrogação e provocação” os convidados levaram ao rubro o auditório Cardeal Medeiros no Campus universitário da UCP em Lisboa.

Do programa fez parte ainda um almoço convívio que juntou a comunidade académica e o Conselho Superior da Universidade Católica Portuguesa de onde se destacam a Reitora, Doutora Maria da Glória Garcia, e o Magno Chanceler da UCP, o Cardeal-Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente.

A tarde foi preenchida com vistas aos Museus do Mosteiro dos Jerónimos, da Presidência da República, do Palácio nacional da Ajuda entre outros que se encontram na zona de Belém.  Numa jornada que se quis de partilha, comunhão e reforço da unidade enquanto comunidade académica o momento mais expressivo deste espírito foi, sem dúvida, a Eucaristia presidida por D. Manuel Clemente e concelebrada por vários sacerdotes, entre os quais o Reitor do Seminário Interdiocesano, Padre Paulo Figueiró, que acompanhou os seminaristas neste dia de festa.

O dia terminou com um jantar onde teve lugar a cerimónia de passagem de testemunho onde foi entregue ao Centro regional de Braga a missão de, no próximo ano, organizar as comemorações do Dia Nacional da Faculdade de Teologia. Houve ainda tempo para cantar e dançar ao som do Grupo de Cantares de Braga que encerrou com chave de Ouro um dia em que o sentimento de unidade da Faculdade saiu reforçado.

Diogo Domingues de Jesus, in Voz de Lamego, ano 86/25, n.º 4364, 24 de maio de 2016

Seminário Interdiocesano de São José: Recoleção de Pentecostes

12984050_1714562435454654_1942457922147430005_o

No passado fim-de-semana, dias 13 a 15 de maio, o Seminário Interdiocesano de São José teve a oportunidade de viver mais uma recoleção espiritual, esta sob a orientação do Senhor Padre Pablo Lima. Desta vez teve como pano de fundo o tema do Espírito Santo e foi realizada na Apúlia, nomeadamente no Centro Social João Paulo II.

O encontro foi pautado por diversos momentos de oração, reflexão pessoal e comunitária. Neste sentido, refletimos acerca do Espírito Santo a partir de três prismas: Sagrada Escritura; Patrística; e Liturgia.

Para além das celebrações da Eucaristia, da Liturgia das Horas e da Adoração ao Santíssimo salientamos a Vigília de Pentecostes, realizada no sábado à noite na praia desta vila. Durante a Vigília tivemos oportunidade de refletir acerca dos sete dons do Espírito Santo.

No domingo, após o almoço, aproveitámos para conhecer um pouco a região, passando pela Póvoa de Varzim e por Vila do Conde, onde visitámos a igreja de Nosso Senhor dos Navegantes (Caxinas). Seguimos viagem até Balasar, aí tivemos oportunidade de ir até à casa onde a Beata Alexandrina viveu a sua vida mística, bem como visitar a igreja onde está sepultada. Ao final da tarde regressámos até ao nosso seminário, em Braga.

Como término desta nossa recoleção, não podemos deixar de agradecer à equipa formadora do nosso seminário e também ao Padre Pablo por mais este especial momento de encontro connosco mesmos, com os outros e com Deus.

Paulo Domingues e Vítor Carreira

V Ano, in Voz de Lamego, ano 86/24, n.º 4363, 17 de maio de 2016

Retiro Quaresmal no Seminário Interdiocesano

 

P1010425

Misericordiosos como o Pai

Como vai sendo costume pelo início da Quaresma, o nosso Seminário Maior Interdiocesano de São José, que é constituído pelos seminaristas das dioceses de Bragança-Miranda, Guarda, Lamego e Viseu, viveu o período de retiro espiritual. O Tempo da Quaresma é um tempo forte de reaproximação a Deus, pelas tradicionais vias de conversão: oração mais intensa, jejum e esmola. Retirar-se é, necessariamente, querer e começar a concretizar essa proximidade a Deus.

Os exercícios espirituais tiveram início com a celebração de Quarta-feira de Cinzas e foram, este ano, orientados por um padre mariano, Pe. João Carlos Rodrigues, no edifício DomusCarmeli em Fátima.

Durante o retiro meditou-se e rezou-se o tema da Misericórdia: partindo da Sagrada Escritura e ao longo de várias conferências o Pe. João foi trazendo luz a diversas passagens que demonstram a Misericórdia do Pai.

Ao longo de quatro dias, oração, formação e silêncio foram os pilares que construíram o retiro anual do Seminário Maior Interdiocesano de São José, uma oportunidade de reflectir sobre a temática do Ano Santo que estamos a viver e de experimentar a Misericórdia de Deus que apesar das nossas constantes faltas, está sempre disponível para perdoar.

O retiro terminou no sábado, dia 13 de Fevereiro, sob a protecção de Maria a Mãe de Misericórdia. No dia seguinte, toda a comunidade, como corolário do retiro, participou na celebração de Ordenação Diaconal de Ivo Fernandes da Diocese de Bragança-Miranda e membro da comunidade do Seminário Maior Interdiocesano de São José em Braga.

Diogo Jesus, in Voz de Lamego, ano 86/14, n.º 4351, 23 de fevereiro de 2016

Seminário interdiocesano: “SER DISCÍPULOS PARA SER SERVOS”

12189492_1658607737716791_7916343776757798119_o

O Seminário Maior Interdiocesano de São José, formado por seminaristas das Dioceses de Bragança-Miranda, Guarda, Lamego e Viseu, foi inaugurado oficialmente em Outubro de 2013. Por essa altura foi elaborado o Projecto Formativoe, com ele, surgiu a proposta do lema: Ser discípulos para ser servos.Olhando, em retrospectiva, para os dois anos de caminho feito e, em perspectiva, para o caminho que há a fazer, apraz-me dizerque não escolhemos este lema. De certa forma, fomos escolhidos por ele. Porque somos chamados por Deus a configurar-nos a Cristo que “não veio para ser servido mas para servir e dar a vida” (Mc 10,45).

É comum dizer-se que o primeiro seminário foi formado pelos doze apóstolos com Jesus. Na verdade, durante a vida pública, Jesus dedicou muito do seu tempo a formar os apóstolos. Eles viveram com o Senhor, aprenderam com as suas palavras e as suas acções. O ‘primeiro seminário’ não foi uma escola ou um edifício construído para os colocar à parte da sociedade,mas a vida diária de comunhão com Ele. As ‘aulas’ do Mestre não tinham horário nem lugar específico: podiam acontecer nomonte ou na planície, numa casa de família ounuma sinagoga,nas ruas das aldeias e cidades.

Jesus “fez doze para estarem com Ele e para os enviar a pregar” (Mc 3,14). Antes de os enviar mandou-os estar. A sequência não deixa dúvidas e mostra um Mestre sem pressa, mesmo sabendo que há muitas paróquias sem Missa! E o seminário corresponde a essa etapa intermédia e indispensável (“estar com Ele”), depois do chamamento e antes do envio. Antes de falar de Deus, é preciso ouvi-l’Oe falar com Ele. Permanecer antes de ir. Aprender antes de ensinar. Ser antes de fazer.Se o Mestre veio para servir, o discípulo não veio senão para aprender a servir e para ser enviado como servo. O seminário é o nosso monte e a nossa planície, a nossa casa e sinagoga, a rua onde se cruzam vidas e histórias, onde se encontram o Mestre do serviço e o aprendiz de servo, onde nos sabemos “discípulos para ser servos”.

O Filho de Deus que veio para servir e dar a vida,fez de toda a sua existência um serviço e da sua morte uma entrega por amor. É significativo que os evangelistas,para penetrar no mistério da morte do Filho de Deus, se tenham servido de um personagem descrito pelo profeta Isaías como o “Servo de Jahveh”.

Tradicionalmente (e alguma literatura portuguesa disso fez eco), uma ideia associada com os seminários era aquela de lugares de disciplina. Curiosamente, a etimologia latina mostra que discípulo e disciplina têm raiz comum. Mas o Evangelho e a vida mostram que só a disciplina não faz o discípulo, muito menos um discípulo chamado a ser o servo de todos. A falta de sintonia dos doze com o modo de pensar de Jesus, por um lado, e um certo estilo de vida clerical e burguês, por outro, alertam-nos que sem mudança de mentalidade, sem conversão, um padre continua a pensar e a viver como os grandes deste mundo.

Só depois da Páscoa a mentalidade dos discípulos mudou definitivamente. Para fazer de padre, a disciplina e a formação do seminário bastam (e uma roupa escura ajuda). Para ser padre, não. Para ser padre à maneira de Cristo Servo, é preciso passar pela páscoa. Tem de se morrer primeiro. É preciso morrer e ressuscitar. Para que do seminário saiamhomens novos, revestidos da novidade de Jesus e do Evangelho, dispostos a servir e a dar a vida.

Pe. Paulo Figueiró, in Voz de Lamego, ano 85/50, n.º 4337, 10 de novembro

Abertura solene do Seminário Interdiocesano de São José

braga1

O seminário que assegura a formação dos candidatos ao Sacerdócio das Dioceses de Bragança-Miranda, Guarda, Lamego e Viseu assinalou no passado dia 8 de Outubro o arranque oficial das atividades do novo ano letivo.

Para o Reitor do Seminário, Pe. Paulo Figueiró, a principal mensagem a deixar aos membros da comunidade centra-se “na esperança e força no início de um caminho”. Embora ainda jovem, o seminário entra no seu terceiro ano de vida com a certeza de que muitas barreiras já foram ultrapassadas “é altura de continuar a crescer e a progredir na formação” como acrescenta o sacerdote.

Na opinião do Reitor “ já houve tempo suficiente para consolidar hábitos e fortalecer a própria comunidade” e à medida que os anos passam “vai desaparecendo aquela sensação que estamos fora das nossas Dioceses porque já sentimos esta casa como nossa.”

Do programa, que ocupou o dia, fez parte a celebração da Eucaristia presidida por D. António Couto, Bispo de Lamego e concelebrada pelos bispos de Bragança- Miranda, Guarda e Viseu pelos reitores dos seminários diocesanos e equipa formadora.

Na homilia D. António Couto deixou as principais metas a atingir neste ano académico que agora começa e convidou a comunidade do Seminário a aprender a amar como Jesus Cristo, “que não deu a vida para salvar apenas aqueles que eram seus amigos mas para salvar todos”. D. António salientou ainda a importância de “cada um rebentar com os seus pequenos mundos” e “procurar amar o estrangeiro, aquele que não é igual nós e até mesmo aquele que está contra nós”.

Para além da Eucaristia o dia foi ainda marcado por uma reunião entre a equipa formadora, os Bispos e os Reitores dos Seminários diocesanos e por um almoço entre a comunidade e onde também esteve presente o Arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, e o Bispo auxiliar, D. Francisco Senra Coelho.

Para os seminaristas das quatro dioceses começa agora um novo ano de trabalho, de caminho a percorrer e de aprofundamento do sentido de comunidade marcado pelo ritmo de uma instituição que os prepara intelectual e espiritualmente para a missão a que se sentiram chamados por Deus.

Diogo Domingues Jesus, in Voz de Lamego, ano 85/46, n.º 4333, 13 de outubro

CAMINHADA VOCACIONAL | Pré Seminário | SEMINÁRIO DE LAMEGO

SAMSUNG DIGITAL CAMERA

“O último presente”

O Seminário Maior de Lamego realizou, de 7 a 8 de março, em Braga, no Seminário Interdiocesano de S. José, mais um Pré-seminário. Neste, participaram três seminaristas do Seminário Menor de Resende que puderam contactar com a vida diária dos seminaristas, mais diretamente. Foram incluídas no fim de semana as visitas a alguns locais da cidade, momentos de oração, a visualização de um filme e momentos de reflexão. Este último ponto girou em torno de uma temática diferente…“Trabalho, dinheiro, amizade, conhecimento, problemas, família, alegria, sonhos, dar, gratidão, dia perfeito, amor… o derradeiro presente”. À primeira vista, isto é apenas uma sequência aleatória de palavras que têm um significado por si mesmas, mas sem ligação alguma às restantes. No entanto estas podem ser ligadas se dermos um “título” a esta lista. “Dons”/”Presentes” é o elo que organiza as ideias em torno desta espécie de exercício. Tudo isto são dons que fazem ou deveriam fazer parte das nossas vidas.

É necessário o trabalho para obter frutos, pois nada se faz sozinho e é necessário por o nosso suor nas coisas para lhes darmos o devido valor. É necessário o dom do dinheiro, não só para uso próprio, mas também para ajudar quem necessita mais do que nós. O dom da amizade e o da família que muitas vezes são desprezados/maltratados, o que torna necessária uma especial atenção aos laços afetivos que se estejam a “desfazer” de forma a repará-los. A sabedoria, por sua vez, é um caminho que, sendo guiado por Deus, nos leva à verdade, para além de ser uma ferramenta muito necessária no dia-a-dia. Os problemas, apesar do sofrimento que trazem, são também um dom pois é errando que se aprende a nunca voltar a cair nesse mesmo erro. A alegria manifesta-se por um simples sorriso, que tanto nos alegra a nós, mas também contagia os outros. Os sonhos também não devem ser esquecidos e quanto mais difíceis de realizar, mais contribuirão para o nosso desenvolvimento porquanto procuramos concretizá-los. Os dons de “dar e da “gratidão” interligam-se, pois tão  importante é dar, como receber e tão  importante é sentirmo-nos felizes por receber algo, como tornar os outros felizes por pela sua oferta, mesmo com um simples “obrigado”. Já o dia perfeito é, também, aquele em que somos felizes, mas contagiamos de igual forma quem nos rodeia. Por fim o amor, como o derradeiro presente. O presente mais perfeito, que nos é oferecido por Deus e que deve ser retribuído ao mesmo, mas também partilhado. Toda esta interpretação resume um filme, “O último presente” (de Michael O. Sajbel, 2017), em que o protagonista, Jason, tem que realizar uma série de trabalhos para adquirir os doze dons e no fim receber o derradeiro presente (como herança) do seu falecido avô. De seguida a estes doze dons, propôs-se um décimo terceiro: a vocação. A vocação, o tema base dos “pré-seminários”, como um dos destinos a que levam e para a qual são necessários os outros doze dons.

Ilídio Ferreira, SMR, in VOZ DE LAMEGO, n.º 4304, ano 85/17, de 10 de março de 2015

Seminário Interdiocesano de São José: Retiro Anual

SML-Retiro 2015

Sob o tema “Dar-vos-ei pastores segundo o meu coração” o seminário interdiocesano de São José – formado pelos seminaristas maiores da diocese de Bragança-Miranda, Guarda, Lamego e Viseu – rumou ao Santuário do Imaculado Coração de Maria dos Cerejais, diocese de Bragança.

O retiro anual começou no dia 13 de fevereiro, sexta-feira, terminou no dia 17 do mesmo mês e foi orientado pelo Reitor do Santuário, o reverendo padre José António Machado. Durante estes dias os vinte seminaristas fizeram uma necessária paragem da rotina diária e foram chamados a refletir a sua vida e o seu chamamento à Luz da Palavra.

O primeiro dia foi utilizado para se fazer memória, cada um foi convidado a mergulhar no momento em que disse o seu sim e a atualiza-lo; o segundo dia para a identidade de jovens cristão seminaristas; ao longo do terceiro propôs-se o reencontro necessário com o Deus da História, com o Deus que nos ama e chama; e para terminar, como que agrupando todos os dias anteriores, foi proposto o entusiasmo como forma visível de demonstrar a certeza e a alegria do seguimento de Cristo.

Assim, o pregador do retiro quis transmitir-nos a certeza de que é bom corresponder ao chamamento de Deus, que se manifesta na vida de cada um, que nos ama e chama à conversão e a segui-lo na caridade.

O Santuário e o seu enquadramento paisagístico fizeram com que estes dias de escuta fossem mais apelativos para cada um de nós, quer no silêncio da capela quer na contemplação da natureza. Assim, vivemos melhor este encontro com Cristo, o bom Pastor, deixar ecoar melhor a sua Palavra.

O retiro terminou na terça-feira, dia anterior ao início da quaresma, depois de almoço. E antes do regresso a Braga houve ainda tempo para conhecer o Santuário de Santo Antão da Barca, localizado na mesma unidade pastoral, que foi, devido à construção da barragem do Sabor transferido da sua localização inicial.

Jorge Miguel 3ºAno (Diocese de Bragança-Miranda)

in VOZ DE LAMEGO, n.º 4303, ano 85/16, de 3 de março de 2015