Arquivo

Posts Tagged ‘Santuário de Nossa Senhora da Lapa’

Dia da Família Diocesana. Proximidade entre irmãos, à volta de Deus

IMG_7929

Proximidade e ternura entre irmãos e à volta de Deus

Tal como agendado no plano anual, o último sábado de Junho foi o dia escolhido para a vivência do Dia da Família Diocesana. Aconteceu no Santuário de Nossa Senhora da Lapa e congregou muitas centenas de diocesanos que, à volta do seu bispo, expressaram a sua fé e testemunharam a alegria de uma pertença.

DSCF2019

Uma iniciativa que começa

Pelo segundo ano consecutivo, a nossa diocese decidiu convidar todos os diocesanos a viverem um dia diferente, celebrando a fé e experimentando a proximidade diocesana. É verdade que, habitualmente, tal pertença festiva era assinalada na Solenidade de Cristo Rei do Universo, muito por força da presença dos diversos Movimentos e Grupos, com destaque para a Acção Católica Rural. Mas com a diminuição dos seus membros, a presença de diocesanos foi diminuindo. Com vontade de assinalar festivamente a data, foram fixadas para esse dia as possíveis Ordenações diaconais, na esperança de conseguir maior participação. Mas há anos em que, infelizmente, não há candidatos a essa Ordenação. Ler mais…

Irmandade Militar de Nossa Senhora da Conceição na Lapa

thumbnail_IMG_20160618_181121

No passado dia 18 de Junho, a Irmandade Militar de Nossa Senhora da Conceição foi em peregrinação ao Santuário de Nossa Senhora da Lapa. Após a entrada devota e respeitosa pela Porta Santa, houve oportunidade para uma visita guiada e muito bem explicada pela Drª Ana Nunes, Directora do Museu da Lapa.

Seguiu-se um momento de oração colectiva e reflexão sobre o tema da Misericórdia que antecedeu a Santa Missa celebrada para o efeito pelo Senhor Reitor do Santuário, Rev. P.e Amorim. Assim se cumpriu um dos desígnios religiosos desta Irmandade, no presente ano.

A finalizar o dia, num dos restaurantes da Lapa, reuniu-se em confraternização o grupo dos Irmãos presentes num lanche ajantarado.

IMNSC, in Voz de Lamego, ano 86/32, n.º 4368, 21 de junho de 2016

DIOCESE-FAMÍLIA

_MG_2407

Na variedade de temas, notícias e reflexões, semana a semana a Voz de Lamego aproxima-nos da região e aproxima das comunidades paroquiais, os movimentos eclesiais e a vida da Diocese de Lamego.

A chamada de capa desta semana vai para a Feira Medieval realizada na cidade de Lamego e para as Bodas de prata Sacerdotais do Pe. Agostinho Ramalho. Mas há muitos outros motivos de interesse para ler, refletir, e voltar a ler o Jornal Diocesano. Em vésperas do Dia da Família Diocesana – próximo sábado, 25 de junho, no Santuário da Lapa -, aí está a informação, com os horários e outras informações práticas e o Editorial, do Pe. Jaoquim Dionísio, que nos apresenta a Diocese como Família, reunida à volta do Bispo diocesano.

DIOCESE-FAMÍLIA

O documento conciliar sobre o múnus pastoral dos bispos (Christus Dominus) descreve a diocese como “porção do Povo de Deus que se confia a um Bispo para que a apascente com a colaboração do presbitério”. Esse povo, reunido pelo bispo “no Espírito Santo por meio do Evangelho e da Eucaristia, constitui uma Igreja particular, na qual está e opera a Igreja de Cristo, una santa, católica e apostólica” (CD 11).

Membros desta diocese de Lamego, somos um povo a caminho, com ritmos diferentes e sensibilidades diversas, marcados pelo chão que pisamos e pelos tempos que correm. Neste peregrinar, acompanha-nos a gratidão aos que nos precederam, a consciência do que somos e a confiança no Senhor providente que nos precede.

O Dia da Família Diocesana, marcado para o próximo sábado, no Santuário de Nossa Senhora da Lapa, é mais uma oportunidade para celebrar com alegria a Igreja local que formamos e experimentar a proximidade que faz de nós um Povo. Em ambiente festivo e descontraído, este acontecimento permite-nos visualizar uma diocese que é sempre mais que o meu arciprestado, a minha zona, a minha paróquia, o meu grupo ou movimento.

Pertencer à diocese é mais do que habitar no seu território, identificar as suas fronteiras, conhecer factos históricos, saber quem é o seu bispo ou rezar pelos fiéis que a formam. Tudo isso é bom, mas também se exige a cada um que sinta com esta Igreja, se ocupe e preocupe com a caminhada comum, que apareça e participe. Numa palavra, não podemos viver esta pertença de forma telescópica, à distância, com receio de misturas e da proximidade.

Aceitar o convite e rumar até à Lapa é assumir uma pertença comum e manifestar a vontade de participar na edificação de um corpo que precisa de cada um para crescer e se santificar.

in Voz de Lamego, ano 86/32, n.º 4368, 21 de junho de 2016

DIA DA FAMÍLIA DIOCESANA – 25 DE JUNHO de 2016 – LAPA

Dia da Igreja Diocesana_2016

Quando se aproxima o dia 25 de junho, último sábado deste mês, aí está o programa para este dia, na 2.ª Edição, neste formato, com algumas informações práticas para as paróquias e para os movimentos eclesiais.

DIA DA FAMÍLIA DIOCESANA – 25 DE JUNHO – 2016

“Com Maria, Peregrinos da Misericórdia”

no Santuário de Nossa Senhora da Lapa

PROGRAMA

9h30 – Acolhimento Concentração na rotunda  (Junto ao Miradouro e ao espaço das celebrações ao ar livre)

– Organização da Peregrinação

. Cada paróquia levanta a sua bandeira .

10h00Início da Peregrinação da Misericórdia (caminhada até ao Santuário)

– Entrada no Santuário – Porta Santa

Saudação a Maria

11h15 – Exposição do Santíssimo – Adoração (no átrio interior do Colégio)

 Confissões   (nos espaços interiores do colégio)

–Tempo de Oração com os Acólitos

12h00 – Tempo de Oração com os Movimentos Eclesiais (a cargo do MCC)

13h00 – Almoço (Partilha de farnéis)

14h00 – Convívio

15h00 – Início do cortejo processional para a celebração da eucaristia (a partir do santuário, integrando os acólitos e as bandeiras das paróquias presentes)

15h30 – Eucaristia (no espaço previsto para as celebrações ao ar livre)

             – Despedida

 

Aspetos a ter em conta:

– As paróquias para além das pessoas em geral, devem marcar presença, quanto possível, com os seus Acólitos . Devem também trazer uma bandeira ou estandarte que ajude à sua identificação.

– Esta jornada em Ano Santo da Misericórdia pretende-se que seja vivida com certo espírito de interioridade. Será dada uma atenção particular à oração e ao Sacramento da Reconciliação.

Pede-se aos sacerdotes disponibilidade para atender as pessoas que desejem reconciliar-se.

 

Pe. José Manuel Melo

Coordenador da Pastoral, in Voz de Lamego, ano 86/26, n.º 4365, 31 de maio de 2016

Santuário de Nossa Senhora da Lapa prepara Peregrinação Anual

_U0A3485

Está a decorrer a novena preparatória da tradicional peregrinação de 10 de Junho. Como de costume, nesse dia, virão procissões de muitas paróquias que, às 11h00, se incorporam na grande procissão com o andor de Nª Senhora da Lapa, culminando com a missa campal presidida pelo Reverendíssimo senhor Bispo de Lamego, ou seu representante.

Este ano tem a particularidade de nesse dia ser exposta à veneração dos fiéis, no Santuário de Nossa Senhora da Lapa, uma relíquia de 1.º grau do Papa João Paulo II, gentilmente facultada pela “MILITIA SANCTAE MARIAE”, associação com sede Braga, a cuja custódia a mesma relíquia se encontra confiada.

A Reitoria, in Voz de Lamego, ano 86/26, n.º 4365, 31 de maio de 2016

O ESSENCIAL DA VIDA: CONSAGRADOS DA DIOCESE EM REFLEXÃO

consagrados-Lapa2

Numa altura do ano pastoral de intensa actividade, apesar de alguns não terem podido mesmo deixar as suas responsabilidades, vinte e três consagrados dos vários Institutos da nossa diocese responderam ao chamamento: no dia 14 de Maio, vivermos um dia mais dedicado à oração.

Tivemos o nosso Bispo D. António Couto como animador dos tempos de reflexão, ao qual ficámos especialmente gratos pela sua disponibilidade, generosidade e dedicação.

A reflexão foi muito significativa: para nos centrar no essencial da vida, o Senhor Bispo começou por dizer que S. Pedro nos manda dar “a RAZÃO da nossa esperança” e não “as razões”, em discussões inúteis, senão mesmo prejudiciais, porque todos temos razões diferentes. E “a razão da nossa esperança” é Cristo. Somos chamados a dar Cristo.

Quando o anjo aparece a Zacarias, pai de João Batista, vem para lhe dizer que a sua oração tinha sido ouvida pois a sua esposa ia ter um filho. Mas, na Anunciação a Maria, Jesus surge em cena por pura dádiva de Deus. Não vem cumprir nenhum pedido: adianta-se a isso. Jesus é o Filho dado. Ler mais…

Peregrinação Jubilar da Zona Pastoral de Cinfães ao Santuário da Lapa

cinfaes-lapa1

Cinfães na Lapa – Peregrinação Jubilar

1. Em busca da Porta Santa partiram manhã cedo no dia 24 de abril.

A Zona Pastoral de Cinfães, em peso, rumara ao Santuário da Lapa. Milhares.

Todos os párocos e todas as paróquias, cada uma com duas ou 3 camionetes cheias, além das viaturas particulares.

Às 10 horas, tudo à «Porta»; padres, acólitos, escuteiros, povo e estandartes ao vento falando da fé. A fé também se vê.

A «Porta  Santa» do Santuário estava aberta e à espera o Sr. D. Jacinto que a todos recebeu e deu as boas vindas.

Seguiu-se a oração pelo Papa Francisco, a comunhão com o bispo diocesano e o «sede bem vindos» à multidão apinhada junto à Porta Jubilar.

«Entrai». As portas são para entrar. «A porta da graça está sempre aberta».

Ler mais…

Moimenta, Sernancelhe, Tabuaço: Conselho Pastoral Arciprestal

arci-Moimenta-tabuaço

(foto de arquivo)

No passado domingo, 17 de abril, o Conselho Pastoral Arciprestal reuniu para fazer avaliação das Atividades Pastorais conjuntas (Jornada das Catequistas, Caminhada Quaresmal, Jornada das Famílias, Visitas Pastorais) e para o lançamento de outras iniciativas que envolvem o Arciprestado e a Diocese, com incidência na Peregrinação Arciprestal ao Santuário da Lapa e DIA DA FAMÍLIA DIOCESANA, a realizar no espaço deste Arciprestado, no referido Santuário, no próximo dia 25 de junho.

A reunião foi moderada pelo Coordenador Pastoral deste Arciprestado, o reverendo Pe. Diamantino Alvaíde. Depois da Oração inicial, a Ordem de Trabalhos previamente enviada aos membros do Conselho e aos seus párocos.

Esta reunião contou com a presença do Coordenador Pastoral da Diocese de Lamego para, em conjunto, refletirmos o Dia da Família Diocesana. Por este motivo, o Pe. Diamantino deu a palavra ao reverendo Cón. José Manuel Melo que explicou o sentido do Dia da Família Diocesana, recordando a primeira edição, realizada no Santuário de Nossa Senhora dos Remédios, em Lamego, os momentos de celebração e de convívio, contextualizando os membros deste Conselho para poderem emitir sugestões. Tendo em conta o lema pastoral da Diocese – Ide e fazei da Casa de Meu Pai casa de Oração e de Misericórdia – será dado destaque à oração e liturgia e à temática da misericórdia. Por um lado, a realização deste Dia da Família Diocesana num dos Santuários mais importantes da Diocese, que é Jubilar e cuja Porta Santa da Misericórdia convida à peregrinação para a atravessar, o que se terá em conta na preparação desta jornada. Se no ano anterior a família esteve em maior destaque, este ano estarão em maior evidência os Acólitos, com as suas túnicas, sobretudo na Eucaristia. Haverá tempo para encenar uma ou outra parábola da misericórdia. Foram refletidos horários, espaços, sugestões, que serão levadas ao Conselho Diocesano de Pastoral, no próximo dia 28 de maio, ocasião na qual se formará uma Comissão para concretizar as diferentes propostas para que este seja um dia jubiloso para toda a Diocese.

Aproveitando a presença neste Conselho, o Cónego Melo relembrou a realização dos Cursilhos de Cristandande, entre os dias 22 e 25 de abril, das Senhoras, na Obra Kolping, em Lamego, dos Homens, no Seminário Menor de Resende. O encerramento far-se-á em conjunto, na cidade, com a Peregrinação à Porta Santa da Sé Catedral.

O Conselho Pastoral Arciprestal prosseguiu com a avaliação das Atividades Pastorais já realizadas, Jornadas de Catequistas e das Famílias, Caminhada Quaresmal, 24 Horas para o Senhor. Oportunidade para realçar a alegria daqueles que se envolveram, apontando aspetos a ter em conta no futuro. Quanto à catequese, dar mais ênfase à dimensão prática, sem descurar a parte teórica; quando à temática da família, a necessidade de pensar os CPM ou Jornadas com grupos de trabalho (workshops), para namorados, noivos em preparação para o Matrimónio, casais, avós…

Como partilha e motivação, foram apresentadas diversas maneiras de viver o Mês de Maria, com paróquias a privilegiarem a oração em família, com a Imagem de Nossa Senhora de Fátima a passar de família em família, com a possibilidade de se valorizar a recitação do terço nas capelas, “obrigando” a família a ir receber a Imagem à Capela e a participar na comunidade, ou valorizando o terço em comunidade.

A Peregrinação Arciprestal ao Santuário da Lapa, no dia 4 de junho, foi outra iniciativa pastoral que esteve em destaque. Parte significativa do percurso far-se-á a pé, com pontos de encontro das paróquias, com as paróquias de Tabuaço a juntarem-se às de Moimenta da Beira, peregrinando em conjunto a pé, e as de Sernancelhe peregrinarem do mesmo modo, para que todos possamos conviver ao almoço. Na parte de tarde, momento para confissões e Entrada na Porta Santa, integrando a dinâmica da Novena de Nossa Senhora da Lapa, com possíveis ajustamentos.

O Conselho Pastoral Arciprestal tem sido um desafio muito interessante para as comunidades, nas quais se incluem os seus párocos, respondendo-se desta forma à corresponsabilidade bastismal-eclesial e com todo um caminho (ainda) a percorrer.

O Arcipreste, in Voz de Lamego, ano 86/22, n.º 4359, 19 de abril de 2016

Arciprestado de Moimenta, Sernancelhe e Tabuaço: Jornada da Família

DSCF9792

No Domingo da Divina Misericórdia este Arciprestado (Moimenta da Beira, Sernancelhe, Tabuaço) sentiu com muita intensidade a Misericórdia do nosso Bom Deus.

Os casais deste pedaço do Povo do Senhor celebraram a Jornada Arciprestal da Família.

Dezenas de Famílias reuniram-se no Santuário de Nossa Senhora da Lapa para louvar, bendizer e agradecer a vida vivida a dois.

Com a fé, a alegria e o amor das Religiosas Servas de Maria do Coração de Jesus vivemos momentos maravilhosos de abertura ao transcendente e ao Outro.

Tivemos ainda uma prestimosa ajuda dum jovem casal de Tarouca que nos deu um bom testemunho de união, compreensão, mas sobretudo de perdão, perdão mútuo.

Para terminar em Festa de Comunhão Celebramos a Santa Missa, presidida pelo Senhor Arcipreste Padre Manuel.

E, porque não somos Anjos e precisamos de nos alimentar, ficamos saciados com o almoço servido pelas Irmãs do Santuário da Lapa.

Com muita sinceridade, agradeço a todos os que participaram e ajudaram. Do fundo do meu coração sai um grande bem-haja aos promotores deste belíssimo evento.

Lucília Carvalho, in Voz de Lamego, ano 86/20, n.º 4357, 5 de abril de 2016

NOSSA SENHORA DA LAPA | Santuário Mariano

Lapa_3

O culto de Nossa Senhora da Lapa remonta ao século XV, mais concretamente a 1498, quando uma pastorinha de nome Joana e muda de nascença, divisou Nossa Senhora por entre as fendas de dois enormes penedos que são um verdadeiro hino ao granito, penedias que continuam intactas e estão dentro do atual Santuário.

Os enormes penedos quase se tocam na parte mais funda e pela sua fenda, tão estreita, dificilmente passa uma pessoa de cada vez, dizendo-se até que ninguém passa se estiver em pecado.

Foi precisamente aqui que Nossa Senhora apareceu à pastora Joana e o milagre expandiu-se de pronto, tanto que não tardou o culto a Nossa Senhora da Lapa assim venerada por ter aparecido debaixo da Lapa.

A construção do Santuário propriamente dito iniciou-se no século XVI por impulso dos Jesuítas, tendo terminado as obras no século XVII.

O Santuário é um tesouro riquíssimo, tendo obras de arte de valor incalculável.

Neste apontamento, necessariamente breve, é imperioso destacar o altar mais antigo: o MENINO JESUS da Lapa. No interior da gruta vemos o altar da Senhora da Lapa, altar muito lindo, adornado com um frontal de prata lavrada. O Presépio da escola de Machado de Castro, deixa-nos encantados ao vê-lo. A capela do Santíssimo Sacramento revela o retábulo de talha dourada.

São magníficos os quadros referentes à morte de São José, Senhora da boa morte, o altar de Santo António, de Jesus crucificado.

A Lapa foi, durante cerca de quatrocentos anos, o mais importante Santuário de Portugal. A partir deste Santuário multiplicaram-se muitos outros lugares de culto a Nossa Senhora da Lapa em todo o território português. Reis de Portugal vinham venerar Nossa Senhora da Lapa e oferecer-lhe presentes valiosos.

A Lapa chegou a ser vila, concelho e condado. O Santuário é vivo coração da Beira desde tempos imemoriais. Urge, de novo, pô-lo no lugar a que tem direito. São inúmeros os testemunhos de milagres concedidos por intercessão da Virgem da Lapa. O seu culto está enraizado em todo o mundo, com especial predominância no Brasil, afirmando-se que Nossa Senhora da Aparecida é uma redundância da Nossa Senhora da Lapa.

É de referência também o chamado Colégio construído pelos Jesuítas.

Em 1994, o atual Reitor do Santuário, reverendo Padre José Alves de Amorim, iniciou no Colégio obras de restauro a fim de o Colégio poder ser utilizado como apoio aos peregrinos.

As obras de restauro são efectivamente de grande vulto e foram executadas a rigor por especialistas competentes, dando ao Colégio verdadeira funcionalidade. Honra seja feita ao ilustre e dedicado Reitor.

O Santuário da Lapa tem de ser alargado no seu território para albergar todos os devotos que aqui se concentram.

O Santuário da Lapa, bem como o Colégio e os anexos envolventes foram construídos na serra do mesmo nome: a Serra da Lapa, que nela nasce o rio Vouga e desagua em Aveiro. Com a nascente do rio, torna-se este local mais aprazível, com várias fontes, nomeadamente a fonte dos Clérigos, com água pura e abundante para dessedentar todos os peregrinos.

Faço votos para que o Santuário de Nossa Senhora da Lapa tenha no Jornal Voz de Lamego um verdadeiro púlpito a apregoar a excelência de tão sagrado lugar, onde a Virgem seja lembrada, venerada, amada pelos séculos dos séculos.

Nuno de Santa Maria Pascoal,  in Voz de Lamego, ano 86/10, n.º 4347, 26 de janeiro de 2016