Arquivo

Posts Tagged ‘Sacerdócio’

Entrevista com o Pároco de Penude, Pe. Adriano Cardoso

A Voz de Lamego foi até Penude para conhecer o projeto presidido pelo Padre Adriano, como pároco, à frente de uma das paróquias maiores da diocese, de um centro social paroquial que começou a funcionar há 10 anos (27 de julho de 2011), e a criação de uma vacaria. O Padre Adriano Cardoso contou-nos como tudo surgiu e a importância que dá à comunidade; cada passo dado é a pensar na mesma.

O que o levou a seguir a vocação?

O ambiente familiar, a forma como fui educado levou a que seguisse a vocação de padre. Comecei com uma longa etapa em Castro Daire com uma grande equipa, um projeto que me acrescentou muito, mas, ao fim de 25 anos, optei por mudar de paróquia, procurando novos desafios.

Penude era uma terra que tinha uma certa sedução, e recuando a 1996, tinha muita população e bons padres. Um grande padre que a população não esquece é o Sr. Padre Borges, depois disso, de 1978 até 1996, esteve cá o Sr. Padre Germano, um padre mais doce, mais suave. A minha vontade de me mudar para Penude surgiu muito pela ideia que tinha da terra, uma paróquia com fortes raízes religiosas, com uma prática cristã acentuada. Quando aqui cheguei o objetivo era inovar mentalidades, transformar e mexer com a comunidade.

Passados 25 anos, nota-se essa diferença?

Acho que sim, no entanto não consegui alcançar todos os objetivos que queria. A emigração aumentou bastante, os jovens, a maioria do sexo masculino, opta muito por sair do país e, mais recentemente, também os do sexo feminino, diminuindo assim a população residente.

De que modo a pandemia condicionou a paróquia de Penude?

A visão que temos da paróquia não é necessariamente a mesma. A dispensa da missa dominical é um dos exemplos. Com estas dificuldades também conseguimos tirar coisas boas como a notoriedade da fidelidade de muitos. Temos vindo a assistir a grandes mudanças, as paróquias estão totalmente diferentes na relação com a religião e com o padre.

Para lidar com as pessoas temos de respeitar o espaço de cada um, a liberdade, a construção, a opinião e a participação. Embora, hoje, se fale muito da igreja com uma base de construção laical, como esperamos todos, acho que ainda estamos longe porque, de algum modo, as pessoas ainda não falam com o à vontade que deviam nas reuniões para casamentos e batizados.

Tem vindo a notar, de certa forma, um afastamento da comunidade?

Eu acho que não, a aderência é praticamente a mesma, no entanto estes dois anos serviram para manifestar a autenticidade de muita outra gente que vai ultrapassando tudo, não abdicando da prática religiosa.

Uma novidade importante disto tudo é que as pessoas passaram de uma prática religiosa por legalismo, por obrigação, para a prática religiosa brotar como uma necessidade interior.

Há 25 anos, quando chegou a Penude, a prática religiosa passava de geração em geração, os avós passavam aos pais e netos e os pais faziam questão de manter esses costumes no seio familiar. Sentem que isso, hoje, ainda acontece?

Os avós, sem dúvida. Agora, a faixa etária dos pais, é a que mais emigra e dos mais novos, poucos são os que vão ficar cá na terra. O aspeto religioso tem de ter uma fibra interior, há uma volta que tem de se dar.

Estamos a chegar a uma atitude de maior verdade daquilo que somos. A religião já não é tão passada por gerações, vem do interior de cada um.

Temos de acreditar na verdade da igreja e Jesus Cristo. A felicidade das pessoas está, antes de mais nada, no conseguirem ser aquilo que desejam interiormente e não propriamente em ser a capa social e obrigatoriedade, há outro espaço de realização e identificação.

Tem outras ocupações para além da igreja?

Já tive, já fui professor. Procurei sempre ter uma autonomia de vida em relação à comunidade, isto é, ter sempre uma profissão de onde vem a estabilidade do meu viver, do meu presente e também garantir o futuro com a minha reforma. Vivi sempre de uma profissão paralela.

Como surgiu a ideia da vacaria? Que contratempos e vantagens dá à comunidade?

Candidatámo-nos a um programa a nível nacional. Este projeto tinha um valor de um milhão e quinhentos mil euros, mas só nos financiavam seiscentos e cinquenta mil. Para conseguir seguir com o projeto tínhamos de arranjar forma de arrecadar o resto do dinheiro.

Os proprietários destes terrenos, terrenos baldios, tinham acabado de fazer um contrato com as eólicas, contrato de aluguer destes mesmos terrenos em que, durante trinta anos, iriam receber umas rendas que corresponderiam a, mais ou menos, um milhão e duzentos mil euros.

Com isto, eu reuni a comunidade, apresentei a proposta aos donos dos terrenos, apresentei o projeto, ao que, a comunidade votou favoravelmente. Assim nasceu este projeto em prol da comunidade.

O objetivo aqui é também retribuir à comunidade o seu gesto, fazendo com que os baldios de Penude ganhem dinâmica e também dar dinheiro, trabalho, desenvolvimento e também limpeza.

Havia a opção de reflorestação e da criação de gado. A reflorestação iria acrescentar pouco a Penude, ao longo de trinta anos não iria acrescentar nada à comunidade, correndo ainda o risco de os incêndios acabarem com todo o projeto e, no caso de correr bem, quem beneficiaria com isso seria o estado. Aqui o objetivo é o bem-estar da comunidade.

Este gado, é gado arouquês. No passado, em Penude, haviam mil ou mais vacas, cada família tinha três ou quatro. Volto a referir, isto é tudo pela comunidade.

Já gastámos mais de um milhão de euros no projeto, estamos ainda a pagar três ordenados anuais, o que resulta em despesas na ordem dos sessenta mil. Com a alimentação do gado e as restantes contas, resulta numa despesa de cento e vinte anuais e nós, por enquanto não atingimos esse valor em receitas.

Tudo começou com quarenta vacas e todos os machos são vendidos, isto quer dizer que, há um crescimento lento, todos os anos aumentamos o número de vacas em vinte ou trinta. Este ano já temos cento e vinte vacas, daqui a dois anos já teremos, eventualmente, cento e cinquenta. Temos licença parta ter duzentas e três, assim que atingirmos esse número, se ainda for eu a presidir o projeto, vou tentar ir para as quatrocentas.

Tudo isto é um processo, com cento e cinquenta vacas vamos conseguir cobrir os gatos anuais e, depois, com o aumentar do número de gado, vamos fazer deste projeto, um projeto rentável.

in Voz de Lamego, ano 91/38, n.º 4620, 4 de agosto de 2021

Editorial da Voz de Lamego: participantes do sacerdócio de Cristo

A palavra sacerdócio anda ligada, inevitavelmente, aos bispos e aos padres e, claro, antes disso, a Jesus Cristo, Sacerdote por excelência, pois em Si mesmo coabita a humanidade e a divindade, verdadeiro Deus e verdadeiro homem. O sacerdote santifica, une, consagra, eleva a humanidade para Deus. Ora Jesus, traz-nos Deus e, morrendo e ressuscitando, leva a nossa humanidade para junto do Pai. Não há santificação maior, Jesus, Deus encarnado, Deus humanado, é totalmente (com)sagrado. Eu e o Pai somos Um. Eu n’Ele e Ele em Mim. Faço o que vi fazer a Meu Pai. Digo e que Me mandou dizer. Mediação única: ninguém vai ao Pai senão por Mim. Eu Sou o Caminho!

Durante a Última Ceia, na primeira Eucaristia, Jesus instituiu o sacerdócio: Fazei isto em Memória de Mim. Dentre os Seus discípulos, Jesus escolheu 12, para os preparar para uma missão específica e lhes confiar a Sua Igreja, o Seu Corpo, a Sua Vida. Isto é o Meu Corpo… Isto é o Meu sangue entregue foi vós… para a salvação de todos. Ide e anunciai o Evangelho a toda a criatura, fazei discípulos de todas as nações, quem acreditar e for batizado será salvo.

A morte de Jesus traz a dispersão, o medo e o desencanto. A Sua ressurreição devolve a alegria, a esperança e a fé, e reúne o grupo dos 12, melhor dos 11, uma vez que Judas se precipitara entregando Jesus, traindo-O, na pressa de fazer as coisas à sua maneira. Para que o grupo fique completo, segundo a eleição do próprio Jesus, que havia designado 12, simbolicamente representando a humanidade inteira para serem enviados a todo o mundo. Matias foi o eleito!

O número 12 era simbólico, pois para chegar ao mundo inteiro seriam precisos outros colaboradores. Os sucessores dos Apóstolos, os Bispos, escolheram anciãos, presbíteros para servirem as comunidades que iam surgindo, no anúncio da Palavra, na santificação da vida. Também o aparecimento do diaconado, serviço aos mais pobres daquele tempo, os órfãos e as viúvas, para que ninguém e nenhuma dimensão da vida ficasse desamparada.

Quase parece perfeito… e acabado! Tudo resolvido! Com mais calma. A Igreja não são os Bispos, os padres e os diáconos, somos todos. Todos fomos consagrados. Jesus morreu e ressuscitou por todos, por mim e por ti. Somos novas criaturas, participamos da santidade de Jesus, somos membros do Seu corpo. Cabe-nos, a cada de nós, transparecer a santidade de Cristo para todos! Todos participamos do sacerdócio de Cristo, ainda que em diferentes ministérios e serviços, mas para o bem do único Corpo de Cristo.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/30, n.º 4517, 2 de julho de 2019

PADRES PARA SERVIR | Editorial Voz de Lamego | 23 de setembro

Padres_servirO jornal da Diocese procura ser VOZ de Lamego, para toda a região que atravessa esta porção do povo de Deus, tratando de refletir a fé e a vida, testemunhando como pessoas e comunidades gastam a vida a favor de outros, fazendo sobressair o que de importante acontece nesta região, nesta Diocese e um pouco do que acontece pelo mundo fora. A preocupação é levar mais longe a Mensagem do Evangelho, trazer para mais perto os que estão longe, fazer com que os distantes se sintam irmãos, acalentar os que se dedicam a fazer o bem, desafiar os que possam estar na praça desocupados, sem nada para fazer, dizendo-lhes e mostrando-lhes que na vinha do Senhor continuam a ser precisas mais mãos, mais corações, mais voz e mais vida, de mais pessoas. Muitas mais. Em Igreja, e no mundo, para dizer bem e bem fazer, nunca há pessoas a mais.

Esta edição do Jornal, com as suas reflexões adentra-nos no coração, leva-nos a Jesus, traz-nos a memória do Salvador que se visualiza em nós, nas nossas comunidades e nos acontecimentos do tempo presente. Leva-nos a Penedono, à Romaria de Santa Eufémia. Leva-nos a Castro Daire, à tomada de posse do Pe. Jorge Henrique, em Ester e Parada de Ester. Introduz-nos na temática da catequese e testemunha o trabalho missionário e caritativo dos Mensageiros de Fátima, de a outras iniciativas de manifesta solidariedade com pessoas idosas. A Voz de Lamego traz-nos a Voz da Igreja e da região, traz-nos a Voz do Papa nas diversas intervenções durante a semana precedente.

Para já o EDITORIAL. Leitura obrigatória para quem entranha no Jornal da Diocese:

PADRES PARA SERVIR

Os padres diocesanos são cooperadores do bispo para a edificação da Igreja. Após a necessária formação, os candidatos chamados são ordenados e enviados em missão pastoral para junto das comunidades cristãs, razão da sua ordenação. Podem, ocasionalmente, assumir outras missões, mas a primeira será sempre o estar no meio dos fiéis, em nome do pastor, para servir.

A diminuição de paroquianos e de sacerdotes leva a que o mesmo padre possa assumir a responsabilidade de várias paróquias. E, de vez em quando, há mudanças: por nomeação do bispo diocesano deixa-se um determinado espaço ou função e assume-se novo encargo.

Na nossa diocese, por estes domingos, há comunidades que se despedem de quem as serviu e que acolhem quem de novo chega para cumprir idêntica missão. Um movimento que se compreende, se aceita e que, às vezes, também se deseja.

A este propósito, porque não referir tantos párocos que, acompanhados por catequistas, responsáveis de grupos e movimentos ou membros de concelhos diversos, sem saírem das suas aldeias e de forma discreta, nos dão verdadeiros exemplos de “uma Igreja em saída” de que fala o Papa?

E quantas vezes essa missão e esse testemunho não se concretizam no meio de dificuldades para as quais Jesus já havia prevenido, quando alertou os seus discípulos para o facto de não serem “superiores ao Mestre” e os comparando a “ovelhas no meio de lobos”?

O pároco é sempre um alvo fácil para a pontaria comum. E se algumas críticas são justas e oportunas, muitas há que podem ofuscar o ardor e o exemplo de tantos que, por essas paróquias fora, no meio do povo, se doam até ao fim.

Pe. Joaquim Dionísio, VOZ DE LAMEGO, 23 de setembro de 2014, n.º 4380, ano 84/43

Ordenação Sacerdotal | Pe. José Fonseca Soares

IMGP8367

Na data recentemente fixada para a celebração das ordenações sacerdotais, primeiro domingo de julho, a nossa igreja catedral, em Lamego, encheu-se de fiéis, vindos de diferentes lugares da diocese, para participarem na ordenação sacerdotal do diácono José Fonseca Soares. Presidiu à celebração o nosso bispo, D. António Couto, acompanhado por D. Jacinto Botelho e ainda por cerca de meia centena de sacerdotes.

A ordenação sacerdotal é sempre uma festa para a diocese que formou o seminarista e que chama e ordena, primeiro na ordem do diaconado e depois no presbiterado. São vários anos de preparação, nos quais muito esforço e dedicação se investem. Daí que, neste dia, haja alegria em todos quantos acompanharam os ordinandos: bispo, pároco, seminaristas, formadores, professores, colaboradores, orientadores dos estágios pastorais, fiéis encontrados nas diferentes paróquias por onde passou… Há também motivo de festa para a Igreja local que acolhe um novo membro no seu presbitério, um novo cooperador do bispo diocesano para a missão de concretizar localmente a Igreja de Cristo. E há ainda a alegria do ordinando e sua família, porque uma etapa importante é concluída e porque se está onde vocacionalmente se sente chamado.

Natural do arciprestado de Lamego, da paróquia de S. João Baptista de Avões, entrou já depois dos trinta anos no Seminário Maior de Lamego, onde frequentou o respectivo curso no Instituto Superior Douro e Beiras, em Viseu, e na Faculdade de Teologia da Universidade Católica, em Braga. Ordenado Diácono em novembro último, na Solenidade de Cristo Rei do Universo e Dia da Igreja Diocesana, viveu o seu estágio diaconal nas paróquias de Nossa Senhora da Piedade de Queimadela (Armamar), S. João Baptista de Figueira e São Martinho de Valdigem (Lamego), sob orientação do respectivo pároco, Cón. José Manuel Pereira Melo. Ao longo desse período residiu no Seminário Maior, redigindo também o seu trabalho académico final, que entregou há poucos dias.

Nas próximas semanas vai certamente poder percorrer as paróquias por onde passou como seminarista e diácono, bem como estar disponível para acompanhar e ajudar o seu pároco, Padre Joaquim Manuel Silvestre. Aliás, no próximo domingo, na sua terra natal, Avões, vai presidir àquela que habitualmente se chama “Missa Nova”. Entretanto, a diocese irá certamente confiar-lhe uma missão pastoral que assumirá no final do verão, como é prática entre nós.

A nossa diocese dá graças ao Senhor da Messe por esta vida e esta vocação, ao mesmo tempo que reza pedindo ao nosso Deus que abençoe e acompanhe sempre este novo sacerdote na sua missão.

in Voz de Lamego, 8 de julho de 2014, n.º 4272, ano 84/34

Jornadas de Formação do Clero de Lamego

Imagem1. Nos próximos dias 27 e 28 de Fevereiro decorrerão, no Seminário Maior, as jornadas de formação para o clero, programadas no plano pastoral diocesano.

Este é um tempo oportuno para a sempre necessária actualização teológica dos sacerdotes da diocese e, ao mesmo tempo, espaço privilegiado de aprofundamento da comunhão do Presbitério. A escolha do Seminário, como espaço para o evento, resulta do facto de este ser a Casa Sacerdotal por excelência; ele foi espaço de discernimento vocacional, de formação teológica, escola de comunhão e é sempre ponto de referência preciso e sereno para todos os sacerdotes que facilita o colóquio e o diálogo com o bispo e com os colegas sacerdotes, a oração em comum, em particular a Liturgia das Horas, bem como a troca de experiências, o encorajamento reciproco, o florescer e a solidificação das relações de amizade.

Daí a insistência em virmos com tempo para escutarmos e para nos escutarmos, para as conferências e para as orações, para o trabalho e para o repouso nesta casa berço e mãe do nosso enamoramento vocacional.

2. O tema das jornadas será: “Liturgia: a arte de dizer Deus” e tal como as demais iniciativas, já realizadas e a realizar, tem como referência o tema deste ano pastoral: “Ide e fazei discípulos”. O Directório para o Ministério e a Vida dos Presbíteros, da Congregação para o Clero, aconselha: “para uma adequada formação pastoral, é necessário realizar encontros que tenham como objectivo principal a reflexão pastoral da diocese” (nº98) e mais à frente, o mesmo documento, no mesmo número, acrescenta: “ a formação prática no campo da Liturgia  também tem uma importância especial. Dever-se-ia reservar particular atenção para se aprender a celebrar bem a Santa Missa – a ars celebrandi  é uma condição sine qua non da actuosa partecipatio dos fiéis”.

Ler mais…

Um Novo Seminário

Foto de conjunto O Seminário é composto por 19 seminaristas, 4 de Bragança-Miranda; 3 da Guarda; 8 de Lamego e 4 de Viseu. Compõem a Equipa Formadora 4 sacerIn Voz de Lamego, 2014.01.14

No mês de Outubro de 2013 abriu um novo Seminário em Portugal: trata-se do Seminário Interdiocesano de São José, com sede em Braga. É constituído por seminaristas das Dioceses de Bragança-Miranda, Guarda, Lamego e Viseu e por uma equipa de quatro sacerdotes. Os seminaristas frequentam as aulas na Faculdade de Teologia de Braga, da Universidade Católica Portuguesa.

Desde há vários anos, os seminaristas das quatro Dioceses frequentavam o Instituto Superior de Teologia de Viseu, com sede no seu Seminário Maior (estará sempre por cumprir o dever de gratidão ao excelente corpo docente deste Instituto e sobretudo à Diocese de Viseu). Por várias razões, no entanto, o Instituto teve de encerrar. Mas com isso não acabou, porque nunca pode acabar, a comunhão entre as Igrejas. E desse esforço de comunhão e da vontade de continuar juntos a procurar o melhor para a formação dos futuros sacerdotes, nasceu este novo projecto comum. Um seminário interdiocesano é uma realidade nova em Portugal. Também por isso é um grande desafio, em primeiro lugar para quem mais directamente nele está envolvido, mas também para os presbitérios e para todos os diocesanos, pois a causa das vocações sacerdotais é responsabilidade de todos os cristãos.

Ler mais…

Categorias:Notícias Etiquetas:, ,

D. António Couto aos sacerdotes mais jovens da Diocese: “Vivei da Palavra de Deus”

_U0A2104.JPG

O Sr. D. António Couto, Bispo de Lamego, reuniu-se, no passado dia 21 de Janeiro, com os Sacerdotes da Diocese de Lamego que receberam a ordenação sacerdotal nos últimos 13 anos. No total, marcaram presença 23 sacerdotes no encontro que se realizou na Casa de Retiros de S. José e que contou, também, com a presença do Mons. Joaquim Dias Rebelo, Vigário Geral da Diocese.

Depois da oração comum da Hora Intermédia, o Sr. D. António centrou a sua mensagem aos sacerdotes mais novos em três grandes pontos: a necessidade de pautar a própria vida pela Palavra de Deus; de dar prioridade à oração; de viver, generosamente, o “belo Sacramento da Reconciliação”.

Ler mais…