Arquivo

Posts Tagged ‘Racismo’

Editorial da Voz de Lamego: Os extremismos segregam e desumanizam

Ainda focados na pandemia, mas com temáticas que emergem na sociedade e na cultura como tsunamis que destroem, criando divisões, perpetuando guerrilhas, ódios e vinganças, deixando vir ao de cima o lado lunar do ser humano, o seu lado mais instintivo e selvagem. Refira-se, como ponto permanente, que a vida não é branco e preto, não é linear, mas são várias as matizes que enformam cada pessoa e, por conseguinte, não há duas pessoas iguais e uma pessoa não é a mesma ao longo da vida. Por vezes, parece que a pessoa tem várias caras, ou máscaras! Não. É precisamente a mesma pessoa, mas com matizes e mutações várias.

Isto, todavia, não nos afasta de refletirmos sobre nós e de procurarmos ter um chão mais ou menos seguro, raízes e referências que nos permitem ser pessoas confiáveis (em quem se pode confiar). Há pessoas que nunca sabemos para que lado estão viradas, pois a variação de disposição, de humor, de trato é doentia. Não nos referimos aqui a pessoas com depressão, cuja doença é verdadeiramente desumanizadora, mas às pessoas ditas “sãs”! Destas, todos conhecemos, algumas que não são confiáveis, ora nos metem no coração ora nos rotulam, denegrindo-nos generosamente.

Um parêntesis, para dizer que a palavra “denegrir” nada tem de racista, ainda que alguns digam que deveria ser banida da língua portuguesa, pois pode ferir suscetibilidades! Nesse caso não poderíamos falar em trevas, em escuridão ou em obscuro, ou lado lunar ou em eclipse! Há pessoas a lutar contra o racismo que são verdadeiramente extremistas, racistas disfarçados e violentos, além de serem desmemoriados e aculturais.

Quem não vive como pensa acabará por pensar como vive (Gabriel Marcel). Para dialogarmos com alguém precisamos de estar seguros do nosso ponto de vista, de contrário será um “diálogo de surdos” em que ninguém se entende. Obviamente, se estamos seguros do caminho que percorremos e se sabemos para onde nos encaminhamos é mais fácil perceber o caminho dos outros e respeitar o percurso que eles escolheram. A intolerância e a arrogância convivem demasiado bem com a ignorância. Esta faz-me autocentrar-me, contando só o que eu digo, o que faço, tudo o que possa vir de diferente dos outros é estorvo ou é armanço.

Vem à memória aquele dia em que os discípulos proibem um homem que estava a falar e a curar em nome de Jesus só por não pertencer ao grupo dos discípulos. As palavras de Jesus são taxativas: “Não o impeçais, porque não há ninguém que faça um milagre em Meu nome e vá logo dizer mal de Mim” (Mc 9, 40).

O ideal de uma aldeia global, facilitada pelos meios de comunicação e pela mobilidade viária, aérea e marítima, está longe de ser um sonho cumprido. Globalizou-se a indiferença, mas também a violência, os extremismos, os nacionalismos. Os “ismos” ideológicos são segregadores, fazem com que as fronteiras sejam muros que excluem, afastam, dividem, e não lugares de encontro e de relação. À esquerda ou à direita, vanguardistas ou retrógrados, desengane-se quem pensa que um extremismo é mais saudável que outro só por estar no extremo oposto. Nestes extremismos, palavras “liberdade” ou “segurança” não passam disso mesmo. E isso vê-se entre nós, a liberdade apregoada radicaliza e expulsa do grupo quem discorda, não é possível a opinião própria. A segurança apregoada é fautora de ameaça e violência, combatemos com as mesmas armas!

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 90/31, n.º 4566, 30 de junho de 2020

Editorial da Voz de Lamego: As cores da (in)tolerância…

Somos tolerantes. Intolerantes são os outros. Ou talvez sejamos as duas coisas, dependendo dos temas com que nos deparamos!

Existam pessoas, preenchidas de humildade e sabedoria, com a elasticidade generosa para acolher e respeitar os outros, mesmo divergindo, e capazes de integrar, aprendendo, as diferenças, como riqueza e não como estorvo ou sombra!

Quando nos autocaracterizamos, somos humildes, tolerantes, frontais… e ninguém nos dá lições de moralidade, lealdade, honestidade.

Os maiores teóricos da liberdade foram os maiores ditadores… à esquerda e à direita! Hitler, Mussolini, Lenine… Bolsonaro? Países em que imperou o fascismo ou o comunismo… Portugal, Itália, Rússia, China… e ninguém lhes poderia (então) dizer que eram ditadores… pois estavam a defender os direitos dos seus povos!

No dia 25 de maio morreu George Floyd, afro-americano, depois de um polícia de Minneapolis se ter ajoelhado sobre o seu pescoço, durante oito minutos e quarenta e seis segundos, enquanto estava deitado de bruços na estrada e a dizer que não conseguia respirar. De imediato se multiplicaram as manifestações contra o racismo, o abuso de poder e a descriminação. Pena foi, novamente, que algumas minorias extremistas se apropriassem da causa, como se não dissesse respeito a todos.

Um erro… não se corrige com outro. A violência não se corrige com violência, apenas a multiplica. Se a um excesso se responde com outro, o que resulta é destruição.

As manifestações integram muitas pessoas que nada têm a ver com as causas que as provocam. É lamentável. As boas intenções de uns são adulteradas pela inconsciência, burrice e oportunismo de outros. As diversas manifestações antirracistas, relevantes e oportunas, são ensombradas e perdem o sentido quando se escolhe o caminho da violência e do desrespeito pelos outros. Há cristãos que se converteram a movimentos religiosos e queriam reescrever a pertença religiosa, apagando o registo do batismo, quase como quando um relacionamento termina e se rasgam as fotografias… como se dessa forma também a memória fosse apagada.

Como portugueses talvez tivéssemos de criar um tribunal para julgar Afonso Henriques e os reis que lhe sucederam. Talvez tivéssemos que queimar livros, romances e poemas, rasgar fotos, desgravar sons e películas… talvez precisássemos de destruir praças e monumentos e não apenas colocar-lhes outros nomes!

A história enraíza-nos no que somos, assumindo que os nossos antepassados fizeram coisas boas e outras menos boas, o que também nos acontece e aos nossos contemporâneos. Porém, não nos cabe tanto julgar ou mesmo destruir a história, sabendo que se tivéssemos vivido nesses tempos poderíamos ter sido as vítimas ou os vilões! Quem o poderá saber?!

Sem renegarmos as nossas raízes, cabe-nos construir hoje a história, contribuir para um mundo mais solidário e fraterno, lançando novas raízes que integrem e incluam solidariamente os que seguem no mesmo barco que nós. Do passado, poderemos sempre colher lições… para não cairmos nos erros que destroem, e possamos avançar e progredir num caminho de humanização e integração…

Regressemos às cores da (in)tolerância. Seremos tolerantes quando deixamos andar e não queremos saber do outro?

Seremos tolerantes quanto respeitamos desde que não nos chateiem, não nos incomodem, não nos calquem os calcanhares e não nos cheguem mostarda ao nariz?

Sou tolerante… com os meus amigos e desde que não divirjam e/ou sejam da minha cor clubística, da minha área político-partidária, pertençam à minha religião!!!

O caminho da tolerância é aceitação do outro, com as suas qualidades e fragilidades, respeitando-o como pessoa, amando e cuidando.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 90/29, n.º 4564, 16 de junho de 2020