Arquivo

Posts Tagged ‘Pe. Manuel Gonçalves’

Editorial Voz de Lamego: Mês das almas, da ressurreição e da vida

tumulovazio

As nossas comunidades cristãs continuam a cadenciar o tempo, dias e meses, com dedicações especiais, mês do Sagrado Coração de Jesus e mês de Maria, mês do Rosário e das Missões, novenas aos padroeiros, à Imaculada Conceição e ao Menino Jesus. Em novembro, a dedicação começa nos santos e situa-nos de imediato nos nossos familiares e amigos que já partiram para a Casa do Pai, onde repousam, glorificando a Deus, em alegria plena e definitiva e para onde um dia também nós seremos levados.

A memória agradecida compromete-nos com os nossos antepassados. Há que viver bem o tempo presente e fazer com que valha a pena o que nos deixaram em herança, sobretudo o que nos ensinaram a ser.

Para alguns, o cemitério é o definitivo, a última morada. Pronto, acabou. Não há mais nada a fazer. Se tivesses vivido antes! Aproveitemos enquanto há tempo, depois a escuridão, a morte, o esquecimento para sempre. As palavras, contudo, parecem ser uma fuga, um apelo, um desejo de que não seja verdade o que verbalizam, esperança que haja ainda alguma coisa, a oportunidade para um novo encontro. Mesmo para aqueles em que prevalecem as dúvidas, o cemitério é um desafio, uma provocação, para aproveitar o tempo para o que lhes faz bem e os faz sentir ligados aos outros, amanhã pode ser tarde!

Há animais de estimação que voltam aos lugares onde foram “mimados” pelos donos, alguns deitam-se durante horas e dias onde sentem o cheiro do dono. Há mesmo alguns animais que definham com a morte dos donos e acabam também por morrer! Então, voltar ao cemitério, ainda que por um dia ao longo do ano, faz-nos sentir agradecidos por aqueles que nos fizeram bem e que marcaram a nossa vida.

Para nós cristãos, porém, há de prevalecer a esperança na vida eterna, a fé na ressurreição dos mortos, a certeza de que os que morrem em Cristo, com Cristo ressuscitarão. Aliás, já fomos introduzidos na ressurreição de Jesus pelo Batismo. Na água e no Espírito Santo, tornámo-nos novas criaturas, partícipes da vida divina. Cabe-nos, ao longo da nossa vida, fazer transparecer a beleza e a bondade de Deus, para que não estranhemos o momento em que tivermos de nos encontrar em definitivo com Jesus Cristo. Por conseguinte, o mês das almas, a Eucaristia pelas almas do Purgatório, pregões ou padre-nossos, responsos, remetem-nos para a ressurreição, a de Cristo e a nossa, para a vida que será eterna, mas que inicia já, no serviço aos irmãos.

Numa das comunidades que me está confiada, Pinheiros, a Visita Pascal também se faz no Cemitério, rezando por aqueles cujo corpo ali foi depositado, partilhando o anúncio da ressurreição de Jesus, professando a fé que se encontram vivos e ressuscitados junto de Deus.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 88/47, n.º 4484, 6 de novembro de 2018

Editorial da Voz de Lamego: Santos que nos batem à porta

jesus-at-the-door-39617-wallpaper

Sede santos como o vosso Pai celeste é santo. Interpelação de Jesus aos discípulos. Sede misericordiosos como o Vosso Pai do Céu é misericordioso. A santidade passa pela misericórdia, pela compaixão, pela ternura. A santidade não é, definitivamente, uma atitude passiva, de quem não faz bem nem mal, mas a decisão firme de seguir as pegadas de Jesus, fazendo-se próximo, apostando na docilidade, gastando-se a favor dos outros.

A vocação primeira do cristão é ser santo. Podemos dizê-lo de outra maneira: a vocação primeira do cristão é seguir Jesus, amar Jesus, viver Jesus, testemunhar Jesus. Ora, Jesus trouxe-nos a santidade de Deus, humanizando as relações entre as pessoas, devolvendo a dignidade aos excluídos daquele tempo, sarando os corações dilacerados pela discórdia, curando as enfermidades do corpo e da alma, espalhando ternura!

O Vaticano II veio sublinhar a vocação universal dos cristãos à santidade. Esta não é um “privilégio” ou compromisso dos religiosos ou dos padres e bispos, mas de cada e de todo o batizado: identificação da própria vida a Jesus Cristo. Mesmo que não possamos afirmar como o Apóstolo “Já não sou eu que vivo é Cristo que vive em mim” (Gál 2,20), esse há de ser o propósito de toda a nossa vida, presente nas nossas escolhas diárias. Na verdade, no batismo fomos introduzidos na santidade de Jesus, na vida divina, tornamo-nos novas criaturas, morremos para o pecado, fomos retirados às trevas e imersos na luz do Espírito Santo. É como “santos”, como eleitos, que nos pertencemos a Cristo e ao Seu Corpo que é a Igreja.

O Papa Francisco dirigiu à Igreja a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate (Alegrai-vos e exultai), de que já demos nota na Voz de Lamego, precisamente como chamamento à santidade no mundo atual. Um dos incisivos assenta nos santos que nos batem à porta ou que encontramos na nossa vida quotidiana, nas nossas famílias e nas nossas comunidades. Diz-nos o Papa que “o Espírito Santo derrama a santidade, por toda a parte, no santo povo fiel de Deus… Gosto de ver a santidade no povo paciente de Deus: nos pais que criam os seus filhos com tanto amor, nos homens e mulheres que trabalham a fim de trazer o pão para casa, nos doentes, nas consagradas idosas que continuam a sorrir. Nesta constância de continuar a caminhar dia após dia, vejo a santidade da Igreja militante. Esta é muitas vezes a santidade ‘ao pé da porta’, daqueles que vivem perto de nós e são um reflexo da presença de Deus, ou – por outras palavras – da ‘classe média da santidade’”.

Solenidade de Todos-os-Santos e comemoração dos Fiéis Defuntos: a fidelidade a Jesus conduzem à santidade.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 88/46, n.º 4483, 30 de outubro de 2018

Editorial Voz de Lamego – Fofoca, pecado que brada ao Céu

formacao_o-que-e-fofoca

Aos pecados que bradam ao Céu, o Papa Francisco tem acrescentado mais alguns e talvez por isso haja alguns cristãos que se sentem incomodados e o contestem mais abertamente.

Um desses pecados é a “economia que mata”, cuja preocupação são as percentagens e não as pessoas. A bolsa de valores cai um por cento e logo disparam os alarmes em todo o mundo. Morre um pobre à fome, são mortas dezenas de pessoas em disputas territoriais, ideológicas ou religiosas, afunda-se um barco de refugiados, e não se passa nada… uma pessoa na berma da estrada e já não toca o coração de quem passa, os samaritanos escasseiam e a comunicação social já não provoca. É mais um! São mais umas centenas. São números! A repetição de imagens violentas, das desgraças alheias, da curiosidade mórbida, já não choca e se choca é momentaneamente, depois cada um segue a sua vida. Os títulos dos jornais, invariavelmente fixam-se nas tricas políticas, nos rating’s, na bolsa de valores, nos escândalos financeiros ou na diversão desportiva. A erradicação da pobreza é possível, mas falta a vontade política.

Outro dos pecados que bradam ao céu e que o Papa Francisco tem denunciado é a “fofoca”, o boato, o disse-que-disse, a insinuação. É um pecado mortal, mata a relação com o outro, a sua honra e o seu bom nome. O Santo Padre tem insistido reiteradamente neste malefício nas comunidades e nas famílias. É feio, muito feio, participar na Missa e logo depois dizer mal do outro. É uma expressão popular, mas que resulta da experiência do Papa também no ambiente da Cúria romana. Quanto mal faz à família uma fofoca, um comentário, uma insinuação! Quanto faz mal às comunidades. “Às vezes falamos mal das pessoas enquanto esperamos o sacerdote” (Papa Francisco). Isso é feio, muito feio.

Na vida de Jesus Cristo existem situações em que a calúnia, as falsas acusações, os boatos vão minando a relação com as pessoas mais simples. Alguns fariseus e doutores da Lei vão lançando suspeitas sobre Jesus. É conhecida, por exemplo, a ocasião em que Maria e os seus parentes vão ao encontro de Jesus para O trazerem para casa, pois dizia-se que Ele estaria possesso.

Numa ou outra Carta, São Paulo queixa-se das palavras venenosas que alguns espalham nas comunidades, criando divisões e espalhando a confusão.

Ao longo da história da Igreja e da humanidade houve muita gente morta por causa de boatos, calúnias, insinuações, muitas pessoas que perderam o emprego, a família e que foram expulsos da sua pátria.

Fica a recomendação para mim e para ti, para todos, sacerdotes e leigos, mais avançados na idade ou mais imberbes: quando falarmos dos outros pensemos no mal que podemos semear ou no bem que podemos ajudar a multiplicar.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 88/45, n.º 4482, 23 de outubro de 2018

Editorial Voz de Lamego – Novidade do Evangelho e da evangelização

Global business and communications

O tom está dado. Viveremos um ano missionário extraordinário. O Papa definiu outubro de 2019 como mês missionário extraordinário. Os bispos portugueses, não querendo ficar atrás, propõem-nos um ano inteiro, de outubro a outubro.

Quanto tempo é necessário para tomarmos consciência da missão evangelizadora que a todos diz respeito enquanto batizados? A resposta seria: a vida toda! Na sua Carta Pastoral para este ano, o nosso Bispo dá o mote: “Anunciar o Evangelho é a vocação própria da Igreja”. Não há outro jeito, anunciar o Evangelho é uma “obrigação” de todo o cristão. Não há cristão que não esteja comprometido com a missão, isto é, com o anúncio do Evangelho. Somos discípulos missionários.

Em vésperas do Dia Mundial das Missões, a Diocese de Lamego, através da CEFÉCULT (Centro de Estudos Fé e Cultura), organiza uma conferência com D. António Couto, para esta sexta-feira, subordinada ao tema “Todo o cristão tem uma missão, todo o cristão é uma missão”.

No último ano pastoral, a acentuação foi colocada na caridade, como rosto indelével da Igreja. É uma acentuação inclusiva. A caridade leva-nos a anunciar Jesus e a libertação que Ele nos traz. E vice-versa, o anúncio do Evangelho agrafa a caridade, o serviço ao outro.

Queremos uma Igreja em saída, dessedentada, em busca das ovelhas dispersas e perdidas, uma Igreja que segue o Seu Senhor, que veio precisamente para aquelas multidões que eram como ovelhas sem pastor, para as reunir e congregar. É o mandato de Jesus: Ide por todo o mundo e anunciai o Evangelho a toda a criatura.

Voltando-se mais para a Igreja, em três anos sucessivos, a Diocese não deixará de ser anunciada e rezada em prisma missionário, pois é a única forma de ser Igreja. É chamada e enviada em missão, aos de dentro, mobilizando-os e convertendo-os, e aos de fora, testemunhando a alegria do encontro com Jesus. Não em lógica prosélita, mas em dinâmica de desafio, interpelação, por atração! A todos, em todo o tempo, em toda a parte, a todas as pessoas.

Então é sempre a mesma coisa? Claro que não. É sempre a novidade de Jesus, do Seu Evangelho, da Sua vida como dom, vida oferecida e partilhada, e elevada. Quando os e-namorados repetem milhentas vezes “eu amo-te”, nunca é repetição, é sempre novo, é sempre música para os ouvidos e para o coração da pessoa amada. Preciso de ti! Vai correr tudo bem! Acredita em ti. Porquê dizer a mesma coisa, porquê a necessidade de ouvir o mesmo todos os dias ou várias vezes ao dia? Não bastava uma vez para sempre! E a Mãe ao dizer ao filho, a toda a hora, o quanto gosta dele, será uma repetição enfadonha?! Claro que não, a Mãe sente-o e precisa de o exprimir e o filho pode até achar de mais, mas ganha confiança, autoestima, sabe que pode sempre regressar aos braços e ao colo da mãe.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 88/43, n.º 4481, 16 de outubro de 2018

Editorial Voz de Lamego – A salvação não se nega a ninguém

parcerias

Expressão popular que sublinha a ligação mínima entre as pessoas quando a relação, mais próxima, mais pessoal, mais familiar, se quebrou. O vínculo de confiança e cumplicidade foi quebrado, mas não o que está na base da convivência social, humana e cristã.

Nas nossas aldeias, nas pessoas de mais idade, existe esta prática, esta consciência que “Bom dia” ou “Boa tarde” é o mínimo para uma pessoa decente, para uma pessoa de bem. O outro pode até não responder, fazer de conta, virar a cara para o lado, responder torto, dizer algum palavrão, mas a minha consciência leva-me a cumprimentá-la de qualquer jeito, mesmo que continue a desejar-me mal. E logo se acrescenta que essa é uma atitude cristã. O cristão não pode andar de costas voltadas para o outro.

Num primeiro momento, muitas vezes, é difícil cumprimentar o outro, ainda que a correr!

“Não lhe falo, não fala para mim, mas dou-lhe sempre a salvação, a salvação não se nega a ninguém. Primeiro não me respondia, agora já vai respondendo. Mas mesmo que não me respondesse, continuava a dar-lhes a salvação. Nós não somos animais. Temos contas a dar a Deus e Deus não quer que andemos de candeias às avessas. Claro que não seremos amigos, pelo menos como dantes. O que ela me fez não se faz a ninguém, nem ao pior inimigo! Mexer com a minha família, com o meu bom nome, isso é que não, mas não lhe quero mal, desejo para ela o que desejo para mim e para os meus. E se a visse numa valeta não deixaria de lhe deitar a mão. Não, nem pensar. Deus me livre! Seria o/a primeiro/a ajudar. Afinal, somos cristãos, somos irmãos. Foi isso que aprendi na doutrina. Foi isso que os meus pais sempre me ensinaram. Ajudar, fazer o bem sem olhar a quem e dar sempre a salvação. A salvação, a salvação não se nega a ninguém, a ninguém, mesmo que custe e que tenhamos que engolir em seco!”.

O estilo de Jesus vai ainda mais longe. Perdoar 70×7, perdoar sempre. Procurar reconciliar-se com quem nos fez mal e não apenas a quem fizemos mal. Perdoar é divino. Há quem diga que Jesus, na Cruz, teve essa dificuldade e por isso pede ao Pai que lhes perdoe, pois não sabem o que fazem”! Ele por agora ainda não consegue perdoar-lhes! Do Papa Francisco um apelo semelhante: se não conseguires ainda perdoar a tal pessoa, reza por ela, para que aos poucos Deus dilate o teu coração.

Uns dias depois do início do novo ano pastoral… se a salvação não se nega a ninguém, então o compromisso (obrigatório) de levarmos a salvação a toda a gente!

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 88/43, n.º 4480, 9 de outubro de 2018

Editorial Voz de Lamego: Somos insubstituíveis…

Ninguém é insubstituível. De insubstituíveis está o cemitério cheio!

Hoje, porém, gostava de refletir convosco outra máxima, que não contradiz a anterior, mas ajuda-nos a perceber que cada um de nós é parte essencial para a transformação da sociedade e da Igreja: ninguém é substituível. Somos insubstituíveis!

De um ponto de vista de tarefas, numa empresa, num grupo escolar, na Igreja, nos diversos grupos eclesiais, as pessoas são, até certo ponto, substituíveis. O equívoco é quando alguém se coloca numa perspetiva de sobranceria, endeusando-se. Se não for eu, ninguém faz e, se alguém faz, faz mal, não fica nada de jeito. Eu é que sei. Ora, isto não se verifica e o tempo ajuda a clarificar, pois surgirá alguém que faz com mais esmero e mais beleza. Todos conhecemos exemplos concretos. Alguém imprescindível numa comunidade, fazendo-se esperar, para que todos percebam que nada se faz sem ele. Por birra, ou para verificar a sua tese, deixou e as coisas não deixaram de se fazer. É quase como numa equipa de futebol, lesiona-se um jogador e outro aproveita a oportunidade para brilhar.

Mas onde é que somos insubstituíveis? Como pessoas, não há ninguém igual a nós. Somos únicos e irrepetíveis e, portanto, insubstituíveis. De um ponto de vista cristão, somos imagem e semelhança de Deus. Cada um de nós. Eu e tu. Em nenhuma circunstância somos redutíveis a outro. Ainda que vivêssemos apenas uns segundos, a nossa vida não seria em vão, uns segundos e já teríamos cumprido a vontade de Deus, deixando marcas em alguém!

Num momento em que a Diocese embarca num novo ano pastoral é tempo de renovarmos a nossa esperança, a nossa alegria, o nosso compromisso e tornarmo-nos imprescindíveis, não para tirarmos o lugar a alguém, não por acharmos que sem nós não há caminho, mas na certeza que Deus nos chama, que Cristo conta connosco. E cada um de nós pode fazer a diferença. O que eu não fizer, alguém o fará. Mas se eu o fizer vou pôr em andamento a minha identidade cristã. Todos somos necessários. Em Igreja, ninguém está a mais, mesmo que, aqui e além, a engrenagem esteja enferrujada, porque alguém se coloca à parte ou acima, emperre para se fazer notar mais um pouco! Em Igreja somos sempre poucos. Havendo alguém que não está, que não ajuda, que não esbanja os seus talentos a favor de todos, estaremos, inevitavelmente em défice, pois Deus conta com todos, comigo e contigo!

Não somos substituíveis uns pelos outros. Precisamos de todos. Precisamos uns dos outros. Não podemos chegar a casa do Pai deixando um irmão para trás. O nosso pai não é Jacob, é o próprio Deus!

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 88/42, n.º 4479, 2 de outubro de 2018

Editorial: Responsabilidade pessoal e estruturas de pecado

Deve-se, creio eu, a João Paulo II a nomenclatura de “estruturas de pecado”, sem escamotear a responsabilidade pessoal. A ética de João Paulo II é, na verdade, personalista. Crescendo numa época em que se manifestou o nacional-socialismo e, posteriormente, o comunismo marxista será fácil perceber que há estruturas, grupos, movimentos que favorecem e potenciam o pecado, a corrupção, o abuso, o controlo de quem está hierarquicamente abaixo, fazendo lóbi ou controlando meios de comunicação social, criando a opinião pública que se deseja…

Porém, a responsabilização de uma estrutura terá que ser individuado, com rostos e pessoas concretas. Ao longo da história, muitas foram as situações em que o todo absorveu a responsabilidade pessoal e desculpabilizou os que efetivamente agiram num ou noutro sentido. Por outro lado, a escravização de pessoas com a justificação de beneficiar o grupo, o partido e, hipoteticamente, o bem comum. Na prática, em diferentes regimes totalitários, o bem comum era sobretudo o bem das elites, governantes e militares. As pessoas do povo eram como os peões no xadrez, importantes mas facilmente sacrificáveis, desde que se mantivesse o regime!

Quando Hitler gizou o seu império, o controlo pela força, pelo medo, pela persuasão doutrinária, um dos objetivos foi eliminar o povo judeu, enquanto povo. Os judeus não precisavam de ter cometido algum crime, bastava que fossem judeus. Depois da segunda guerra mundial houve, numa primeira fase, a tentação de julgar os alemães como povo. Porém, cedo se optou por responsabilizar cada pessoa envolvida, com o respetivo grau de envolvimento.

Ao tempo de Jesus, havia uma certa responsabilidade parental, familiar, por um lado, e de cada grupo ou de todo o povo, por outro. Apresentam-Lhe um leproso, um cego, um surdo, um coxo, e logo Lhe perguntam: quem pecou, ele ou os pais? Jesus responde claramente que não se trata de herança do pecado (pessoal).

No livro do Génesis, o relato da criação diz-nos que Deus criou os animais terrestres, as aves do Céu, os animais marinhos, mas só o ser humano é criado à Sua imagem e semelhança, com a mesma capacidade de amar e ser amado, e apto a responder-Lhe. Daí a igualdade e semelhança. Verdadeiramente só respondemos a quem é semelhante a nós. O Homem está só e Deus dá-lhe uma auxiliar semelhante, da mesma carne.

A resposta (responsabilidade) só é possível em relação a alguém que está no mesmo patamar. O Homem – masculino e feminino – responde pelo seu semelhante, e perante Deus que o criou à Sua imagem e semelhança, e lhe confiou toda a criação, tornando-o também responsável por ela.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 88/41, n.º 4478, 25 de setembro de 2018