Arquivo

Posts Tagged ‘Pe. Manuel Abrunhosa’

Visita Pastoral de D. António Couto na Paróquia de Cabaços

cabaços2

Dia 13 de novembro

Às 15:00 horas o Senhor Bispo visitou o Centro de Dia, com os idosos, visitou o Santuário de São Torcato e a Junta deFreguesia.

Às 17:00 horas teve início uma Catequese do Senhor Bispo, baseada na Primeira Carta aos Coríntios (9, 19-23), as palavras do Senhor Bispo penetraram no coração dos Cabacenses.

…Tudo faço por causa do Evangelho.

…Muita alegria muito entusiasmo pelos outros…

…Fazei tudo por causa do Evangelho…

Dia 15 de novembro

Às 14:00 horas foi a receção na entrada da Paróquia com muitos Cabacenses, lançamento de alguns foguetes, teve início num tapete de verdura e pétalas de floresaté à entrada da Igreja Paroquial,(feito para o efeito por jovens da catequese e adultos, até à entrada da Igreja Paroquial.

O ponto alto foi a Eucaristia muito participada, o coro da paróquia cantou cânticos próprios ensaiados pelo Pároco Sr. Padre Diamantino.

O cântico pós-comunhão foi tocado com flautas por 4 jovens da catequese, o Senhor Bispo realçou o valor dos jovens na paróquia.

Depois da Eucaristia pela tarde dentro tivemos um convívio partilhado participado por muitos paroquianos.

 

Manuel Bernardo, in Voz de Lamego, ano 85/52, n.º 4339, 24 de novembro

Zona Pastoral de São João da Pesqueira | Tomadas de Posse

fotografia

No passado domingo, dia 25 de Outubro, tomaram posse do espaço pastoral deixado vago pelo falecimento do P. Manuel João, os padres Manuel Abrunhosa, António Júlio e José Filipe Pereira. O Pe. Adelino tomou posse, como administrador paroquial, da parte da manhã, das paróquias de Pereiros, Vilarouco e Valongo dos Azeites; de tarde, o P. António Júlio tomou posse, também como administrador paroquial, de Vale de Figueira a Velha e o P. José Filipe como vigário paroquial da mesma, com o encargo pastoral de Vale de Vila. Os administradores paroquiais foram apresentados pelo P. João Carlos Morgado, em representação do senhor bispo.

A memória e a gratidão da vida e do ministério do Pe. Manuel João esteve sempre presente na mente e nas palavras dos intervenientes nas celebrações. Nas palavras de saudação ao novo pastor, Filipa Almeida em nome do Povo de Valongo dos Azeites assim se expressou: “Nesta hora de alegria em que o recebemos de coração e braços abertos, não podemos deixar de prestar a nossa mais sentida homenagem ao seu antecessor, Pe. Manuel João Nogueira Amaral que, embora esteja já na presença de Deus, estará sempre nos nossos corações, lugar que conquistou pela sua bondade, alegria, humildade, dedicação e estima pelo povo valonguense. E até ao reencontro será sempre recordado com amor, carinho e gratidão”.  E apontando para o futuro e para o Pe. Manuel Abrunhosa, continuou: “Sabemos e temos noção da importância que a sua vinda tem no seio da nossa comunidade paroquial a fim de nos ajudar a fortalecer na fé que nos guia até ao Bom Pastor, Jesus Cristo.”

 A maturidade e serenidade das comunidades diante dos desígnios da Providência que motivaram esta movimentação do clero, esteve patente também na saudação de Heloísa Varela que, desta forma, saudou o P. António Júlio: “Os paroquianos da paróquia de Nossa Senhora do Rosário, de Vale de Figueira juntam-se a mim para lhe dar as boas vindas. Temos total certeza que o seu nome já estava escrito nos planos de Deus para hoje estar no meio de nós, para connosco caminhar, sendo aquele que nos orientará a partir de hoje.”

O Pe. Manuel Abrunhosa manifestou a sua alegria por regressar à zona pastoral onde há 45 anos começou o seu ministério sacerdotal. Prontificou-se a respeitar as tradições dos povos na medida das suas forças e do tempo disponível que os outros encargos pastorais o permitam. A mesma disponibilidade foi manifestada pelos padres António Júlio e José Filipe Pereira, cuja proximidade geográfica os fazia já conhecidos e estimados pelos povos que os acolheram e onde já pontualmente ajudavam o seu antecessor.

Estão pois de parabéns estas comunidades pela maturidade que manifestaram nestes tempos difíceis da sua história, em que em menos de cinco anos viveram o luto de dois dos seus párocos e pela forma familiar, simples e disponível com que acolheram os seus novos responsáveis espirituais. A diocese está reconhecida aos sacerdotes que, já sobrecarregados de trabalho, manifestaram sentido de Igreja e aceitam servir o Povo de Deus que peregrina nestas populações.

in Voz de Lamego, ano 85/48, n.º 4335, 27 de outubro