Arquivo

Posts Tagged ‘Pe. Jacques Hamel’

Homenagem pública ao padre assassinado: Père Jacques Hamel

père-Jacques-Hamel

O assassinato, em França, do Padre às mãos de dois terroristas disfarçados de crentes, abalou muita gente e motivou muitas declarações, homenagens e iniciativas. Numa destas, o arcebispo de Rouen, Dominique Lebrun, proferiu algumas palavras que vale a pena reter.

“Porque estamos aqui? Por causa da morte de um homem? Por causa da loucura mortífera de dois homens? Estamos aqui por causa da nossa recusa de tudo o que consideramos inadmissível!

Sabeis que os crentes gritam para Deus: Porquê? Porque deixas o mal invadir, submergir os corações humanos ao ponto de os transformar em monstros bárbaros? (…)

O Pe. Jacques Hamel morreu “paramentado”. Morreu quando celebrava a Eucaristia com um casal e três religiosas. Que mal fazia? Nenhum. Il fazia o que qualquer padre faz com amor: proclamar a morte de Jesus para anunciar a sua ressurreição, a vitória sobre a  morte, sobre o pecado. Isto faz-se em todas as Missas. Fazemo-lo com um pouco de pão, um pouco de vinho, símbolo da partilha e da alegria para todos. Para nós, católicos, é mais que um símbolo. É o próprio gesto de Jesus, na véspera da sua morte, quando se sabia condenado. Jesus queria doar a sua vida por amor, estar presente, acompanhar a história do mundo que se debate contra o mal, tornar-se alimento para a nossa vida. Ele queria que nós refizéssemos o seu gesto para que o amor invada o mundo, de forma doce e segura.

Uma Missa com cinco pessoas ou com centenas de milhar tem o mesmo valor, o mesmo sentido: dizer que o amor é o verdadeiro futuro da humanidade e não o ódio. A morte do Pe. Jacques assemelha-se à morte de Jesus. Como a morte de todos os mártires da verdade, da justiça, da paz, da fé. (…)

Na história da humanidade, os dez mandamentos marcam uma etapa decisiva no reconhecimento da dignidade humana. Não será importante recordar tal ensinamento para a nossa vida comum, para a educação, para um verdadeiro projecto social? Permitam-me recordar essas palavras comuns às tradições religiosas judaicas, muçulmanas e cristãs:

– Adorarás um só Deus

– Respeitarás o nome de Deus

– Respeitarás o dia consagrado ao Senhor

– Honrarás pai e mãe

– Não matarás

– Não cometerás adultério

– Não roubarás

– Não mentirás

– Não desejarás a mulher do próximo

– Não cobiçarás os bens do outro. (…)

Adorar a Deus é recusar servir-se do seu nome para matar, para roubar, para mentir, para trapacear. Matar o inocente é uma blasfémia contra Deus. O único poder que Deus delega ao crente é o de acreditar no perdão, na misericórdia infinita de Deus”. (…), 

in Voz de Lamego, ano 86/38, n.º 4374, 2 de agosto de 2016