Arquivo

Posts Tagged ‘Pe. Artur Mergulhão’

As Paróquias de Arícera e Goujoim prestam homenagem ao seu Pároco

As paróquias de S. Cristóvão de Arícera e de Santa Eulália de Goujoim, do arciprestado de Armamar e Tarouca, uniram-se no domingo, 10 de Setembro, na celebração das bodas de ouro de vida sacerdotal e paroquial do Rev. P. Artur Mergulhão. Associaram-se à homenagem os presidentes, vereadores e membros da Câmara Municipal de Armamar e da Junta da União das Freguesias de Arícera e Goujoim.

Às 12.00h, na igreja paroquial de Arícera, reuniram-se os fiéis das duas comunidades, para a celebração da Eucaristia. Este foi o momento alto de ação de graças a Deus e de gratidão dos paroquianos pela vida do sacerdote e pároco que os vem servindo ao longo de cinquenta anos. Um período de tempo da vida do P. Artur marcado pela presença física, assistência espiritual e proximidade familiar, com um dinamismo pastoral e social, imprimido desde o início da sua missão. A homenagem continuou num almoço de alegre convívio, servido num restaurante da região, com todos os que quiseram associar-se a esta manifestação de apreço.

Na Missa e no almoço, em plena comunhão entre os fiéis das duas comunidades e destes com o seu pároco, houve intervenções que, pela palavra e pelas ofertas, expressaram o reconhecimento agradecido, recordando momentos vividos desde os primeiros tempos de vida paroquial e lembrando os traços humanos e sacerdotais que caracterizam o P. Artur Mergulhão. Ler mais…

Acampamento Regional do CNE da Região de Lamego

Foi num ambiente misto de saudade e alegria que cerca de 300 Escuteiros encerraram no dia 9, ao final da tarde, o Acampamento Regional do CNE da Região de Lamego. (ACAREG)

Teve início em 7 de Julho de 2017, com a montagem de campo pelas 18h, tendo pelas 22h acontecido a receção à imagem de Nª Sª de Fátima oferecida, na penúltima peregrinação deste Movimento a Fátima (2006), pela Junta Central, à Junta Regional de Lamego e que nós guardamos com todo o carinho e devoção na sede da Junta Regional durante estes onze anos. Quisemos assinalar o centenário das Aparições com a peregrinação desta imagem a todos os Agrupamentos da Região de Lamego. Esteve durante esta semana no Agrupamento de Penude e daí foi transportada no seu andor até ao nosso Acampamento situado nas instalações do Aquartelamento do CTOE em Penude.

Toda a mística subjacente às atividades foi orientada com base no tema, inserido no logótipo: “Fátima no Mundo”. Ler mais…

Escutismo: Luz da Paz de Belém

luz-de-belem1-copia

Em dia de Santa Luzia, 13 de Dezembro de 2016, a Luz da Paz de Belém chegou à nossa Sé Catedral de Lamego, após ter percorrido mais de seis mil quilómetros sem se apagar. Partindo da gruta de Belém, onde foi acesa por uma escuteira austríaca, passando por Viena de Áustria e Évora, foi, aí, partilhada pela Junta Regional do CNE da Região de Lamego que a transportou até nós.

O nosso Bispo, D. António Couto, acolheu-a com a missão de a partilhar com todos os presentes que enchiam este templo sagrado.

Estavam presentes representantes de todos os Agrupamentos da Região de Lamego, assim como a Junta Regional de Vila Real, que a transportaram para as suas sedes e a partilharão com todas as paróquias que a quiserem receber.

Muitas outras pessoas se associaram ao nosso Movimento para levar para suas casa ou instituições esta luz. Ler mais…

Luz da Paz de Belém – escutismo

luz

A Luz da Paz de Belém é uma iniciativa dos Escuteiros  e Guias da Áustria, com a colaboração de diferentes escuteiros de países da Europa e outros continentes que repartemm a Luz da Paz, acendida todos os anos, por uma criança austríaca no lacal do nascimenro da Jesus em Belém.

A Luz é distribuida por todos os países a partir de Viena, capital da Austria, Este ano chegará a Portugal, à Região Escutista de Évora,  no dia 11/12.

 Uma equipa do CNE da Região de Lamego irá buscá-la  a essa cidade, para que no dia 13/12 às 17,00 h esteja na Sé da Lamego para ser partilhada por todos os Agrupamentos das Região de Lamego e Vila Real.

A cerimónia será presidida pelo Sr. Bispo de Lamego Sr. D. António Couto.

Convidamos todos os Agrupamentos  a aderirem a esta iniciativa que está carregada de emoção e sentido de partilha, assim como, todas as pessoas que queiram levar para suas casas ou instituições esta Luz da Paz de Belém, como forma de estarmos mais unidos na vivencia deste Natal.

Este ano a proposta que apresentamos para uma maior interiorização é: “Construiur a Paz com Coragem e Criatividade.”

Para melhor a realizarmos, esta proposta, será dividida em três partes:

  1. Inspira-te: (advento) Visa a preparação para a chegada da Luz, com iniciativas adaptadas a cada domingo.
  2. Partilha-te (até ao dia de Natal) Partilhada a Luz com todos os Escuteiros do CNE, esta é a altura em que procuramos formas criativas de fazer chegar esta mensagem de Paz às nossas comunidades locais.
  3. Transforma-te: (até ao Batismo do Senhor) A luz que nos inspirou e partilhamos, muda alguma coisa na nossa vida, muda-nos por dentro, abre pistas para o futuro, individual e comunitariamente.

 

Após o preenchimento do modelo de relatório que estará disponível em http://internacional. Cne-escutismo pt podem, os escuteiros, candidatar-se à insignia da Luz da Paz.

 

Pe. Artur Mergulhão

Assistente Regional do CNE

in Voz de Lamego, ano 87/04, n.º 4389, 29 de novembro de 2016

Escuteiros em peregrinação no Santuário de Nossa Senhora de Fátima

cne-fatima2

Era um gosto vê-los chegar, logo pela manhã do dia oito de outubro de 2016, partindo de dez lugares diferentes, previamente escolhidos pela organização, à volta de Fátima onde começara a primeira etapa da Peregrinação Nacional do CNE. Era uma caravana imensa que encheu de alegria e fé juvenil cerca de 50.000 participantes de todo o país, da França, da Espanha, da Suíça.

O lema estava bem declarado no logótipo da bandeira da Peregrinação, empunhada com orgulho: 10.100 fm: 10-dezena; 100-Centenário das aparições; f-Frassati/Fátima e o slogan: sintoniza-te nos trilhos da Misericórdia. Ler mais…

Arciprestado de Armamar-Tarouca ao Santuário da Lapa

img_3093-2

Com tons de outono na natureza envolvente, lembrando o final do ano da misericórdia, peregrinou o arciprestado de Armamar/Tarouca, até ao Santuário de Nossa Senhora da Lapa para, em conjunto, os fieis das paróquias que o constituem, meditarem, orarem, receberem a indulgência do perdão e conviverem.

Embora muitos já o tivessem feito, individualmente, quer à Sé de Lamego, quer ao Santuário da Lapa,

em conjunto, porém, fizemo-lo no dia 2 de outubro de 2016 a partir das 14h30, de acordo com o Plano do Conselho Pastoral Arciprestal.

Depois de uma preparação em cada paróquia, foram centenas os peregrinos que caminharam até à Porta Santa do Santuário de Nossa Senhora da Lapa.

Reunidos junto ao Pelourinho da Lapa aí fizemos a primeira paragem para renovarmos a consciência de povo de Deus, povo amado de Deus, e celebrarmos na alegria a comunhão de uns com os outros, com Deus e com a Sua e nossa Mãe. Ler mais…

Fundação Gaspar e Manuel Cardoso de Armamar

R5 - 000111

Apoio social

Em substituição de um velho edifício, foi inaugurado no dia 08/11/2015 com a presença dos Corpos Diretivos, entidades autárquicas e eclesiásticas da localidade, o novo Lar para Idosos da Fundação Gaspar e Manuel Cardoso de Armamar. Destaque para a presença da nossa Ministra de Estado e das Finanças Dra. Maria Luís Albuquerque que aqui encontra as suas raízes familiares e do Dr. Telmo Antunes, Diretor do Centro Distrital da Segurança Social de Viseu e vários Deputados do Distrito de Viseu.

O Hospital da Vila

Quem atravessa a nossa vila de Armamar, mesmo de forma distraída, com certeza, que não lhe passa despercebido o edifício denominado, pomposamente, Hospital – Fundação Gaspar e Manuel Cardoso. Digo “pomposamente” porque de hospital resta, somente, o edifício, aliás elegante e bem construído, obra da firma Jorge Pereira Limitada sedeada, na época da construção, em Lisboa.

Se elaborássemos uma sondagem, rápida, e, nela, inquiríssemos o transeunte sobre a identidade dos nomes inscritos na frontaria do edifício, penso que poucos conheceriam algo das suas vidas, embora muitos tivessem usufruído, já, das benesses da sua obra. Mais fácil seria encontrar testemunhos referentes à contabilização dos “benefícios” dispensados.

Uma Fundação

A Fundação Gaspar e Manuel Cardoso, vem de longa data. A sua origem remonta ao testamento do seu instituidor Manuel Cardoso Pereira, também conhecido como Manuel Cardoso, datado de 24/10/1921. Tendo passado por numerosas vicissitudes foi, somente, em 18/10/1956 que esta deu os seus primeiros passos com a necessária aprovação dos seus estatutos. Ressalta a vontade de atribuir a esta instituição a denominação de Gaspar e Manuel Cardoso, dado que Manuel Cardoso foi herdeiro de seu tio Gaspar, já falecido e a quem pretendia, desta forma, homenagear.

Gaspar e Manuel Cardoso, tio e sobrinho, foram naturais de Vacalar, pequena freguesia do concelho. Manuel Cardoso Pereira, foi comerciante, assim como seu tio, e morador na cidade do Porto onde veio a falecer em 03/12/ 1953.

Conseguiram angariar fortuna avultada, fruto do seu esforço e trabalho persistentes. Vivendo modestamente, este tio e sobrinho, dedicaram toda a sua vida profissional ao comércio de couros, possuindo e gerindo vários estabelecimentos deste ramo na cidade do Porto, assim como uma fábrica de curtumes.

Amantes da sua terra, cujas raízes nunca esqueceram, quiseram dotar os seus conterrâneos de um apoio humano e social, em todas as etapas de vida, da infância à idade sénior, com Creche, Hospital e Lar de Idosos, apoios, na ocasião, inexistentes nesta região do interior.

Para a construção  surgiram dificuldades na aquisição e expropriação dos terrenos, pertencentes ao casal senhor Hermano e sua esposa D. Maria dos Santos

Inaugurado por Sua Excelência o Senhor Ministro da Saúde e Assistencia Dr. Neto de Carvalho, a 27-11-66, como Hospital Sub-regional de Armamar, começou a funcionar com consultas, banco de urgências, internamentos e nas valências de medicina geral, cirurgia, obstetrícia, estomatologia, e assim se manteve até 1979. Possuía cinco pisos com uma capacidade superior a meia centena de camas.

Após esta data de 1979 foi transformado em Centro de Saúde e em 1993 implementou-se o Lar de Idosos, e de Idosos Dependentes, terminando a valência de hospital, com a devolução, após a sua anterior nacionalização, de parte do edifício, de acordo com as diretivas do Ministério da Saúde.

Em 1986 foram inaugurados a creche e o pré-escolar, num edifício construído em terreno circundante, os quais continuam em atividade plena e, cujo edifício, foi, completamente, remodelado no ano transacto.

A valência de creche tem capacidade para 38 utentes sendo 26 apoiados, por acordo, com a Segurança Social, Pré-escolar com capacidade para 50 utentes sendo 27 apoiados, por acordo, pela Segurança Social, Ministério da Educação e Camara Municipal.

A concretização destes propósitos demorou alguns anos a pôr em prática e não foi fácil dar início às atividades preconizadas no testamento, dado que familiares do benemérito, em ação judicial por eles proposta, tentariam, sem êxito, a respetiva anulação

Concretizou-se, todavia, o sonho destes Homens, cujos nomes ficarão gravados na história da nossa Vila, É bom que as gerações atuais e as futuras, recordem a sua atitude generosa e altruísta, da qual continuamos a beneficiar.

 Destacando-se nesta paisagem rural, estes edifícios continuam a servir a população e marcam presença digna na contabilidade das “benfeitorias”.

Um novo espaço

Celebra-se no dia 27 de Novembro do próximo ano de 2016 o cinquentenário da inauguração do velho edifício, que a partir desta data, fica devoluto, com exceção do Centro de Saúde que nele continua a funcionar assim como a cozinha. São as suas bodas de ouro.

A passagem do tempo deixa, forçosamente, a sua marca implacável. Por isso, no que concerne ao lar de idosos havia necessidade urgente de aumentar a sua capacidade e fazer reparações de fundo cujo orçamento seria avultado.

Decidiu, então, a Direção da Fundação, edificar um novo edifício, em terrenos contíguos que, em parte, foram adquiridos para este efeito. Construído de raiz, oferece, sem dúvida, ótimas condições de conforto e de capacidade de acolhimento, para os utentes efetivos e outros que, no futuro, venham a precisar deste apoio social. Pode acolher 73 idosos, embora tenham apoio da Segurança Social, somente, 30 idosos e 15 idosos dependentes.

Quanto ao velho edifício terá, certamente, uma futura utilização, que passará, forçosamente, depois de uma necessária adaptação, por uma nova valência, de acordo com as necessidades de apoio nesta área da saúde. Não haveria melhor comemoração do cinquentenário, bodas de ouro, que se avizinha, do que a inauguração, nessa data, das novas valências deste velho edifício, já remodelado e em atividade plena. Não é crime sonhar.

Gratidão merecida

Não se devem esquecer, todavia, na hora da inauguração, os andaimes que suportaram a construção. Estão de parabéns todas as direções, médicos, enfermeiros, serviços administrativos, pessoal auxiliar, Camara Municipal, Junta de Freguesia e tantos outros trabalhadores que iniciaram, conservaram e desenvolveram, ao longo destes quase cinquenta anos, este apoio a toda a população concelhia.

Igualmente, importa felicitar quantos se empenharam, apoiados por fundos comunitários, relacionados com o programa O Novo Norte, Programa Operacional Regional do Norte, na construção desta nova estrutura que dignifica a nossa vila, a começar pelas Direções da Fundação, pelo empreiteiro e seus operários.

É, sobretudo, a hora de lembrar os seus fundadores e todos quantos iniciaram o funcionamento da Fundação. É imperativo de justiça, recordar, entre muitos outros, o Sr. Dr. José Maria Calejo, o Sr. Arcipreste de Armamar, Pe Francisco António dos Santos, o primeiro Secretário do Conselho de Administração, Samuel das Neves Aguiar e seus funcionários administrativos, assim como, as Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição, as quais deram o seu contributo desde Dezembro de 1966 até Fevereiro de1992 de forma dedicada, dia e noite, auferindo honorários simbólicos, pelo menos, até à criação do Serviço Nacional de Saúde.

Fecha-se desta forma uma página bela desta Fundação; outra se abre dentro da mesma filosofia de bem servir.

A gratidão é o sentimento mais nobre do Homem. Por isso, e para que conste, aqui, fica a expressão a nossa gratidão.

 

Pe Artur Mergulhão, in Voz de Lamego, ano 85/50, n.º 4337, 10 de novembro