Arquivo

Posts Tagged ‘Património religioso’

DESTINO DO PATRIMÓNIO | Editorial Voz de Lamego | 17.julho.2018

DESTINO DO PATRIMÓNIO

Nos últimos dois dias de novembro, decorrerá, no Vaticano, um congresso internacional para debater o destino a dar às igrejas que deixem de estar afectas ao culto das comunidades católicas.

A desertificação humana de muitas regiões, o abandono da prática religiosa e a escassez de clero têm levado ao encerramento e abandono de igrejas e locais de culto. E o que se passa noutros países vem a caminho, sobretudo do interior português, cada vez mais idoso e vazio. Mas não será apenas uma questão de utilização; também a sua preservação está em jogo.

Por muito que nos entristeça, as nossas comunidades, por si só, não terão possibilidade de assumir todos os encargos que um tal património arquitectónico exige. Se até há pouco tempo a comunidade se movimentava para conseguir meios que lhe permitissem construir e preservar, agora esperam-se orientações para reutilizar os espaços, já que a diminuição das comunidades e das ofertas não será suficiente para tudo.

E é aqui que entra a necessidade de garantir financiamento. A par do contributo dos fiéis, dos peditórios e ofertas, privadas ou de dinheiros públicos, será preciso pensar na forma de conseguir algum apoio junto de quantos visitam e usufruem de tal património. Trata-se de garantir meios para a sua preservação.

E o que acontecerá aos imóveis com limitado interesse turístico ou que estejam fora dos circuitos a visitar?

O assunto não é novo, a solução encontrada em alguns países europeus pode não ser a melhor, mas existe a vontade de debater e encontrar critérios que salvaguardem o valor de símbolo espiritual, cultural e social dos imóveis no seio da comunidade.

Certamente que aparecerão propostas e soluções. Mas tudo isto nos recorda que somos um povo que caminha na história e que devemos encontrar respostas para as diferentes circunstâncias.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/33, n.º 4470, 17 de julho de 2018

Património artístico e religioso: Inventariar, preservar e fruir

IMGP7774

In Voz de Lamego, 21.01.2014

Liturgicamente, o dia 20 de Janeiro é dedicado à memória do Mártir S. Sebastião, Padroeiro principal da nossa diocese. Assinalando o facto, os responsáveis pelo do Departamento diocesano dos Bens Culturais e Patrimoniais organizaram um encontro in(formativo) que decorreu nas instalações do Museu diocesano, frente à Sé: uma conferência a cargo da Dra. Fátima Eusébio, responsável pelo Departamento dos Bens Culturais na diocese de Viseu, a apresentação do Catálogo da exposição, pelo Padre J. Correia Duarte e uma visita à referida exposição. Ao final da tarde, na Sé, celebração da Eucaristia, presidida pelo nosso bispo emérito, D. Jacinto Botelho.

Património: caminhos de fé

A Dra. Fátima Eusébio trabalha há alguns anos na inventariação do património religioso da diocese de Viseu, coordenando uma missão nem sempre fácil, mas necessária e que às vezes chega tarde demais. Com efeito, fruto de algum voluntarismo e de escassa formação e sensibilidade artística, cometeram-se erros graves na preservação do nosso património religioso. Mas também em construções recentes, no que se vai deixar para o futuro: o que é de todos não deve ficar subordinado ao gosto de alguns. E foi para nos falar disso que esteve entre nós, falando para um auditório repleto de gente atenta e disponível para acolher ensinamentos: párocos, seminaristas, membros dos Conselhos pastorais e económicos, técnicos de restauro, estudantes, membros de grupos e movimentos apostólicos…

Falar de património artístico religioso é fazer referência a bens móveis (pinturas, esculturas, alfaias, talha, paramentos, instrumentos musicais, mobiliário, livros, documentos, ourivesaria, joalharia) e a bens imóveis (edifícios de culto e anexos, mosteiros, conventos, paços episcopais, residências paroquiais, complexos educativos e caritativos). Mas a atenção não se pode fixar apenas do edificado ou adquirido; precisamos também olhar para o espaço envolvente. Estamos perante uma diversidade assinalável, nem sempre fácil de preservar: diversidade dos bens e dos intervenientes responsáveis, desconhecimento de quem cuida, escassez de recursos, desleixo, falta de planeamento para a preservação, população mais idosa com pouca força para preservar, menor zelo dos mais novos… Dito de forma simples, não vai ser possível preservar tudo e é urgente planificar e fixar prioridades.

Por outro lado, os nossos espaços de culto foram concebidos tendo em vista a evangelização, a utilização pastoral. E esta dimensão começa a ficar esquecida. Já são muitos aqueles que, diante de uma imagem, de um símbolo, já não conseguem entender. Assim, não basta preservar e divulgar, também é preciso clarificar a função ou o significado dos bens em causa. Esta é também uma das missões dos inventários que se vão fazendo. E isto é importante para se poder fruir dos bens. Trata-se de ajudar a descobrir caminhos de fé através da sacralidade intrínseca dos objectos e obras edificadas.

Ler mais…