Arquivo

Posts Tagged ‘Paróquia de Alvarenga’

Visita Pastoral de D. António Couto na Paróquia de Alvarenga

Pentax Digital Camera

A Paróquia de Santa Cruz de Alvarenga recebeu, na primeira semana de Fevereiro, a Visita Pastoral do Senhor Bispo de Lamego, que cumpriu, em quatro dias, o programa que fora estabelecido com o Pároco, Sr. Pe. Jorge Henrique Gomes Saraiva. Nem a meteorologia adversa, com ventos fortes, muita chuva e frio rigoroso, interferiu no programa.

No dia 1, encontrou-se com os vizinhos das capelas e locais de culto mais frequentados: Bustelo, Várzeas, Santo António, Pade e Igreja Paroquial. Ali orou com o povo e manteve com ele interessantes contactos em ameno tom coloquial, lembrando que Deus nos surpreende também hoje no presente. Deus vela, acordado, sobre o tempo e suas mudanças, não muito longe de nós, não no Céu acima das nuvens e atrás das estrelas, mas aqui no Sacrário da nossa Igreja – sublinhou o Sr. D. António, apontando com ambos os braços para o centro do Altar-Mór. Ler mais…

Paróquia de Alvarenga acolhe novo pároco: Pe. Jorge Henrique

mms_img-1722588848

Na tarde outonal do último domingo de setembro, esta paróquia de Santa Cruz de Alvarenga movimentou-se e acorreu à Igreja Matriz para receber festivamente o seu novo pároco, Pe. Jorge Henrique Gomes Saraiva.

Chegou pelas cinco horas, acompanhado pelo Sr. Vigário Geral, Monsenhor Joaquim Dias Rebelo, e pelos colegas dos arciprestados de Cinfães e Castro Daire e também de Lamego. Da comitiva faziam parte familiares e amigos.

Tudo foi organizado à volta da Igreja e integrado na Missa Paroquial. A Igreja estava cheia de fiéis contentes pela chegada do seu novo pároco que, por isto mesmo – apesar de ser já nosso vizinho em Ester, Parada de Ester e Cabril – despertava muita curiosidade. Todos, em bicos de pés, por cima das cabeças dos circunstantes, queriam ver, com os próprios olhos, quem chegava. O coral abrilhantava a solenidade do cortejo, que subia pela Igreja, com o maior entusiasmo.

Na homilia, o Sr. Vigário Geral teve uma palavra de gratidão para o anterior pároco, Pe. José Miguel Loureiro de Almeida, e uma outra de apoio e confiança para o Pe. Jorge Henrique. Resumiu o seu percurso de vida numa versão de fé: sabe levar a água ao seu moinho. Nós, fiéis de Alvarenga e habituados como ele ao ambiente do rio Paiva, compreendemos melhor que ninguém: sabe orientar as almas até Deus. O lugar onde estávamos apontava para esta leitura de fé, que o celebrante confirmou.

E teve mais uma terceira palavra para a assembleia dos paroquianos, muito oportuna e como eco das leituras da missa: o Espírito de Deus sopra onde quer, quando quer e como quer, não por capricho gratuito, mas por Providência Amorosa. Procuremos aqui o constrangimento que obriga a diocese de Lamego a confiar quatro paróquias desta margem direita do rio Paiva a um único pároco. É uma pergunta ao jeito de uma resposta. Nós perguntamos e Deus responde ou Deus pergunta e nós respondemos? A conclusão é pertinente e atual e está na responsabilização pessoal e coletiva dos leigos.

Depois de lida pelo Sr. Arcipreste de Cinfães, Pe. Adriano Pereira, a Provisão canónica da nomeação, uma paroquiana saudou, à nossa maneira de Alvarenga, o nomeado, pedindo-lhe emprestadas as palavras do lema sacerdotal que é este: “Eis-me aqui, Senhor, podes enviar-me.” Saudou assim: Deus ouviu a sua oração e enviou-o até nós. A casa é sua! Entre em sua casa! Sinta-se bem nela! Tudo faremos para que assim aconteça!

Já no final da Missa, falou também o pároco e dirigiu palavra de agradecimento a todos e cada um dos grupos de familiares, colegas, amigos e paroquianos.

Esta é uma das quatro paróquias que serve, mas servi-la-á com a mesma disponibilidade e consideração que teria se só paroquiasse Santa Cruz de Alvarenga, não se dividindo, mas sonhando, pedindo e implorando de Deus o dom, o milagre e o mistério da ubiquidade.

Momento expressivo foi no adro, junto à porta da sacristia, por onde ìa saindo a comitiva. À curiosidade atencionada só para o pároco, seguiu-se uma espontânea manifestação de popularidade, com grupinhos, aqui e além, a cumprimentar, a trocar simpatia e cortesias, a falar, a perguntar por este e por aquele. Todos se envolveram num agradável ambiente cordial. Havia amigos e conhecidos para todos os conhecidos e amigos. E os que não se conheciam apresentavam-se, e logo nasciam interesses, trocas de sorrisos, velhos amigos que já eram mais que de simples circunstância.

Este ambiente transferiu-se para o salão paroquial e manteve-se por mais uns momentos, à volta de uma mesa alongada, coloridamente sortida de doces variados e bebidas finas, à maneira de um chamado Porto de Honra. Não tanto para comer e beber, mas par adoçar mais as palavras de circunstância, inspirar o convívio e honrar as nossas visitas. Só os menos simpáticos relógios – que se haviam infiltrado sem convite – vieram perturbar a serenidade e pôr fim à boa disposição.

Registamos a presença dos pais, irmãos e familiares do Sr. Pe. Jorge Henrique. Voltem muitas vezes, vivemos todos na margem direita do rio Paiva. É fácil chegar cá. O rio orienta bem e ensina o caminho.

R.M., in Voz de Lamego, ano 85/44, n.º 4331, 29 de setembro

Paróquia de Alvarenga despede-se do seu pároco

Alvarenga 13 de Set 2015

No passado Domingo, 13 de Setembro, Alvarenga viveu um dia diferente por ocasião da homenagem de despedida ao seu pároco, nos últimos dez anos, Pe. José Miguel Loureiro de Almeida.

Na Igreja, cheia de paroquianos, o carinho humano misturou-se com a Ação de Graças a Deus, numa Eucaristia bem participada. Todos concorreram, com entusiasmo, nos cânticos escolhidos para a circunstância única que se estava a viver.

Por feliz coincidência, a liturgia dominical calou ainda mais fundo na alma dos fiéis, ao aproximar do Evangelho a Cruz que Cristo pregou como razão de ser da sua vida e centro da sua doutrina.

De facto, esta paróquia ufana-se da titularidade da Santa Cruz, gostando de ser nomeada, em qualquer parte, como freguesia de Santa Cruz de Alvarenga. E o povo colocou sempre este título religioso nas suas associações mais representativas. Assim, Alvarenga teve este ano mais uma razão para começar a celebrar a Santa Cruz na véspera do calendário litúrgico.

A homenagem foi centralizada na Missa de Domingo, que o Sr. Pe. José Miguel, enquanto pároco, transformou na jóia da coroa da sua atividade pastoral. Houve para ele lembranças – representando a mais significativa o motivo da Santa Cruz – e houve palavras de reconhecimento da Catequese e também palavras de estimada consideração do Povo pelo trabalho que realizou, pela maneira como o fez e pela herança que deixa na arte e no património religioso de Alvarenga.

E o homenageado – em voz controladamente firme, a aguentar uma luta interna entre o auto-domínio e as emoções do momento – nas palavras, que dirigiu pela última vez ao povo, referenciou três pessoas bem quistas na terra e de boa memória para todos, ligando-os com simpatia à sua vinda para a paróquia há dez anos:

  • O atual Sr. Bispo do Porto, D. António Francisco dos Santos, nosso vizinho da freguesia limítrofe de Tendais, em Cinfães;
  • Monsenhor Simão Morais Botelho, nosso conterrâneo, falecido nesta terra o ano passado;
  • E o seu irmão Dr. Rui Morais Botelho, também nosso conterrâneo e falecido nesta terra igualmente no ano passado: ambos os irmãos sentiram a sua companhia na vida e a saudade na morte.

Seguiu-se um convívio popular à sombra da Igreja, nos espaços da residência paroquial. Fora intenção dos organizadores que se inscrevesse o maior número de participantes: bastava ser amigo, ter um “obrigado!” para trocar, trazer a própria presença e fazer-se acompanhar de boa disposição.  E a expectativa não foi gorada. Juntaram-se muitas presenças, esgotaram-se os espaços e reinou ótimo ambiente.

À roda das mesas, e mais longe delas, todos se sentiram bem acolhidos pelos muitos voluntários que se esmeraram no serviço, sem indumentária de cerimónia, apenas revestidos de simpatia e sorrisos; não serviam travessas fumegantes e aromáticas de comidas exóticas, só a abundância da terra.

Uma tenda montada de emergência, na véspera, a todos protegeu de alguém que, sem inscrição nem convite, quis infiltrar-se: a D. Chuva do Boletim. Há dias rondava a festa com ameaças; e, ao meio dia, numa momentânea distração de São Pedro, postou-se à porta da tenda com a sua graça de frescura líquida. Não vinha protestar; e logo se deixou contagiar pela simpatia geral. Quem havia de dizer?… A meio da tarde, alegre e contente foi a primeira a sair, a cumprimentar o seu pároco pela última vez, deixando-lhe em segredo, para distribuir por quem ainda ficava mais um bocadinho, uma réstia de tarde amena e tranquila. Também ela colaborou, à sua maneira, com os organizadores. Por isso foi-lhe perdoada a quota de inscrição.

O homenageado aproveitou a circunstância para trocar palavras de gentileza e satisfação com os convivas, tornando assim a tarde ainda mais agradável com momentos, aqui e além, para uma e outra, e mais, fotografias.

Como sempre, nesta selfy coletiva, pároco e paróquia ficámos todos bem.

Bem haja, Sr. Pe. José Miguel! Muito obrigado! E volte sempre.

R.M., in Voz de Lamego, ano 85/43, n.º 4330, 22 de setembro

Promoção Vocacional |> Paróquias de Alvarenga e de Cabril

DSC_0234

No passado domingo dia 11 de Janeiro de 2015 celebrou-se o Batismo do Senhor e, para o celebrar mais festivamente o Seminário Menor de Resende foi convidado pelo Sr. Pr. José Miguel, pároco das freguesias de Alvarenga e Cabril, para a realização de uma Ação de Promoção Vocacional. Dos 14 seminaristas estiveram presentes 12. Em Alvarenga o Sérgio Carvalho e o Adriano Sousa acolitaram, na celebração da Eucaristia, juntamente com o Pe. José, o sr. Vice reitor do Seminário e o sr. Diácono Fabrício Pinheiro. Alguns seminaristas, rotativamente foram ler as leituras e a oração dos fiéis. Assim aconteceu, também em Cabril.

Na homilia o sr. Vice Reitor falou, principalmente, sobre o batismo, da vocação, lembrando a crise das vocações sacerdotais, da família de Deus… Convidou também todo o povo de Deus, principalmente os jovens e os pais e famílias para a nossa ação promocional.

Fomos todos almoçar na freguesia de Alvarenga no Restaurante Décio.

Por volta das três horas começamos com a nossa ação promocional sobre as vocações, tendo sido participada por muitas pessoas e muitos jovens. Correu muito bem… as pessoas participaram e gostaram muito da nossa presença e da nossa apresentação do seminário e dos seminaristas.

No final fomos convidados para irmos lanchar a casa de um casal de Alvarenga.

O nosso obrigado ao sr Pe. José Miguel pelo convite e pelo carinho que nutre pelos Seminários. Às paróquias de Alvarenga e Cabril o nosso obrigado pelas palavras de incentivo e de coragem e pelo sorriso com que nos receberam.

No final do lanche retomamos a viagem para nossa casa, o Seminário.

Marcelo Castro (10º ano) e Teófilo Pinheiro (8º ano), SMResende,

in VOZ DE LAMEGO, n.º 4297, ano 85/10, de 20 de janeiro de 2015