Arquivo

Posts Tagged ‘Paróquia da Sé’

PRIMEIRA COMUNHÃO NA PARÓQUIA DA SÉ

As crianças do 3.º ano celebraram este domingo a sua Primeira Comunhão; ocasião especialmente festiva porque, para além da já habitual celebração do Dia da Mãe e do Mês de Maria, que na nossa paróquia fazemos sempre coincidir com este marcante momento da vida cristã, estas crianças receberam Jesus pela primeira vez a apenas uma semana do Centenário da primeira aparição da Senhora de Fátima, da chegada do Papa Francisco na sua primeira visita a Portugal, e da Canonização dos Pastorinhos, crianças como eles, que são o grande exemplo de amor a Jesus e a Sua Mãe.

O clima era, claro, de festa.

Famílias alargadas partilharam da alegria e emoção das crianças e seus pais; as crianças da catequese vibraram com os seus colegas, umas revivendo o seu “dia especial”, outras antecipando-o; irmãos , primos e amigos mais novos encheram a Sé de palreios e gorjeios, cumprindo o pedido de Jesus – “Deixai vir a Mim as criancinhas”; toda a comunidade se sentiu unida e feliz, apesar de muitos terem assistido em pé e um bocadinho mais desconfortavelmente, tão numerosa era a assembleia.

Depois, na catequese do 4º ano, tivemos oportunidade de meditar sobre o que significou para cada um de nós o facto de recebermos Jesus, e o que mudou na nossa vida:

Somos mais amigos uns dos outros ?

Somos mais cumpridores da vontade de Deus?

Vamos á Missa com mais vontade? Estamos mais atentos?

Respeitamos mais pais e professores?

Trabalhamos com mais afinco?

Confiamos em Deus?

Esta é uma oportunidade de rever o que temos que melhorar na nossa vida.

O Espirito Santo  tocou o nosso coração e o de todos os presentes, não O ignoremos.

IM, in Voz de Lamego, ano 87/26, n.º 4411, 9 de maio de 2017

Curso Bíblico “Nossa Senhora na Bíblia”

Pelo 10.º ano consecutivo decorreu em Lamego mais um Curso Bíblico, de organização conjunta das Paróquias de Almacave e Sé, contando como orientador pelo 4.º ano o Bispo de Lamego D. António Couto, que mais uma vez partilhou os seus dons de orador e de sabedoria que a todos cativa.

Nos três dias do Curso, de 4 a 6 de Abril, as mais de 150 pessoas presentes no Centro Paroquial de Almacave, de diversas paróquias do Arciprestado de Lamego, puderam ouvir falar de Maria e do seu papel de Mulher e Mãe, descrito na Bíblia, desde a Anunciação do Anjo até à Ressurreição de Jesus.

Estando a decorrer o Centenário das Aparições de Nossa Senhora em Fátima, a escolha do tema foi pertinente pela sua contemporaneidade e pela necessidade de percebermos a docilidade e afabilidade da “Virgem desposada”  que disse o Seu SIM a Deus e se tornou a “Arca do Senhor” carregando no Seu ventre o Salvador Jesus Cristo.

Foram percorridas diversas Orações, desde a Avé-Maria, ao Magnificat a primeira oração de Maria, passando pela primeira oração a Maria, no ano 300, mostrados os textos dos Evangelistas que escreveram sobre Ela e no-La deram a conhecer através da Palavra de Deus, num caminhar constante de descoberta da beleza da Vida de Maria, enquanto presente fisicamente na Terra.

Foi-nos ainda apresentada Nossa Senhora como a “compositora” que guardava no Seu coração tudo o que se passava, como um “vaso que recebe”, numa alusão ao nosso modo de vida que deverá “ser um vaso como Maria com docilidade e disponibilidade para tornar a Palavra de Deus fecunda na nossa vida”. Assim com e como Ela se poderão abrir caminhos novos na nossa vida, para nós e para os outros.

A figura de Maria, apresentada na Bíblia, ora como MULHER, ora como MÃE, a serva do Senhor, é assim “a compositora que compõe tudo com extrema carinho e tece a Sua melodia da Alegria” e que “canta Deus como nós o fazemos no Terço”, foi assim ao longo dos três dias que tivemos a graça de A descobrir na sua beleza, docilidade, oferta e doçura pela palavras proferidas por D. António do Couto

Sendo Maria a Medianeira de todas as graças, é Ela que vai “(re)lembrando” a Deus e ao Seu Filho as nossas necessidades e anseios, no Seu olhar de doçura maternal, ouvindo os nossos gritos e súplicas e depondo-as junto do Pai e do Filho para obtenção  das graças divinas.

Isolina Guerra, in Voz de Lamego, ano 87/22, n.º 4407, 11 de abril de 2017

Paróquia da Sé: Festa da Igreja

pedras-se

Cerca de 40 crianças do 5º ano da catequese da paróquia da Sé reuniram-se em volta do altar na Missa das 10 horas para partilharem com a comunidade cristã a alegria que sentiam por pertencerem a esta comunidade e, com todos nós, serem IGREJA.

Igreja viva, em crescimento, dinâmica e cheia de energia, como comprovaram estes meninos e meninas, felizes por estarem tão perto de Jesus, e a ser objeto das atenções dos seus familiares e amigos perante os quais reafirmaram o seu compromisso em continuar a ser construtores da igreja de todos nós; o nosso futuro como comunidade cristã.

Como sinal desse compromisso, cada criança depositou numa bandeja a sua fotografia, aos pés duma lindíssima imagem da nossa Sé ( primorosamente desenhada pelo Grupo de Jovens, sempre pronto a colaborar – parabéns jovens ! ).

Palpável foi também a alegria geral das crianças da catequese, entusiasmadíssimas com a festa dos seus colegas, questionando todos os passos do seu compromisso, querendo esclarecer tudo o que se passava e ansiando já pelo momento em que chegaria a altura de elas próprias darem testemunho.

E é assim, uns com os outros, vendo e testemunhando, rezando juntos e estando lá para os irmãos, que cresce a nossa comunidade, unida e fraterna, como Jesus quer.

in Voz de Lamego, ano 87/12, n.º 4397, 31 de janeiro de 2017

A celebração do Natal do Senhor tem o seu ponto alto na Missa do Galo

pedras-missa-do-galo

Cumprindo a tradição, mas não só, também por convicção, os cristãos da nossa diocese, das paróquias irmãs da Sé e de Almacave, de Cepões, Cambres, Avões, Penude, Britiande, e muitas mais, reencontraram-se na Sé de Lamego para juntos celebrarem a primeira Eucaristia do Dia de Natal.

Para muitos é um reencontro anual, em particular para os filhos da terra ausentes que nesta época retornam á terra onde cresceram para passar “as festas”.

É, por todos os motivos, uma missa mágica e emocionante, vivida com um espírito muito próprio, impossível de reproduzir noutras celebrações, e que, com as memórias das muitas Missas do Galo da nossa infância, estabelece um fio condutor que reafirma a nossa identidade de cristãos, Filhos de Deus, unidos á volta do Menino, um sentido de pertença que não nos deixa desviar do que é importante na nossa vida.

Este ano tivemos connosco, não física mas espiritualmente, os nossos irmãos cristãos das terras massacradas da Síria e do Iraque, que finalmente puderam celebrar o Natal, mas em igrejas em ruínas , desabrigados do frio intenso, sem condições de conforto, mas imensamente felizes por poderem rezar e estar juntos ! Que lição para nós, cristãos acomodados !

Foi uma missa alegre, mas sempre com a inquietude de espírito que advém de sabermos que ainda há quem seja perseguido por ser cristão, e por eles rezamos sempre, não só hoje,mas ao longo de todo o ano.

O beijo com que recebemos o Menino Jesus irá transformar-se ao longo de 2017 num grande beijo a todos os nossos irmãos em Cristo, sob a forma de oração, caridade, misericórdia, uma mão estendida, um gesto de carinho…

IM, in Voz de Lamego, ano 87/08, n.º 4393, 3 de janeiro de 2017

Lamego no XI Festival Nacional Jovem da Canção Mensagem

jovens-se-fatima4

Decorreu em Fátima no passado sábado, 10 de Dezembro, o XI Festival Nacional Jovem da Canção Mensagem, organizado pelo Departamento Nacional da Pastoral Juvenil, com o tema “Bem-aventurados os misericordiosos porque alcançarão misericórdia”. Contou com a participação de várias dioceses do país, incluindo Lamego, representada pelo Grupo de Jovens da Sé.

O dia começou bem cedo, com saída de Lamego às 7h para que pudéssemos participar nas actividades preparadas pela organização para os grupos participantes: workshops e reflexões sobre a mensagem em forma de canção e, naturalmente, os devidos ensaios e testes de som para que nada falhasse no momento de actuar. Partimos com a expectativa de partilhar mais uma experiência em grupo e com outros jovens do país inteiro, sempre com Cristo no horizonte. Foi precisamente isto que encontrámos, jovens com vontade de cantar a misericórdia, dispostos a partilhar alegria, boa disposição e, sempre que necessário, material sonoro.

À noite, depois de um dia preenchido, chega a hora de mostrar às claques das dioceses as canções e, acima de tudo, a mensagem na qual os grupos colocaram o seu trabalho e empenho. Às várias canções, a plateia do Centro Pastoral Paulo VI ia respondendo com um entusiasmo muito próprio e que por si justificava o esforço dos participantes. No entanto, haviam ainda os prémios e, neste departamento, o júri reservou a Lamego o 3º Lugar, atribuindo a Vila Real o 2º Lugar e o prémio de vencedor à diocese de Lisboa. O prémio maior, ainda assim, foi a partilha de Fé que se viveu entre todos durante o dia.

Não podemos deixar de agradecer ao nosso DDPJ, por todo o apoio na preparação para o Festival, à organização por toda a disponibilidade e aos jovens que vieram connosco de Lamego para viver esta experiência e sem os quais ela não faria sentido.

Tiago Torres, GJS,

in Voz de Lamego, ano 87/06, n.º 4391, 13 de dezembro de 2016

Grupo de Jovens da Sé em Peregrinação a Fátima

jovens-se-fatima1

No passado dia dez do mês de Dezembro o Grupo de Jovens da Sé, juntamente com os adolescentes e crismandos, rumaram ao Santuário de Fátima em peregrinação. Saímos de Lamego muito entusiasmados pois rumávamos ao Santuário da Mãe!

Chegados a Fátima iniciamos a nossa peregrinação com a História das aparições aos pastorinhos Lúcia, Jacinta e Francisco, que comemorarão o seu centenário no próximo 13 de Maio de 2017. Refletimos na importância da aparição de Nossa Senhora aquelas crianças tão humildes que passavam os seus dias a cuidar do seu rebanho na Cova de Iria. O que nos mostra que Deus nunca se esquece do seu povo e em 1917 por intercessão de Maria demonstrou novamente que o seu Amor por nós é eterno e misericordioso. Durante a tarde realizamos uma via sacra “Cruz Segredo de Amor” com a Santíssima Virgem, onde percorremos  as quinze estações sob o ponto de vista de Maria, Mãe Imaculada que sofreu ao acompanhar o seu filho para a morte para remir o Mundo de todos os seus pecados. Este ato de Amor pela Humanidade deixou-nos a refletir sobre os nossos próprios atos, se temos vivido de forma correta e se nos temos doado ao nosso próximo. Seguidamente, visitámos as casas onde habitaram os pastorinhos, sendo que estas  ainda se encontram como na época em que as aparições decorreram. Depois de termos alimentado a alma fomos alimentar o corpo. E pelas 20h00 no centro Paulo VI assistimos ao XI Festival Nacional Jovem, Canção Mensagem 2016 promovido pelo Departamento Nacional da Pastoral Juvenil com o tema “Bem Aventurados os misericordiosos porque alcançarão misericórdia” (Mt 5,7). Este festival para a Paróquia da Sé teve um grande significado, pois o Grupo de Jovens da Sé representado pelos nossos sete magníficos (Carolina Queijo, Francisco Silva, Joana Neto, João Pedro Duarte, Luís Lemos, Rui Pedro Monteiro e Tiago Torres) representou a diocese de Lamego, tendo conseguido um honroso 3ºlugar. Foi num ambiente de verdadeira comunhão que decorreu o Festival, em que os jovens participantes transmitiram uma mensagem cheia de Amor, Partilha e União com Jesus Cristo. Citando o refrão da música do Grupo de Jovens da Sé “ Segue o tempo, segue a luz, segue e canta a Jesus, abre o teu coração e deixa-O entrar”, pois só de coração aberto estamos disponíveis para acolher o grande Amor que Deus tem por todos nós e nesse sentido deixamos de ser “nós” e passamos a ser “Um”.

No dia seguinte, peregrinamos pelo Santuário. Cada passo que percorríamos aproximava-nos cada vez mais de Maria que naquele local se sente tão presente com o seu coração Imaculado que zela por todos nós e nos conforta em todos os momentos da nossa vida.

Regressamos a Lamego com o coração a transbordar de Amor e com a alma a rejubilar. Aqueles dois dias que vivemos de uma forma tão intensa trouxeram-nos uma lufada de ar fresco à nossa Fé e vão contribuir para que vivamos este advento com uma maior entrega ao nosso próximo desapegando-nos de tudo o que não nos faz falta e aprendendo com a humildade daqueles pastorinhos que mal sabiam ler, mas que entregaram as suas orações e o seu coração ao Amor misericordioso de Deus por intercessão de Maria Mãe de Deus e nossa Mãe.

Susana Santos, in Voz de Lamego, ano 87/06, n.º 4391, 13 de dezembro de 2016

Dia Internacional da Caridade | Francisco: A Paz na Síria é possível!

catitas1

O Dia Internacional da Caridade comemora-se a 5 de setembro e foi proclamado pela Assembleia Geral das  Nações Unidas em 2012, através da Resolução 67/105, tendo por base a promoção do diálogo, a solidariedade e entendimento mútuo entre os povos da terra, cuja comemoração se efetuou pela primeira vez em 2013.O dia 5 de Setembro assinala ainda o dia do falecimento de Madre Teresa de Calcutá, religiosa que dedicou toda a sua vida a ajudar quem mais precisava, sobretudo os mais pobres.

Este ano, a Cáritas Diocesana de Lamego, enquanto organização católica, como forma de assinalar a data, em consonância com o  apelo feito pelo Papa Francisco e em articulação com o Grupo de Jovens da Sé, organizou uma Vigília de Oração na Sé Catedral de Lamego  pela Paz na Síria.

A vigília teve o seu início às 18horas, com a recitação do Terço em louvor de Nossa Senhora, rezando pela sua intercessão em diversos problemas gravíssimos que afetam a sociedade atual, de modo particular os que são vítimas da injustiça e da  guerra. Em cada mistério do terço foi lido um texto reflexivo subordinado aos temas: caridade, guerra na Síria, as aflições de todos os refugiados que continuam a atravessar o mar do Mediterrâneo e apelo a todos aqueles que, com responsabilidades políticas, tentem chegar a um acordo de Paz naquela região. A acompanhar os textos apresentados, foram divulgadas imagens da Síria (antes e depois), um vídeo com o testemunho de uma jovem Síria, apresentado nas Jornadas Mundiais da Juventude em Cracóvia e um outro do Papa Francisco a apelar à oração pela Paz na Síria.

Foi um momento alto de Oração/Reflexão e comovente, em que por intercessão de Nossa Senhora se pediu a Deus que,  na sua infinita misericórdia, proteja os refugiados, as crianças órfãs e desaparecidas, bem como sensibilidade na tentativa de resolução dos problemas,  em busca de um mundo sem guerras, mais justo e com mais amor.

Após a recitação do Terço, seguiu-se a   celebração da Eucaristia, presidida pelo Reverendíssimo Senhor Padre Marcos Alvim. Nesta Eucaristia, continuando a nossa oração pela Paz, no momento de Ação de Graças foi  projetado um pequeno vídeo sobre a vida e obra de Madre Teresa de Calcutá, proclamada Santa Teresa de Calcutá, no dia anterior, 4 de Setembro, em Roma, na Praça do Vaticano, por Sua Santidade o Papa Francisco.

 

Cáritas Diocesana de Lamego

Isabel Duarte Mirandela da Costa,

in Voz de Lamego, ano 86/42, n.º 4378, 13 de setembro de 2016

Jornadas Mundiais da Juventude – 2016

jovens-p.1

Para os mais atentos e que ouvem dizer que os nossos jovens já estão nas JMJ pode ficar a dúvida: mas que estão eles a fazer na Polónia, se as JMJ só começam dia 26?

E os jovens já foram há mais de uma semana! Pois é! São as pré-jornadas Consideradas um período de preparação, adicional aos retiros e preparações que já cá tiveram, os jovens vão mais cedo para terem oportunidade de conviver com comunidades cristãs com as quais se combinou previamente o seu acolhimento e atividades a realizar, essencialmente religiosas e solidárias, e para poderem trocar experiências de vivência cristã, aprendendo e ensinando, e, em particular no caso das comunidades emigrantes de portugueses, levando muita , muita alegria, daquela boa, falada em português!

Antes da Polónia, a travessia de França permitiu a dois grupos, que foram em datas diferentes, contactarem com as comunidades de Compiégne (o primeiro grupo) e Lyon (o segundo grupo), tendo em ambos os casos sido recebidos pelas comunidades católicas portuguesas com alojamento, refeição, missa e vigília, tudo acompanhado de muito carinho e alegria de parte a parte.

Na Polónia, o acolhimento foi feito na diocese de Katowice, cuja comunidade disponibilizou acolhimento familiar, dando oportunidade aos jovens de contactarem mais de perto com a realidade diária da vida de uma família católica polaca. Além das actividades que cada família levava a cabo com os jovens que tão generosamente recebeu, as atividades comuns incluíam as habituais da diocese (mais intensas no final de semana) e a realização de uma peregrinação a pé a um santuário mariano situado no meio de uma verdejante floresta; houve também tempo para visitar o campo de concentração de Aushswitz, com oração e reflexão.

Algumas actividades foram partilhadas com peregrinos alemães que também se encontram en Katowice. Foi com emoção que os jovens se aperceberam do carinho do povo polaco por Nossa Senhora de Fátima, de quem o Papa polaco João Paulo II era muito devoto.

Esperamos que no regresso alguns destes jovens queiram dar o seu testemunho para os nossos leitores, pois certamente trazem muitas e diferentes experiências para contar.

A abertura oficial das JMJ realizar-se-á com a Santa Missa na terça feira, sendo posteriormente as manhãs ocupadas com catequese, este ano a cargo da nossa diocese ( para o setor português), e as tardes com atividades variadas, que vão desde o acolhimento ao Santo Padre (quarta e quinta), via- -sacra (sexta), vigília (sábado) e, finalmente, a Missa de Envio no domingo, com saída de Cracóvia ao final da tarde.

No regresso, os jovens irão ainda ser recebidos em Paris pela Congregação do Espírito Santo, na sua Casa Mãe. Na Sé, continuamos a rezar pelo bom sucesso desta peregrinação, diariamente, na missa das 6 e meia.

I.M., in Voz de Lamego, ano 86/37, n.º 4373, 26 de julho de 2016

Categorias:Eventos, Igreja, Jovens Etiquetas:,

Acólitos da Paróquia da Sé na Festa da Família Diocesana, na Lapa

pedras-foto

Apesar do calor intenso que apelava mais a um dia na piscina, os acólitos da Sé vestiram as suas (quentes!) albas e rumaram à Lapa para se unirem à Família Diocesana em peregrinação. Com eles, vários familiares, alguns de bem tenra idade, que não quiseram deixar de honrar a Mãe do Céu num dos seus santuários mais queridos.

Foi forte a presença de acólitos de todas as paróquias da Diocese, de todas as idades, e muito bom o convívio fraterno entre eles e a oportunidade de se conhecerem e verem como são tantos os que na nossa Diocese se dedicam ao serviço do altar.

Após a Missa Campal retornamos ao santuário para, em grupo, passarmos a Porta Santa e rezarmos por todos os acólitos do Mundo e suas famílias e, em particular, pelo Francisco e sua família, que não vieram connosco por motivo de doença grave dum tio. Que a Senhora da Lapa lhes dê força e coragem para ultrapassarem este mau momento.

Claro que no final de um dia tão cheio e com tanto calor veio mesmo a calhar um geladinho antes do regresso, felizes e em paz com Deus e connosco.

IM, in Voz de Lamego, ano 86/33, n.º 4369, 28 de junho de 2016

Paróquia da Sé de Lamego: Celebração do Crisma – 15 de maio de 2016

Sé-crisma2Toda esta experiência maravilhosa, começou em Outubro de 2015 e terminou a 15 de Maio de 2016. Ao longo destes meses vivemos sem dúvida inúmeros momentos, todos eles com muito valor, com muito carinho e amor partilhados por todos, catequistas e crismandos, que ao longo do tempo se tornaram mais que amigos, uma autêntica família.

Todos nós convivemos em harmonia, rimos, brincámos, cantámos, porém também houve muito trabalho, tanto por parte dos nossos catequistas, como pela nossa.

Não podemos dizer que houve só um ou dois dias que foram especiais, pois todos eles sem exceções, foram sem dúvida muito importantes.

Com esta experiência, todos nós debatemos, conversámos e discutimos temas que nos foram propostos e com isso fomos aprendendo muito mais; aprendemos a aplicar os ensinamentos de Jesus no nosso quotidiano, por exemplo nos pensamentos, nas atitudes e conversas.

Todos colaborámos para que esta aventura fosse única e inesquecível e assim se sucedeu. Foi, é e sempre será uma memória que ficará para sempre ligada a nós e que será um marco na nossa história.

O facto de uma pessoa ter completado esta longa caminhada e feito a sua confirmação perante Deus e todos, não significa ser o fim de nada, mas sim o começo de uma nova etapa, etapa essa em que nos entregaremos de corpo e alma a Deus e que iremos dizer com toda a confiança e certeza o nosso “sim”.

Filipa Mendes, in Voz de Lamego, ano 86/24, n.º 4363, 17 de maio de 2016