Arquivo

Posts Tagged ‘Papa Francisco’

Mensagem do Papa Francisco para a Jornada Mundial da Juventude

papa_francisco_brasil1

«O Todo-poderoso fez em Mim maravilhas» (Lc 1, 49)

Queridos jovens!

Eis-nos de novo em caminho, depois do nosso encontro maravilhoso em Cracóvia, onde celebramos juntos a XXXI Jornada Mundial da Juventude e o Jubileu dos Jovens, no contexto do Ano Santo da Misericórdia. Deixamo-nos guiar por São João Paulo II e Santa Faustina Kowalska, apóstolos da misericórdia divina, para dar uma resposta concreta aos desafios do nosso tempo. Vivemos uma intensa experiência de fraternidade e alegria, e demos ao mundo um sinal de esperança; as bandeiras e as línguas diferentes não eram motivo de discórdia e divisão, mas ocasião para abrir as portas dos corações, para construir pontes.

No final da JMJ de Cracóvia, indiquei o próximo destino da nossa peregrinação que, com a ajuda de Deus, nos levará ao Panamá em 2019. Neste caminho, acompanhar-nos-á a Virgem Maria, Aquela que todas as gerações chamam bem-aventurada (cf. Lc 1, 48). O novo trecho do nosso itinerário liga-se ao anterior, que estava centrado nas Bem-aventuranças, mas impele-nos a avançar. Na realidade, tenho a peito que vós, jovens, possais caminhar, não só fazendo memória do passado, mas tendo também coragem no presente e esperança no futuro. Estas atitudes, sempre vivas na jovem Mulher de Nazaré, aparecem claramente expressas nos temas escolhidos para as próximas três JMJ. Neste ano (2017), refletiremos sobre a fé de Maria, quando disse no Magnificat: «O Todo-poderoso fez em Mim maravilhas» (Lc 1, 49). O tema do próximo ano (2018) – «Maria, não temas, pois achaste graça diante de Deus» (Lc 1, 30) – far-nos-á meditar sobre a caridade, cheia de coragem, com que a Virgem acolheu o anúncio do anjo. A JMJ de 2019 inspirar-se-á nas palavras «Eis a serva do Senhor, faça-se em Mim segundo a tua palavra» (Lc 1, 38), a resposta de Maria ao anjo, cheia de esperança. Ler mais…

Semana do Papa Francisco

Encontrar e  conhecer Jesus

“Sabemos quem é Jesus, mas talvez não o tenhamos encontrado pessoalmente, falado com Ele, e não o tenhamos ainda reconhecido como o nosso Salvador”, disse o Papa Francisco no Angelus, neste domingo, aos cerca de 40 mil fiéis e peregrinos presentes na Praça São Pedro, partindo do evangelho do dia, onde se relatava o encontro de Jesus com a Samaritana.

Ir ao poço buscar água é cansativo e monótono; seria bom ter à disposição uma fonte que jorra água! Mas Jesus fala de uma água diferente, evidenciou Francisco. Quando a mulher se deu conta de que aquele homem com quem estava falando era um profeta, abriu-se a ele e fez-lhe perguntas religiosas. “A sua sede de afecto e de vida plena não fora saciada pelos cinco maridos que teve, aliás, experimentou desilusões e enganos”, acrescentou o Pontífice. “Por isso a mulher fica impressionada com o grande respeito que Jesus tem por ela e quando Ele lhe fala da verdadeira fé, como relação com Deus Pai ‘em espírito e verdade’, então intui que aquele homem poderia ser o Messias, e Jesus – coisa raríssima – confirma-o: ‘Sou eu, que falo contigo’. Ele diz ser o Messias a uma mulher que tinha uma vida tão desordenada”, observou. Ler mais…

Jubileu da Misericórdia | Continuidade

Pope Francis leads the Vespri prayer in Saint Peter's Basilica at the Vatican April 11, 2015.     REUTERS/Alessandro Bianchi - RTR4WX5G

Ao convocar e dedicar este jubileu extraordinário à misericórdia, o Papa Francisco inscreve-se numa dinâmica eclesial que imediatamente o antecede.

O Papa que convocou a Igreja para o II Concílio do Vaticano, S. João XXIII, afirmava que a “misericórdia é o mais belo nome de Deus” e os documentos conciliares abandonaram o tom severo de concílios anteriores, adoptando o diálogo como ponte e a misericórdia como remédio, sublinhando a intenção pastoral daquela magna reunião eclesial.

A segunda encíclica de João Paulo II é dedicada a este tema: “Deus rico em misericórdia”, (Dives in misericórdia), em 1980. E será este Papa que, influenciado pela mística Irmã Faustina, sua conterrânea, vai proclamar o II domingo de Páscoa como Domingo da Divina Misericórdia, encarregando a Igreja de transmitir e testemunhar ao mundo o fogo da compaixão. Nas suas exéquias, aquele que viria a ser o seu sucessor, J. Ratzinger, apontou a misericórdia como ideia mestra de todo o seu longo e fecundo pontificado.

Após a sua eleição, em plena guerra fria, o Papa vindo do leste escrevera na sua primeira encíclica (Redemptor Hominis) que “todos e cada um dos homens são o caminho da Igreja”. Não um qualquer caminho, mas semelhante ao que Cristo percorreu e que culmina na sua entrega por amor, algo que parece estranho à mentalidade contemporânea que parece opor-se a Deus, convencida de que o desenvolvimento tecnológico e o progresso verificado não deixarão “espaço para a misericórdia” (DM 2) ou para a divindade.

Diante desta realidade, já o Concílio Vaticano II havia alertado: “O mundo actual apresenta-se, assim, simultaneamente poderoso e débil, capaz do melhor e do pior, tendo patente diante de si o caminho da liberdade ou da servidão, do progresso ou da regressão, da fraternidade ou do ódio. E o homem torna-se consciente de que a ele compete dirigir as forças que suscitou, e que tanto o podem esmagar como servir” (GS 9).

Apesar dos avanços conseguidos, S. João Paulo II percebe que ficar por aí não chega e escreve que “a justiça, por si só, não é suficiente”. Porque a “permissividade moral” atinge a convivência humana e “é esta desmoralização que se transforma muitas vezes em ‘desumanização’. O homem e a sociedade, para os quais nada é ‘sagrado’, decaem moralmente não obstante as aparências” (DM 12).

E é neste contexto que aquela encíclica apresenta o amor divino, “paciente e benigno” (1 Cor 13, 4), que acolhe o homem e o motiva no caminho da conversão, porque o “autêntico conhecimento do Deus da misericórdia, Deus do amor benigno, é a fonte constante e inexaurível de conversão” (DM 13).

Na Bula que convocou este jubileu (Misericordiae vultus), o Papa Francisco reassume a necessidade da Igreja contemplar o mistério da misericórdia e dela dar testemunho, apesar da limitação do pecado (MV 2 e 3).

JD, in Voz de Lamego, ano 85/52, n.º 4339, 24 de novembro

CORAGEM PARA DENUNCIAR | Editorial Voz de Lamego | 19-8-2014

voz_lamego_19_agostoCada nova edição da Voz de Lamego é um desafio à leitura, com textos muito variados, e que alimenta positivamente a fé e o compromisso com a Igreja e com a sociedade a que pertencemos, acolhendo notícias da Diocese e da região, na abertura a Portugal e ao mundo.

Para lá dos textos de reflexão, cuja profundidade de uns ou a leveza de outros, podem proporcionar leituras agradáveis, clarificadoras, lendo a realidade, em ambiência cristã, dando pistas para melhor viver a fé e partilhar a vida, aí estão muito outros motivos de interesse: 500 anos do Foral de Samodães, texto de Mons. Cândido sobre o Pe. João Rodrigues; Bodas de Prata Sacerdotais do Pe. José Augusto Marques, Pe. Aniceto Morgado, Pe. João António Teixeira, e as Bodas de Ouro Sacerdotais de Mons. Arnaldo Cardoso; Programa completo das Festas de Nossa Senhora dos Remédios; 2.ª Peregrinação Anual ao Santuário de Nossa Senhora da Lapa.

Obrigatório em cada edição é o texto proposto pelo Diretor, esta semana sublinhando a coragem de denunciar, quando continuam os massacres de pessoas, por motivos religiosos, outras vezes sem motivos nenhuns.

CORAGEM DE DENUNCIAR

A propósito do contínuo massacre infligido aos inocentes cristãos do Iraque e de outros países, protagonizado por gente que se diz crente, o Vaticano pronunciou-se e pediu a intervenção das Nações Unidas, bem como a condenação de tais actos por parte dos líderes religiosos dos opressores.

A autoridade da iniciativa aumenta quando nos recordamos de que semelhante apelo já foi feito pelo papado para alertar contra perseguições e atentados contra a vida e a dignidade humana levados a cabo noutros países e com populações que professam outros credos religiosos. Porque seguir Jesus Cristo implica olhar para todos os homens e mulheres do mesmo modo e bater-se pela igual dignidade de todos. E o Papa tem feito isso: respeito por toda a vida humana e denúncia de tudo quanto atenta contra a mesma.

E este exemplo não tem sido seguido. E é pena! Por isso, aquele texto apela aos respectivos líderes religiosos para se pronunciarem, denunciando tais atrocidades. Porque se nos dói o mal infligido, também magoa o silêncio de quem deveria condenar. A coragem e denúncia proféticas não podem “ter dias”: pratica-se quando se é vítima e silencia-se quando se está do outro lado.

As notícias falam agora das perseguições dos cristãos do Médio Oriente, embora existam outros países que as promovem. A comunicação social, sempre tão célere para certos assuntos, também deveria divulgar tais atrocidades. Porque os mártires cristãos aumentam diariamente.

Quanto aos tais líderes religiosos, as suas vozes não podem apenas ouvir-se em discursos de vitimização ou em ocasiões que visam acalentar a esperança dos perseguidos; também devem soar para denunciar as injustiças e acusar quem as pratica, contribuindo para a defesa da vida, a pacificação social e o fim dos conflitos.

Diretor, Pe. Joaquim Dionísio, VOZ DE LAMEGO, 19 de agosto de 2014, n.º 4276, ano 84/38

Olfacto e Fidelidade – Editorial Voz de Lamego – 24/06

Imagem

Aí está mais uma edição do Jornal Diocesano, VOZ DE LAMEGO, com a variedade de temas, reflexões, notícias, eventos.

Na edição desta semana, destaque para a celebração da Solenidade do Corpo de Deus, na cidade de Lamego, sob a presidência do sr. Bispo, D. António Couto, cuja HOMILIA é reproduzida na íntegra. Outro dos temas desenvolvidos, são os 25 anos de Padre, nesta edição do Pe. João António, Reitor do Santuário de Nossa Senhora dos Remédios. Mas há muitos outros motivos de interesse, não apenas curiosidades, mas sobretudo pelas propostas de reflexão, numa visão humanista e cristã.

Ambientando todo o jornal, o Editorial do seu Diretor, Pe. Joaquim Dionísio:

OLFACTO E FIDELIDADE

A propósito da presença e missão do bispo, o n.º 31 da Exortação “A alegria do Evangelho”, do Papa Francisco, dá orientações: às vezes deve ir à frente para “indicar a estrada e sustentar a esperança”, outras manter-se simplesmente no meio “com a sua proximidade simples e misericordiosa” e, por fim, atrás do povo para “ajudar aqueles que se atrasaram”. Mas, a propósito desta última localização, acrescenta que o “rebanho possui olfacto para encontrar novas estradas”.

Interpela esta última afirmação: o pastor deve seguir o rebanho? E se este toma a direcção errada? E se as “novas estradas” não coincidem com o projecto evangélico?

O olfacto é um dos sentidos que possuímos e percebemos a intenção do Papa: há intuições que merecem ser tidas em conta e todos os baptizados podem contribuir para a sua existência. E como se traduz esta realidade no concreto de uma comunidade, de um povo, de uma diocese? Que condições existem, são proporcionadas, para que o olfacto do rebanho se exercite, desbrave caminhos e arraste os outros?

O Papa convocou um Sínodo sobre a família para o Outono deste ano, algumas dioceses lusas estão em caminhada sinodal e vozes há que se levantam para outras o fazerem também. Esta é uma forma de cumprir o que o Papa sugere; haverá outras. O importante é não perder de vista a possibilidade de incluir mais fiéis na escolha e fixação dos possíveis caminhos. E tudo, sempre, para concretizar a Igreja, aqui e agora, anunciando e seguindo Cristo ressuscitado.

No fundo, todos precisamos de um olfacto apurado para discernir, encontrar novos percursos sem sermos infiéis aos antigos. Porque a criatividade não se entende longe da fidelidade.

in Voz de Lamego, 24 de junho de 2014, ano 84/32, n.º 4270

Entrevista a Papa Francisco

Papa Francisco e P. Antonio Spadaro S.J.

Santa Marta, segunda-feira, 19 de Agosto, às 9.50

É segunda-feira, 19 de agosto. O Papa Francisco marcou encontro para as 10.00 na Casa de Santa Marta. Eu, no entanto, herdei do meu pai a necessidade de chegar sempre mais cedo. As pessoas que me acolhem instalam-me numa pequena sala. A espera dura pouco, e, depois de uns breves minutos, acompanham-me ao elevador. Nesses dois minutos tive tempo de recordar como em Lisboa, numa reunião de directores de algumas revistas da Companhia de Jesus, surgiu a proposta de publicar conjuntamente uma entrevista ao Papa. Tinha conversado com os outros directores, ensaiando algumas perguntas que exprimissem os interesses de todos. Saio do elevador e vejo o Papa já à porta, à minha espera. Na verdade, tive a agradável impressão de não ter atravessado portas.

Entro no seu quarto e o Papa convida-me a sentar numa poltrona. Ele senta-se numa cadeira mais alta e rígida, por causa dos seus problemas de coluna. O ambiente é simples, austero. O espaço de trabalho da escrivaninha é pequeno. Toca-me a essencialidade não apenas dos móveis, mas também das coisas. Vêem-se poucos livros, poucos papéis, poucos objectos. Entre estes, um ícone de São Francisco, uma estátua de Nossa Senhora de Luján (padroeira da Argentina), um crucifixo e uma estátua de São José adormecido, muito semelhante àquela que tinha visto no seu quarto de reitor e superior provincial no Colégio Máximo de San Miguel. A espiritualidade de Bergoglio não é feita de «energias harmonizadas», como ele lhe chamaria, mas de rostos humanos: Cristo, São Francisco, São José, Maria.

O Papa acolhe-me com o mesmo sorriso que já deu várias vezes a volta ao mundo e que abre os corações. Começamos a falar de tantas coisas, mas sobretudo da sua viagem ao Brasil. O Papa considera-a uma verdadeira graça. Pergunto-lhe se descansou. Ele diz-me que sim, que está bem, mas, sobretudo, que a Jornada Mundial da Juventude foi para ele um «mistério». Diz-me que nunca foi habituado a falar para tanta gente: «Consigo olhar para as pessoas, uma de cada vez, e entrar em contacto de modo pessoal com quem tenho na minha frente. Não estou habituado às massas». Digo-lhe que é verdade e que se vê, e que isto impressiona toda a gente. Vê-se que quando está no meio das pessoas, os seus olhos, de facto, pousam sobre cada um. Depois as câmaras televisivas difundem as imagens e todos podem vê-lo, mas assim ele pode sentir-se livre para ficar em contacto directo, pelo menos visual, com quem tem diante de si. Parece-me contente com isso, por poder ser aquilo que é, por não ter de alterar o seu modo habitual de comunicar com as pessoas, mesmo quando tem diante de si milhões de pessoas, como aconteceu na praia de Copacabana.

Ler mais…

Categorias:Uncategorized Etiquetas: