Archive

Posts Tagged ‘Monsenhor Bouça Pires’

Encontro de Ministros Extraordinários da Comunhão em Resende

No passado sábado, 3 de junho, teve lugar no Seminário Menor de Resende o XIII Encontro de Ministros Extraordinários da Comunhão. O encontro contou com participantes de diversas paróquias da diocese de Lamego.

Da parte da manhã, depois do acolhimento, Monsenhor Bouça Pires, presença habitual nestes encontros, expôs a temática “Ao serviço da comunhão como Maria e os Pastorinhos”, tendo como “pano de fundo” o Centenário das Aparições. Dizia: “Este acontecimento para além de um privilégio é também uma responsabilidade para cada um de nós, pois devemos acreditar que Nossa Senhora não é uma Mãe qualquer mas é a Mãe de Deus e nossa Mãe tal como o Papa Francisco o repetiu em Fátima “Temos uma Mãe”.

Tal como Maria e os Santos Francisco e Jacinta Marto, o Ministro Extraordinário da Comunhão deve ser agente de oração e ação, isto é, trabalhar para a comunhão e união de todos, procurando “ver com os olhos do coração” que não tem barreiras, levando Jesus, presença do amor e da misericórdia de Deus, àqueles que visita. O Ministro da Comunhão deve sentir-se que é procurado e não esquecido, chamado para uma missão. Ler mais…

Arciprestado de Lamego | Encontro de Acólitos

dscn0136

SOMOS OS BRAÇOS DE CRISTO!

Realizou-se no passado sábado, dia 25, no Seminário Maior de Lamego, um Encontro Arciprestal de Acólitos, chamada a que os acólitos das diversas paróquias responderam em força, estando presentes cerca de 70 acólitos de Vila Nova de Souto del Rei, Cambres, Penajoia, Ferreirim, Sande, Valdigem, Figueira, Queimadela, Cepões, Penude, Almacave e Sé ( desculpem se me passou alguma…).

Os trabalhos iniciaram -se, como não podia deixar de ser , orando; ao Senhor Jesus , a quem servimos no altar, ao mártir São Tarcísio, padroeiro mundial dos acólitos, ao beato Francisco, padroeiro português dos acólitos.

Após umas palavras de boas vindas e incentivo do P. Joaquim Dionísio, nosso anfitrião, o Pe. Bouça Pires apresentou, em tom de conversa com a assembleia, os critérios necessários para ser um bom acólito: o “GOSTAR”, o “QUERER”, foram explorados em profundidade, e os presentes levados a interrogarem-se –   É de minha vontade ou fui obrigado? Gosto mesmo?  Quero muito?  Amo a Jesus o suficiente?  O suficiente para vencer os obstáculos da preguiça, dos comentários dos outros, das atividades mundanas que nos chamam? O suficiente para avançar para os critérios seguintes? Ler mais…

Monsenhor Bouça Pires | 25 anos ao serviço da Paróquia de Cambres

dscn0075

A paróquia de S. Martinho de Cambres, no arciprestado de Lamego, organizou uma homenagem ao seu pároco, Mons. José Fernandes Bouça Pires, para assinalar os 25 anos de missão deste sacerdote naquela paróquia duriense. Aconteceu no domingo passado, 16 de outubro, com a Eucaristia às 11h, seguida de almoço/convívio numa casa de turismo rural existente naquela terra.

Em outubro de 1991, Mons. Bouça Pires foi solenemente apresentado às gentes de Cambres como o seu novo pároco, numa cerimónia que contou com a presença do então Vigário Geral da diocese e hoje Bispo emérito de Lamego, D. Jacinto Botelho. A nomeação do novo pároco era esperada há muito, já que o Cón. Joaquim Cardoso havia falecido em fevereiro desse ano. Ler mais…

Encontro de Ministros Extraordinários da Comunhão, em Resende

11391535_1027643930596686_5644914281485517027_n

No passado sábado, dia 6 de junho, teve lugar no Seminário de Nossa Senhora de Lourdes – Resende o XI Encontro de Formação para Ministros Extraordinários da Comunhão e Leitores. O encontro contou com um número de 114 participantes de diversas paróquias da diocese.

Depois do acolhimento foram expostas duas reflexões, no sentido de ir ao encontro do lema da Diocese (“Ide e construí com mais Amor a Família de Deus”)  para este ano Pastoral, centradas sobre o tema da Família: “Falar da Família hoje” e “Família: Comunidade de Amor”, expostas por Monsenhor José Fernando Bouça Pires e pelo Pe. Vasco Pedrinho, respetivamente.

A família que realiza a sua missão é capaz de realizar uma sociedade muito mais feliz. Para tal tem de haver uma abertura a Deus no seio de cada família no sentido de melhor se construir uma comunidade de Amor. Certo é que, aquilo que dá força à família no cumprimento da sua missão é o Amor, pois sem este Amor a família não é, verdadeiramente família, como referia o Rev. Pe. Vasco, pois ninguém é feliz se não amar e se não for amado.

Depois da refeição e de um simples e singelo convívio celebramos a Eucaristia, presidida pelo nosso bispo, D. António Couto, celebrando a Eucaristia Vespertina da Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Jesus, o senhor bispo, referia que “o ministro da comunhão tem de se comprometer com O Cristo que transporta consigo. Não basta saber isto… saber é nada. Mas é importante implicarmo-nos naquilo que estamos a fazer, naquilo que estamos a viver”. O Senhor bispo continuava afirmando: “quando levais o Senhor até às pessoas doentes e até aos mais fracos da vossa comunidade, vós transportais o lume que nos queima e nos alimenta” e ainda “a vossa tarefa é extraordinária e excecional, é uma missão belíssima. Importa pois implicar a nossa vida nesta missão, implicar o corpo na totalidade desta missão que a todos nós é confiada”.

Gostaria de terminar este breve apanhado com uma bonita oração escrita pelo Monsenhor Bouça Pires, no ano de 1995, ano dedicado à família: “Pai santo, nós vos louvamos, pois à Vossa semelhança nos criastes em família. Vós nos enviastes o Vosso Filho Jesus Cristo que nos deu a conhecer o Vosso eterno amor e nos abriu as portas da vida. Ele nos enviou o Espírito Santo que continua a assistir a Vossa Igreja. Pela intercessão de Maria Vos pedimos que abençoeis as nossas famílias, as livreis de todos os perigos, as guardeis na unidade e na paz. Guardai também os esposos na fidelidade e protegei e abençoai os seus filhos. Amparai todas as famílias em dificuldade, dando-lhes pão, saúde e alegria. Defendei de todos os perigos os lares cristãos e ajudai-os nas suas tarefas de educadores. Fazei-nos sentir que somos todos chamados à santidade de vida e a sermos testemunhas do Vosso amor ao mundo. Sagrada Família de Nazaré, protegei, guardai e defendei a nossa família e todas as famílias do mundo. Ámen”.

Diác. Fabrício Pinheiro, in Voz de Lamego, n.º 4317, ano 85/30, de 9 de junho de 2015

VISITA PASTORAL DE D. ANTÓNIO COUTO A CAMBRES

visita-cambres6

Não cabem em poucas palavras os acontecimentos vividos e muito menos nas imagens que limitam o espaço e não transpõem o tempo. Nem umas nem outras transmitem os sentimentos. A palavra é símbolo que torna presente a realidade, mas simultaneamente escamoteia os factos: enfatiza-os ou emudece-os.

Impelido pela força da obrigação muito mais do que pela vontade, deslizo em pequena reportagem para comungar com todos os leitores que irão reescrever este texto, os 4 dias em que se resumiu a Visita Pastoral, em paróquia de muita extensão, embora muito menos povoada que outrora, não há muito, situada nas encostas do Douro e entrelaçada a duas cidades que lhe dão vida ao mesmo tempo que lhe retiram a sua própria entidade, esfacelando-a, cada uma, com os mais cobiçosos atrativos.

visita-cambres2

Começamos no dia 9, com a jornada dos jovens crismandos de Cambres, Sande, Valdigem e Figueira. O dia decorreu em reflexão de grupos conjuntos, sobre a mesma temática, abordando-a diversamente e sobre diferentes ângulos. A presença do Senhor Bispo permitiu-lhes uma reflexão aprofundada sobre o sacramento do Crisma e a acção do Espírito Santo. Momento forte de convívio foi o almoço condignamente preparado pela cozinha do nosso Centro Paroquial e servido pelos párocos, em testemunho de diaconia e de humildade. Decorreu com muita dignidade, permitindo aos jovens partilha de amizades. A tarde serviu, de novo, para em breve síntese corroborada pelas novas tecnologias evidenciar quer os textos bíblicos quer o sentido da simbologia sacramental.

O dia terminou na igreja paroquial, com um tempo suficiente de oração partilhada pela maioria dos participantes.

O dia 14 de Maio foi dedicado às crianças da nossa escola e infantário que  receberam com muita alegria e carinho o Senhor Bispo que procurou sentir-se pequenino para lhes falar em linguagem perceptível. Saudado por uma criança e brindado com malmequeres pelas mãos de todas foi cumprimentado pelos dedicados professores, terminando este encontro com cânticos preparados pelo professor de música.

Na igreja iria decorrer outro maravilhoso encontro com os doentes e idosos, celebrando a Eucaristia e também o sacramento da Santa Unção. De novo no nosso Centro Social seria servido o almoço aos idosos, professores e algumas crianças a que se juntaram com muito carinho os Membros da nossa Conferência Vicentina.

visita-cambres

No dia 16 de Maio, teve lugar a Procissão das velas com o andor de Nossa Senhora de Fátima, foram centenas e centenas de pessoas numa grande avalanche de Fé que desceram do nicho de Santa Bárbara e subiram a colina do Castro Romano onde se situa a Igreja paroquial, cantando e rezando. Não teríamos a visão impressionante de Fátima em 12 de Maio, mas tínhamos o calor e a força do Espírito que de Fátima desceu até nós. O Senhor Bispo que presidiu, depois da jornada da Juventude, procurou dar voz aos tapetes de flores que lindamente engalanavam os caminhos por onde passava o andor e também às muitas pétalas que eram espalhadas, em cada recanto. O dia culminou com cânticos de adoração ao Senhor que pelas mãos do nosso Bispo haveria de nos abençoar. A Eucaristia celebrada e adorada é a fonte e cume da vida da Igreja e por isso também de cada cristão.

Dia 17 de Maio, dia de múltiplas recordações para mim, lembrando outros acontecimentos e outras visitas pastorais, tornou-se o grande dia preparado, desde há muito, pelo menos durante 2 anos, como dia que o Senhor Fez, domingo da Ascensão e de Pentecostes. Ele, o Senhor Jesus sobe e Ele, o Espírito Santo desce, neste dualismo de linguagem que não é, senão figura duma realidade muito maior. Limites da linguagem humana que não contém, muito menos aprisiona a realidade. Deus está sempre, porém as suas manifestações são temporais porque implicam também o homem na sua temporalidade.

Pelas 10h30 o senho Bispo foi recebido no largo da Corredoura ao som da nossa querida Banda Marcial de Cambres, enquanto a nossa Junta de Freguesia o cumprimentava e saudava com alguns foguetes bem como todas as instituições da freguesia e da paróquia. Algumas crianças da catequese ofereceram lindas flores. Seguiu-se o ritual litúrgico próprio das visitas pastorais e já dentro da igreja  foi saudado por um jovem, em nome dos acólitos e de toda a paróquia e invocou S. Martinho, nosso padroeiro.

Depois de paramentado na sacristia, seguiu-se o cortejo litúrgico, precedido pelo grupo de acólitos e acompanhado por alguns sacerdotes. Os trinta e quatro crismandos com seus familiares, ocupavam já o seu lugar, logo seguidos dos elementos de escoteiros do AEP. Que ostentavam com garbo a bandeira nacional e do scoutismo.

A celebração litúrgica desenrolou-se até à homilia, onde mais uma vez o Senhor Bispo convidou os crismandos e todos os cristãos que enchiam por completo a nossa igreja, apesar de outros acontecimentos decorrerem, em simultâneo nas cidades limítrofes, a viverem o sacramento e a deixarem-se conduzir pelo Espírito Santo. Tudo decorreu com muito agrado e com o brilhantismo que o nosso grupo coral coadjuvado por alguns instrumentos musicais sempre impõe em todos os atos em que participa.

Não consigo agradecer a cada um pessoalmente e muito menos ao Senhor Bispo, mas cada um à sua maneira, foi expressando o seu contentamento. No almoço que se seguiu com a presença de todas as instituições e organizações e de uma bela representação de Valdigem,  entregou-se a chave deste acontecimento a esta paróquia que se segue no encadeamento das visitas a nível arciprestal.

De tarde agradecemos a Nossa Senhora de Fátima com a Eucaristia em Sua honra e respectiva procissão. Tal como em dia de Pentecostes Ela esteve e estará com o Seu povo.

Pe. Bouça Pires, in Voz de Lamego, n.º 4314, ano 85/27, de 19 de maio de 2015