Arquivo

Posts Tagged ‘Monsenhor Alves Brás’

Família Blasiana em Peregrinação Internacional em Fátima

20150815_143216

Foi a 19 de Junho de 2016, que a Família Blasiana viveu um dia de ação de graças, no Santuário de Fátima, encerrando o cinquentenário da morte do seu Fundador Venerável Pe. Alves Brás…

Nesta Peregrinação Internacional, cada localidade demonstrou com a diversidade de vivências e mensagens de toda a parte; porque o Pe. Brás está vivo, através das suas Obras nascidas do seu coração compassivo e empreendedor…

Também de Roma o Santo Padre Francisco enviou uma importante mensagem…

E ainda o testemunho do Monsenhor Feytor Pinto, sobre o Pe. Brás, com quem conviveu e muito o ajudou e por ele sente uma grande estima e admiração, dizendo que é um santo…

O Pe. Brás viveu sob o olhar e presença de Deus, cumprindo a sua vontade. Atento à Inspiração Divina segundo os sinais dos Tempos…

A sua vida chegou aos 67 anos sob o signo da Cruz, mas a preocupação do Venerável Pe. Brás, dar glória a Deus, salvar as pessoas, a santificação das Famílias.

Agora, junto de Deus intercede por todos; recordamos a ele com fé e confiança …

Maria Fernanda Costa, in Voz de Lamego, ano 86/33, n.º 4369, 28 de junho de 2016

50 anos na morte de Monsenhor Alves Brás

mons_bras(9)

Cooperadoras da Família celebram 50 anos da morte do fundador

Monsenhor Alves Brás

 No próximo dia 13 de março assinalam-se 50 anos sobre a morte do Venerável Pe. Joaquim Alves Brás. Um homem visionário que nasceu em 1899 em Casegas, concelho da Covilhã, e que pautou a sua vida pela promoção e dignificação da mulher e da família.

Fundador da Obra de Santa Zita (OSZ), do Instituto Secular das Cooperadoras da Família (ISCF), do Movimento por um Lar Cristão (MLC), do Centro de Cooperação Familiar (CCF) e do Jornal da Família, monsenhor Alves Brás foi pioneiro na Pastoral Familiar. Um trabalho que se traduziu na fundação de inúmeras casas de acolhimento e formação das então chamadas “criadas de servir”. Todo este trabalho teve como objetivo a dignificação, a promoção e santificação da família.

Hoje o carisma de Monsenhor Alves Brás ganha “alma” através das Cooperadoras da Família, leigas consagradas, que levam por diante o cuidado e a santificação da família e que souberam adaptar-se aos tempos. Apoio à infância e à terceira idade, centros de aconselhamento familiar e matrimonial são as áreas por onde passa a ação das cerca de 270 Cooperadoras da Família que têm a cargo 22 casas em Portugal e missões na Colômbia, Brasil, Espanha, França, Itália e Cabinda (Angola).

Numa altura em que se assinalam 50 anos sobre a morte do Fundador a Coordenadora Geral do ISCF, Alice Cardoso, afirma que “amar, cuidar, preservar, desenvolver e enriquecer este património espiritual é tarefa e responsabilidade de todas e de todos os dias”. 50 anos depois “aquele que foi o Apóstolo da Família em Portugal permanece vivo na sua Obra, toda ela vocacionada para a promoção e a dignificação da mulher e da família”, acrescenta.

Os 50 anos da morte de monsenhor Alves Brás têm estado a ser celebrados um pouco por todo o país onde existem casas a cargo das Cooperadoras da Família. Com a aproximação do dia do falecimento (13 de março) multiplicam-se as celebrações e homenagens ao “Apóstolo da Família”. No próximo dia 6 de março decorrem celebrações em Aveiro e Guimarães. No dia 11 de março a homenagem ao Fundador é feita pelas Cooperadoras da Família em Carcavelos. No próprio dia em que se assinala o falecimento, 13 de março, decorrem celebrações e homenagens em Lisboa, Porto, Braga, Castelo Branco, Coimbra, Elvas, Faro, Figueira da Foz, Funchal, Guarda, Portalegre, Viseu, Casegas, Cabinda, Brasil, Madrid, Roma, Paris e Colômbia

A Família Blasiana convida todos os interessados em tomar partes destas celebrações para fazer memória do Fundador falecido em 1966 e agradecer a vasta Obra criada em prol da Igreja e da sociedade.

Família Blasiana, in Voz de Lamego, ano 86/16, n.º 4353, 8 de março de 2016

Abertura do Cinquentenário da morte de Monsenhor Alves Brás

cartazcinquentenario

O início das celebrações do cinquentenário da morte de monsenhor Joaquim Alves Brás teve o seu início no dia 18 deste mês, subordinado ao tema «Pe. Brás: um coração compassivo e empreendedor». O tema escolhido, para além de sintonizar com o ano da Misericórdia, revela também a vertente missionária de Monsenhor Alves Brás. Por esta razão, o Dia Mundial das Missões, dia 18 de outubro de 2015, foi a data de Abertura do Ano Jubilar.

Para além da abertura do Ano Jubilar, a 18 de outubro de 2015, importa destacar a celebração do cinquentenário da morte do padre Joaquim Alves Brás a 13 de março do próximo ano e o encerramento das comemorações a 19 de junho de 2016, com a Peregrinação Internacional da Família Blasiana, a Fátima.

Joaquim Alves Brás nasceu a 20 de março de 1899, em Casegas, concelho da Covilhã (Diocese da Guarda) e ainda criança sonhava “ser padre, ao menos por ano” e o sonho concretizou-se a 19 de julho de 1925.

As responsáveis pelo Instituto Secular das Cooperadoras da Família (ISCF) afirmam que querem viver este Ano Jubilar “numa atitude de humildade, louvor e gratidão ao senhor e como oportunidade para uma verdadeira renovação vocacional, carismática, espiritual e missionária” identificando-se “ ainda mais, com o coração compassivo e empreendedor do Venerável Pe. Brás que o levou a sair de si próprio para ir ao encontro das ‘periferias existenciais’”.

O ISCF faz votos para que “esta celebração tenha a marca da interioridade e do envolvimento corresponsável de toda a Família Blasiana, dignificando deste modo a Figura e a Obra do Venerável Pe. Joaquim Alves Brás”. Querem fazer deste Ano Jubilar uma oportunidade para concretizar algumas das linhas de ação saídas da Assembleia de 2015, com particular destaque para a formação dos colaboradores e utentes na linha do Carisma; um maior empenho na formação familiar, segundo as linhas orientadoras do Sínodo e um novo impulso à pastoral juvenil vocacional, concretamente aos grupos Focos de Esperança.

O legado do Padre Joaquim Alves Brás está hoje patente nas obras que fundou ao longo da vida: Instituto Secular das Cooperadoras da Família, Obra de Santa Zita, Centro de Cooperação Familiar, Movimento por um Lar Cristão e Jornal da Família.

in Voz de Lamego, ano 85/47, n.º 4334, 20 de outubro