Arquivo

Posts Tagged ‘Missionários’

Semana Missionária em Nespereira

“Quem dá e se dá por amor não dá recebe.”

Luiza Andaluz,

fundadora da Congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima

Esta semana missionária decorreu entre os dias 17 a 24 de setembro, foi dinamizada pelas Irmãs Anabela Bulanguete, Joaquina Ribeiro, Mafalda Leitão e Rosária Monteiro,Servas de Nossa Senhora de Fátima, e teve como objetivo preparar a visita Pastoral do Senhor Dom António Couto, Bispo de Lamego, e celebrar os 25 anos de consagração religiosa da Ir. Joaquina Ribeiro, snsf, que é também desta diocese.

Partimos de Lisboa no final da tarde de sábado, dia 16,e levávamos no coração a alegria de sermos enviadas para esta missão.

O programa das atividades, elaborado em diálogo com o Padre José Augusto, pároco da Igreja de Nespereira, foi abrangente pois desejávamos chegar a todos. Constou da participação nas Eucaristias dominicais, onde reforçávamos o convite a que as pessoas participassem nos encontros e celebrações,reuniões de formação para os crismandos, vigília de oração com toda a comunidade cristã e com os crismandos sob o tema “Demos o primeiro passo na construção da paz”, celebração penitencial em preparação para o Sacramento da Reconciliação com os crismandos, encontros de formação com os catequistas, encontros de formação com os casais,visita aos idosos no lar, encontro com as crianças do jardim-de-infância e do primeiro ciclo da escola de Nespereira,encontro com as crianças e adolescentes da catequese, e visita aos idosos, doentes e suas famílias nas suas casas, em que partilhámos a sua vida quotidiana, como as colheitas.

Esta semana foi para nós uma experiência rica de partilha da vida concreta das pessoas, de encontro, de oração, de formação, de celebração da fé em que contemplámos aquelas serras que tanto nos falam da beleza e da bondade do Criador.

Concluiu com a celebração eucarística dominical com toda a comunidade,no dia 24, onde a Irmã Joaquina foi convidada a dar o seu testemunho como consagrada.

Por tudo damos graças a Deus e desejamos que a visita pastoral do Senhor Dom António Couto possa dar frutos abundantes.

Irmã Joaquina Ribeiro

Serva de Nossa Senhora de Fátima

in Voz de Lamego, ano 87/45, n.º 4431, 10 de outubro 2017

“Silêncio” – filme de Martin Scorsese

silence-poster

O filme “Silêncio” do realizador Martin Scorsese encontra-se nos nossos cinemas desde o dia 19 deste mês e tem sido propício para diversas discussões, uma vez que representa muito bem um grande marco da nossa história do séc. XVII: a perseguição aos Cristãos do Japão. Como bem sabemos, esta foi uma época bastante conturbada para o Cristianismo, repleta de perseguições, torturas e mortes.

Sebastião Rodrigues e Francisco Garupe são dois sacerdotes jesuítas que partem para o Japão à procura do seu mestre Cristóvão Ferreira, tendo perfeita consciência dos grandes riscos que corriam. Já no Japão estes sacerdotes procuram, antes de mais, auxiliar os cristãos naquilo de que mais necessitavam, levando-lhes os sacramentos do Batismo, da Eucaristia e da Reconciliação. Por um lado, os cristãos sentiam-se reconfortados pela presença destes dois sacerdotes nas suas comunidades, pois iam percebendo que Deus não os abandonara, que o “Silêncio” de Deus, agora tornara-se presença. Mas, por outro lado, o medo se serem presos estava sempre presente nas suas vidas. Ler mais…

Padre José Manuel Matias Sabença (1960 – 2016)

ˆ

Amor à Missão

No dia 14 de dezembro, com 56 anos de idade e 29 de sacerdócio, faleceu o Padre José Manuel Matias Sabença, natural de Penajóia, Lamego, e membro da Congregação dos Missionários do Espírito Santo. O funeral realizou-se na tarde do dia 16, na sua terra natal. Presidiu D. António Couto, acompanhado por D. Jacinto Botelho, Pe. Tony Neves, Provincial da mesma Congregação, cerca de cinco dezenas de sacerdotes, espiritanos e diocesanos, e muitas dezenas de familiares e amigos que encheram a igreja paroquial.

zelito-bodas-de-prata1

Uma vida de serviço

O Padre José Manuel Sabença, conhecido na Penajóia como Pe. Zélito, era filho de José da Conceição Sabença (falecido há sete meses) e de Rosa Matias Sabença e nasceu a 10 de Outubro de 1960. Primeiro de seis filhos, entrou no Seminário da Congregação do Espírito Santo, em Godim, aos dez anos, continuando depois o seu percurso em outros casas espiritanas. Foi ordenado presbítero a 26 de Junho de 1987, no Fraião, Braga.

Depois estudou em Paris e preparou-se para partir para a África do Sul, onde trabalhou na cidade de Durban. Em 1997 foi eleito Assistente do Conselho Provincial e regressou a Portugal, assumindo a responsabilidade de Reitor do I Ciclo de Teologia, no Porto, na casa da Rua do Pinheiro Manso. Alguns anos depois, em 2003, foi eleito Superior Provincial da Congregação, função que exerceu durante três mandatos consecutivos (9 anos). Em 2013 foi eleito para o Conselho Geral da Congregação e partiu para Roma, onde a doença que o vitimou o veio a encontrar há cerca de sete meses.

Extraordinariamente, o Pe. Zélito viveu três mandatos como Provincial: nove anos a percorrer Portugal, a visitar confrades pelo mundo fora e a participar nos trabalhos gerais da Congregação.

Nas visitas que fazia, no país ou no estrangeiro, tinha sempre o cuidado de levar algo para partilhar, prova do carinho fraterno que nutria por todos. Quem não se lembra das cerejas e das uvas de Valclaro? Ler mais…

SOCIEDADE DO CANSAÇO | Editorial Voz de Lamego | 14-10-2014

VL_14_outubro2014

Com uma identidade própria, como Jornal da Diocese de Lamego, a Voz de Lamego informa-nos sobre o que acontece na Igreja, com particular incidência no espaço da Diocese, o que se passa de mais relevante no mundo, com especial atenção à região geográfica da Diocese. Além disso, apresenta um conjunto de reflexões que sublinham os grandes valores humanos e cristãos, no desafio sempre renovado de acolher e viver Jesus Cristo, testemunhando-O e transparecendo-O ao mundo inteiro, a começar pela própria casa, pela família, pela vizinhança.

Alguns dos destaques desta semana: Peregrinação do Movimento de Mensagem de Fátima (MMF) ao Santuário de Nossa Senhora da Lapa; o Dia Mundial das Missões, sublinhando a MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO (que pode ler AQUI) e na edição impressa, o acompanhando do Sínodo Extraordinário dedicado às famílias; algumas estatísticas dos alunos inscritos em EMRC, numa altura que as escolas estão com dificuldade em preencher vagas de professores.

Como referência ao ambiente de cada edição, o Editorial, proposto pelo Diretor, que esta semana faz uma incursão no mais recente livro de Tolentino Mendonça. Vale a pena aproveitar uns minutos para ler e meditar:

SOCIEDADE DO CANSAÇO

No seu mais recente livro, “A mística do instante”, o padre Tolentino Mendonça apresenta a mística como realidade que rapidamente associamos a espiritualidade e a interioridade. Contudo, segundo o autor, a espiritualidade não deve ser dissociada da dimensão corporal, porque “o corpo que somos é uma gramática de Deus”.

Neste particular, observando a sociedade que formamos, os seres corporais que circulam, interagem, conhecem e se dão a conhecer, o autor fala da “sociedade do cansaço”, caracterizando este como uma “enfermidade” e uma “patologia”. Vencidas que estão algumas batalhas contra bactérias e vírus, segundo ele, a patologia do nosso século é “neuronal”: as “depressões”, os “transtornos da personalidade”, as “anomalias da atenção”, o “síndrome do desgaste ocupacional”.

E conclui: “o excesso (de emoções, de informação, de expectativas, de solicitações…) está a atropelar a pessoa humana e a empurrá-la para um estado de fadiga, de onde é cada vez mais difícil retornar”.

O diagnóstico pode não estar completo, mas reconhecemos-lhe verdade e actualidade. Quantas vezes o desabafo mais comum soa a pregão contra o cansaço? Quantas mortes são procuradas em virtude do cansaço que se assume e da falta de perspectivas?

Um cansaço que, de resto, também se observa na Igreja. Não é por acaso que o Papa convida à alegria e que o apelo a uma “Igreja em saída” tem sido um refrão continuamente escutado. Porque, na verdade, um crente cansado (não apenas leigos, nem apenas os mais idosos) mais facilmente se lamenta do que sorri, olha mais para trás do que para diante e, sem esperança, enumera mais dificuldades do que possibilidades…

O cansaço estorva a missão do baptizado, porque deixa de ter forças para anunciar, por palavras e actos, as “razões da sua fé”.

 

Pe. Joaquim Dionísio, VOZ DE LAMEGO, 14 de outubro de 2014, n.º 4284, ano 84/46

Bodas de Prata Sacerdotais | Pe. LEONEL CLARO, comboniano

JPEG031

 

Reflexão pelo jubileu de prata sacerdotal | Penude 24 de agosto de 2014.

 

25 anos de sacerdócio. É muito e ao mesmo tempo é tão pouco. Uma parte da minha reflexão por esta data já está publicada na folha dominical. Não a vou repetir. Podeis lê-la tranquilamente em casa.

Quero simplesmente partilhar convosco um pequeno resumo, pelo menos alguns aspectos, do que foram estes 25 anos de consagração presbiteral.

Foram certamente 25 anos de Fé:

Humanamente, para ser padre é necessário uma boa dose de maluqueira, temperado com algum espírito de aventura; mas sobretudo carradas de fé e confiança no autor da vida, da vocação e da missão. Porque uma consagração religiosa só sobrevive, permanece, pela e na fé. Fé que não estou só; que eu sou mero gestor dos dons e das tarefas que me são confiadas; fé que mesmo quando nada se passa como programamos, pensamos ou desejamos, o Senhor faz germinar vida. Fé nas pessoas com quem trabalho e para quem trabalho, os jovens sobretudo; fé quando tanta gente à minha volta não acredita no trabalho que me foi confiado e procuro realizar com alegria e entusiasmo.

Foram 25 anos de juventude:

Todos os meus anos em Portugal foram dedicados, aos adolescentes e aos jovens. Claro que houve muitos outros momentos, com adultos, crianças; mas a maior parte, as melhores energias, a melhor dedicação foram sobretudo para os adolescentes do seminário combonianos em família, em Famalicão e agora para os jovens do Fé e Missão, do JIM e outros. Isso, creio, ajudou-me a manter um espírito desperto, mesmo se por vezes o físico prega algumas partidas.

Foram 25 Anos de encontros

Quantas crianças, adolescentes, jovens tenho encontrado em escolas, paróquias, grupos e movimentos. Com eles encontram-se os pais e familiares, os amigos; depois os párocos de inúmeras paróquias frequentadas, onde rezei, celebrei, caminhei,… e assim por diante. A vida é feita de encontros, e a minha vida está repleta deles, o que a faz mais rica e plena.

Ler mais…

D. António Couto nas Jornadas Missionárias 2014

j.Missionárias

As Jornadas Missionárias | III Jornadas Nacionais da Pastoral Juvenil, vão  realizar-se em Fátima, nos dias 20 e 21 de Setembro próximo, no centro Paulo VI, sob o tema: FAMÍLIA, UM PROJECTO… “Mais uma iniciativa para formar e dinamizar a Acão missionária dos batizados, procurando responder ao apelo feito por João Paulo II entre nós: “Portugal, convoco-te para a missão“.

Estas Jornadas são organizadas em conjunto pelas Obras Missionárias Pontifícias e pelo Departamento Nacional da Pastoral Juvenil.

Um dos intervenientes será o nosso Bispo, D. António Couto, Bispo de Lamego, sob o tema “EVANGELHO E MISSÃO DA FAMÍLIA”.

Os temas, intervenções, mesas redondas, têm diversos protagonistas, permitindo uma visão mais alargada sobre a Família, numa época em que é colocada em causa, ou pelo menos, na sua configuração tradicional, e no aproximar do Sínodo dos Bispos dedicados especialmente à Família.

Para um enquadramento mais clarificador pode visitar a reflexão do Pe. António Lopes, Diretor Nacional das Obras Missionárias Pontifícias (OMP):

»» AQUI.

BREVES – Igreja, in VOZ DE LAMEGO, 12 de agosto de 2014, n.º 4275, ano 84/37

ONU distingue trabalho de missionário: sacerdote-cirurgião

Uma das notícias que despertará a atenção dos leitores da Voz de Lamego, na edição desta semana, será certamente a notícia que se segue e que aqui reproduzimos a partir da edição escrita:

ImagemViver para servir

Há notícias que passam despercebidas da grande maioria e que são completamente ignoradas pelos grandes meios de comunicação. Neste caso, destaque para o trabalho missionário de um sacerdote-cirurgião por terras de Moçambique.

O sacerdote e cirurgião Aldo Marchesini, missionário italiano em Moçambique, foi distinguido pelas Nações Unidas com o ‘World Population Award’, destinado a premiar o trabalho por melhores condições de saúde das populações. A entrega do prémio decorreu no último dia 12, em Nova Iorque.

“Viver com os mais pobres é uma experiência extraordinária, porque pouco a pouco se compreender, como dizia Jesus, que os sábios e inteligentes não conseguem perceber os segredos do mundo, abertos, pelo contrário, aos pequenos e pobres”, referiu o religioso dehoniano.

A ONU destaca o trabalho do missionário na área da obstetrícia, sem nunca ter deixado Moçambique durante a guerra civil, na qual foi “raptado e preso várias vezes”. O padre Aldo Marchesini trabalha em Moçambique há mais de 40 anos, onde se tem dedicado ao tema da população e à assistência médica aos doentes nos hospitais por onde tem desenvolvido a sua atividade profissional.

A província portuguesa dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos) recorda que o sacerdote é seropositivo, tendo sido infetado com o Vírus da Imunodeficiência Humana ao operar a uma mulher seropositiva que estava a dar à luz. “O facto de ser seropositivo não o afasta das missões: em vez de ficar em Itália a cuidar da sua saúde, preferiu regressar a Moçambique e, junto dos colegas, enfermeiros e doentes, mostrar que é possível combater esta terrível doença que mata milhares de pessoas em Moçambique e no mundo inteiro”, destacam os religiosos portugueses.

in Voz de Lamego, 24 de junho de 2014, ano 84/32, n.º 4270