Arquivo

Posts Tagged ‘Madre Teresa de Calcutá’

Paróquia de Sernancelhe: filme sobre a Madre Teresa de Calcutá

sernancelhe

Um dia diferente na paróquia de São João Batista – Sernancelhe.  Para comemorar a santificação de Madre Teresa de Calcutá, visualizou-se um filme sobre a sua vida. Um exemplo de vida para todos nós pela sua humildade ao deixar o conforto do seu lar para se dedicar à vida consagrada na Índia, pela entrega aos mais pobres dos pobres e pela fé que demonstrou em cada momento, “como posso odiar um homem que é amado por Deus?”, mostrando-nos que a fé é a força que nos ajuda a ultrapassar os momentos mais difíceis. Madre Teresa nunca teve a preocupação com o dia de amanhã mas com o “hoje”, com o presente, vivendo cada dia como único dentro da misericórdia de Deus. Colocou a sua vida nas mãos de Deus e afirmou em cada e todos os momentos que se Jesus quiser as obras concretizam-se, por isso, não podemos desistir mas prosseguir, trilhando caminhos de esperança.

O auditório municipal encheu com os crismandos, os jovens, as crianças e outros paroquianos que desejaram associar-se a este evento. Muitas vezes uma imagem fala mais que mil palavras e nada melhor que falar de entrega a uma causa tão nobre como a ajuda aos mais necessitados através do testemunho de Madre Teresa de Calcutá.

Com a sua vontade constituiu uma nova ordem, com as suas palavras cativou todas as pessoas que se aproximaram dela, com o seu testemunho cativou outros a participar neste projeto, com a sua determinação trouxe conforto aos abandonados e desprezados, com a sua fé trouxe mais esperança a este mundo, com a sua obra ‘deu-nos’ motivação para construir um mundo mais justo onde todos somos necessários e chamados a dar um pouco de nós por uma causa mais nobre: a ajuda aos mais necessitados e desprezados.

Segundo alguns testemunhos reunidos na nossa paróquia, estas iniciativas são importantes como motivação a darmos um pouco de nós em causas solidárias e ajuda-nos a fortalecer a nossa fé.

Santa Teresa, que será conhecida entre nós por Madre Teresa de Calcutá, é um testemunho vivo do que deve ser a vivência cristã.

Mário Rodrigues, in Voz de Lamego, ano 86/42, n.º 4378, 13 de setembro de 2016

Madre Teresa e a misericórdia divina

cq5dam.web.800.800r

A missão de Madre Teresa de Calcutá “permanece nos nossos dias como um testemunho eloquente da proximidade de Deus junto dos mais pobres entre os pobres”, disse o Papa Francisco na canonização da religiosa fundadora das Missionárias da Caridade, na Praça São Pedro, perante 120 mil fiéis e peregrinos provenientes de todas as partes do mundo. Um dia de festa para a Igreja e para o mundo, para todos homens e mulheres de boa vontade que conheceram nesta religiosa de origem albanesa uma gigante da caridade dos nossos dias, apresentada pelo Pontífice ao mundo do voluntariado “como modelo de santidade para todos os Agentes de Misericórdia. Ler mais…

SANTIDADE E SERVIÇO | Editorial Voz de Lamego | 30 de agosto

canonizacao_madre_teresa

O Jornal Diocesano, Voz de Lamego, regressa de férias e em vésperas da canonização de Madre Teresa de Calcutá, o nosso Diretor, Pe. Joaquim Dionísio, partindo do seu exemplo, para que nos procuremos ser santos. É uma vocação comum a todos, independentemente o estado de vida e/ou das circunstâncias pessoais, familiares, profissionais. Pequena e frágil, mas de uma grandeza humana e cristã inexcedível.

SANTIDADE E SERVIÇO

No próximo domingo, 04 de setembro, em Roma, o Papa presidirá à canonização de Madre Teresa de Calcutá (1910 – 1997) e a Igreja colocará, diante de todos, a figura frágil e discreta desta mulher, convidando à imitação do seu exemplo de vida e à confiança na sua intercessão junto do Senhor da Vida.

Cerimónias destas são comuns e sempre divulgadas, mas a contemporaneidade desta religiosa de origem albanesa (nasceu na Macedónia) faz a diferença, já que a sua fé, obra, testemunho e ensinamento marcaram a segunda metade do século passado.

Ao contrário de tantos santos que nos são temporalmente distantes, a proximidade da fundadora das Missionárias da Caridade (1950) motiva a uma maior atenção, graças também aos meios que registaram a sua fisionomia, guardaram a sua voz e divulgaram a sua acção.

Servir foi a sua divisa, destacando-se pelo serviço humilde aos “mais pobres entre os pobres”, aos que viviam em ruas esquecidas pelo poder ou em favor de gente socialmente irrelevante.

Teresa de Calcutá é exemplo quando ensina a acolher sem distinção ou quando serve sem esperar honras, mas também o é quando denuncia a falta de amor ao próximo e o egoísmo que impede de nascer ou quando desafia os poderosos a fazer diferente. E não deixa de ser grande quando, na opinião de alguns, tem desabafos que poderão evidenciar alguma dúvida. A Bíblia mostra-nos exemplos de crentes que, sem duvidarem da sua fé e de Deus, não deixaram de questionar-se diante do mistério da vida ou do aparente silêncio de Deus.

A santidade é transversal e pode ser atingida no silêncio orante de um mosteiro, nas ruas sujas de Calcutá existentes noutros países, à volta das panelas de uma cozinha ou num qualquer trabalho honesto.

Afinal, a santidade é fruto do serviço.

in Voz de Lamego, ano 86/40, n.º 4376, 30 de agosto de 2016

DIA INTERNACIONAL DA CARIDADE

refu-1200x670_c

Desde 2013, que as Nações Unidas declararam como Dia Internacional da Caridade o dia 5 de setembro, o mesmo dia em que se assinala a morte de Madre Teresa de Calcutá. Este ano, não se pode assinalar esta efeméride sem dirigirmos o nosso olhar e coração indignados para a chacina que o mundo está a permitir, tornando-se cúmplice da morte de tantas vidas que mais não querem do que se refugiar do medo da morte, de torturas várias, de falta de condições mínimas de subsistência.

Neste dia, e sempre, deveria ressoar na consciência dos indiferentes, dos ‘estrategas políticos’, dos escravizados pelas regras financeiras, dos mais poderosos deste mundo, a pergunta de Deus a Caim: “Que fizeste? Ouve! Da terra, o sangue do teu irmão clama a mim” (Gn 4, 10) ou como nos foi recomendado por Jesus: “Tudo aquilo, portanto, que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a ele…” (Mt 7,12).

Sem dúvida que a Europa tem uma missão crucial a desempenhar na resposta a este drama que não pode passar apenas pelo apelo ao controlo de fronteiras terrestres, marítimas ou aéreas. Adiantam pouco medidas securitárias, pois o “estômago” e o medo são mais fortes que qualquer outra estratégia por muito inteligente. A Cáritas Portuguesa acredita que a resposta não pode estar só pendente de um continente, deve envolver todo o mundo. Por isso, defende, que se dê mais força às Nações Unidas para que possa haver uma intervenção adequada nos países de origem e uma solidariedade mais abrangente de todos os outros.

Para já é necessário acautelar as condições de sobrevivência aos que estão a procurar refúgio, criando condições dignas de acolhimento.

A Cáritas, em Portugal, não regateará esforços no seu contributo para esta imperativa missão. Neste momento, analisa que recursos humanos, logísticos e financeiros próprios poderá afetar para minorar este indigno e revoltante flagelo. Anuncia, desde já, que parte do valor angariado através da Operação “10 Milhões de Estrelas – Um Gesto pela Paz”, realizada, anualmente, no tempo de Natal – será canalizada para esta causa.

Mas não se fechará a quaisquer outras iniciativas que possam surgir para socorrer os nossos irmãos que estão a ser chacinados pela loucura dos seus governantes e pela indiferença de uma boa parte da humanidade.

Caritas Nacional, in Voz de Lamego, ano 85/41, n.º 4328, 8 de setembro