Arquivo

Posts Tagged ‘Luigi Epicoco’

Editorial Voz de Lamego: Só os filhos têm direito ao último lugar

Precisamos de nos descentrar de nós e, como cristãos, colocar Cristo ao centro. É a divisa do Papa Bento XVI. Uma Igreja autorreferencial não cumpre a sua missão, terá de ser uma Igreja lunar e, como a Lua reflete a luz do Sol, refletir Jesus Cristo, saindo para as periferias. É a divisa do Papa Francisco.

Seguir Jesus Cristo implica que O imitemos e como Ele nos gastemos pelos outros. Amar a Deus faz-nos irmãos. A vida eterna não se inicia quando morrermos, mas agora. Diz-nos o Pe. Luigi Epicoco (ver a sugestão de leitura desta semana): “Esquecemos que Jesus, que é Filho de Deus, veio a este mundo, fez-Se carne, encheu-o com a Sua presença, santificou, transformou em possibilidade cada fragmento desta nossa vida”.

Se Jesus Cristo encarnou, também nós temos de encarnar. “O irmão, o seu rosto, o seu corpo, a sua história, história de homem, história imperfeita, história de luz e trevas, é rosto, corpo e história para os quais as nossas mãos se estendem, mãos estendidas para o próprio Cristo”.

Uma das doenças do nosso tempo é o egocentrismo. Tornamo-nos o centro de tudo. Fazemos de nós próprios um absoluto. “Neste egocentrismo tudo é insatisfação… é um vazio que nunca se consegue preencher, é o vazio de quem se concentra em si próprio, de quem se tomou por absoluto”.

Existe também o risco de um descentramento negativo: “anular-se de tal maneira que deixa de ter um personalidade… começamos a pensar que não merecemos nada, que nada nos é lícito, que não temos o direito a sermos felizes, que só erramos, que nunca encontraremos o amor, que, por mais que desejemos a felicidade, não é para nós… Essas pessoas confundem a religião com frustração, a humildade com o humilhar-se. Escolher o último lugar não é sentir-se em último lugar. Significa reconhecermo-nos como filhos, ao ponto de nos podermos sentar em último lugar sem nos sentirmos diminuídos na nossa dignidade de filhos. Somos tão donos da casa que nos podemos sentar no último lugar porque, habitualmente, o dono trata sempre melhor o hóspede e escolhe para si o que resta. Fá-lo não por servilismo, mas porque esse é o estilo do dono da casa.

A humildade que nos ensina o Evangelho não é a humildade de quem tem uma baixa autoestima, mas de quem pensa de tal modo bem de si próprio que se reconhece filho do dono e, por isso mesmo, se pode levantar do primeiro lugar e sentar-se no último sem se sentir menos amado, mas antes profundamente amado. É porque tem intimidade connosco que Se permite mandar-nos levantar e sentarmo-nos no último lugar: não o faria com um hóspede ou com um estranho, para não o humilhar, com um filho sim. A nós, filhos, o Senhor solicita muitas coisas que aos olhos do mundo podem parecer sacrifícios, mas, na realidade, são apenas sinais da familiaridade profunda com que Deus nos ama e trata. É porque somos filhos que nos pede isto, pede-nos mais”.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 90/09, n.º 4544, 28 de janeiro de 2020