Arquivo

Posts Tagged ‘Lídia Jorge’

ESTRADA – CAMINHO | Editorial Voz de Lamego | 26 de julho de 2016

duplo-caminho

A edição da Voz de Lamego destaca, como entrada, a abertura do Vale do Varosa, inserida na Rede de Monumentos, e à participação dos jovens da Diocese de Lamego nas JMJ 2016, Mas muitos outros motivos para ler o Jornal da Diocese, com reflexões, artigos de opinião, com notícias da diocese e da região. Destaque para os passeios paroquiais, para a celebração do Crisma em Ervedosa do Douro, para a Visita Pastoral de D. António Couto em Ferreirim e Macieira, na Zona Pastoral de Sernancelhe. Ma iniciemos o nosso caminho pelo Editorial do nosso Diretor, Pe. Joaquim Dionísio:

ESTRADA – CAMINHO

A mais recente revista “Cáritas” traz-nos uma entrevista à escritora portuguesa Lídia Jorge. Numa das respostas, a propósito de uma sua peça de teatro, em que dois jovens assumem protagonismo, a escritora afirma que “os jovens são naturalmente migrantes e nómadas, através de estradas muito largas, mas não conseguem encontrar caminho”.

A afirmação pode aplicar-se a tantos jovens que, apesar da formação adquirida e da informação disponível, nem sempre conseguem ter, profissionalmente, a sua vez nesta sociedade competitiva e veloz.

Mas a afirmação também pode levar-nos a pensar na imensidão de possibilidades (estrada larga) e na realização pessoal (caminho). Isto é, assumir-se migrante e nómada pode não ser suficiente. Porque, mais importante do que a largura da estrada, é encontrar o caminho. E este pode ser mais estreito, apresentar curvas, ser exigente…

A experiência, a observação ou as notícias mostram-nos que, nas estradas largas, transitam pessoas cheias de capacidades, com percursos conseguidos, sem grandes privações, apoiados nas suas opções… Mas não é invisível, em muitos, um certo descontentamento e insatisfação reveladores de algum vazio e causas de uma alegria ausente.

Por outro lado, todos os dias há pessoas que surpreendem pela opção tomada e pelo caminho seguido, demonstrando vontade e decisão. Talvez lhes fosse mais fácil e cómodo continuar na estrada larga, mas sentem que só a escolha do caminho os realizará.

A vida concede oportunidades para repensar a via percorrida, proporcionando meios e ocasiões para reajustes, os tais pormenores que podem fazer a diferença.

E, apesar das ajudas e contributos possíveis, cabe a cada um a responsabilidade de encontrar o caminho no meio da estrada larga.

No final, o importante até nem será a distância que se percorreu, mas a intensidade com que se caminhou.

in Voz de Lamego, ano 86/37, n.º 4373, 26 de julho de 2016