Arquivo

Posts Tagged ‘Idosos’

UM REPARO: MUDANÇAS

 

Nos últimos dias não faltaram imagens e sons para mostrar a aflição, a dor, a destruição e a morte que os incêndios causaram na zona centro do país. O calor que se tem feito sentir, a ausência de chuva, o descuido de uns e a malvadez de outros podem explicar os muitos fogos de um só dia. Mas o elevado número de vítimas mortais continua a ser difícil de compreender e de aceitar.

O Presidente da República (PR), qual porta-voz de um povo atónito e sofrido, expressou o pesar comum diante de tamanho sofrimento, exigindo mudanças que evitem situações semelhantes. Todos o ouviram e compreenderam. Resta esperar que as consequências não se saldem por uma ou outra demissão, algumas promessas e o silêncio quando começarem as chuvas.

A propósito do referido discurso, uma nota para sublinhar a clareza desafiadora do PR, quando pediu aos políticos que olhem e ouçam as gentes que moram longe da capital e do centro do poder, sem capacidades para fazer barulho e reivindicar. É verdade que, em tempos de campanhas eleitorais, passam por aí, distribuem beijos e abraços e semeiam promessas, mas depois a memória é afectada pela distância.

Uma notícia recente apresentava a região da beira interior – não muito longe de nós – como aquela que, a nível europeu, tem a população mais envelhecida. Com a destruição provocada pelos incêndios, talvez o abandono dos mais novos se acentue. Agora ainda se diz que há idosos; daqui a alguns anos talvez se fale apenas de casas abandonadas e de silvas.

Para contrariar tal tendência serão precisos apoios que ajudem a ficar, leis que favoreçam o investimento, mudanças que permitam ficar e acreditar.

JD, in Voz de Lamego, ano 87/47, n.º 4433, 24 de outubro 2017

UM REPARO: PASSEIOS DE IDOSOS

Por estes dias, em muitas das nossas freguesias, os mais idosos são presenteados com um passeio/convívio. Aqui se louva a iniciativa e se pede que a mesma se diversifique, tornando-se um hábito anual e não apenas quando se aproximam eleições.

Num país em que tanto se faz, e bem, pelas gerações mais novas, se apoiam associações desportivas e culturais, se investe em foguetes e cartazes, etc, também é importante oferecer algo a quem as forças físicas já vão faltando e que, em muitos casos, só nestas alturas tem um dia de descanso, uma jornada diferente e uma oportunidade para conhecer outras terras e conviver com outras gentes. Por isso, parabéns às autarquias que há muito têm o dia do idoso e outras iniciativas do género.
Há alguns anos andou por aí um filme intitulado “Este país não é para velhos”. No entanto, fora das salas de cinema, continuam a encontrar-se situações onde aquele título não é descabido: nas estradas, quando a sua pouca velocidade trava gente apressada; na caixa de supermercado, quando os gestos mais lentos retardam o avanço; nas repartições públicas, quando a impaciência de alguns funcionários aparece diante das menores capacidades de quem não andou na escola; na passadeira, quando obrigam a parar condutores atrasados; à mesa, quando o mastigar devagar retarda o fim da refeição; quando repetem histórias já ouvidas; quando não ouvem e obrigam a que se repita; quando afastam os serviços da sua área de residência…
Os passeios são uma oportunidade, entre outras, para lhes agradecer e lhes mostrar que são importantes, acarinhados e centro de atenções. Sem eleitoralismo, é bom que existam e se ofereçam mais oportunidades destas aos nossos mais velhos, enquanto lhes restam algumas forças para saírem e desfrutarem um pouco do país que somos.

JD, in Voz de Lamego, ano 87/37, n.º 4422, 25 de julho 2017

Categorias:Opinião, Vida Etiquetas:,

Idosos do lar de Ferreirim em Cruzeiro no Douro

cruzeiro

No dia 2 de Outubro, os idosos do Lar do Sagrado Coração de Maria – Ferreirim (Sernancelhe) e do Centro Social e Paroquial de Fonte Arcada, realizaram um cruzeiro no rio Douro.

O passeio teve início na Nossa Senhora dos Remédios em Lamego, onde fomos recebidos pelo Senhor Reitor do Santuário que, simpaticamente, nos contou a história da Nossa Sra. dos Remédios.

Visitamos de seguida o Seminário Maior de Lamego. Aqui fomos acolhidos pelo Sr. Reitor que nos fez uma visita guiada ao Seminário, realçando o valor e a importância da Capela. Almoçamos e seguimos até ao Peso da Régua onde apanhamos o barco até ao Pinhão, regressando também de barco.

Foi um dia de alegria e realização para os idosos sendo, para a maior parte deles, a primeira vez que andaram de barco.

Para estas Instituições é uma satisfação proporcionar aos seus idosos uma vida mais harmoniosa, atrativa e dinâmica, envolvendo-os na comunidade, promovendo a inovação e novas descobertas.

A organização destas atividades é uma constante para nós, uma vez que a ocupação do tempo de forma gratificante, ajuda a diminuir os sentimentos de solidão, expande a satisfação dos níveis de vida, melhora a comunicação e aumenta os níveis de autoestima.

 

A Direcção, in Voz de Lamego, ano 86/46, n.º 4382, 11 de outubro de 2016

Passeio Anual do Centro Social Paroquial de Lamosa

lamosa

“O segredo da genialidade é conservar o espírito de criança até à velhice, o que significa nunca perder o entusiasmo.”

Realizou-se no dia 1 de junho, dia mundial da criança, o passeio anual do Centro Social Paroquial de Lamosa a Lamego e Salzedas, daí fazer todo o sentido usar a citação introdutória de Aldous Huxley. São estes passeios, de cariz notoriamente religioso e cultural, que fomentam o entusiasmo pela vida, uma vez que vão de encontro aos interesses e preferências dos nossos utentes.

Choveu abundantemente nas semanas que antecederam esta viagem, porém, no dia 1 de junho, o sol não se fez rogado e sorriu para nós, embelezando este dia tão marcante para todos. Com saída da instituição marcada para as 8 horas da manhã tínhamos como objetivo visitar o Arquivo – Museu Diocesano de Lamego às 10 horas da manhã. E assim foi, visitámos o museu, muito bem auxiliados pelo guia que tão bem nos eludiu sobre todo o espólio exposto e ao qual agradecemos pela prestabilidade concedida durante toda a visita. Passámos também pela Sé de Lamego e pelos seus esplendorosos claustros, onde, quase que obrigados pela arrepiante beleza do local, foi feito um registo fotográfico de grupo. Seguidamente e tal como planeado, os utentes tiveram oportunidade de assistir a uma missa, celebrada pelo Presidente da instituição, Padre Tiago Cardoso, na Igreja do Espírito Santo pelas 11horas e 30 minutos. Seguiu-se o almoço e visita ao Santuário de Nossa senhora dos Remédios, que tanto significa para os nossos utentes. Após a visita ao Santuário, onde tivemos a oportunidade de admirar a beleza paisagística, partimos em direção a Lamosa de volta à nossa instituição, passando antes por Ucanha e Salzedas, com o intuito de visitar o Mosteiro Cisterciense de Salzedas, que se mostrou tão imponente perante o olhar espantado de todos. Ao chegarmos ao Centro Social Paroquial de Lamosa era inequívoco, através da satisfação expressa pelos comentários e sorrisos, que este foi um dia carregado de solenidade, emoção e devoção.

Tendo em conta que este passeio se realizou no dia Mundial da Criança e que o trabalho realizado pelo CSPLamosa destina-se a uma população mais velha, importa finalizar este pequeno texto, reiterando que a defesa pela dignidade da pessoa humana é um imperativo, independentemente desta se enquadrar numa faixa etária mais velha ou mais nova. A vida humana tem, impreterivelmente, de se esvaziar de todos os preconceitos idadistas, pois só existe uma verdade inegável, a qual Khalil Gibran definiu perfeitamente, exortando que “a morte não está mais perto do idoso do que do recém nascido. NEM A VIDA”.

in Voz de Lamego, ano 86/31, n.º 4367, 14 de junho de 2016

1 de outubro > DIA MUNDIAL DO IDOSO

IdosoJovem

CUIDAR PARA AGRADECER

No primeiro dia de outubro, lembramos os nossos mais velhos, no Dia dos Idosos. Uma data que vale a pena assinalar, sobretudo porque nos chama a atenção sobre uma realidade que podemos e devemos ter em conta. E, às vezes, isso não acontece, levando a que os mais avançados na idade se considerem um estorvo, um peso ou empecilho.

Sobre este assunto, as notícias de abandono, de maus tratos, de solidão ou insegurança são mais ruidosas do que as notícias que poderiam destacar o carinho e o cuidado no acompanhamento da grande maioria. Mas sabemos que, felizmente, há muitos idosos com sorriso, respeitados na sua dignidade e amparados na sua fragilidade. Para isso, muito concorre a solicitude e permanente atenção de familiares, vizinhos e amigos, mas também a acção profissional e próxima de tantas instituições particulares de solidariedade social (IPSS).

Na nossa diocese, em muitas paróquias, a existência de um Centro Social, é sinónimo de acção em favor dos mais carenciados. E dizer “carenciados” não significa referir os que são materialmente pobres; falamos dos que são vítimas de solidão, dos acamados, os doentes…

Estas instituições nasceram para servir e cumprem um papel único que nunca é demais apontar e louvar. É verdade que os Utentes comparticipam com alguma verba, fruto das suas reformas, e que a Segurança Social assume grande parte do financiamento destas organizações. Mas também é verdade que há muito voluntariado, muito rigor nas contas, muita solidariedade e sacrifício para não desistir diante de tantas exigências e burocracias ou sofrendo por causa dos escassos apoios.

A Igreja, pela acção das suas paróquias, com a presença de párocos empenhados e de tantos fiéis disponíveis, desenvolve um trabalho meritório que muitos reconhecem e que tantos outros dele beneficiam. E não apenas os idosos, mas também as famílias, que sossegam com o acompanhamento proporcionado; os funcionários, que assim conseguem locais de trabalho; a sociedade, que beneficia com a fixação de famílias; a economia local, com o movimento que tais serviços acarretam, etc.

Por isso, uma palavra de gratidão aos nossos idosos por tudo quanto fizeram e nos legaram com esforço e perseverança, mas uma palavra de estímulo a todos quantos, sem serem notícia, contribuem para a qualidade de vida dos mais velhos, através dos apoios que prestam.

Materializando a nossa homenagem à dedicação de tantos, aqui deixamos o nome das IPSS da nossa diocese que constam no anuário diocesano (certamente que haverá outras que ainda não estão registadas):

Centro Diocesano de Promoção Social, Centro Social e Cultural da Paróquia de Ferreirim, Centro Social e Paroquial de Cambres, Centro Social e Paroquial de Mondim da Beira, Centro Social e Paroquial de Prova, Centro Social e Paroquial de Vila Chã do Monte, Centro Social e Paroquial de Vila Nova de Foz Côa, Centro Social Filhas de S. Camilo (As Lareiras), Centro Social Paroquial Casa de S. José, Centro Social Paroquial de Ferreirim, Centro Social Paroquial de Fonte de Arcada, Centro Social Paroquial de Fontelo, Centro Social Paroquial de Fornelos, Centro Social Paroquial de Freixo de Numão, Centro Social Paroquial de Lamosa, Centro Social Paroquial de Muxagata, Centro Social Paroquial de Tendais, Centro Social Paroquial de Touro, Centro Social Paroquial de Trevões, Centro Social Paroquial de Várzea da Serra, Centro Social Paroquial do Aveloso, Centro Social Paroquial de Caria, Centro Social Paroquial da Beselga, Lar de Chãs, Lar de Lamosa, Lar de Santo António, Lar de Trevões, Lar de Várzea da Serra, Lar Nossa Senhora da Lapa.

in VOZ DE LAMEGO, 30 de setembro de 2014, n.º 4282, ano 84/44