Arquivo

Posts Tagged ‘Escutismo Católico Português’

Escutismo: Luz da Paz de Belém

luz-de-belem1-copia

Em dia de Santa Luzia, 13 de Dezembro de 2016, a Luz da Paz de Belém chegou à nossa Sé Catedral de Lamego, após ter percorrido mais de seis mil quilómetros sem se apagar. Partindo da gruta de Belém, onde foi acesa por uma escuteira austríaca, passando por Viena de Áustria e Évora, foi, aí, partilhada pela Junta Regional do CNE da Região de Lamego que a transportou até nós.

O nosso Bispo, D. António Couto, acolheu-a com a missão de a partilhar com todos os presentes que enchiam este templo sagrado.

Estavam presentes representantes de todos os Agrupamentos da Região de Lamego, assim como a Junta Regional de Vila Real, que a transportaram para as suas sedes e a partilharão com todas as paróquias que a quiserem receber.

Muitas outras pessoas se associaram ao nosso Movimento para levar para suas casa ou instituições esta luz. Ler mais…

Luz da Paz de Belém – escutismo

luz

A Luz da Paz de Belém é uma iniciativa dos Escuteiros  e Guias da Áustria, com a colaboração de diferentes escuteiros de países da Europa e outros continentes que repartemm a Luz da Paz, acendida todos os anos, por uma criança austríaca no lacal do nascimenro da Jesus em Belém.

A Luz é distribuida por todos os países a partir de Viena, capital da Austria, Este ano chegará a Portugal, à Região Escutista de Évora,  no dia 11/12.

 Uma equipa do CNE da Região de Lamego irá buscá-la  a essa cidade, para que no dia 13/12 às 17,00 h esteja na Sé da Lamego para ser partilhada por todos os Agrupamentos das Região de Lamego e Vila Real.

A cerimónia será presidida pelo Sr. Bispo de Lamego Sr. D. António Couto.

Convidamos todos os Agrupamentos  a aderirem a esta iniciativa que está carregada de emoção e sentido de partilha, assim como, todas as pessoas que queiram levar para suas casas ou instituições esta Luz da Paz de Belém, como forma de estarmos mais unidos na vivencia deste Natal.

Este ano a proposta que apresentamos para uma maior interiorização é: “Construiur a Paz com Coragem e Criatividade.”

Para melhor a realizarmos, esta proposta, será dividida em três partes:

  1. Inspira-te: (advento) Visa a preparação para a chegada da Luz, com iniciativas adaptadas a cada domingo.
  2. Partilha-te (até ao dia de Natal) Partilhada a Luz com todos os Escuteiros do CNE, esta é a altura em que procuramos formas criativas de fazer chegar esta mensagem de Paz às nossas comunidades locais.
  3. Transforma-te: (até ao Batismo do Senhor) A luz que nos inspirou e partilhamos, muda alguma coisa na nossa vida, muda-nos por dentro, abre pistas para o futuro, individual e comunitariamente.

 

Após o preenchimento do modelo de relatório que estará disponível em http://internacional. Cne-escutismo pt podem, os escuteiros, candidatar-se à insignia da Luz da Paz.

 

Pe. Artur Mergulhão

Assistente Regional do CNE

in Voz de Lamego, ano 87/04, n.º 4389, 29 de novembro de 2016

CNE – ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS DEFINE QUEM QUERES SER

IMG_8345

Foi sob este lema que se reuniram em Resende, de 4 a 6 de março, em mais um Encontro Regional (Cenáculo) os Caminheiros de 5 Agrupamentos (Castro Daire, Resende, Avões, S. Martinho das Chãs e Cinfães), juntamente com a Observadora, Chefe Andrea, e o Embaixador Nacional, João Silva ( CNE de Castelo Branco ), que deram apoio á organização do Cenáculo levada a cabo pela E.P. ( equipa- projeto ): Sara Barroso, Rafa ferreira, José Sabença e José Pedro Fonseca.

Trata-se de uma atividade regular no âmbito da vivência escuta e que decorre por todo o país entre novembro e Abril, de modo a que os Agrupamentos das várias regiões possam preparar o Cenáculo Nacional a realizar durante o mês de Abril.

Os objetivos deste encontro são vários, mas o mais pertinente será a apresentação e debate dos problemas com que se deparam estes jovens no seu percurso escutista, e esta Secção em particular (os Caminheiros são jovens entre os 18 e os 22 anos), na perspetiva de tentar encontrar soluções e caminhos que possam ajudar a resolver ou minimizar esses problemas.

Tratando-se de uma região interior e de grande dispersão geográfica, a saída dos jovens para as grandes cidades, com o consequente abandono do Agrupamento, e a dificuldade de deslocação, mesmo dentro da região, faz com que tenham que ser constantemente procuradas técnicas que facilitem a coesão do grupo e motivem os jovens a permanecer e evoluir dentro do Movimento. Também para se conhecerem melhor e criarem laços de amizade e companheirismo e criarem estratégias conjuntas de evolução, estes encontros são importantes.

A formação de dirigentes (Chefes) é também uma preocupação nestes encontros, pois, se as Secções mais jovens (Lobitos, Exploradores e Pioneiros) existem, a sua orientação e a das suas actividades passa, obviamente, pela existência de responsáveis em número suficiente, e só assim se obtém vitalidade e condições para que o Agrupamento cresça e faça crescer saudavelmente os seus membros.

Dentro do lema que guiou este Cenáculo, dois convidados expuseram dois temas pertinentes e actuais, que foram posteriormente debatidos por todos: o Pe. Miguel Peixoto (CNE V. N. Foz- Côa) apresentou o tema ” Valores e responsabilidades enquanto escuteiros e cidadãos “, e o jovem Pedro Montenegro (Grupo de Jovens da Sé-Lamego, Leigos da Boa Nova, e que já pertenceu ao Agrupamento 140 do CNE de Lamego) apresentou a sua experiência de Voluntariado, quer com o CNE, com o Grupo de Jovens da Sé e com os Leigos da Boa Nova (em Portugal e em Moçambique).

Foram três dias muito preenchidos e em que todos puderam ” encher a mochila de vivências”, sendo a mochila o símbolo do Escuteiro, que, sempre alerta e preparado, não descuida também a sua “mochila interior ” e trata sempre de a manter sã e cheia de valores, para poder ser um elemento construtor duma sociedade melhor.

IM, in Voz de Lamego, ano 86/16, n.º 4353, 8 de março de 2016

CNE – Celebração de partilha da Luz

Entrga da luz (2)

O Santuário de Nossa Senhora dos Remédios transformou-se, por momentos, em centro escutista inter-regional. De facto, na Casa da Mãe dos Escutas, reuniram-se no dia 15/12/2015 pelas 19h, representantes dos Agrupamentos das Regiões de Lamego e Vila Real com as respetivas Juntas Regionais, Assistentes de Agrupamentos, Assistentes Regionais assim como elementos da Fraternidade Nuno Álvares sob a presidência do nosso Bispo, D. António Couto, para acolherem a Luz da Paz de Belém. Foi pela primeira vez que a nossa Região de Lamego participou nesta atividade carregada de emoção e fé.

Desde 1989, a televisão pública Austríaca em conjunto com os Escuteiros e Guias Austríacos elegem uma criança que transportará a Luz desde Belém até ao seu país. Esta criança, escolhida pela inocência e pureza que transmite, desloca-se até à gruta de Belém e recolhe a chama que será transportada até Viena, na Áustria, onde se realiza uma cerimónia de intenso simbolismo na qual a chama é partilhada com delegações de Escuteiros e Guias de vários países.

Foi a esta grandiosa cerimónia que uma delegação portuguesa do Corpo Nacional de Escutas – Escutismo Católico Português – se associou, transportando a luz até ao nosso país no dia 13 de Dezembro de 2015.

Nesse mesmo dia, o Chefe Regional de Lamego, Alexandre Magno, foi buscá-la a Lisboa, transportando-a até à nossa Região de Lamego.

E de candeia em candeia esta chama, acesa em Belém, já percorreu cerca de 6.000km, sem nunca se apagar.

Chegou, finalmente, no dia 15 de dezembro de 2015 ao Santuário da Virgem dos Remédios.

Agora é a nossa vez! É a nossa vez de aquecer os nossos corações com a Luz da Paz de Belém.

Esta luz que é ao mesmo tempo tão frágil e tão poderosa. Frágil porque é apenas uma pequena chama numa vela. Poderosa pelo que representa e transmite ao coração de cada um de nós.

Esta é uma Luz que viaja de mão em mão sem se apagar, que se reforça em cada partilha, que vive a Paz, comunga a Paz, soleniza a Paz, partilha a Paz e transmite a Paz a cada um de nós, porque vem de Jesus Cristo, o Príncipe da Paz.

Assumimos, cada um de nós, o papel de mensageiros da paz através desta chama que vem desde Belém.

Em todas as nossas comunidades onde o CNE está implantado e outras que quiseram partilhar connosco este gesto, foi acesa esta chama que na noite de Natal será colocada na janela das nossas casas para manifestarmos desta forma a união de sentimentos na construção da Paz.

Quando olhamos para o globo terrestre a guerra e o terrorismo parecem alastrar cada vez mais.

Seja o Príncipe da Paz a orientar os Homens na construção deste objetivo durante o ano de 2016.

Artur Mergulhão, Assistente Regional de Lamego,

in Voz de Lamego, ano 86/09, n.º 4344, 5 de janeiro de 2016