Arquivo

Posts Tagged ‘Dra. Isabel Mirandela’

Semana Nacional Cáritas | Mensagem da Cáritas de Lamego

Semana_Nacional_Cáritas

Ao celebrarmos o Ano Jubileu Extraordinário da Misericórdia, convocado pelo Papa Francisco, e no início de uma das épocas mais importantes do mundo católico – A Quaresma – procuremos, como refere o nosso Bispo D. António Couto, fazer deste período “um tempo de diferença e não de indiferença.”

Imbuídos deste espírito, não esqueçamos aqueles que tanto precisam da nossa solidariedade e apoio em momentos frágeis das suas vidas, muitas vezes porque a própria vida fez com que tudo se alterasse, pelas mais variadas razões.

Uma vez mais e dando continuidade a uma das múltiplas missivas da Cáritas Portuguesa e Cáritas Diocesanas, em 2016, a Semana Nacional Cáritas, decorrerá sob o lema “Cáritas: Coração da Igreja no Mundo”, entre os dias 21 e 28 de Fevereiro.

Como é referido na mensagem de D. José Traquina, Bispo Auxiliar de Lisboa, vogal da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana e Responsável pelo Acompanhamento da Cáritas, “Ao vivermos o dinamismo da misericórdia, o nosso coração não se pode fechar. Nunca se pode fechar. É um coração capaz de ver e de sentir as dores dos outros; é um coração que só sabe viver no Mundo, Contemplando o Mundo e dando graças a Deus por ele ser tão belo!

O nosso coração nunca se pode alhear da sorte dos homens, das mulheres e das crianças a que chamamos nossos irmãos e irmãs. O nosso coração, o coração da Igreja, está no Mundo em que vivemos, cuidando da Criação e dos pobres, como nos recomenda o Papa Francisco.

Esse coração é amor, porque Deus é amor (I Jo 4,8b).”.

Sejamos solidários e deixemos o nosso contributo nos ofertórios das Eucaristias dos dias  27 e 28, com o coração cheio de amor e com vontade de ajudar, conscientes de que a  “A Cáritas é o coração da Igreja no Mundo.”

Nota: Na Semana Nacional Cáritas, decorrerá também uma sessão de reflexão subordinada ao tema: “Encontro Pastoral Social Cáritas”, no dia 23 de Fevereiro, no Salão Paroquial de Almacave, em Lamego e destinado a todos grupos sócio caritativos, Conferências Vicentinas, e todos aqueles que, de uma forma ou outra, desejem enriquecer o seu saber sobre a forma como estar junto daqueles que mais precisam.

A Presidente da Cáritas Diocesana de Lamego

Isabel Duarte Mirandela da Costa

 

in Voz de Lamego, ano 86/13, n.º 4350, 16 de fevereiro de 2016

Cáritas Diocesana e a Tarifa social na fatura da Luz

Caritas_Tarifa_social

A EDP associou-se à Cáritas Portuguesa, num projecto aberto a todos as outras empresas do sector energético, para a divulgação da tarifa social e promoção da adesão a todos os clientes, em situação de carência, que ainda não tenham tarifa social. Para tal, a EDP criou uma série de materiais promocionais sobre a tarifa social, bem como um sistema simplificado de adesão à tarifa social, que fará com que os beneficiários possam aderir, no momento do atendimento social, à tarifa social. Para isso as pessoas que efectuem o atendimento social terão à sua disposição um formulário para preencherem com os dados do beneficiário, uma linha de apoio telefónico para obtenção de esclarecimentos e um endereço de e-mail para enviarem a digitalização dos formulários. Em anexo envio um folheto da EDP onde, na página 1, se explica o que é a tarifa social e na página 2 se explica o funcionamento deste sistema simplificado.

Após um pequeno programa piloto a EDP vai arrancar com este projecto a nível nacional, já em Janeiro de 2016, com as seguintes actividades:

– formação sobre a tarifa social e o modo de funcionamento deste projecto, dada pela EDP, a todos os que efectuem atendimento social. A formação será dada em cada uma das Dioceses, caso haja uma participação elevada de representantes da Diocese, através das suas paróquias.

 Caso contrário a EDP utilizará a divisão do país em áreas  (área Norte, Centro, Sul, Lisboa e Vale do Tejo), escolhendo-se para cada área um ponto central onde será dada a acção de formação para as Cáritas Diocesanas e respectivas  paróquias:

– envio de material de comunicação sobre esta campanha.

Depois da formação todos aqueles que efectuem atendimento social ficarão aptos a utilizar o sistema simplificado criado pela EDP e a disseminar essa informação.

Mas, para que a EDP possa planear as acções de formação, é necessário que nos indiquem:

– quantos representantes dentro das vossas Paróquias estarão interessados em participar neste projecto e aceder à formação ministrada pela EDP.

Para que a nossa Cáritas Diocesana possa aderir a este  projecto, será necessário que nos indiquem se estão ou não interessados nesta formação.

Para que o projecto se possa iniciar em 2016 é necessário que nos enviem esta informação, idealmente, até dia 29 de Dezembro.

 

Cordiais saudações Natalícias

A Presidente da Cáritas Diocesana de Lamego

Isabel Duarte Mirandela da Costa

in Voz de Lamego, ano 85/55, n.º 4343, 22 de dezembro

MENSAGEM EPISCOPAL SOBRE A SEMANA NACIONAL CÁRITAS | 2015

cartas_com data

Em 2015, e à semelhança de anos transatos, vai decorrer em todas as dioceses a Semana Nacional Cáritas, este ano sob o lema “Num só coração, uma só família humana”, a qual decorrerá entre os dias 1 e 8 de Março.

Hoje vivemos tempos muito difíceis, não só em Portugal mas também no mundo inteiro. A fome, a pobreza, as doenças, a indiferença e egoísmo imperam em oposição à solidariedade, à entreajuda e ao respeito pelo outro. A Cáritas, enquanto organização específica que é, de cariz católico, procura cumprir a sua missão junto daqueles que mais precisam, indo de encontro ao que nos é proferido pelo Papa Bento XVI na sua Carta encíclica, Deus Caritas est, “O amor do próximo, radicado no amor de Deus, é um dever, antes de mais, para cada um dos fiéis, mas é-o também para a comunidade eclesial inteira, e isto a todos os seus níveis: da comunidade local, passando pela Igreja particular, até à Igreja universal na sua globalidade.”

Relembrando ainda o alerta de Sua Santidade o Papa Francisco para o “escândalo mundial de mil milhões de pessoas que ainda hoje têm fome” e o apelo feito por D. José Traquina, vogal da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana para uma solidariedade “mais operativa e generosa”,  procuremos contribuir de forma consciente e sentida no ofertório das Missas dos dias 7 e 8 de Março, por forma a que possamos ajudar as famílias que mais precisam, aquelas em cujas casas não há o essencial para colocar na mesa.

Finalmente e em sintonia com a visita pastoral no Arciprestado de Lamego do Rev.º Senhor D. António Couto, sigamos o seu conselho  ao apelar-nos para que “juntos defendamos o Amor, a Caridade, a Caritas. Se defendermos o Amor, o Amor defender-nos-á. O resto pouco vale.”

Que o nosso contributo seja feito com Amor e Solidariedade para que as Famílias sejam mais Felizes.

 

         A Presidente da Cáritas Diocesana de Lamego

Isabel Duarte Mirandela da Costa

in Voz de Lamego, n.º 4303, ano 85/16, de 3 de março de 2015

À CONVERSA COM… Presidente da Cáritas Diocesana de Lamego

d_Mirandela

Dr.ª Isabel Mirandela

Presidente da Direção da Cáritas Diocesana

De 2 a 8 de Março decorre a Semana Nacional da Cáritas, organismo da Igreja presente na nossa diocese e para o qual foi, recentemente nomeada uma nova Direção. Para conhecermos melhor esta realidade eclesial e a sua missão entre nós, fomos ao encontro da Dr.ª Isabel Mirandela, Presidente da referida Direção.

Apesar de estar há pouco tempo nesta missão, como caracteriza a ação da nossa Cáritas nestes tempos de crise?

Estar à frente de uma instituição tão importante como a Cáritas Diocesana de Lamego, para mim é uma honra, mas ao mesmo tempo uma responsabilidade. Uma honra porque posso, de forma humilde e coerente, dar o meu contributo à diocese e ajudar aqueles que mais precisam; responsabilidade porque os tempos que correm não são fáceis e as solicitações são muitas. Apesar de estar neste lugar há muito pouco tempo (dois meses), já me apercebi que há muita gente a viver com grandes dificuldades, de modo particular idosos, os quais para além de terem de viver com parcas reformas e pouca saúde, têm ainda de sentir o peso da solidão. A Cáritas vai tentando enfrentar, na medida do possível, alguns desses problemas.

A esse propósito, quais os principais projectos em que a Cáritas tem vindo a participar ou deseja concretizar em breve?

Como já referi, estou a dar os primeiros passos na instituição. Poderá afirmar-se que estou numa fase de instalação e de adaptação.

Neste momento os projetos em curso estão relacionados com o apoio direto a quem nos procura, com o apoio a situações apresentadas por sacerdotes e com o apoio prioritário às crianças. Mais recentemente aderiu à campanha de recolha de roupas, a nível da diocese,  para serem enviadas para as crianças e jovens da Síria, em articulação com a conferência episcopal. No futuro, pensamos aderir a outros projetos que visem ser um contributo forte para a melhoria de condições de vida das pessoas mais carenciadas.

Como se concretiza a atuação/presença da Cáritas no vasto território da Diocese?

De facto este é um dos aspetos mais importantes a serem abordados, uma vez que a Cáritas Diocesana está sediada em Lamego. A sua área de abrangência é muito vasta, com 223 Paróquias, inseridas nos respetivos concelhos geográficos e distribuídas pelos 6 Arciprestados que constituem a Diocese. Importa pois referir que, para se poder fazer um trabalho coerente, seria importantíssimo que todos trabalhássemos em equipa, no sentido de irmos ao encontro do apelo feito pelo nosso Bispo “… formemos o mais rapidamente possível, – a tanto nos impele a urgência do Evangelho – em todas as paróquias Grupos de Caridade, Grupos Cáritas, para que ninguém se sinta sozinho, abandonado ou desfigurado,..”. Hoje a solidão impera em muitas paróquias, e enquanto cristãos, temos responsabilidades acrescidas no combate a este problema social. Nesta senda, o trabalho de articulação será a base fundamental para tentar minorá-lo e ao mesmo tempo ajudar a colmatar outros a ele associados.

Já algumas vezes afirmaram que a nossa Cáritas está algo burocratizada. Como ultrapassar este pormenor?

Hoje em dia fala-se muito em burocracia. Na verdade ela existe em todas as instituições e como tal na nossa instituição também. Há assuntos que requerem uma série de procedimentos formais, no entanto, dado estarmos perante um organismo que tem por missão várias linhas de atuação, entre as quais a de “atender à fraternidade universal, rosto cristão da vida global, conjugada com a prontidão de real partilha de proximidade”, somos de parecer que, desde que haja uma estreita colaboração e diálogo aberto com os párocos e/ou responsável dos diferentes Grupos de Caridade, muita dessa burocracia poderá ser minimizada.

A nova direção é formada por representantes dos diferentes arciprestados. Como se articula esse trabalho Diocesano?

Neste ponto relembro que esta nova Direção está a dar os seus primeiros passos. Dentro em breve, após um trabalho em equipa a realizar muito em breve com os representantes dos diferentes arciprestados, apresentaremos um plano de atuação ao nível da Cáritas Diocesana de Lamego, sempre numa perspetiva de articulação com o nosso Bispo, hierarquicamente nosso responsável máximo e Nosso Pastor.

Chegada há pouco tempo, como tem sido a sua integração na realidade da Cáritas, quer a nível local quer a nível nacional?

Em termos de integração na Cáritas, apraz-me salientar o apoio que tenho recebido diretamente no Paço Episcopal pelo Senhor D. António Couto, Monsenhor Vigário Geral Cónego Joaquim Dias Rebelo e Provigário Geral Pe. João Carlos, bem como o carinho, respeito e disponibilidade  pelos sacerdotes das diferentes paróquias  com quem já fui contactando, e outros sacerdotes que me têm apoiado sempre que solicito a sua colaboração. Não posso também deixar de referir a forma cordial como fui recebida pelas duas colaboradoras que exercem funções nas instalações da Cáritas, e de enaltecer a dedicação dos(as) voluntários (as) sempre que são solicitados.

A nível nacional, apenas estive presente numa reunião Interdiocesana em Aveiro para preparação do encontro nacional que vai decorrer brevemente no Porto. Fui muito bem acolhida e todos evidenciaram disponibilidade para me ajudarem a trilhar este novo caminho.

Agradeço o convite formulado para esta entrevista e espero, juntamente com os outros elementos da nova direção, ir de encontro ao desafio lançado pelo Senhor D. António Couto: “Edificar o bem comum: tarefa de todos e de cada um.”

in Voz de Lamego, n.º 4303, ano 85/16, de 3 de março de 2015