Arquivo

Posts Tagged ‘Diocese de Lamego’

ROTEIRO DA GLÓRIA | Virgem Peregrina na Diocese de Lamego | 1950

Távora - Rui de Carvalho (6)

À porta do gabinete de Voz de Lamego assomou um rosto conhecido e que, breves momentos depois, desdobrou um exemplar do nosso jornal, aquele em que se fala de uma jovem Acólita que escreveu uma carta ao Santo Padre, pois gostava de estar em Roma e acolitar numa Eucaristia celebrada pelo Papa Francisco; é sua sobrinha!

Ditas as palavras julgadas convenientes para o caso, outras também sobre a família e a terra onde agora vive a D. Leonor, ela tirou da sua mala um livro de que se falou antes da visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima à Diocese de Lamego e que tem por título aquele que damos a este artigo: «Roteiro de Glória». Houve quem quisesse saber alguma coisa do que se passou em 1950 e a pergunta também chegou aos nossos ouvidos; era o livro, o que nele se descrevia, o quê e o como ali se desenvolvia o tema. Houve respostas, não da nossa parte, pois pensamos ter o livro, mas onde se encontra ele?

O jovem daquele tempo ainda retém na sua memória muito do que viveu naqueles dias, deslocou-se à terra vizinha onde a Senhora pernoitou, voltou a sua casa, mas não parou enquanto a Senhora não passou à terra para onde caminhava e que era e é limite de freguesias, concelhos e até distritos. Sempre a pé, horas e horas, com outros companheiros, entusiasmados também com o que se passava.

A Senhora pernoitou em Sebadelhe, no dia seguinte atravessou a Horta, no concelho de Vila Nova de Foz Côa, e dali seguiu para os Pereiros, já no concelho de S. João da Pesqueira.

Uma palavra ouvida em Sebadelhe, uma pergunta ao Pároco que estava de saída das suas paróquias: «porque é que Nossa Senhora não faz aqui um milagre?» E o Padre Magalhães respondeu: «querem outro além do das pombas que não largam o andor de Nossa Senhora?»

Efectivamente duas ou três pombas acompanhavam sempre o andor e não saíam dali, com todo o barulho que se fazia a cantar e a rezar, o movimento de passagem do andor de ombro para ombro de todos os que queriam pegar no mesmo, o que eu fiz também já no caminho, estrada para os Pereiros.

Mas, dizia a D. Leonor: «porque não se fez (ou faz) outro livro da passagem e peregrinação deste ano»? A resposta não pode ser minha e, hoje, pouco mais se poderá dizer para além do que foi relatado para Voz de Lamego. Sabemos que houve uma palavra do Pró-Vigário da Diocese ao Secretariado do Movimento da Mensagem de Fátima, não sabemos se ainda se pensa no caso, mas ao folhear o livro sobre a passagem de 1950, dei conta da riqueza histórica que ele contém para a vida da nossa Diocese.

A conversa já se alargou e soubemos que dos sacerdotes da Diocese naquele ano só vivem três; pudemos ver nomes e rever rostos de alguns que depois conhecemos pessoalmente, de quem fomos amigos e que já partiram; de outros, ficou-nos apenas o nome e a alegria interior de um acontecimento mariano que provocou tanto entusiasmo na Diocese, percorrida de modo diferente, por caminhos e estradas, em pleno verão de calor intenso, com o andor aos ombros dos cristãos lamecenses, as autoridades a consagrar concelhos e distritos a Maria, crianças, jovens e adultos a colaborar alegremente nas celebrações, a querer pegar no andor. Todos a rezar e a cantar os louvores da Senhora, estrada fora, pelos caminhos que também eram da Mãe e Rainha, muitas famílias a assinar o compromisso de rezar o terço todos os dias, e muito, muito mais que os Padres Bento da Guia e Rodrigues da Cunha nos puderam e bem souberam transmitir. No tempo da escrita à mão, da tipografia letra a letra, da fotografia em zincogravura que tinha de ser preparada em oficinas próprias, fez-se um livro pelo qual se pergunta e se gostava de ter. Daqui a sessenta e cinco anos o que se lembrará ou perguntará da nova passagem da Virgem Peregrina pela Diocese de Lamego?

De então se disse: «… Antes de o cortejo chegar ao Rossio, a cidade estava rendida ao Coração de Maria! Gentes de Mazes, Perafita, Lazarim, Lalim, Salzedas, Melcões, Meijinhos, Britiande, Moimentinha, Várzea de Abrunhais, Alvelos, Samodães, Ferreiros de Avões, Régua, Cambres, Sande, Valdigem, Armamar, Magueija, Arneiroz, Lamelas, Póvoa, Juvandes, Ferreirim, Gralheira, Panchorra, Gozende, Penajóia, etc, etc, ali estavam para referendar, na moção do seu querido Bispo, um VOTO de confiança no GOVERNO da Suave e Formosa RAINHA.»

Dá gosto ler, impossível tudo reproduzir, percorrer estradas agora conhecidas, atravessar serras e vales, rezar e cantar com todos os povos, aldeias, vilas e a cidade por onde a Virgem passou, onde pousou para alegria dos naturais e descanso de quem A acompanhava de terra em terra.

Ao livro não posso chamar «meu», pelo que não me vou descuidar de o ler antes de o entregar a quem mo confiou; não tem discursos nem outras palavras que não se gravaram, mas lembra cânticos de então e de sempre, como fala de Avè Marias rezadas com amor Àquela que o Anjo saudou, Isabel recebeu em sua casa e nós gostaríamos de fazer, a Igreja perpetuou em orações e amor e muitos de nós sentimo-nos herdeiros dos que, então, acompanharam Maria através da nossa Diocese.

Façamos silêncio; a Senhora voltou, chegou e partiu; esteve connosco e levou-nos consigo; é o amor da Mãe que está sempre com os Seus filhos. E tristes daqueles que não têm nem querem Maria na sua vida; mas não se esqueçam de, um dia, dizer: Avè , Maria. Ela ouvirá.

Pe. Armando Ribeiro, in Voz de Lamego, ano 85/48, n.º 4335, 27 de outubro

Ano da Vida Consagrada… na nossa Diocese

s84

Ao longo deste Ano da Vida Consagrada, todo o povo cristão é convidado a tomar consciência deste dom que é a Vida Consagrada para a Igreja e o mundo. Presente em formas tradicionais ou novas, esta Vida habita o coração da Igreja e é um elemento essencial na sua missão. Por isso, todos os cristãos estão convidados a conhecer melhor tal vida, apreciando a sua missão e dando graças por tal dom.

A nossa diocese tem a graça de poder contar com uma presença numerosa e diversificada de consagrados, presentes em vários locais diocesanos e assumindo uma missão que é comum, servir a Igreja de Cristo.

O nosso jornal já se ofereceu para divulgar imagens e palavras das diferentes “famílias religiosas” presentes na nossa diocese, dando a conhecer fundadores, carismas, comunidades, serviços, presenças e missão entre nós.

Aproveitando o Ano que estamos a viver, renovamos o convite à participação de todos. Entretanto, publicamos hoje os nomes das comunidades e institutos presentes na diocese.

  • Irmãs Dominicanas Contemplativas – Mosteiro de Nossa Senhora da Eucaristia
  • Congregação da Divina Providência e Sagrada Família
  • Congregação das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição
  • Filhas de São Camilo
  • Dominicanas de Santa Catarina de Sena
  • Missionárias do Precioso Sangue
  • Missionárias Reparadoras do Sagrado Coração de Jesus
  • Religiosas do Amor de Deus (Lamego)
  • Servas de Nossa Senhora de Fátima
  • Priorado de Nossa Senhora da Assunção – Beneditinos
  • Igreja de São Francisco (Ordem dos Frades Menores) – Franciscanos
  • Instituto das Cooperadoras da Família
  • Servos e Servas do Coração de Maria de Jesus
  • Instituto Secular de Filiação Cordimariana
  • Auxiliares do Apostolado

JD, in VOZ DE LAMEGO, n.º 4298, ano 85/11, de 20 de janeiro de 2015

Homilia de D. António Couto na Tomada de Posse

NAN_7599(foto: Kymagem)

       «Eis que faço novas todas as coisas» (Apocalipse 21,5), diz Deus. De tal modo novas, diz Deus, que ninguém pode dizer: «Já o sabia» (Isaías 48,7).

       Eis então Jesus a entrar com os seus discípulos em Cafarnaum, na sinagoga deles, e ensinava e ordenava tudo de forma nova. Tão nova que inutilizava todas as comparações e catalogações. Não era membro de nenhuma confraria, academia, partido, ordem profissional ou instituição, que à partida lhe conferisse algum crédito, alguma autoridade. Nenhum crédito, nenhum currículo, nenhum diploma, o precedia. A sua autoridade começava ali, no próprio acto de dizer ou de fazer. E as pessoas de Cafarnaum foram tomadas de tanto espanto, que tiveram de constatar logo ali que saía dos seus lábios e das suas mãos um mundo novo, belo e bom, ordenado segundo as pautas da Criação. Um vendaval manso de graça e de bondade encheu Cafarnaum, e transvazava como um perfume novo de amor e de louvor por toda a região da Galileia e da missão. Saltava à vista que Cafarnaum não podia conter ou reter tamanha vaga de perfume e lume novo.

       As pessoas de Cafarnaum sabiam bem o que diziam os escribas, e como diziam os escribas. Não eram senão repetidores, talvez mesmo apenas repetentes de pesadas e cansadas doutrinas que se arrastavam na torrente de uma velha e gasta tradição. Os escribas diziam, diziam, diziam, recitavam o vazio (Salmo 2,1), compraziam-se na sua própria boca, nas suas próprias palavras (Salmo 49,14), e nada, nada, nada acontecia: nenhum calafrio na alma, nenhum rio nascia no deserto, ninguém estremecia ou renascia. Mas Jesus começou a falar, e as pessoas de Cafarnaum sentem um frémito, um estremecimento novo (Isaías 66,2 e 5), assalta-as uma comovida emoção, uma lágrima de alegria lhes acaricia o coração. Era como se acabassem de escutar aquela palavra única que há tanto tempo se procura, palavra criadora que nos vai direitinha ao coração, a ternura de quem leva uma criança pela mão!

        As pessoas de Cafarnaum sabiam bem o que eram, e como se faziam os exorcismos. Estavam muito em voga naquele tempo. Eram longos, estranhos, complicados, cheios de fórmulas mágicas e ritos esotéricos. Mas Jesus diz uma palavra criadora: «Cala-te e sai desse homem», e tudo fica de imediato resolvido!

       Abre-se um debate. O primeiro de muitos que o Evangelho de Marcos vai abrir. «O que é isto?», perguntam as pessoas de Cafarnaum, que nunca tinham visto tanto e tão novo e tão prodigioso ensinamento.

       Mas é apenas o começo da jornada deste maravilhoso ANUNCIADOR do Evangelho de Deus (Marcos 1,14). Logo a abrir o seu Evangelho, Marcos ensina-nos que a jornada iniciada naquele primeiro sábado em Cafarnaum salta os clichés habituais, e vai de madrugada a madrugada, de modo a deixar já bem à vista aquela outra sempre primeira madrugada da Ressurreição! Jesus começa de manhã na sinagoga; caminha depois 30 metros para sul, e entra, pelo meio-dia, na casa de Pedro e levanta da febre para o serviço do Evangelho a sogra de Pedro; à tardinha, já sol- posto, primeiro dia da semana, toda a cidade de Cafarnaum está reunida diante da porta daquela casa, para ouvir Jesus e ver curados por Ele os seus doentes; de madrugada, muito cedo, Jesus sai sozinho para rezar, e os discípulos correm a procurá-lo para o trazer de volta a Cafarnaum, pois, dizem eles, todas as pessoas o querem ver e ter. Ninguém o quer perder.

       Desconcertante reviravolta. Jesus diz aos seus discípulos atónitos: «VAMOS a outros lugares, às aldeias vizinhas, para que TAMBÉM ali ANUNCIE (kêrýssô) o Evangelho» (Marcos 1,38). Com este grávido dizer, Jesus deixa claro que ANUNCIAR o Evangelho enche por completo o seu programa e o seu caminho. Com aquele «vamos» [«vamos a outros lugares»], Jesus desinstala e agrafa a si os seus discípulos para este trabalho de ANÚNCIO do Evangelho seja a quem for, seja onde for. Com aquele «também» inclusivo [«para que também ali anuncie o Evangelho»], Jesus classifica como ANÚNCIO do Evangelho todos os afazeres da inteira jornada de Cafarnaum: ensinar, libertar, acolher, curar, recriar: é esta a toada do ANÚNCIO do Evangelho. ANUNCIAR (kêrýssô) é então o afazer de Jesus. E qual é a primeira nota que soa quando Jesus se diz com o verbo

       ANUNCIAR? É, sem dúvida, a sua completa vinculação ao Pai, de quem é o arauto, o mensageiro, o ANUNCIADOR. Pura transparência do Pai, de quem diz e faz o que ouviu dizer (João 7,16-17; 8,26.38.40; 14,24; 17,8) e viu fazer (João 5,19; 17,4). Recebendo todo o amor fontal do Pai, bebendo da torrente cristalina do amor fontal do Pai (Salmo 110,7; cf. 1 Reis 17,4), Jesus, o Filho, é pura transparência do Pai, e pode, com toda a verdade dizer a Filipe: Filipe, «quem me vê, vê o Pai» (João 14,9). É mesmo aqui que reside a sua verdadeira AUTORIDADE e a verdadeira NOVIDADE do seu MODO novo de dizer e de fazer, que se chama ANUNCIAR.

       A primeira nota de todo o ANUNCIADOR ou Arauto ou Mensageiro não assenta na capacidade deste, mas na sua fidelidade Àquele que lhe confia a mensagem que deve anunciar. É em Seu nome que diz o que diz, que diz como diz. No Enviado é o Rosto do Enviante que se deve ver em contra-luz ou filigrana pura. No Enviado ou Mensageiro ou Anunciador é verdadeiramente Deus que visita o seu povo.

       Pertinho de Deus, cheio de Deus, Jesus leva Deus aos seus irmãos. É esta a Autoridade de Jesus. Ele é o profeta «como Moisés», mais do que Moisés, com a boca repleta das palavras de Deus (Deuteronómio 18,18). E não só a boca, mas também as mãos e o coração. Bem diferente dos escribas e dos falsos profetas e do povo rebelde no deserto. Estes dispensam a Palavra de Deus. O que querem ter na boca é pão e carne. O que recolheu menos, no deserto, diz-nos o extraordinário relato do Livro dos Números 11,31-35, recolheu 4500 kg de carne de codorniz. E começaram a meter a carne à boca com tamanha avidez, que morreram de náusea. Foram encontrados mortos, ainda com a carne entre os dentes, por mastigar (Números 11,33). Vê-se que é urgente libertar o coração, as mãos, a boca. Vive-se da Palavra. Morre-se de náusea.

        Caríssimos irmãos mais pequeninos, jovens amigos, caríssimos pais, caríssimos idosos e doentes, caríssimos catequistas, acólitos, leitores, cooperadores na missão da evangelização e da caridade, ilustres autoridades, caríssimos seminaristas, caríssimos religiosos e religiosas, caríssimos diáconos e sacerdotes, Senhores Bispos, Senhor D. Jacinto, Senhor Núncio Apostólico, Senhor Cardeal Patriarca, e todos vós que comigo pisais hoje este chão de generoso vinho e de amendoeiras em flor.

       Numa página sublime do Livro dos Números (17,17-26), Deus ordena a Moisés que recolha as varas de comando dos chefes das doze tribos de Israel, para, de entre eles, escolher um que exerça o sacerdócio em Israel. Em cada vara foi escrito o nome da respectiva tribo. Por ordem de Deus, o nome de Levi foi substituído pelo de Aarão. As doze varas foram colocadas, ao entardecer, na presença de Deus, na Tenda do Encontro. Na manhã seguinte, todos puderam ver que da vara de Aarão tinham desabrochado folhas verdes, flores em botão, flores abertas e frutos maduros (Números 17,23). Dos frutos é dito o nome: amêndoas! Vara de amendoeira em flor e fruto, que, por ordem de Deus, ficará para sempre na sua presença, diante do Propiciatório (cf. Hebreus 9,4), entre Deus e o povo, para impedir que o pecado do povo chegue a Deus, e para facilitar que o perdão de Deus chegue ao povo. Já ninguém estranhará agora que o candelabro (menôrah) que, noite e dia,/ ardia/ na presença de Deus, estivesse ornamentado com flores de amendoeira (Êxodo 25,31-35; 37,20-22). E também já ninguém estranhará que a tradição judaica tardia refira que a vara do Messias havia de ser de madeira… de amendoeira.

       Aí estão as coordenadas exactas do lugar do sacerdote e do bispo: entre Deus e o povo. Mais concretamente: pertinho de Deus, mas de um Deus que faz carícias ao seu povo, um Deus que ama e que perdoa; pertinho do povo, o suficiente para lhe entregar esta carícia de Deus.

       Queridos filhos e irmãos, pais e mães que Deus me deu nesta dorida e querida Diocese de Lamego. Quero muito ver o vosso rosto. Já sabeis que trago notícias de Deus. E que conto muito com cada um de vós, para levar a todos os lugares e a todas as pessoas desta bela Diocese este vendaval de graça e de bondade que um dia Jesus desencadeou em Cafarnaum.

       Seja Louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!

+ António Couto, Bispo de Lamego

(A homilia, deste dia, encontra-se também no blogue de D. António: Mesa de Palavras.

Brasão Episcopal de D. António Couto

É este o brasão de D. António José da Rocha Couto, Bispo de Lamego.

Armas episcopais de  D. COUTO

       Predomina o verde, com besante de ouro no ponto de honra, carregado de uma flor de amendoeira, à cor branca natural. Filactéria inferior de prata, debruada a verde com a legenda em vermelho: Vejo um ramo de amendoeira.

O ornato superior feito com a cruz a rematar a elipse e o chapéu preto de seda de copa redonda e abas direitas, forrado de ver, com cordões de seis nós de cada lado.

As armas procuravam mostrar a nobreza e a ascendência de quem as possuía. Aqui trata-se sobretudo de um programa de vida e um grito de esperança.

O verde exprime a esperança, dirigida aos humildes e oprimidos, num mundo muito instável, em que os mais débeis são os mais sacrificados e/ou esquecidos.

O besante de ouro, cuja simbologia aponta para a fidelidade ao rei até à morte, aqui fidelidade a Deus e ao seu povo.

O círculo central pode ainda ser interpretado como referência à divindade, mas também ao cosmos e ao mundo.

A flor de amendoeira exprime esperança, mesmo em situações adversas e desfavoráveis. Em pleno inverno, brota a flor de amendoeira, num misto de cor, alegria e festa.

Terceiro aniversário de Tomada de Posse de D. António Couto

Nomeado pelo Papa Bento XVI, no dia 19 de novembro de 2011, D. António José da Rocha Couto assumiu  no dia 29 de janeiro, a cátedra de Lamego, sucedendo a D. Jacinto Tomás de Carvalho Botelho, que esteve à frente da diocese durante 12 anos. D. Jacinto tomou ao seu encargo a diocese em 19 de março de 2000. Tendo completado 75 anos de idade em 11 de setembro de 2010, pediu a resignação, que foi aceite pelo Papa, mantendo-se, depois da aceitação da resignação, como Administrador Apostólico da diocese.

NAN_6912

         A cidade de Lamego encheu-se de cor e sobretudo de cristãos para acolher o seu novo Bispo.

NAN_7187

       Pelas 15h30, D. António, recebido pelo Administrador Apostólico, pelo Mons. Vigário-Geral e pelo Presidente  da Câmara Municipal de Lamego, no Seminário Maior de Lamego, segue no carro da Diocese até à Sé Catedral. Aqui é recebido por uma multidão em festa. À entrada para a Sé é saudado pelo Deão do Cabido e pelo Sr. Presidente da Câmara de Lamego.

NAN_7281

       Pelas 16h00 o início da celebração eucarística. D. Jacinto presidiu à Procissão de entrada. Depois da saudação inicial, a Bula de Nomeação foi lida pelo Núncio Apostólico em Portugal e o Sr. D. Jacinto cedeu o lugar da presidência ao Sr. D. António, dirigindo-lhe algumas palavras de passagem de testemunho, como Bispo cessante e como diocesano (lembremos que D. Jacinto é natural da Diocese de Lamego e pertence ao presbitério desta diocese). A partir do momento em que assume a presidência da celebração, D. António passa também a presidir como Pastor à Diocese de Lamego.

NAN_7299

        Presentes na tomada de posse, os Bispos de Portugal, muitos sacerdotes de Lamego, do Porto, de onde D. António é natural (Marco de Canaveses), de Braga, onde esteve nos últimos 4 anos como Bispo Auxiliar, dos Missionários da Boa Nova, autoridades civis da cidade e da diocese, muitos cristãos. A Sé Catedral foi pequena para acolher tanta gente. Muitas pessoas acompanharam a celebração em frente à Sé através dos plasmas aí colocados para este efeito.

NAN_7418

        Na Homilia, partindo do Evangelho e da manifestação de Jesus em Cafarnaum, D. António deixou claro que o mensageiro, o enviado, mais que a mensagem comunica Aquele que O envia…

NAN_7470

       Quase a terminar a celebração, a leitura da ATA de tomada de posse, pelo Chanceler da Cúria, Mons. Germano José Lopes.

NAN_7597

       Como cristãos, pedimos a Deus que esteja com o D. António e com as Suas preocupações pastorais. O Bispo é e referência de comunhão com Jesus Cristo, com as outras dioceses e seus bispos e com o Papa, sucessor de Pedro.

NAN_7906

Fotos: KYMAGEM. Poderá ver mais fotos AQUI (também da Kymagem)

Aniversário da Tomada de Posse de D. António Couto

D. António José da Rocha Couto, assumiu a Diocese de Lamego há três anos, no dia 29 de janeiro de 2012, sucedendo a D. Jacinto Tomás de Carvalho Botelho. Vale a pena rever algumas imagens deste dia festivo para a nossa mui nobre Diocese de Lamego, sob o padroado de São Sebastião:

 

Solenidade de São Sebastião | 20 de janeiro | Sé Catedral

São_Sebastião

Na próxima terça-feira, 20 de janeiro de 2015, a Igreja assinala a memória litúrgica de São Sebastião, Mártir dos primeiros tempos do cristianismo.

Descendente de uma família nobre, terá nascido em Narbona, sul de França, em meados do século III. Segundo a maioria dos estudiosos, os seus pais eram de Milão, onde cresceu até se mudar para Roma. Mas também há quem defenda que o pai era natural de Narbona e Sebastião tenha nascido em Milão.
Em nome da religião enveredou por uma carreira militar, para desse modo defender os cristãos que sofriam uma terrível perseguição. As suas qualidades são amplamente elogiadas: figura imponente, prudência, bondade, bravura, era estimado pela nobreza e respeitado por todos. O imperador Diocleciano, reconhecendo nele a valentia e desconhecendo a sua religião, nomeou-o capitão general da Guarda Pretoriana. Animava os condenados para que se mantivessem firmes e fiéis a Jesus Cristo.
Cada mártir que surgia era um alento para Sebastião. Foi denunciado por Fabiano, então Governador Romano. Diocleciano acusou-o de ingratidão. Foi cravado por flechas, até o julgarem morto. Santa Irene encontrou-o e tratou-o. Depois de restabelecido voltou junto do imperador. Este mandou que fosse chicoteado até à morte e depois deitado à Cloaca Máxima, o lugar mais imundo de Roma. O corpo foi recuperado e sepultado nas catacumbas da Via Ápia. Faleceu a 20 de janeiro de 288, ou 300.

É o Padroeiro Principal da Diocese de Lamego, pelo que neste dia, pelas 18h30, o senhor Bispo, D. António José da Rocha Couto, presidirá, na Sé Catedral de Lamego, ao solene Pontifical para o qual todos os diocesanos estão convidados.

Celebra-se também hoje o aniversário de Ordenação Episcopal de D. Jacinto Botelho, Bispo Emérito de Lamego, ordenado a 20 de janeiro de 1996 e nomeado Bispo de Lamego a 20 de janeiro de 2000.