Arquivo

Posts Tagged ‘Convívios Fraternos’

Cruz Peregrina do Movimento dos Convívios Fraternos em Cinfães

Foi no passado dia 25 de Novembro que os Convivas de Cinfães receberam, com alegria e entusiasmo, a Cruz Peregrina comemorativa do 50.º aniversário do Movimento dos Convívios Fraternos.

Esse momento foi assinalado com uma vigília de oração, aberta à comunidade, realizada na Igreja Paroquial de Cinfães, onde cerca de 30 convivas reavivaram a sua chama. Foi um momento de partilha, de oração, de amizade e encontro de gerações convivas, onde a chama da Cruz incendiou os nossos corações com o Amor de Cristo.

Durante a vigília, houve ainda tempo para renovar os compromissos feitos por cada um no seu Convívio Fraterno.

A Cruz seguiu caminho para a paróquia de Resende, transportada pelos Convivas que daí participaram também nesta celebração.

Que a Cruz que nesse dia nos encheu de Amor e Luz, vá pelo mundo mostrar a nossa Herança!

Ana Isabel Pereira, Cinfães, CF 1026,

in Voz de Lamego, ano 87/53, n.º 4439, 5 de dezembro de 2017

Cruz da Jornada e Cruz dos Convivas

Este domingo foi um dia cheio para a paróquia da Sé .

Além da Festa da Palavra, tivemos a alegria de ter entre nós, na Missa das Dez, dois símbolos da vitalidade do compromisso cristão da nossa juventude: a Cruz das Jornadas da Juventude, encontro que na nossa diocese ( como também noutras pelo país fora!) congrega sempre um impressionante número de jovens comprometidos coma Mensagem de Cristo, e a Cruz dos Convívios Fraternos, encontros que reúnem grupos de jovens durante 4 dias em introspeção, meditação, oração e reflexão acompanhadas, com o objetivo de descobrirem ( ou reforçarem) o que é para eles Cristo e a força da Sua presença nas suas vidas.

Foi um momento emotivo para todos e uma novidade para as crianças, se bem que muitas, tendo irmãos ou outros familiares mais velhos , já tivessem tido contacto com este tipo de atividades.

Mas o testemunho dos jovens foi um dos momentos altos da celebração: “A cruz cristã não é uma mobília da casa ou um ornamento a ser usado, mas uma recordação do amor com o qual Jesus se sacrificou para salvar a Humanidade do mal e do pecado.” Foi o que nos disse o Papa Francisco em relação a este que é o maior símbolo da nossa Fé – a cruz é sacrifício e amor, é dificuldade e esperança, é a recordação em torno da qual congregamos, dando e recebendo. E por ser este centro da nossa comunidade, é rara a atividade em que não a materializamos.

Neste momento, temos connosco a cruz dos Convívios Fraternos e a Cruz das Jornadas Diocesanas da Juventude. Uma é a chama da nossa Fé e a outra é a assinatura do nosso compromisso mas, na verdade, ambas são isto e muito mais, são uma só – a maior prova de amor misericordioso de Deus.

A peregrinação seguirá para paróquia de  Almacave, e depois para outras paróquias da nossa diocese, sempre acompanhada por jovens que participaram em ambos os eventos ( Jornadas e Convívios) e por todos os que fizeram questão de os acompanhar.

Será um período em que a força da juventude se fará sentir em todos os recantos da diocese e lembrará que Cristo está vivo e entre nós, pois as novas gerações de cristãos estão aí, com toda a sua força, alegria e entusiasmo.

Inês Montenegro, in Voz de Lamego, ano 87/50, n.º 4436, 14 de novembro de 2017

Jubileu Jovem no Santuário de Fátima

No dia 9 e 10 de setembro, o santuário de Fátima dinamizou pela primeira vez o Jubileu Jovem 2017, com o tema O segredo da paz, o caminho do coração. Esta peregrinação juntou cerca de 3000 jovens de todo o país, na casa da Mãe, com a intenção de que cada um de nós pudesse percorrer durante aqueles dois dias o caminho para a paz, que é sem dúvida o caminho do coração. Foi um encontro com muitos jovens mas acima de tudo um encontro com nós mesmos.

O santuário de Fátima durante esses dois dias disponibilizou vários encontros/ atividades que nos ajudavam a percorrer melhor o caminho do coração. No sábado, dia 9 quando chegámos a Fátima  fomos acolhidos no Centro Pastoral de Paulo VI onde nos foram dadas algumas orientações, durante a tarde tivemos à disposição vários encontros que podíamos frequentar, como por exemplo o sacramento da reconciliação, adoração eucarística entre outros, foi uma espécie de iniciação do nosso caminho… tivemos também a oportunidade de ouvir uma Irmã que nos falou e explicou, o que é afinal isto de encontrar a paz… A Irmã disse que para ter paz, não era simplesmente não nos aborrecermos com nada, ou dizer “Deixa-me em paz” que alcançaremos a paz. Então falou-nos que há cem anos atrás Nossa Senhora apareceu ali, para pedir a paz e ensinou aos Pastorinhos como a alcançar, acima de tudo temos que confiar Nele, mesmo que as vezes tudo pareça incerto, porque Deus está sempre connosco e chama-nos todos os dias ao amor e esse é certamente o caminho. Ler mais…

Convívios fraternos: ORAR … CAMINHAR … AMAR

Foi no passado sábado, dia 22 de julho, que alguns elementos dos Convívios Fraternos da nossa Diocese se levantaram bem cedo para realizarem uma peregrinação de Semitela à Lapa, num total de 13 km. A mesma foi orientada, segundo a Leitura: LC 24, 13 – 25, que nos convidava a refletir interiormente sobre Jesus que constantemente caminha ao nosso lado, nos dá liberdade para percebermos que o amor que Ele sente por cada um de nós nos torna livres para que possamos dizer “Fica connosco, Senhor” e que a experiência que fazemos na sua pessoa arde no íntimo do nosso coração enchendo-o de uma maneira única.

Durante o percurso houve ainda tempo para a partilha de experiências e meditação do terço, em que a cada mistério era feita uma prece, pedindo ao Pai que nos atendesse e enchesse o nosso coração com esperança e coragem para servir o outro, algo que muitas das vezes nos esquecemos. Quando chegamos ao Santuário, entramos para contemplar toda esta obra de Deus e rezar mais um pouco. Seguidamente, foi tempo de “ recarregar baterias” e saciar a nossa fome de forma a ter energia para o mini-concerto orante dos MC 16,15 que se revelou em mais um instrumento para louvar a Deus.

Para culminar, tivemos a Eucaristia, em que mais uma vez foi tempo para agradecer ao Senhor o dom da Vida e a recente ordenação deste novo sacerdote, o Luís Rafael Azevedo e a oportunidade para estarmos reunidos à Sua mesa e comungar do Seu Corpo e Sangue. Foi ainda um dia para lembrar todos os convívios, especialmente os da nossa Diocese e a renovação do nosso compromisso com Deus. Posto isto, foi tempo para uma calorosa despedida marcada como sempre pelos afectos e pela certeza que nunca caminhamos sozinhos nesta vida.

Cláudio Manuel, C.F.1321 (Cinfães), in Voz de Lamego, ano 87/37, n.º 4422, 25 de julho 2017

Convívio Fraterno n.º 1321

Na sexta-feira dia vinte e quatro de fevereiro, lá iamos nós para a Obra Kolping uns um pouco contrariados, outros desconfiados, outros até a pensar se não seria boa ideia vir embora ainda antes de começar. Mas depressa perdemos todos os receios de não gostarmos, ou de não nos sentirmos bem!

O que vivemos durante os dias 24, 25, 26 e 27 de Fevereiro não se consegue explicar, muito menos, se consegue escrever ou colocar por palavras… Só é possível sentir! E quem quer saber o que é um convívio, vai mesmo ter de o fazer.

O reencontro com Jesus Cristo (carinhosamente tratado, por nós, de JC) é uma certeza. Reencontramo-lO e estamos com Ele de uma forma como nunca antes estivemos. No nosso dia a dia tomamos um ritmo acelerado, e sem darmos conta, deixamos de nos encontrar com Ele. Nestes dias em que estivemos a reflectir percebemos a  importância de nos encontrarmos com Ele diariamente e a paz de espírito que isso nos traz.

No final damos conta que passamos a viver uma vida nova, mais calma. Percebemos estar atentos a pequenos detalhes que até esta altura nem sequer viamos de tanta pressa que traziamos. Saímos com a certeza de termos um esteio para a vida, JC, muito mais alegres (com aquela alegria que não se sabe explicar).  O nosso coração está cheio: “Eis minha luz e salvação Cristo em mim para sempre. É nesta luz e no seu poder que fraco digo forte sou!”

Vamos pelo mundo mostrar a nossa herança, ser convivas da paz e do amor.

Pelos convivas 1321, Joana Borges, Tendais

in Voz de Lamego, ano 87/17, n.º 4402, 7 de março de 2017

Convívio Fraterno – 25 a 27 de fevereiro de 2017

jovens

Numa fase do mundo em que se vive ódio, violência, terrorismo, ameaças, insegurança… desesperança quanto ao futuro, lembremos o apelo do Papa Francisco, na sua Mensagem de Natal, quanto ao darmos voz à Paz e à Esperança, através do Poder do Menino Jesus e do Poder do Amor. É com este Poder que queremos levar Esperança aos jovens e dar-lhes a conhecer o imenso Amor de Deus.

É neste sentido que lançamos o convite aos jovens da Diocese de Lamego, para vivenciarem 3 dias diferentes e únicos na sua caminhada cristã, o Convívio Fraterno.

O Convívio Fraterno terá lugar na Casa da Obra Kolping, em Lamego, com início às 21h do dia 24 de fevereiro, prolongando-se pelos dias 25, 26 e 27 de fevereiro, sendo o Encerramento às 20h30 do dia 27 de fevereiro, aberto à família, amigos e restantes convivas.

Aos convivas e restante comunidade, pedimos a vossa ação: com o envio de correspondência  aos participantes, as intendência para https://goo.gl/forms/QrCo7g3kH66BW0CH3, a presença no Encerramento do Convívio, mas sobretudo vossa Oração durante os 3 dias de Convívio Fraterno.

Contamos com todos vós.

A Equipa Coordenadora do Movimento dos Convívios Fraternos da Diocese de Lamego

in Voz de Lamego, ano 87/13, n.º 4398, 7 de fevereiro de 2017

XLII Encontro Nacional Convívios Fraternos

convivas-Fátima

É BOM SER CONVIVA

Nos passados dias 3 e 4 deste mês realizou-se, em Fátima, o XLII Encontro Nacional Convívios Fraternos. Foi com grande alegria que a nossa diocese participou com 27 convivas em mais um encontro a nível nacional.

O encontro teve início pelas 15h no centro pastoral Paulo VI com o acolhimento das diversas dioceses do nosso país. Mais tarde no fim da oração mariana e de acompanhar a procissão das velas todos os convivas tiveram oportunidade de participar num sarau realizado pelas várias dioceses presentes, este foi um momento que permitiu uma maior interação entre os convivias dos diferentes pontos do país; as apresentações variaram desde músicas, danças e teatros e claro houve muita animação.

Este encontro a nível nacional oferece-nos a possibilidade de conhecer as experiências de outras pessoas, que tal como nós aceitaram o desafio de ser convivas e é com um sentimento de felicidade que nós ouvimos dizer: “É bom ser conviva”. E que lugar melhor que o Santuário de Nossa Senhora de Fátima para nos sentirmos agradecidos por pertencermos á família Conviva, para nos sentirmos capazes de levar a paz e o amor ao nosso próximo? É junto de Nossa Senhora de Fátima que obtemos a graça de nos sentimos com forças para ir pelo mundo mostrar a nossa herança.

Após a celebração da eucarística dominical, na qual a nossa diocese colaborou no transporte do andor de Nossa Senhora de Fátima e participou também numa atividade conjunta com as restantes dioceses no momento da Consagração a Nossa Senhora de Fátima, demos por terminado o nosso encontro. Foi uma experiência muito gratificante que sem dúvida irei gostar de repetir.

Eliana Loureiro (cf. 1296), in Voz de Lamego, ano 86/41, n.º 4377, 6 de setembro de 2016